Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Breve análise estatística

Tenho por hábito no início de cada ano deste blogue apresentar os dados do último ano. Mais que não seja para memória futura.

Para isso recorro-me de um ficheiro em excel e que quase diariamente vou actualizando. Para além de ligações directas aos postais. também lá se encontra representados dados complementares às publicações tais como: a data, a quantidade de comentários, o número de gostos e até os Favoritos, terminando com a indicação se foram ou não destacados.

estatistitas_2019 (1).jpg

O gráfico supra é um dos exemplo dos dados que apuro.

Os números não são muito visíveis, mas posso adiantar que no último ano publiquei mais 102 postais que o ano anterior com mais 629 comentários. Todavia tive menos 232 "likes" do Faceibuque provavelmente resultado de ter divulgado menos os meus textos através daquele rede social. No entanto os favoritos tiveram uma boa subida, assim como o incremento de destaques feitos pela plataforma SAPO (de 14 para 31).

De uma forma geral percebe-se que escrevi mais neste último ano e que no próximo o blogue enfrentará mais uma corrida contra a ideia que venho trazendo desde há uns anos e que corresponde a escrever mais um texto que o ano enterior.

Mais uma vez renovo os agradecimentos a quem por aqui vai transitando.

Um enorme bem-hajam.

A gente lê-se por aí!

E vão onze anos!

Como foi possível ter já passado mais de uma dezena de anos desde que me iniciei nesta aventura? Que o tempo corre veloz é para todos nós uma certeza bem evidente. Naturalmente plasmado no crescimento dos nossos filhos, na velhice dos nossos pais, na forma como as nossas vidas se desfiam.

No entanto quando cerro os olhos e tento relembrar esse primeiro dia que este blogue viu a luz, julgo que foi somente ontem… Vá lá antes de ontem… pronto.

Nunca me considerei um “líder de opinião” e muito menos um “influenciador”. Sou um mui reles escritor que tens umas ideias, na maioria das vezes parvas, e que tem a ousadia de as expressar de forma livre e expontânea.

Depois há uns leitores, bem simpáticos por sinal, e uma plataforma fantástica chamada SAPO que vão devolvendo alguns sentimentos sobre o que escrevi, o que torna este universo de alguma forma  muuuuuuuuuito mais dinâmico.

Em 2017 fez quarenta anos que iniciei a escrever de forma pública. Hoje, passado todos estes anos reconheço que naquela época alguém me deveria ter avisado que a minha escrita não tinha a qualidade suficiente para continuar.

Pois é não me desencorajaram nessa altura e deu nisto. Agora já não há volta a dar!

Cabe-me finalmente agradecer a todos quantos por aqui vão passando, lendo e comentando, fazendo “likes” ou adicionando um postal aos Favoritos. Decididamente não mereço o carinho e a ternura que diariamente me vão dispensando. De todo!

Do fundo do meu coração recebam aquele abraço, beijo, afago… o que quiserem, deste que jamais vos olvidará.

A gente lê-se por aí!

Dez anos!

Hoje estamos de parabéns. Falo no plural porque este blogue, por vezes, tem vida própria para além da minha. Ainda gostaria de perceber como…

Abrir um blogue foi e é fácil. Muito fácil mesmo. A dificuldade está essencialmente em mantê-lo vivo, apelativo, atraente. Que não é coisa de somenos.

Em 2008 começámos dois nesta aventura, mas apenas eu resisti a ficar.

Ora nesta dezena de anos assisti à queda de um governo de José Sócrates, à ascensão e queda de Pedro Passos Coelho, fui brindado com uma troica, surgiu a Geringonça, Marcelo foi eleito Presidente à primeira volta quase sem fazer campanha e publiquei 2172 postais que corresponderam a 6611 comentários.

Nesta série de anos, o LadosAB foi ainda destacado nas principais páginas da Sapo 69 vezes o que me obrigou e obriga a ser mais competente na escrita. Parece-me que nem sempre tem sido totalmente conseguido.

Depois… bom depois há o intercâmbio ou a relação entre quem escreve, quem lê e quem comenta. Nem sempre conseguimos agradar a todos e ainda bem, acrescento.

De outra forma este mundo seria um marasmo.

Já o disse num outro postal que escrever é o meu desígnio, a minha verdadeira paixão que arranca de mim coisas que nem sabia que tinha para dizer.

Numa década o Mundo mudou muito. Como é normal numa sociedade que se quer moderna. Todavia este blogue continua fiel à sua frase inicial: “... não sabemos para onde vamos. Mas sabemos o que não queremos!”

