Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Jane Birkin: a voz do nosso imaginário!

Sou do tempo em que o sexo era considerado algo demoníaco. Actualmente passámos para o oposto e aquele é tão corriqueiro e tão banal que quase deixa de ter piada.

Entretanto morreu ontem Jane Birkin. É a vida... já que ninguém é eterno.

Lembrei-me então da canção de Birkin e que deixava os rapazes meio tontos e com a imaginação e as hormonas aos saltos. Não imagino as meninas do meu tempo como ficariam...

Independentemente de tudo o que possam dizer é uma fantástica música, excepcionalmente bem interpretada.

Faz muuuuuuuuuuito tempo que não a escutava.

Imperdível!

 

Nunca fui de modas!

Hoje lembrei-me dos inos anos 70. Nesse tempo vivia e estudava (nem sei naturalmente se alguma vez estudei, mas isto agora não interessa para o caso) em Almada.

Aqueles anos a seguir ao 25 de Abril de 1974 foram tempos de descoberta especialmente para quem, como eu, era jovem e estava demasido fechado ao mundo. Desde a descoberta de filmes mais ousados (o Último Tango em Paris é disso um bom exemplo), à relação com o eterno feminino (até ali quase proibido em anos mais novos) através das implementação de turmas mistas, tudo parecia ser demais para absorver.

Mas o homem tem uma capacidade inata de poder facilmente adaptar-se à velocidade dos acontecimentos. Entretanto daquele tempo recordo algo sobre a qual eu havia criado uma enormíssima espectativa e que mais tarde quando experimentei foi uma... desilusão.

Falo da celebérrima Coca-Cola (passe a publicidade) que não tendo qualquer culpa no cartório foi bebida que nunca apreciei. Mesmo acompanhada, como era naquela alrura por uma rodela de limão. Cheguei mesmo a pensar que preferia o limão à bebida castanha!

Ainda hoje não a bebo! Nem a sua concorrente!

Naquele tempo bebia-se aquele refrigerante porque... todos bebíamos. Ai a moda!

A fama passa, a importância fica!

Hoje deveria ter estado num churrasco com antigos colegas do último Departamento onde trabalhei. Mas uma série de condicionantes retiveram-me em casa sem poder sair.

Entretanto ontem à noite e após ter escrito este postal, encontrei algures a frase em entitula este texto. No fundo é um seguimento do texto anterior, pois após a morte física de alguém, deveria perdurar uma saudade ou no mínimo uma memória.

Só que há quem não deixe memórias quanto mais saudades... A sua passagem pelo Mundo foi uma longa travessia marcada por momentos e acções sofríveis para não dizer medíocres. São pessoas que quando partem levam consigo o corpo e não deixam rasto. São facilmente olvidadas e desaparecem em menos de nada da lembrança de quem com eles conviveu!

Entretanto e voltando ao início desta minha prosa fiquei deveras contente por ter sido (novamente!) convidado para um convívio com ex-colegas. Sinal evidente de que não me esqueceram, mesmo que já tenham passados dois anos desde que me reformei e acima de tudo que (ainda) gostam da minha presença.

Sempre disse a quem me quis ouvir que um dia quando saísse da empresa bastaria uma pessoa só lembrar-se de mim uma vez num ano que eu, mesmo não sabendo, ficaria feliz. Esta ideia pode ser também transposta para quando formos na derradeira viagem.

Assim podemos ser famosos, sermos imensamente ricos, mas se ninguém se lembrar de nós após a nossa morte, revela que fomos pouco ou nada importantes nesta vida.

A pobreza não é não ter, mas tão-somente ... não ser!

A gente lê-se por aí

Remetido para o passado!

Esta manhã fui a uma feira aqui perto para comprara mais umas couves, nomeadamente bróculos e mais uma dúzia de "pencas"!

Comprei as couves, paguei e vim para casa.

A terra fora cavada ontem e portanto só me cabia hoje fazer o regos para plantar as ditas couves. Como vinham em sacos separados, retirei-as e contei-as... só porque sim!

Então contei 13 pés. Fui ao outro saco e contei também 13. Pronto era o que tinha e toca de plantar.

                                      20220918_112513_resized.jpg          20220918_112519_resized.jpg

Mas enquanto dispunha as pequenas couves, este caso remeteu-me para uma época, por volta dos anos 70, altura em que ajudei o meu pai no seu trabalho de comprar e principalmente carregar as grades de legumes e sacos de cenouras para dentro da carrinha. O Mercado era o de S. Paulo em Lisboa e foi aí que eu percebi que na maioria das vezes uma dúzia... nunca correspondia a doze, mas treze ou até mais.

