Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Após o fim de semana

Continua a saga na minha aldeia. Hoje a meio da tarde era impossível andar por lá, tal era a chuva. Constante, grossa e fria. Ainda aguentámos duas horas após o almoço, mas ao fim desse tempo tivemos de desistir. Totalmente impossível. Certo, certo é que com este tempo não há perigo de fogo, como aconteceu na última vez. Quando cheguei a casa parecia que havia saído do mar pois não havia peça de roupa que não estivesse encharcada. Tenho consciência que um dia vou pagar caro esta teima de andar a queimar à chuva, mas tenho de aproveitar enquanto posso. Já por aqui referi que prefiro a vida de campo à da cidade, todavia há momentos em que devia parar para pensar. Estes últimos dias não o fiz. Assim amanhã haverá mais.

Aproxima-se o fim de semana...

... e, mais uma vez, vou regressar à aldeia.

Após a última (má) experiência, espero conseguir queimar toda a rama possível sem colocar em perigo as restantes árvores circundantes. Basta que se mantenha este tempo de chuva, mesmo que não seja abundante e permanente.

Só que desta vez vai ser a última e deste modo serão cinco dias quase completamente afastado da cidade. Durante este tempo, aconteça o que acontecer no Mundo, estarei pouco preocupado.

Temo no entanto não conseguir aguentar o ritmo desta vida campestre por muito mais tempo. Há diversos meses que não tenho um fim de semana daqueles... de paz, de sossego, de descanso semanal.

E o pior de tudo é que vou passar cinco dias sem internet. O que no meu caso é assaz deprimente.

Portanto e tendo em conta que não imagino se amanhã escrevo fiquem por cá bem... que eu vou ali cansar-me e já volto!

Ausência...

Mais um fim de semana longe da cidade. À hora e no momento que escrevo este texto (quinta-feira) não imagino como estará o dia em que esta prosa vier a lume.

Mas de uma coisa estou certo: não tenho acesso à internet e mui dificilmente serei capaz de responder aos comentários (se os houver)!

Portanto até à próxima terça vou mascarar-me de latifundiário, dono de terras e casas, de fontes e charcas, de pinheiros e medronheiros.

Uma ausência meio longa, mas com o pensamento permanente na escrita.

A gente lê-se por aí!

Já agora... divirtam-se.

As marcas de um fim de semana

Não sabia que escrever hoje. Estive longe da cidade e como não vejo televisão nem tinha "net" no local onde me encontrava, não tinha grandes temas para abordar.

Enquanto pensava fui reparando nas minhas mãos. Mirei-as bem e comecei então a contar: um. dois, três, quatro feridas causadas pela lenha arrepanhada e queimada e com a sempre necessária protecção de luvas. Os braços estavam pior e contei assim de repente nove locais feridos. Nada de muito grave...

Porém o pior encontra-se no pé direito. Um tronco pequeno mas afiado que saía do chão ultrapassou as botas de soilão de borracha e enterrou-se na planta do pé. Ora como tomo um comprimido para tornar o sangue mais fluído... resultado... aquilo parecia a matança de um porco... Era sangue por todo o lado.

Lá consegui estancar a hemorregia e regressei ao trabalho. Mas sinceramente custa-me muito colocar o pé no chão.

Nada que um medicamento denominado "aguentocaína" não resolva!

Mascarado de...

... Agricultor!

Foi para o que me deu este ano.

Agora mais a sério este fim de semana "gordo" tem sido de emagrecimento. Algo que necessito já que tenho algum peso a mais do que aquele que devia. 

Este fim de semana deu para quase tudo, mesmo com frio. Lavrar uns terrenos acabados de comprar, queimar a lenha, arrancar as silvas pela raíz, comer umas tangerinas, fotografar uma ovelha apanhada com erva, rebolar com umas pedras...

A vida no campo na sua plenitude e fulgor. Enquanto uns se divertem em corsos carnavalescos outros "brincam" aos camponeses...

Porque o campo nunca tem direito a férias. Nem a feriados.

 

DSC_0483_v1.jpg

DSC_0462

 

 

Mais uma campanha - VI

Fim...

Poder-se-á dizer que a campanha deste ano terminou. E muito melhor do que alguma vez supus. Mesmo com a estranha situação de andar a apanhar azeitona com luz artificial... Um petromax!