E sinceramente não quero arrastar-me por aqui indefinidamente só porque sim. Tem de haver uma razão, um foco, um ensejo para que este espaço permaneça activo e pujante.

Os leitores são a razão primeira (e provavelmente única!) da minha escrita. Sem eles escrever seria semelhante a estar no Estádio de Alvalade a comemorar o golo… completamente sozinho. As outras razões não interessam nada...

Finalizo com um bem hajam a todos que aqui vêm. São o meu orgulho!

A gente lê-se por aí!

Nove anos!

O LadosAB faz hoje nove anos.

Uma idade, que não sendo sinónimo de velhice no que diz respeito à vida humana é, nestas coisas de blogues, um número bem simpático.

Estatísticamente consegui neste último ano superar a marca anterior, no que a publicação de textos diz respeito. Precisamente 405 entradas que corresponderam a perto de milhar e meio de comentários, mais de oitocentos "Gosto" e 270 favoritos.

Nesta já longa caminhada tenho tentado ser o mais genuíno possível, de forma a não defraudar ninguém. Acima de tudo... a mim próprio...

Escrevo por uma necessidade interna, não de me expor, mas unicamente com o intuito de desabafar o que sinto ou o que me atormenta. Serei muitas vezes contraditório, todavia assumo esse risco.

Ainda assim, e durante o derradeiro ano, a plataforma Sapo destacou simpaticamente este reduto por mais de vinte vezes. Prova de que alguém se maça a ler o que escrevo. O que para mim é fundamental.

Nove anos, mais de um milhar de textos aqui colocados que dá a média de 190 publicações por ano.

Bem hajam a todos, sem excepção, que por aqui aparecem. Essencialmente pela forma sempre simpática como comentam os meus textos. Creio que não sou merecedor de tanta amizade.

Termino como sempre nestas ocasiões: a gente lê-se por aí!

 

 

Outro número redondo

Reparei hoje que as estatísticas deste quintal de letras apresentavam um número bem simpático. Refere-se essencialmente aos textos já aqui publicados. Mil e quinhentos...

Ora bem esta quantidade de ideias, críticas, pensamentos divididos pelos dias dá em média meio texto por dia ou dito de outra forma, um texto de dois em dois dias.

Parece realmente pouco, mas se pensarmos que só desde o ano passado é que assumi escrever um post por dia até que nem é mau! Não escrevo a metro... Longe disso. Há dias que nem me apetece escrever ou porque não veio nenhuma ideia ou porque não me apetece. Porém, como já observei atrás, desde há uns tempos que tomei como disciplina aquela ideia de um por dia.

Escrever é na maioria dos casos a minha (boa) terapêutica para os dias menos atraentes. Este é um legado que deixo aos meus descendentes. Pode não valer (e não vale de certeza) um chavo furado... todavia todos estes textos são parte integrante do meu património humano.

A sua avaliação, se alguma vez a fizerem, não é da minha lavra, mas unicamente dos pobres leitores que por aqui vão perdendo tempo.

Mil e quinhentos... ano da descoberta do Brasil... Será que um dia também eu descobirei as terras de Vera Cruz?

 

1500.png

 

Adenda!

Já aqui disse que gosto de estatísticas. Não sei bem dizer porquê.

Pragmático como sou, leio estes números como uma singela demonstração da evolução deste espaço no último ano. Não mais que isso!

Fosse eu um especialista na matéria e provavelmente veria esta informação com outros olhos e retiraria dela as conclusões que mais me conviessem.

Mas não é esse o meu própósito. Pretendo unicamente guardar esta informação para memória futura.

Posto isto, e após as minhas próprias, eis as estatísticas avançadas pela plataforma Sapo.

estatisticas_anuais15_16.jpg

 

 

Hoje é dia de aniversário

 

8ito anos. Quase uma década a escrever neste mundo tão estranho, tão variado e ao mesmo tempo tão enriquecedor.

Com esta idade o LadosAB é uma espécie de criança traquina a quem temos de abrir os olhos para que ela sossegue. E têm razão, porque por vezes quase me excedo nas palavras e opiniões.

Um ano de escrita que se resume nuns meros trezentos e setenta e seis posts, mais dez que os dias do ano civil, mais de mil comentários e quase o mesmo número de “gostos”.

Mas estes últimos doze meses foram justificadamente diferentes.

Primeiro, porque o ano passado teimei comigo que conseguiria publicar, em média, um post por dia. Os números do quadro abaixo não enganam e a partir de hoje o contador passa novamente a zero. O desafio futuro passará então por bater este número de publicações, o que não me parece vir a tornar-se uma epopeia de somenos. Bem pelo contrário. Mas veremos!

