Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Bom senso precisa-se!

No início do Verão de 2021 escrevi este postal assumindo a decisão de entregar-me aos médicos, de forma a ser avaliado o estado da minha saúde.

Desde esse dia já bati a não sei quantos gabinetes médicos: Otorrino, Oftaolmologtia, Cardiologia, Urologia, Gastro e até Alergologia... Não imagino a quantos mais especialidades terei de ir.

Entretanto recentemente a minha médica de Gastro, que descobriu em mim um ror de pequenas maleitas (gastrite, pólipos, ferro a mais, etc, etc, etc!), diz com todas as palavras perante os resultados de novas análises:

- Não gosto destes valores pancreáticos... Podem querer dizer um tumor maligno no pâncreas!

Se não morri naquele instante pouco terá faltado. Sei que não sou eterno, como ninguém o é. Todavia dizer-me aquilo assim de sopetão, deixou-me quase de rastos.

Cuidei em não dizer nada a ninguém pois não queria causar algum pânico familiar. Semanas mais tarde fiz uns exames mais completos (ressonância magnética com contraste) e aguardei desesperado os resultados.

Finalmente eis a notícia do resultado, mas como não percebo nada de medicina aguardei pela consulta. Estão a imaginar a minha cara quando defronte da médica aguardei o terrível veredicto.

- Nada de anormal... apenas uns pequeníssimos quistos sem importância.

O meu coração saltou de alegria, mas em vez de fazer uma cara feliz e contente, não exibi qualquer emoção. Saí do consultório com a firme vontade de nunca mais lá aparecer, mas dizem os especialistas que ela é das melhores na sua área.

Agora, semanas passadas sobre este estranho evento médico, dei por mim a pensar qual a necessidade daquela médica em assumir uma desconfiança sem ter certeza. Até poderia ter o palpite, mas o bom-senso deveria sobrepor-se a frieza das palavras.

Mas isto sou eu que não percebo nada de medicina! Só que andei algumas semanas bem assustado! Olá se andei!

O trigo e o joio (versão séc. XXI)

Já em tempos falei daquilo que são os hospitais on-line. O que não quer dizer consultas... Que são coisas bem diferentes.
Na segunda há um contacto com o médico mesmo que seja via câmara e portátil, enquanto na primeira há apenas uma pesquisa na internet.

O conhecimento é algo muito importante. Todavia é sempre necessário uma certa capacidade para perceber onde começa o exagero ou acaba o bom-senso. Dito por outras palavars nem tudo o que se lê na internet é verdadeiro.

Da mesma maneira que os medicamentos descrevem todos os sintomas de efeitos secundários conhecidos para aqueles medicamentos isso não implica que todas as pessoas sofrerão esses mesmos efeitos.

Portanto minha gente... quando tiverem um problema de saúde procurem um médico verdadeiro, daqueles de carne e osso e não se embrenhem em teorias, algumas delas mirabolante e quase de conspiração, para explicar a vossa doença.

Haja, como já referi acima, bom-senso para saber distinguir o trigo do joio!

A doença que é a nossa Saúde!

Muito se fala agora sobre a problemática da falta de médicos nos hospitais com a agravante de um recém nascido ter falecido por falta de assistência especializada.

Diria que em traços gerais este é um problema que há muito se previa. Basta olhar para a quantidade de novos alunos nos cursos de medicina (poucos!!!) para se perceber que mais tarde ou mais cedo a coisa teria de estoirar.

Obviamente que se em vez de um bebé tivesse sido um idoso a morrer, provavelmente ninguém faria desta situação o drama que se está a fazer. Mas isto sou eu a pensar alto!

Infelizmente nas últimas semanas deste Verão tão escaldante, as minhas idas a hospitais têm sido frequentes. Mas faz parte porque tenho na família gente com muita idade e que necessitam de cuidados permanentes.

Pelo que percebi os serviços de urgência estão cheios. Os médicos desdobram-se em atendimento a este e depois àquele para logo a seguir ser mais outro. Um verdadeiro corropio que esmaga qualquer pessoa tal é o "stress" associado.

Faltam médicos? Faltam. Faltam enfermeiros? Claro que sim! Como faltam auxiliares e muitos outros técnicos de saúde.

Mas deveria o Estado pagar melhor a esta gente, que muitos deles não optariam pelo estrangeiro e muito menos pelos hospitais privados.

