Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Revisitar o passado

Andei em limpezas e arrumações. Há que aproveitar a neta estar de férias para dar uma volta à casa. Entre muita coisa que mexi andei de volta das fotografias... Muitas... Tantas...

Algumas bem arquivadas em pequenos albuns ou pastas próprias, outras a granel!

Peguei em algumas.

Umas dos anos 70 com colegas de escola, logo a seguir anos 80 com amigos da escrita. Para se seguirem fotos dos filhos pequenos, de algumas viagens, de encontros familiares, de inúmeros aniversários e mais não sei quantas coisas.

Revi gente que já faleceu, outros que eram pequeninos e agora são pais. Voltei a lembrar-me como era a minha avó materna. Vi fotos a cores e a preto e branco (não sei se o cinzento é cor!!!). Eu com meses, poucos anos, já crescido, mas com poucos quilos!

Foi bom rever e revisitar tanta gente que faz parte de mim e fez parte do meu longo caminho.

Será nostalgia? Não sei... Talvez a consciência que revisitar o passado é também salutar, porque percebemos que já fomos tanta coisa, que sonhámos outras ideias, mas mantemo-nos ainda por aqui!

Ainda e sempre a sonhar!

A gente lê-se por aí!

O que hoje fui encontrar!

Sempre gostei de andar de pasta no dia a dia. Dentro incluía para além da carteira e demais documentos, livroas papéis rabiscados e diversos blocos. Já para não falar de um incontável número de lápis e canetas.

Tive muitas... de diversos tipos cores e tamanhos.

Hoje uso menos até porque em casa não necessito dela, mas sempre que saio para longe, especialmente de carro, levo a minha actual pasta.

Numa busca que fiz (quando será que posso usar o Google para procurar "cenas" em casa?), acabei por encontrar duas pastas usadas mas ainda em bom estado.

A primeira estava vazia, já a segunda tinha ainda papéis e correspondência antiga que guardei. Pois... mas a segunda remonta aos anos 70 e chamava-mos uma mala à James Bond que eu levei diariamente para a escola.

Igualzinha a esta.

mala_JB.jpg 

Foto retirada da rede

As coisas que eu guardo.

Ai, ai, ai... e as saudades que tive deste tempo de escola (o único que realmente gostei!!!)

A fama passa, a importância fica!

Hoje deveria ter estado num churrasco com antigos colegas do último Departamento onde trabalhei. Mas uma série de condicionantes retiveram-me em casa sem poder sair.

Entretanto ontem à noite e após ter escrito este postal, encontrei algures a frase em entitula este texto. No fundo é um seguimento do texto anterior, pois após a morte física de alguém, deveria perdurar uma saudade ou no mínimo uma memória.

Só que há quem não deixe memórias quanto mais saudades... A sua passagem pelo Mundo foi uma longa travessia marcada por momentos e acções sofríveis para não dizer medíocres. São pessoas que quando partem levam consigo o corpo e não deixam rasto. São facilmente olvidadas e desaparecem em menos de nada da lembrança de quem com eles conviveu!

Entretanto e voltando ao início desta minha prosa fiquei deveras contente por ter sido (novamente!) convidado para um convívio com ex-colegas. Sinal evidente de que não me esqueceram, mesmo que já tenham passados dois anos desde que me reformei e acima de tudo que (ainda) gostam da minha presença.

Sempre disse a quem me quis ouvir que um dia quando saísse da empresa bastaria uma pessoa só lembrar-se de mim uma vez num ano que eu, mesmo não sabendo, ficaria feliz. Esta ideia pode ser também transposta para quando formos na derradeira viagem.

Assim podemos ser famosos, sermos imensamente ricos, mas se ninguém se lembrar de nós após a nossa morte, revela que fomos pouco ou nada importantes nesta vida.

A pobreza não é não ter, mas tão-somente ... não ser!

A gente lê-se por aí

Matar saudades de uma velha série!

Como tenho vindo a escrever por aqui há muito que desisti de ver televisão. Nada me alegra, nada me seduz actualmente no pequeno ecrán.

Mas um destes dias a minha mulher num desses canais de "streaming"  apanhou uma série que nos longínquos anos 90 passou na RTP, denominada... ALF e que tanto, mas tanto nos divertiu cá em casa!

Não resisti e estive 23 minutos a olhar para aquele simpático, teimoso, arrogante extra-terrestre, oriundo do planeta Melmac. Um enlatado americano que fez as delícias de miúdos e graúdos.

Receio bem que já não se façam séries como esta...

Alf: Season Two : Amazon.com.au: Movies & TV 

As saudades que eu tenho desta série!

Saudades de um reformado

Não sei se o título deste postal é feliz, mas não me lembrei de outro. No entanto não pense que tenho saudades do tempo em que:

- tinha um horário a cumprir;

- todas as manhãs lutava contra um trânsito caótico;

- aturava uns chefes que tinham medo da própria sombra;

- comia num refeitório repleto de outros colegas, na maioria chatos;

- nunca podia ir de férias quando queria pois havia quem tivesse mais prioridades que eu.

