Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Resposta à resposta!

A Sarin lançou-me um desafio, eu respondi, ela devolveu com este belo texto. A bola veio para este lado e agora é a minha vez de assumir a bola e fazer dela… o que a minha mente aprouver.

 

Diz a sabedoria popular que “à mulher de César não basta ser séria, tem de parecer”! Plasmando este ditado na Festa do Avante de 2020, creio que se o PCP não tivesse organizado o evento sairía claramente por cima, dando um exemplo à sociedade civil e mostrando que a sua preocupação era com o bem-estar do povo. O comunista e não só!

Porque, digam o que disserem a Festa do Avante, não é somente um evento político, mas tornou-se, e ainda bem, um acto cultural. Acrescentaria que serão mais as pessoas sem qualquer afectividade ao PCP que visitam a Festa que os próprios comunistas. Ou pelo menos visitavam.

Mesmo com todas as regras de higienização que possam ter implementado a Festa cheirou a… teimosia partidária. Tão-somente!

Quanto a Jerónimo de Sousa… diria que é uma figura simpática, afável. carismática. Todavia o registo invariavelmente cinzento dos seus discursos já me parece evitável. Urge para o PCP a necessidade de uma alma nova, de renovadas estratégias, de um líder que aproxime gerações (a juventude raramente se revê nos mais velhos).

O mundo mudou… muito, mas os comunistas continuam presos num passado que já não regressa. E esse será eventualmente o seu maior erro. Como diria alguém: é preciso ousar!

Entretanto outros partidos de esquerda aproveitaram-se deste congelamento político dos comunistas e vão arregimentando eleitores que provavelmente até já votaram no PCP. A prova está à vista de todos: o PCP a descer no número de eleitores e outros a subir.

Termino com uma confissão: entre os meus amigos tenho um muito especial que foi militante do PCP. Todavia muito cedo na sua militância percebeu que "o partido não tinha nunca auto-critica" (palavras dele!) e fê-lo notar na altura ao líder Álvaro Cunhal, que não apreciou, de todo, o reparo. O ambiente entre ambos, ainda por cima sendo os dois juristas, foi-se deteriorando. Daqui resultou que o meu amigo ao fim de uns tempos abandonasse o partido, mas nunca as suas convicções de esquerda!

PCP – De Loures nada de novo!

Desde há uns tempos que se começaram a perfilar os próximos candidatos à Presidência da República. Para além de Marisa Matias do BE, do André Ventura do Chega e obviamente a sempre truculenta Ana Gomes, temos o João Ferreira do PCP.

O pouco que escutei do discurso deste novel candidato no Congresso comunista deste fim de semana, não varia daquilo que tem sido dito pelo Partido Comunista noutras ocasiões. Variam as pessoas, mas a dialéctica continua a mesma.

Esta minha ideia conduz-me então a uma simples questão: para que quer o PCP ir a votos com um candidato que sabe que jamais ganhará?

Se olharmos então para os resultados das últimas eleições presidenciais temos que o candidato comunista de 2016, Edgar Silva, ficou em 5º lugar, tendo apenas mais 31 mil votos que Vitorino Silva mais conhecido pelo Tino de Rãs.

Dá a sensação de que o PCP prefere passar por estas vergonhas eleitorais, a ter que assumir um voto num candidato que pudesse fazer frente aos candidatos supostamente mais fortes. Que no caso presente até poderia ser Ana Gomes ou mesmo a bloquista Marisa.

É por estas que o Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa, não leva este partido para além dos 7/8 por cento, longe dos 12 que a CDU conseguiu nos finais dos anos 80.

Pelo que vi o PCP já não consegue chegar ao meio milhão de votantes, o que me parece muito pouco para alguma vez ganharem a cadeira de Belém!

Mas enfim com este último congresso acrescento que de Loures… nada de novo.

E é pena porque um PCP mais actual e liberto das ideias e ideais obsoletos que o rege, teria muito mais a ganhar que a perder! Mas eles é que (não) sabem!

A queda de Jerónimo de Sousa!

Quando se fala da queda da cadeira de Salazar quer significar o princípio do fim de um regime político totalitário e que encerrou o país ao Mundo.