Todos nós descontamos muitos impostos mensalmente. Já para não falar dos indirectos... Por isso bastaria aos consequente governos negociarem uma carreira específica para esta gente da saúde associada obviamente a uma tabela salarial compatível.

Problema! Se o que escrevi no parágrafo anterior viesse a manifestar os outros sectores do Estado (professores, administração pública, administração autárquica... etc, etc, etc) viriam logo a terreiro dizer que também queriam reformulações laborais.

Solução? Não fazer nada e pontualmente acertar uns acordos!

Até que isto um dia rebente!

Eu, o eterno desconhecido!

No início deste mês escrevi este postal onde me predispunha a entregar a minha saúde nas mãos dos médicos. Porém é necessário ter cuidado com esta classe pois não são de fiar porque... quem diria... também morrem!

Seja como for já fiz análises (parecem que estão boas!), uma série de RX's e uma ressonância magnética à coluna.

Como a Medicina não é, de todo, a minha área de interesse sempre que faço exames nunca vou ler os resultados. Aquilo é uma linguagem tão inapropriada para um leigo que se for ler o que lá diz posso ficar a pensar diversas coisas e a maioria estranhas.

Leiam por exemplo esta frase:

"Pequeno nódulo de Schmorl no planalto somático inferior de L3, com alterações degenerativas Modic tipo I e II à periferia".

Jamais imaginei que tivesse montanhas dentro de mim quanto mais planaltos... Depois o tal de "nódulo"... imagino que seja um bicho daqueles capaz de me devorar em menos de nada... Mais, não conheço esse tal de "Schmorl" de lado nenhum... nem o "Modic" que parece nome de futebolista!

Portanto das duas uma:

- ou estou prestes a dar o berro;

- ou estes nomes devem ser dos parafusos e porcas que apertam os meus ossos!

Deixando para lá a parvoíce das palavras supra, sou um mero leigo nestas andanças médicas e ligo muito pouco (diria que quase nada!!!) a este léxico tão inapropriado. Acho que os relatórios deveriam ter no final uma palavra só para definir o estado do paciente.

Sugiro algo deste género: apto ou inapto.

Bastaria para perceber se estou a horas, dias, semanas de morrer ou se ainda poderei ver os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Amanhã mais consultas e exames...

Entreguei-me!

Reconheço que posso incorrer num erro, mas não gosto de andar na estranha dança de médicos. Conheci muita gente que ao primeiro ligeiro sintoma de dor, espirro, fosse o que fosse, aparecia logo defronte de um médico em busca de tratamento.

Nunca fui desse clube semi alarmista.

Porém, com o caso do meu amigo que em menos de um mês se foi embora, para enorme tristeza minha, e tomando em consideração a minha idade terei de concordar com aqueles que me estáo sempre a alertar para ir fazer exames de rotina.

A semana passada consultei um otorrino que me mandou fazer exames para ver até que ponto está a minha surdez. Hoje fui fazer análises e amanhã tenho consulta de ortopedia. Também já marquei Gastro e Urologia e não sei se ficarei por aqui.

Chegou portanto a hora de me entregar nas mãos dos médicos. Veremos como sairei deste confronto, Só espero e desejo que sejam competentes.

Vacina do meu coração!

No início deste mês fui com o meu pai a uma consulta de rotina de cardiologia. O médico assitente é um velho amigo dos tempos de escola, cujo percurso académico acompanhei.

Quando casei deixámos de nos contactar e só muito mais tarde voltámos a encontrar-nos, curiosamente no hospital onde trabalha.

Isto apenas para dizer que respeito muito a sua opinião porque é geralmente muito bem fundamentada em estudos e experiências e obviamente em muitas leituras técnicas.

Aquando da dita consulta deixei que fosse a minha mãe a acompanhar o meu pai, ficando eu na sala de espera. O médico é muito pontual e assertivo na consulta, mesmo que seja o meu pai que o conhece há mais de quarenta anos.

Quando os meus regressaram à sala de espera vinham acompanhados do meu amigo. Aproximei-me o suficiente para lhe dar uma cotovelada ao mesmo tempo que ele me dizia:

- Então não queres ser vacinado?

- Eu fui infectado... deverei ser dos últimos e não quero tirar a vez a ninguém.

Ele assumiu:

- Dizem que só se deve vacinar após seis meses, mas também não vi nada escrito!

"Touché" pensei eu.

Despedimo-nos.

Desde esse dia tenho matutado na ideia de que, mesmo passado todo este tempo, os médicos continuam com demasiadas dúvidas quanto às vacinas. Fala-se já numa terceira dose...

