Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Profissional ou amador?

Hoje quando alguém me convidou para ir ver algo na televisão que eu sabia de antemão que seria demorado, declinei o convite com a desculpa real de que tinha muito que fazer. Devolveu-me com a questão de que talvez eu me tivesse esquecido que estava reformado. Retorqui que tinha muita coisa para escrever, ao qual rematou:

- Isso parece quase profissão.

A conversa depois derivou para outros assuntos e, entretanto, no meio de alguns dos meus afazeres desta tarde dei por mim a pensar na frase final…

Não faço da minha escrita profissão… ou será que faço? Um reformado é alguém que tem direito a uma reforma pelos anos descontados. Tudo certo! Mas ao dedicar-me o meu pouco tempo livre totalmente à escrita, nomeadamente na blogosfera, estarei a abraçar uma nova profissão? Ou aquela pode ser considerada como um passatempo?

Nunca, nestes mais de 40 anos que levo de escrita em jornais e mais recentemente na blogosfera, recebi um tostão que fosse quanto mais um cêntimo.

Porém ganhei outras coisas é certo. Algo que é completamente imensurável como a amizade, o carinho ou o respeito de quem aqui me visita. E este é o meu verdadeiro dividendo… saber simplesmente que me lêem!

Haverá lá coisa melhor...

O valor do dinheiro

São oito e dez desta manhã. Dirijo-me à entrada de um supermercado, onde já se encontra a minha mulher. Fiquei para trás para procurar sacos e aquela moeda para o carrinho das compras. Preciso comprar pão, leite, iogurtes e algo para o almoço de hoje.

A caminho da entrada dou por algo a brilhar no chão. Páro, recuo dois passos e apanho uma moeda de... um cêntimo.

Sei que é a mais pequena de todas as moedas em circulação, sei que nada se compra com esta moeda, sei tudo isto.

Porém levanto aqui uma questão: qual o verdadeiro valor do dinheiro? Eu sei que este é considerado o vil metal, já que por causa dele se cometeram, cometem e cometerão as maiores barbaridades e atrocidades. Mas infelizmente não podemos vir sem ele.

Pela minha parte ligo-lhe pouco. Sou incapaz de uma acção que prejudique alguém só por causa de uns meros euros. No entanto não sou esbanjador. O que recebo da reforma chega-me, mas não me alastro nos gastos. Não sei do que precisarei amanhã!

Face ao que precede lanço aqui e agora um singelo desafio a quem, obviamente, o pretender responder e que reza assim: baixar-se-iam para apanhar um cêntimo do chão?

A gente lê-se por aí!

O que é a sorte?

Hoje ao almoço, e nem percebi como, chegou-se ao debate do que será, verdadeiramente, a sorte?

Não sei mesmo se existe realmente isso. Como também não sei se é um facto, um sentimento ou uma outra coisa qualquer. Se são os astros que se alinham todos para algo acontecer de propósito ou se a sorte é apenas uma coincidência. Mas eu não acredito em coincidências!

E já nem trago aqui as apostas em concursos pois essas entram obviamente na conhecida e complexa lei das probabilidades.

Avanço, todavia, com a minha ideia, quiçá estapafúrdia, de que a sorte pode ser, outrossim, uma perspectiva de vida. Olhar para os factos ocorridos e retirar deles lições. Ainda que sejam, à partida; coisas boas, como são os casos, por exemplo, dos prémios de euromilhões ou totoloto, raspadinhas e lotarias.

Mesmo que possamos dizer sobre um dado acontecimento: que falta de sorte, seria mais aviisado entendermos o que realmente o originou, de forma a evitá-lo no futuro.

Pronto hoje os meus leitores tiveram azar... Deu-me para aqui!

Quando escrever é... existir!

O tema saiu assim em amena “converseta” e de repente a questão abriu-se: porque escrevemos, porque publicamos os textos na blogosfera?