Temi o pior para a noite. E que tinha a ver com a entrega da colheita ao lagar. Mas a chuva que caiu durante a semana, e que não me impediu de parar, obrigou outros à inércia. Resultado o lagar estava quase vazio e em três horas estava de regresso a casa com o azeite acabado de sair da centrifugadora.

Caso raro, direi!

Hoje dói-me tudo... As costas, as mãos, os ombros e tanto osso e músculo que nem imaginava que existia...

Mais um capítulo que se encerra este ano... Para o ano logo se verá!

Se puder cá estarei!

 

 

Mais uma campanha - V

Aproxima-se o fim da campanha! Mas ainda falta o pior.

Hoje o dia correu menos mal não obstante a chuva miudinha, quase pó!

A determinada altura nem sabia se a água que me molhava era da chuva ou aquela que tombava das oliveiras...

Mesmo assim correram-se cerca de trinta oliveiras donde se colheram 17 sacos de azeitona. Porém esta começa a perder qualidade especialmente por causa do  mau tempo. Nesta altura já devia estar frio... só que (ainda) está demasiado calor para a época. 

Os bagos negros começam a cair de tão estragados. A cor de viúva é substituída por uma (horrível) cor castanha.

Todavia nada se pode fazer... é colher, simplesmente.

É por estas e por muitas outras que a vida do campo é tão incerta e tão pouco apelativa.

E amanhã é outro dia. Naturalmente longo! E cansativo!

Mais uma campanha - IV

Se me perguntarem qual o valor por litro do meu azeite deste ano, direi simplesmente: não tem valor.

Hoje teimei. E teimei porque sei que o tempo é escasso e o trabalho muito. Teimei porque não me posso dar ao luxo de ficar mais dias sem fazer nada. Teimei porque antecipadamente me preparara para a intempérie.

Como choveu hoje. Até às quatro da tarde não parou. Ora mais forte, ora mais branda foi todavia incessante. E três alminhas corajosamente a teimarem... teimarem!

Lembro-me a certa altura de torcer os punhos da camisa e a água correr em fio. E bem vistas as coisas o dia nem foi muito produtivo. Apenas 8 sacos...

É dura esta vida campestre. Demasiado dura para quem vive quase sempre na cidade. E daí o cálculo impossível do valor do litro de azeite.

Há coisas para as quais ninguém sabe dar um valor verdadeiro... O azeite deste ano é uma delas!

Mais uma campanha - III

Acordei bem cedo. Chovia!

O cenário do dia anterior mantêve-se. Só que desta vez tive que teimar. Desse por onde desse. O tempo está contado, portanto urge despachar trabalho.

Pequeno almoço tomado e houve que vestir os impermeáveis de forma a molharmo-nos o menos possível. Finalmente carregou-se a carrinha com todos os apetrechos necessários.

Foi preciso coragem, muita coragem para enfrentarmos a manhã chuvosa. A água tombava certinha, fria. As mãos começavam a gelar mesmo com o trabalho. Que correu, ainda assim, menos mal.

A meio da manhã a chuva parou. Breve trégua, pensei. Mas na verdade rapidamente o céu cinzento foi substituúido por uma cor anilada. O sol espreitou com vigor e depressa despi as roupagens impermeáveis.

A azeitona parecia agora cair com mais vontade. E naturalmente veio a hora do almoço!

Curiosamente da parte da tarde o trabalho rendeu menos. Talvez por as últimas oliveiras estarem menos carregadas e algumas necessitaram de serrote. Ainda por cima o céu voltou a carregar-se de cor plúmbea.

Após um sábado com onze sacos eis um dia com dezassete. Nada mau! As minhas previsões para este ano de azeitona falharam... muito! Por defeito!

 

Mais uma campanha - II

O que temia aconteceu: chove copiosamente.

E assim ficou adiada para amanhã a colheita da azeitona. Porém se voltar a chover, desta vez é para teimar. Aconteça o que acontecer...

Valeu o dia por alguns momentos bem passados com a família. Visitar as minas de água, caminhar por entre erva molhada, encontrar um canito abandonado, sentir o perfume da terra molhada.

E depois a jeropiga saborosa para aquecer os espíritos.

A vida não deve ser só trabalho, pois não?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D