Entretanto tentei agendar uma vacina, mas ninguém me respondeu. Portanto devem ser mesmo os seis meses.

Desconfinamento arriscado!

Amanhã aplicar-se-á a terceira fase do desconfinamento. Pelo que li não será igual para todos concelhos o que para mim faz todo o sentido.

Talvez assim as pessoas percebam quão prejudicam a economia quando saem à rua só porque "jánãoaguentomais".

O futuro estã ainda muito incerto e não obstante a vacinação, ninguém sabe em bom rigor, por quanto tempo permanece a vacina no corpo das pessoas.

Sinto também que a comunidade médica nacional e internacional anda aos papéis na busca de origens, curas, vacinas e efeitos secundários apresentados pelos infectados.

Pelo que me foi dado perceber cada doente infectado fica com mazelas diferentes. Uns nos pulmões, outros no estômago e outros até ao nível neurológico, já para não falar da mobilidade reduzida derivada muitas vezes do internamento hospitalar. No meu caso assumo que como pouco já que não tenho apetite, durmo ainda menos que antigamente e essencialmente o meu corpo reage de forma diferente de outrora. Todavia nem consigo explicar com assertividade esta mutação, todavia sinto-a.

Portanto amanhã desconfina-se para daqui a um mês voltar-se a confinar...

Teimam ou apostam?

Aquele dia!

Nesta já longa vida que tenho atravessado aprendi, entre muitas coisas, que não é por não se ir a um médico que não se está doente.

Na verdade, enquanto alguém com conhecimento médico não nos disser que estamos realmente doentes tudo o que temos pode ser meramente passageiro. Mesmo que nos sintamos horrivelmente mal.

Mas curiosamente ou talvez não, os piores seres a assumirem as suas próprias doenças são os… médicos.

Mais medricas, piegas e maus doentes que estes profissionais de saúde, não há! Sei do que falo, pois lido diariamente com dois médicos na família e que temem os colegas de uma forma quase absurda. A ida, por exemplo, a um mero dentista parece uma prova de dificuldade elevadíssima.

Depois são pouco sensíveis aos bons hábitos sejam eles alimentares ou outros já que fumam, bebem, comem sem terem qualquer cuidado, colocando deste modo as suas vidas em risco.

Pois é… mas enquanto um colega não o disser que estão a fazer asneiras vendem erradamente saúde.

Até aquele dia!

Há bens que vêm por mal!

Hoje estava previamente combinado com o Centro de Medicina da empresa onde trabalho, os testes aos meus níveis de colesterol e acúcar.

À hora aprasada eis-me no posto médico. No momento que estou para ser violentamente perfurado por uma enormíssima agulha, a enfermeira repara que alguns dedos da minha mão direita não se fecham.

Faz muito tempo que ando assim. Algumas dores também, mas nada que não se aguente.

Só que desta vez fui apanhado e a enfermeira não me largou enquanto não fui devidamente observado por uma médica que por acaso até era desta área de especialização.

Assim e depois do teste de colesterol com níveis perfeitos e pequeno almoço tomado, fui então selvaticamente "infiltrado" por uma substância que, segundo a médica, me retirará futuramente as dores e o desconforto da mão fechada e sem força. Até aqui tudo aceitável.

O pior veio depois... È que após a dita infiltração passei a andar de braço ao peito, mão entrapada e a ter que responder a um sem número de perguntas dos colegas.

Soubesse eu antecipadamente o que me estaria reservado e provavelmente adiaria a infiltração para outra altura.

Resta dizer que sou dextro e todo este texto foi escrito pela sinistra. Um martírio... 

Algo que detesto!

Uma coisa com a qual não convivo muito bem são as consultas médicas. Mesmo as de rotina!

De um médico geralmente nunca vêm boas notícias (desculpa BB!)! É uma máxima que aprendi com a vida.

E hoje é dia de rotina aos olhos! Tenho de tirar as lentes de contacto, colocar os fundos de garrafa e apresentar-me todo lampeiro na médica para me observar.

Para piorar um bocadinho as coisas é certo que hoje me vão dilatar os olhos o que equivale a não poder escrever, pois verei tudo desfocado e é um desconforto tremendo.

Não me considero mau doente porque até não sou nada piegas. Tenho até algum estoicismo no que respeita à dor. Mas desagrada-me profundamente estas consultas.

Manias!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D