Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Quando a idade é... atitude!

Desde há uns anos que as televisões apostaram num tipo de programa que deu a conhecer ao mundo pessoas, até ali anónimas, mas que demostraram em palco "performances" fantásticas.

Há pouco tempo trouxe aqui um desses exemplos (acresce dizer que aquele grupo acabaria por chegar até à final, sem contudo a vencer).

Estes concursos, desafios ou o que lhe queiram chamar deram-nos assim a conhecer grandes artistas. Relembro Paul Potts ou Susan Boyle, só para referir dois bons exemplos. Mas surgiram muitos mais seja na Grã-Bretanha, como nos Estados Unidos ou noutro país qualquer onde o concurso se desenrola.

De vez em quando vou espreitando as novidades neste género de espectáculos que agora se alargaram a quase todo o lado. Já vi um bocadinho de tudo: cantores, dançarinos, ginastas, mágicos... Muitos deles com actuações incríveis!

Mas decididamente não estava preparado para escutar este idoso súbdito de Sua Majestade. A serenidade, a genuidade e o carinho que Collin de 89 anos colocou nas suas três canções levaram-no a vencer este ano o concurso britânico. Sem espinhas.

Um exemplo perfeito de como a idade é somente... atitude!

Barclay James Harvest: o culto da boa música

Quando soube que a banda Barclay James Harvest viria a Portugal lancei a dica ao meu filho mais novo se não seria uma banda boa para vermos.

Ele sabendo deste meu permanente revivalismo acabou por me oferecer no dia do Pai dois bilhetes para o CCB, onde a banda iria actuar.

Foi a noite passada.

A sala estava quase cheia pontuando aqui ou ali um ou outro lugar. Já passava das nove da noite quando a banda liderada por Les Holroyd apareceu serenamente no palco.

Instrumentos a postos e eis que a boa música invade o recinto alagando os nossos ouvidos com melodias ímpares. Umas atrás da outras os temas sucederam-se em bom ritmo. As músicas bem trabalhadas por bons músicos não destoaram certamente dos originais dos anos setenta.

Num breve intervalo deu para perceber que a média de idade dos espectadores estava muito acima do concerto anterior a que tinha assistido no Altice Arena. Mas nada disso invalidou a qualidade que o cantor septuagenário colocou em palco. Ainda por cima porque na segunda parte o concerto foi mais instrumental.

Ia com as espectativas um tanto em baixo. Todavia à saída dei conta que o tempo passara num instante, sinal que o concerto fora absorvente.

Enfim... esta foi (mais) uma noite inesquecível!

bjh_2019.jpg

(foto minha)

 

 

O derradeiro regresso a casa

Eram 21 horas e 10 minutos quando Mark Knopfler subiu ao palco do Altice Arena para brindar os milhares de fans presentes com mais um emblemático espectáculo.

Às 23 e 19 deu por fim mais de duas horas de música fantástica. Neste espaço temporal Knopfler revisitou muitas músicas, algumas delas do tempo de Dire Straits outras já a solo, donde se destacam "Once Upon a Time in The West" do album "Communiqué" de 1979, "Romeo and Juliet" do disco "Making Movies" de 1980 ou "Telegraph Road" um longo tema de 1982 inserido no album "Love over gold".

Após três minutos de uma ovação prestada pelo público Mark regressou ao palco para num encore oferecer "Money for Nothing", o celebérrimo tema de um dos melhores discos dos Dire Straits e terminar com o costumado "Going home" extraído do primeiro album a solo de Mark Knopler, "Local Hero", que data de 1983.

Durante o concerto Mark teve também a delicadeza de se despedir do público português numa breve declaração.

Em suma Mark mostrou que mesmo com 69 anos e muitos discos e quilómetros ainda é um músico de excelência.

Veremos se regressará aos palcos.

  mark_knopfler.jpg

(fotografia minha)

Pensamento para um fim de tarde!

Lembro-me bem do galardoadíssimo filme "Amadeus" do enorme Milos Formam,. de 1985. Nesta película o realizador mostrou um Mozart quase lunático e muito irreverente, não obstante a reconhecida qualidade das suas peças musicais.

Pois bem, após ter ontem visto este filme dei por mim hoje a ver um filme/documentário sobre os primeiros anos dos "The Beatles".

The Beatles: Eight Days a Week Poster

Destes três momentos de bom cinema que relatam a vida e as vicissitudes por que passaram os grandes artistas retiro a ideia de que a arte para ser qualificada tem de vir de gente realmente irreverente.

Serei só eu a pensar assim?

Ideias dançantes!

E comum dizer-se que não há ninguém insubstituível. Isso é certo. No entanto há pessoas que jamais deveriam ser substituídas, arriscando mesmo a dizer que há quem deveria ser eterno.