No fundo, no fundo, e salvo honrosas excepções, a maioria de nós nem se conhece pessoalmente. Sei lá se o autor que se assina por “Manel das Couves” não é uma idosa mas com mente jovem. Ou quiçá o inverso… a Manuelina dos Santos não é mais que um jovem em busca de estranhas experiências. Mas a questão continua em aberto: porque realmente escrevemos? E desta forma tão pública e gratuita…

Bom, não sou psiquiatra, nem psicólogo ou sociólogo com o simples intuito de explicar… o que, para mim, não tem uma explicação lógica.

Pela minha parte escrevo por que me sinto bem a fazê-lo. E enquanto vou esgalhando alguns textos não tenho preocupações que me atentem. É um mundo paralelo que se me abre e eu adora lá viver...

Vou lendo muita gente que assume ter aberto o blogue só para si. Esqueceu-se, no entanto, que se não o configurar ele ficará público e acessível a todos, passando deste modo a arriscar-se a ser lido por muita gente e a receber reações. A que terá, eventualmente, de responder… Logo a primeira ideia morreu na génese e o que era para si passou a ser para todos.

Por fim tenho consciência de que (quase) todos nós escrevemos para termos a certeza que existimos. Curiosamente esta certeza advém após a devolução que os outros nos fazem daquilo que vamos escrevendo!

Tão-somente!

A gente lê-se por aí!

A tentação pelo perigo!

Tenho pelos entregadores de refeições uma admiração e um respeito quase anormal. São quase sempre jovens de motorizadas ou bicicletas, abnegados, corajosos e sempre disponíveis. Faça sol ou chuva, vento ou frio, eles nunca desarmam e é vê-los nas ruas de mochila à costas a entregar a comida a quem pagou e reservou….

Mas nem tudo são acções fantásticas…

É que ainda não consegui perceber qual a razão para estes entregadores nunca andarem como o trânsito. Sentidos proibidos, passeios, passadeiras de peões, sinais luminosos… nada se respeita. Bem vistas as coisas, estes jovens colocam muitas vezes a sua vida em perigo e essencialmente a dos outros.

Em tempos alguém me explicou que eles ganham à entrega e se ao fim do dia tiverem poupado muitos segundos é mais uma refeição de distribuem e mais dinheiro para o bolso. Percebo o incentivo, mas tal nunca deveria ser à custa do desrespeito pelas leis, nomeadamente pelas leis de trânsito.

As consequências podem tornar-se gravíssimas!

Esperteza lusa!

Contaram-me uma história passada recentemente num supermercado, mas não imagino se foi verdade ou mentira.

Então relataram-me assim: uma médica foi ao dito supermercado. Estava bem mascarada quando reparou que entre os clientes estava um que um par de horas antes havia comparecido no seu consultório com a indicação de infectado com Covid.

Perante a situação e para não criar nenhum reboliço a tal médica dirigiu-se ao segurança do supermercado e comunicou que entre os clientes estava um infectado.

A médica regressou às suas compras para de repente escutar nos altifalantes: estimados clientes agradecemos que quem estiver infectado com Covid19 que saia rapidamente do estabelecimento sem compras.”

Ao que parece saíram 9 pessoas que estavam presentes…

Pode ser uma mera brincadeira, repito que não imagino se foi verdade, mas há nesta estória uma característica bem portuguesa e que se prende com a estúpida ideia de que a lei existe para ser sempre ludibriada.

Um exemplo de homem!

Foi meu director durante uns anos. Acabei mesmo por lhe comprar um carro, o primeiro que tive com mudanças automáticas.

Assumiu-se, já com alguma idade, homossexual. Mas independentemente da sua opção sexual sempre se mostrou um enormíssimo gestor.

Dizia ele: tudo o que se passa neste Departamento é culpa minha já que sou o Director.

Uma postura pouco vista em gestores, nomeadamente quando gerem empresas de cariz estatal! Outro exemplo prende-se com um erro de gestão, que a certa altura, cometeu.

Um dia decidiu nomear alguém para chefiar um certo serviço. Neste havia uma pessoa mais apetrechada e muito mais competente para tomar as rédeas do serviço, mas foi preterida. Desta decisão de gestão sairam algumas consequências, sendo que o serviço foi o mais prejudicado.