Lembrei-me hoje deste episódio, quase histórico, para fazer uma breve ponte para com o líder do PCP, Jerónimo de Sousa. Também este, com a teimosia de fazer a Festa do Avante, caiu de uma suposta cadeira… A cadeira do poder que detinha no Partido da Soeiro Pereira Gomes. Só que ainda não o sabe.

Nas últimas semanas li e escutei muita gente, na maioria afecta ao PCP, assumir publicamente o seu desacordo perante a realização daquele evento, numa altura em que os casos têm vindo a subir. Independentemente das medidas e restricções impostas pela DGS quanto ao número de pessoas presentes, a realização da Festa do Avante foi uma espécie de braço de ferro com o Governo. Tão-somente!

Por tudo isto fico com a ideia de que o PCP perderá mais algum eleitorado nesta sua demanda, mesmo que não surjam eleições importantes no horizonte mais próximo.

É por estas e muitas outras que o crescimento de grupos radicais quase sempre associados à direita seja tão evidente, enquanto a esquerda parece ter perdido o norte e o bom-senso.

Depois não se admirem com os resultados e não culpem sempre os mesmos! 

Sindicalismo no século XXI

Imagino que os partidos de esquerda lusa estejam à beira de um ataque de nervos tendo em conta a próxima greve dos motoristas de matérias perigosas.

Num país onde a maioria dos sindicatos estão maioritariamente ligados a Centrais Sindicais (CGTP e UGT), aparecer um sindicato independente, representado por um advogado, com uma capacidade mobilizadora fora do vulgar e capaz de parar Portugal pode tornar-se numa nova forma de sindicalismo.

Entretanto o PCP que sempre teve na CGTP/Intersindical o seu braço armado na contestação laboral deve andar em busca nos velhos manuais de como é que tudo isto lhe passou ao lado.

Lamentavelmente o BE vive um dilema interno de gestão política, pois ainda não sabe bem o que fazer ou dizer quanto a esta greve. Por um lado vem ao de cima a sua vertente de "esquerda-caviar" e afirma que os motoristas têm toda a razão para logo a seguir apoiar o governo nas decisões anti greve que Costa vai assumindo. Quase que faz lembrar uma velhinha e conhecida canção de Marco Paulo onde dizia que tinha dois amores.

Decididamente não sei quem tem razão neste diferendo que opõe motoristas à ANTRAL, pois necessitaria de ter comigo todos, repito todos, os dados que envolvem estas negociações, mas de uma coisa estou (quase) certo: o sindicalismo em Portugal jamais será o mesmo.

Reviravoltas políticas!

Finalmente Mário Nogueira percebeu o que é o PCP. Provavelmente até já saberia, mas nunca havia sentido a lâmina do poder nas suas actuações.

Como é sabido o Partido que Jerónimo de Sousa lidera será quiçá o mais retrógado de todos os partidos com assento parlamentar. Preso a uma ideologia que (já) não faz qualquer sentido, os comunistas continuam fiéis a uma doutrina desactualizada e descontextualizada da actual realidade.

Mário Nogueira que sempre deu a cara pela reposição da contagem do tempo de 9 anos, 4 meses e dois dias viu-se agora atraiçoado por aqueles de quem aguardava apoio feroz. Fala-se em saída, mas parece-me um tanto difícil. Mas aseu tempo saberemos.

Uma coisa parece certa, Mário Nogueira e o PCP estão neste momento em barricadas opostas. Quem diria?

O Primeiro Ministro também se aproveitou da situação para ganhar tempo e espaço de manobra, encostando a esquerda às cordas obrigando-os a um mortal (empranchado e com pirueta!!!) de forma a evitar eleições em Junho.

Não sei bem se o volte face de PCP e BE trará a estes alguns dividendos políticos. Para já ficam a dever algo importante a uma classe que pretende ser ressarcida dos seus direitos.

Entretanto o PSD e o CDS andam numa de dizer que sim e o seu contrário ao mesmo tempo, tentando dividir a esquerda.

As eleições europeias aproximam-se e o candidato do PS por muito que tente dar outra imagem parece viver numa realidade paralela.

Nem imagino as próximas sondagens!

Desencadeou-se!

desencadeou_se.jpg

 

Assim que li a notícia na Sapo lembrei-me desta célebre frase de Astériz na sua aventura com os Godos. O texto é simples mas explica muita coisa: desencadeou-se!