Foi uma lição de vida que aprendi na altura e que ainda hoje guardo nas minhas recordações.

Outros tempos, outras formas de estar.

A gente lê-se por aí!

À boleia de outros textos!

Li com gosto este belíssimo naco de prosa do João-Afonso que me deixou quase invejoso das noitadas coimbrãs que jamais conheci, mas ao mesmo tempo divertido, depositando no meu espírito aquela bactéria de que é feita muita da escrita e que dá pelo nome de ... desafio.

As boleias da minha vida! Quem diria?

Um tema provavelmente interessante em outros gabirus, mas neste finório não passará de meras aventuras de palmo e meio. No entanto e para não ser juiz em causa própria eis-me a esgalhar esta prosa, tentando trazer à minha memória eventos que me marcaram para a vida.

Também andei à boleia como era apanágio nos anos 70, até porque não tinha carta, dinheiro ou carro para escolher outras opções que não fosse muitas vezes... a dita.

Curioso que em 1984 Roger Waters editaria o seu primeiro album a solo sob este curioso título: The Pros and Cons of Hitch Hiking e que se tornou um sucesso. Mas isto são outros "quinhentos"...

Mas voltando às minhas boleias recordo que a primeira começou nos escuteiros. Naquele tempo não havia limite de passageiros ou se havia ninguém ligava. Assim para certo acampamento acabei, mais não sei quantos jovens, enfiado num Morris 1300. Mais as mochilas e tendas, ainda hoje estou para perceber como coubemos todos.

Mais tarde fui à boleia para a Costa de Caparica num Ford Consul de origem belga tal como o dono e filhos, com uns amigos. Qual o problema? O condutor pesaria sem qualquer favor 150 quilos, a filha 100 e o filho 120. Imagine-se o espaço que ocupavam e o que sobrou para 4 ou 5 jovens lusos. Outras magrezas!!!!

Até 1987, quando adquiri o meu primeiro carro novo pela módica quantia de 1440 contos (nas contas de hoje pouco mais de 7000 euros), tive de andar sempre à boleia. De amigos, familiares e desconhecidos.

Mas em algumas dessas boleias conheci gente muito interessante. Lembro-me de ter andado também num Mini 1000 de alguém que era na altura director geral do tesouro.

Um dia parti, nem sei como tal era bebedeira, de Almada e parei em Moura onde fiquei uma série de dias... com a mesma roupa! Estão a imaginar não estão?

Não fossem umas jovens... que nos socorreram!

Bons tempos, boas recordações, grandes boleias e obrigado João-Afonso!

Uma aldeia em casa

Passam os anos, mas o meu gosto por coisas velhas e rústicas não se perde. Diria de refina...

Na minha modesta casa que mandei erguer há 22 anos, este meu gosto torna-se por demais evidente. Desde logo pelo recheio feito de mobílias muito velhas, algumas dos tempos do casamentos dos meus pais há 64 anos. Uma mesa de cinco pés que foi de uma trisavó e mais uma série de pequenos objectos sem valor fiduciário de monta, mas que fazem parte da minha vida.

Ora bem... fora das paredes tenho também algumas peças que agora vou apresentar,

20220410_093113.jpg

Um pequena pia de pedra esculpida a ponteiro por quem o sabia fazer e que pesa até até...

20220410_093047.jpg

Um banco em pedra de granito beirão que foi outrora a soleira de uma porta de uma casa típica da Cova da Beira e recentemente arrasada.

20220410_093100.jpg

Outra pia, esta também em granito beirão e que eu, com ajuda, retirei do chão onde se encontrava enterrada. Pesada, foi um trabalhão para a colocar neste sítio.

20220410_093139.jpg

Esta foi uma pia de pedra destinada unicamente para o azeite e que foi da minha avó. Tal como a primeira foi esculpida a ponteiro numa pedra branca. Foi quase um trabalho de engenharia para a colocar naquele lugar. Uma curiosidade... o espaço entre as duas colunas foi suficiente, mas longe de mim na altura da construção pensar em colocar ali esta peça. Uma coincidência feliz!

20220410_093040.jpg

Quem não tinha pias de pedra, era nestas talhas que se guardava o azeite. Esta foi da minha bisavó que eu conheci que dizia ter sido da mãe dela. Numas contas rápidas calculo que tenha perto de 200 anos.