Todavia, anos mais tarde o departamento foi reformulado com novas funções e a pessoa preterida foi chamada à presença do director. Este iniciou a conversa com uma assumpção de culpa:

- Há anos tive um mau momento de gestão e fui injusto para consigo. É chegada a hora de emendar esse erro! Deste modo convido-a a chefiar o novo serviço que vai iniciar-se. Aceita?

A colega aceitou.

Admirei a coragem deste homem ao assumir um erro. O que nos tempos que correm não parece fácil.

Soube hoje que apareceu morto em casa. 

Uma invenção para todos!

Não obstante se perder no passado a origem dos óculos a verdade é que há mais de meio século raras eram as pessoas que usavam... cangalhas, como popularmente se diz! Muito menos nas crianças e jovens.

Mas como eu nunca fui uma pessoa vulgar teria de me calhar, aos seis anos de idade, o uso permanente de óculos.

Decorrido mais de 50 anos, muitos pares de óculos adquiridos e estragados, muitas lentes de contacto, fico a pensar o que seria de mim e de tantos que por esse mundo fora usam óculos se estes não tivessem sido inventados.

Para além da roda, os óculos foram uma esplêndida invenção para todos!

Vacinado!

Não... não é contra o viruszito chinês que estou vacinado. Até que isso aconteça ainda há que correr muito tempo.

Na verdade vacinei-me contra a política e os políticos. E a duas semanas das eleições presidenciais assumo aqui e agora que não irei votar em nenhum candidato.

Faço-o com a consciência de cidadão eleitor. Na realidade para quê votar se a vitória está garantida para o actual inquilino de Belém? Mais... para quê colocar-me a jeito a ser infectado, numa qualquer mesa de voto? Nahhh... nesta não me apanham!

Todavia o pior mesmo são os candidatos a concurso. São fracos, tristonhos e tendem a baixar o nível das suas propostas. Confesso que tentei ver à posteriori alguns debates entre candidatos, mas aquilo foi de tal pobreza franciscana que rapidamente percebi que, retirando o actual Presidente, todos estão a fazer figura de corpo presente, já que estão condenados ao fracasso.

Termino com uma preocupação vista à distância que é tentar perceber quem daqui a cinco anos estará na corrida por Belém já que o actual e próximo Presidente já não poderá ir a votos.

Uma lição que aprendi!

(Uma resposta a este postal da Mafalda!)

A vida ensinou-me muita coisa. Ensinou-me mais aquela que todos os compêndios da escola onde também, verdade seja dita, nunca estudei.

Trabalhei durante mais de 40 anos, abraçando diferentes desafios: fui vendedor de enciclopédias às portas, lavei loiça num café, trabalhei numa livraria, fui amanuense num escritório, caixa num banco para terminar a minha vida laboral como técnico de informática. Durante todo este tempo lidei, sem qualquer exagero, com milhares de pessoas. E foram estas que de forma involuntária me foram ensinando a enfrentar os desafios que me surgiram na vida.

Após muitos trambolhões percebi que viver não custa, o que custa é saber viver! Por isso não vale a pena chorar sobre o passado, mas perceber até que ponto este nos ensinou a viver o presente e o futuro.

Abdicamos tantas vezes de boas companhias, de boas leituras ou até de óptimas escritas só porque estamos focados num qualquer trabalho que requer de nós tudo e mais alguma coisa.

Mas na verdade só estamos a adiar o óbvio: somos todos descartáveis! E quanto mais depressa tivermos noção disto mais depressa puxamos das emoções do nosso coração e passamos a viver a vida de maneira mais livre e consequentemente mais feliz.

Nunca fui pessoa para no início de cada ano apresentar resoluções para o futuro. Prefiro aguardar cada dia, cada hora, cada minuto que se me apresenta com estoicismo e digo-o de alma aberta… com fé, para no final de cada ano dizer sempre o mesmo: o melhor foi chegar ao novo ano!

Portanto nunca percam uma oportunidade para serem felizes. Mesmo que os outros torçam o nariz!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D