É a palavra certa para aquilo que o PCP está a começar a fazer. E o BE vai, como não podia deixar de ser, atrás do discurso facilitista e demagogo do partido de Jerónimo.

Agora é o Orçamento rectificativo, amanhã são os transportes, para a semana é outra coisa qualquer...

Como pode um partido ser tomado a sério se três semanas após ter votado contra a moção de censura apresentado pela PàF, já se propõe votar contra o governo que apoia? Parece que neste país anda toda a gente a brincar aos políticos e governantes. E com uma irresponsabilidade atroz.

Se a oposição votar outrossim contra este orçamento rectificativo temos um governo, que não se aguenta muito bem, já que oiço discursos diferentes para a mesma situação, preso unicamente por arames.

António Costa avaliou muito mal os seus parceiros de apoio parlamentar. Pretendeu sair da situação que ele próprio tinha criado de forma altiva e vencedora para criar um problema ao país muito maior.

Percebe-se agora que o actual PM está cada vez mais refém da esquerda radical que não quer contribuir para a solução do país mas ser parte do problema. 

Fábulas políticas

Nota de abertura: sempre fui pobre. Com Passos Coelho fiquei mais pobre. Com o próximo governo continuarei pobre.

Conhecem aquela fábula do lacrau e do cágado?

Então aqui vai:

Certo dia um lacrau teve necessidade de atravessar um lago. Surgiu então um cágado a quem o lacrau pediu o favor de o levar à outra margem. Todavia o cágado receoso lá foi dizendo:

- Mas vais espetar-me com o teu ferrão...

Logo respondeu o outro:

- Nem pensar... Então dás-me boleia e eu fazia-te isso?

Convencido o cágado disponibilizou a sua carapaça para levar o lacrau fora de água.

A meio do lago o lacrau acabou por não resisitir e espetou mesmo o ferrão no seu transportador. Este sentido a dor dilacerante perguntou:

- Então tu prometeste não me picar e agora fizeste isso?

Resposta do lacrau:

- Tens razão que te prometi... mas é da minha condição espetar o meu ferrão.

- Pois bem... e é da minha condição mergulhar nas águas do lago!

 

A primeira pergunta que me vem à cabeça é saber se fosse ao contrário, se o PS tivesse ganho com minoria e a direita tivesse maioria parlamentar, se se assistiria a este folclore político?

António Costa surpreendeu-me pela negativa. E o que está para acontecer só serve para que Costa sobreviva politicamente, já que como cidadão está obviamente morto. Ninguém empurra um camarada de partido para fora do seu lugar com a promessa de tudo ganhar e quando perde mantém-se... a frente do Partido!

Mas claro em Portugal o jogo político tem contornos muito diversos de outras sociedades europeias! E como português lhano lamento estas novas posturas. Isto é, tudo é válido desde que se chegue ao poder!

Está assim nas mãos do PR a solução deste imbróglio partidário. Todavia se eu fosse o Presidente deste rectângulo aceitaria naturalmente a tal "plataforma de entendimento" da esquerda. Mas com uma simples condição: todos os partidos teriam representação governativa.

Ora, é muito fácil para o PCP ou BE concordarem por escrito como PS mas isso não os vincula a nada. Só em teoria pois na prática... Mais, facilmente estão a exigir medidas populares, mesmo que isso entre em choque com os tratados orçamentais aprovados com Bruxelas, com a chantagem de apresentarem moções de censura no parlamento. O PS encontra-se assim refém de um acordo assinado entre as partes mas sobre o qual não tem qualquer poder nem controlo.

Desconfio mesmo que esta armadilha engendrada pelo PCP ao PS tem como destino implodir com o partido de AC. O partido de Jerónimo jamais perdoou ao PS o fim do PREC. E como todos sabemos a vingança serve-se fria... Ou então será tal qual o lacrau da fábula acima!

Termino então como comecei: se ontem era pobre, amanhã pobre serei.

E agora Jerónimo?

Assisti esta noite à entrevista que o líder do PCP deu a Judite de Sousa. De tudo retive uma ideia central: o PCP está entalado...

Tentarei então explicar a minha ideia:

1 - desde o famoso PREC (Período Revolucionário em curso) que adveu após o 25 de Abril e em que o PCP, muito mais organizado que o PS, tomou conta do País e comandou os destinos de Portugal até Mário Soares e Ramalho Eanes retirarem à força (25 de Novembro de 1975) o poder que o PCP havia conquistado sem eleições.