Finalmente o meu jardim tem agora este aspecto mais rústico quase aldeão.

20220410_093129.jpg

Fui e vim!

Hoje foi dia de conduzir. Fui à aldeia beirã, berço natal das mulheres da família, para dar conta de uns trabalhos e agendar outros.

Foram 575 quilómetros em 15 horas, tendo conseguido visitar todas as fazendas, apanhar uns valentes quilos de laranjas, tangerinas e tanjeras

20220305_175102_resized.jpg             20220305_175805_resized.jpg

e recordar um pouco a minha infância noutra aldeia, desta vez no Ribatejo, onde lidava diariamente com animais destes,

20220305_113214_resized_1.jpg 

20220305_113229_resized_1.jpg

20220305_113246_resized_1.jpg

20220305_113302_resized.jpg

20220305_113425_resized.jpg

20220305_113434_resized.jpg

20220305_113507_resized.jpg

20220305_113518_resized.jpg 

Bezerros com semanas, borregos e cabritos com dias. Mas todos alimentados com o leite das mães de forma a ganharem resistências.

Senti-me rejuvenescer alguns anos ao pegar nalguns destes cabritos e ao fazer festas em alguns bezerros.

Definitivamente sou um homem da cidade todavia com espírito de camponês!

Memórias!

Faz hoje precisamente vinte e dois anos que eu estava em Barcelona. Dia 11 de Setembro, dia nacional da Catalunha.

Lembro-me muito bem desse dia. Era sábado, jogava o Barcelona e o Espanhol no Nou Camp. As ruas engalanadas de bandeiras condais, os adeptos vestiam-se a rigor do clube do coração fosse a idade que fosse.

Foi das primeiras vezes que fui a Barcelona e a primeira em que fiquei uns dias para passear na bela capital catalã.

A cidade estava em festa e por todo o lado a alegria dos locais era evidente.

Mais de duas dezenas de anos depois destes festejos, por mim presenciados, Barcelona ou melhor a Catalunha é um barril de pólvora pronto a rebentar e para o qual a brigada de minas e armadilhas do governo espanhol não tem solução.

É pena... Tenho realmnete pena que Barcelona se tenha tornado uma cidade demasiado encrespada.

 

Recordar outros caminhos

Não fosse a pandemia e hoje provavelmente estaria a caminho de Fátima na costumada peregrinação que tenho (ou tinha) por hábito fazer todos os anos.

Costumam ser cinco dias cheios, tão cheios que não fosse o coração uma caixa imensurável para receber emoções, provavelmente não caberiam lá.

O ano passado não houve peregrinação e este ano também não e pelo andar desta carruagem não imagino quando poderemos regressar ao caminho.

Hoje Domingo de Ramos era sempre um dia muito, mas muito especial.

Celebrei-o de forma obviamente diferente, mas ainda assim quero acreditar que poderei voltar ao caminho em breve.

Fica a cruz de Cristo que espero e desejo que ilumine todos quantos aqui vêem. Mesmo os que não acreditam. Eu acredito por eles!

cruz_cristo.jpg

 

Memórias!

Uma das coisas de ler em livros velhos prende-se com as surpresas com que estes me brindam.

Passo a exemplificar...

Quando era miúdo e mais jovem sempre tive a mania de guardar dentro dos livros as pratas de uns bombons de ginja que havia naquele tempo (uma espécie de Mon Chéri da altura, passe a publicidade!). Assim como os bilhetes de autocarros das minhas idas e vindas para a escola.

Um destes dias voltei a pegar num dos meus velhos compendios para iniciar a sua leitura. E não é que encontrei, por entre folhas amarelecidas pelo tempo, dois bilhetes de autocarro.

Custou cada um 2,50 escudos, o que agora em euros nem sei converter.

bil.jpg

Quando em 1969 passei a frequentar o Ciclo Preparatório em Almada, tive de passar a deslocar uns quilómetros entre casa e a escola. Naquele tempo o bilhete custava-me... 40 centavos. E porque eu não apanhava um autocarro a 50 metros de casa e ia apanhar um outro que tinha uma grande vantagem: era mais barato 10 centavos. Porque tinha meio bilhetes e tendo eu 10 anos... aproveitava.

Obviamente fui crescendo e os preços dos transportes subiram, mas fui guardando os bilhetes que me caiam na mão.

Um dia criaram os passes sociais e eu nunca mais comprei bilhetes.

Guardo portanto este tesouro... sei que não tem valor algum, mas para mim é bela memória!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D