Como reformado que sou a segunda-feira é agora igual à sexta-feira e esta semelhante ao Domingo. Portanto nada daquele sentimento apetecível e que culminava quase sempre num violento desabafo: FIM-DE-SEMANA COMPRIDO!

As minhas saudades prendem-se assim com os dias, como o de hoje, onde o fim de semana que ora inicia terá o dobro do tamanho (especialmente se trabalhar em Lisboa!).

Por fim desejo a todos, reformados e activos, um fantástico e longuíssimo fim de semana.

Divirtam-se e sejam felizes que a vida é um instante!

Resposta nº 12...

... a este desafio da Ana

Tema: alguém de quem tens saudades

Assim de repente diria que tenho saudades... da minha cadelita falecida em 2019.

Uma amiga, companheira e profundamente fiel!

Provavelmente estariam à espera que falasse de alguém próximo. Porém a saudade é a porta de entrada para o esquecimento.

Deste modo, como não quero esquecer quem conheci ou fez parte da minha vida, prefiro não ter saudades de ninguém. Assim vivem para sempre no meu coração!

Saudades minhas!

Não obstante ainda não ter gozado umas férias como nos outros anos, com muita praia e muitas horas num "dolce far niente" já começo a ter reais saudades:

- de uma bela noite de chuva;

- de sentir aquele frio gélido;

- da roupa quente;

- do fogo crepitante de uma lareira acolhedora;

- daquela comida tão própria de inverno;

- do cheiro a terra molhada.

Escrever à moda antiga!

Hoje voltei a escrever no papel!

Tanto tempo passado desde a última vez que o fiz...

A verdade é que as novas tecnologias têm essa coisa boa de não me deixarem errar e poder instantaneamente corrigir o erro.

Mas escrever assim de forma antiga, isto é, manuscrever é um sentimento tão diferente, tão genuíno que apetece não mais acabar.

Digitar num qualquer computador ou outro equipamento corta de certa maneira a evolução da escrita. Ou pelo menos a sua consciência!

Por exemplo: provavelmente o texto que publicarei será naturalmente diferente a este original que ora vou “esgalhando” (acreditem que ficou mesmo!). Não terá emendas e a letra será perceptível a todos. No entanto poder-se-á observar futuramente a diferença entre este original e aquele que será publicado.

Alguns puristas da escrita e da língua vêem nesta evolução, do papel para o teclado, quantas vezes virtual, um retrocesso. Porque não se tem a verdadeira percepção da passagem do papel para o monitor. Ou melhor não se percebe como o autor escreveu o original e quais as emendas subsequentes que operou.

Escrevi muitos anos numa máquina de escrever (a mesma que surge no cabeçalho deste blogue), mas reconheço que são muito mais confortáveis as tecnologias informáticas.

Deste modo, com os actuais processadores de texto, deixei de ter passado.

 

manuscrito_1 (1).gif

 

Foto original deste texto manuscrito.

 

 

A chuva desta manhã

Quando esta manhã o telemóvel tocou, já eu estava acordado, havia algum tempo. Foi a chuva que me acordou. E querem saber uma coisa? Já tinha (muitas) saudades...

de ouvir a chuva cair;

dos dias cinzentos;

do guarda-chuva;

de vestir roupa quente;

de ouvir aquele fervilhar dos carros a passar pela água.

 

E melhor que tudo, esta água vem regar a minha horta acabada que foi a plantação dos tomateiros e a sementeira do feijão.

Há dias de sorte!

 

 

Breve relato duma vida!

Nasceram pequenos e rezingões e a requererem permanentemente a nossa presença e atenção. Nesse tempo dependiam exclusivamente de nós. Roupa, banho, limpeza, até brincadeira cabia-nos totalmente.

Dia a dia, semana a semana, mês a mês cresceram e a escola passou a ser uma novíssima etapa. O frio, chuva, calor ou vento nada impediu de aprenderam as primeiras palavras e números.

Surgiram outras escolas, outros desafios com sucessos e naturalmente alguns insucessos. Por fim a universidade, o curso, a faculdade e os seus enormes receios. Fundados!

Cursos enfim terminados, descobrimos que as crianças haviam deixado de sê-las para se tornaram homens. E um dia sairam por aquela porta muito especial a que chamamos "vida". A mesmo que nós também em tempos atravessámos...

Iniciaram o seu próprio vôo, quais pardais a saírem do ninho.

A casa está agora vazia ou quase... Já não há roupa espalhada, computadores ligados, papéis por tudo quanto é lado, luzes acesas... Tudo está no mesmo local onde deixámos de manhã. Vá-se lá saber porquê os objectos deixaram de se mover!

Olhámo-nos ao almoço. A mesa, antigamente para quatro só tem dois!

Com (incontida) tristeza percebi que este foi verdadeiramente o meu primeiro dia de velhice!

Falta saber até quando...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D