2 - Desde essa altura o Partido liderado na altura pelo carismático Álvaro Cunhal jamais perdoou ao PS a suposta traição e passou a ser seu inimigo fidagal. Mesmo que, por ironia do destino, anos mais tarde tivesse de dar o voto numa segunda volta a MS evitando que Freitas do Amaral (na altura mais centrista e democrático cristão) viesse a conquistar Belém.

3 - Pelos anos fora o Partido, actualmente liderado por Jerónimo de Sousa, sempre apontou as bateriasi ao seu inimigo número um. Fosse porque havia feito, fosse porque não havia feito... Daí a ideia de que o PCP existe como partido unicamente de protesto e sempre muito longe do arco da Governação.

4 - Porém os últimos resultados eleitorais trouxeram uma nova realidade política. E o PS encontra-se formalmente com o PCP no tal célebre dia 7 de Outubro. Não imagino o que terá sido dito nessa reunião mas não deverá ser dificil de adivinhar o seu conteúdo.

5 - Nesta entrevista Jerómino mostrou-se pouco à-vontade na eventual posição de acesso ao poder, deixando muitas perguntas que lhe foram formuladas sem resposta ou tentou derivar sempre para o mesmo tema que abrange a queda do actual governo

6 - Finalmente Jerónimo encontra-se barricado entre a posição de ter de dar apoio ao PS (que sempre atacou) mesmo que tenha de "esquecer" algumas das suas ideias centrais, ou faz parte do governo assumindo os respectivos custos políticos que lhe estão associados.

Nunca vi o lider do PCP fugir às questões como esta noite. Mais... A determinada altura quase deu a entender que estava a pedir desculpas ao PS pelos constantes ataques durante a campanha.

Temos assim um PS que negoceia de forma independente um acordo com os dois partidos da esquerda e um PCP muito desconfortável na posição de fiador de um futuro governo PS/BE.

O Dr. Álvaro Cunhal se fosse vivo não ficaria nada feliz, disso tenho acerteza!

O Seguro aguentou-se!

 

Se alguém aguardava que do Congresso do PS saísse um “ovo de Colombo”, que desse a Portugal uma nova esperança, enganou-se redondamente.

 

O líder dos Socialistas acabou por assumir que com o PS no governo o rigor e os sacrifícios não desapareceriam. O que equivale dizer, substituir o governo mas não as políticas de austeridade. Ou melhor, mudar tudo para tudo ficar na mesma… No entanto não creio que esta alteração, neste momento,fosse a melhor solução para um país profundamente triste e desiludido.

 

Acaba-se assim por concluir que, a grande questão dos nossos políticos, é que falam bem mas dizem… muito pouco. E Portugal não tem necessidade de gente assim. Precisamos de quem trabalhe, de quem se debruce sobre os reais problemas da nossa sociedade e lhes dê solução permanente. O Governo, como “testa de ferro” da Troika, apela aos consensos, especialmente com o PS. Este, porém, foge “como o Diabo da cruz” desses desejos, porque não quer ficar irremediavelmente preso às políticas de austeridade e cortes na despesa. E desta forma vamos adiando soluções

Os partidos mais à esquerda, sem qualquer representação governativa, tentam passar a mensagem que com eles na liderança deste país, os problemas seriam solucionados como se de magia se tratasse. A meu ver um erro de estratégia política que o PCP e o BE não conseguem evitar. Mas entende-se o porquê.

 

O país adormece e acorda constantemente com um pesadelo, impossível de controlar e debelar. E não há Seguro que “nos” acorde e acuda.

Ruben de Carvalho - porque não te calas?

A maioria dos nossos políticos são fracos. Preocupam-se muito mais em defenderem os seus próprios partidos do que o país.

 

Alguns deles são ignorantes! Outros estão tão cegos que não vêem nada a não ser as "bíblias" de esquerda.

 

Ruben de Carvalho deu um mau exemplo como comentador na televisão.

 

E depois acreditam que ainda conseguem convencer alguém...

 

 

 

 

 

 

Nota: o ministro das Finanças da Alemanha referido neste video foi vítima de um atentado em 1990, que o atirou permanentemente para uma cadeira de rodas.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D