Na vida civil, política, nas ciências ou nas artes, no desporto ou simplesmenten na escrita há gente que jamais deveria envelhecer ou no mínimo deveria desaparecer tal a importância dos seus actos ou simples ideias ou ideais.

Nestes nossos tempos tão carregados de pressa em viver o que ainda nem aconteceu, o mais fácil e menos trabalhoso será reviver o passado mais ou menos longínquo. Basta para tal usar as mesmas ideias com outra roupagem e... voilá!

Ontem vi na televisão o filme premiadao "La La Land". Quando andou pelo cinema nunca me captou a atenção. Mas ontem... pronto deixei-me seduzir pela película. O enredo parece interessante, mas o revivalismo dos tempos aúreos de Fred Astaire acompanhado o seu par Ginger Rodgers parece ter ficado além do que eu esperava, tal foi a matriz colocada nesta longa-metragem. 

As diversas sequências de danças protagonizadas pelo par Seb e Mia ficaram muito abaixo de quem, em vão, tentaram imitar. O filme não é mau de todo, mas requeria mais cuidado por parte do realizador. É que nem Fred nem Ginger andam por aí! E não há ninguém para os substituir.

Estes já cá moram!

No dia 28 de Julho de 2015 (quem diria que já passaram mais de três anos) assisti a um espectáculo fantástico do qual apresentei na altura o tema final, gravado de forma deficiente pelo meu telemóvel, mas ainda assim demonstrativo da qualidade do artista, conformem podem confirmar aqui.

Ora temos assim que em Abril próximo Mark Knopfler regressará a Portugal para mais um concerto, desta vez no Parque das Nações.

A (boa) lembrança da sua passagem por Oeiras quase me obrigou a comprar o ingresso para o concerto. E como não gosto de ir sozinho a estes eventos eis que adquiri dois bilhetes. Para o meu infante mais novo, bom comparsa nestas coisas da música.

Portanto dia 30 de Abril de 2019 lá estaremos.

MarK_Knopfler.jpg

 

 

 

Partiu a voz eterna!

Se há vozes que perdurarão para sempre, a de Charles Aznavour é uma delas. A exemplo de Edit Piaf (por quem o franco-arménio teve uma paixoneta, segundo as más línguas), a voz do cantor de "She" e de centenas de outras canções marcou não uma geração mas muitas gerações. Será mesmo impossível falar-se de música, compositores e artistas e não referir-se Aznavour.

Ele não foi uma mera lenda... Ele foi a voz que iluminou tantos e tantos corações e espíritos por esse Mundo fora.

Morreu hoje aos 94 anos (que linda idade!).

O Céu ficará certamente bem melhor com este Embaixador da ONU."

"Merci bien Charles" 

Hei-de continuar a ouvi-lo por aí!

C-aznavour.jpg

Madonna, a sexagenária

Em tom de brincadeira costumo dizer na minha restrita roda de amigos que quando alguém chega aos 60 anos de idade deixa de ser uma pessoa para se tornar uma sexagenária.

Vejamos esta notícia num qualquer pasquim:

"Uma mulher de 59 anos foi apanhada a fumar cachimbo na via pública!"

Com mais um ano a notícia seria dada assim:

"Sexagenária apanhada a fumar cachimbo na rua!"

Passando este entróito venho aqui dar os parabéns a mais uma sexagenária. Uma mulher que é somente mais velha que eu uns meses e que foi uma artista fora de tempo.

Desde "Like a Virgin", Madonna Louise Ciccone tornou-se uma estrela da música POP. A par de Michael Jackson do qual é mais velha 13 dias ou Prince de quem era mais nova uns breves meses.

Desta artista tenho alguns discos e um livro "SEX" que criou à época alguma celeuma tendo em conta algumas fotos onde a cantora era figura primeira.

Entretanto era para escrever mais, mas acabo de saber que faleceu Aretha Franklin.

Não há mais nada a dizer!

Será uma coincidência este dia?

De parabéns!

Sei que já é um pouco tarde, mas não queria que o dia acabasse sem falar dele. Ainda por cima alguém que comemora hoje as suas bodas de diamante.

Tive o grato privilégio de o ver actuar, mais à sua banda, há 28 anos em Alvalade. E que concerto Santo Deus, cujo bilhete de entrada ainda guardo, religiosamente.

Michael Philip Jagger nasceu há 75 anos e é o vocalista de uma das maiores bandas de Rock do século XX.

Eis assim um video com uma das suas canções mais icónicas.

"I can´t get no satisfaction"

Mas falta o resto... Parabéns Mick!

A gente escuta-te por aí!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D