Segundo, porque, entre muitas visitas anónimas e outras menos anónimas, apareceu uma que encheu o Blogue de vaidade. Falo obviamente dos comentários que a antiga atleta do Sporting, Naide Gomes, aqui fez. Um momento alto deste espaço que é pluralmente verde! (Desculpa Ricardo!!!)

Terceiro, porque durante o último ano casou o meu filho mais velho. Dia das emoções à flor da pele e um texto que li perante os convidados, no final da missa, e que deixou (quase) todos os presentes emocionados. Mas não era essa a minha intenção!

Quarto, porque o dom da vida é algo soberbo e a família cresceu no último ano. Um rapaz pequenino mas grande em alma e força de viver. Está quase um homem o petiz. O tempo passa (demasiado) depressa.

A juntar a tudo isto, uma mão cheia de destaques de plataforma Sapo que, simpaticamente ao fazê-lo, me obrigam a tentar ser cada vez melhor!

Finalmente, e não menos importante, desejo agradecer a todos quantos aqui me visitaram, comentaram ou simplesmente colocaram um “gosto” quase anónimo. Todos vós são claramente os destinatários deste espaço. Sem vocês eu seria humildemente como o célebre Romeiro de Frei Luís de Sousa… ninguém!

E creiam-me todos, sem qualquer excepção, que sou muito melhor pessoa hoje do que era quando entendi palmilhar estes tortuosos caminhos.

Termino então com a minha costumada frase: a gente lê-se por aí!

Graf_2015_2016.jpg

 

 

Um ano em... visitas!

Nos últimos dias as estatísticas oferecidas pela Sapo têm estado em baixo. Mas mesmo assim apanhei uns dados referentes ao ano de 2015 e tendo como "vítima" este blogue.

E gostei do que vi. Não é um espaço "hiperventilado" de leitores e visitas, não obstante alguns picos naturalmente ligados aos destaques, mas seja como for há um grupo de fiéis amigos.

Cheguei a 2016! Estou ciente que este novo ano vai-me trazer novos desafios na escrita e espero estar à altura desses desafios.

Eis então o gráfico estatístico de 2015.

 

sapo_estt_imagem

 

Meia dúzia e mais um!

Quando há sete anos este projecto de escrita surgiu, jamais calculei que hoje ainda aqui estivesse! Sinceramente!

Sei por experiência própria que tudo na vida é efémero: as pessoas, os objectos, os sentimentos, até as ideias. Todavia o que se escreve é, quiçá, das poucas coisas que vai perdurar algures por aí.

Tornei-me um apaixonado da blogosfera. Leio e aprendo um pouco de tudo e há por aí pessoas a escrever fantasticamente bem (sem qualquer ponta de ironia).

Aproveitei assim esta (minha) comemoração para fazer uma análise a tudo o que aqui escrevi nos últimos 7 anos e decidi escolher um texto de cada ano que merecesse uma maior atenção. Os critérios de escolha foram somente meus e valem o que valem.

Começo então pelo ano de 2008 que foi um ano de grandes contrastes. Se por um lado (A) dei luz e visibilidade a esta ideia, o Outono trazia-me o lado (B) e a morte de alguém muito próximo. Por isso escrevi este texto que considero do melhor que publiquei. No ano seguinte, e entre 29 "posts" apresentados, escolhi este quer pela originalidade dos acontecimentos que me "obrigaram" a escrevê-lo, quer pela referência a um dos melhores declamadores de poesia do nosso país. Um "must".

Em 2010 nasceram 37 documentos. Entre todos eles optei por aquele que faz referência ao encerramento definitivo do Jornal "O Alviela" .Um orgão de informação regional onde trabalhei durante os últimos anos da sua existência e que não esqueço. Com o ano de 2011 abri uma nova polémica (ainda hoje a mantenho) e que corresponde à minha opinião sobre o Novo Acordo Ortográfico (NAO). Nesse documento assumi a minha frontalidade contra a aberração de um acordo linguístico que (ainda) não beneficiou ninguém.

No ano de 2012, estava já eu alojado na plataforma Sapo, quando surgiu o primeiro destaque deste blogue. Mas ao invés do que seria de supor escolhi desse ano um dos posts mais lidos de todos quantos já escrevi. De 2013 optei por uma história triste de uma mãe e dos seus filhos em busca de comida. Um drama triste e cada vez mais frequente nos nossos dias.

Finalmente, e no que se refere ao último ano, decidi pelo lançamento de mais um projecto de escrita. Desta vez a três mãos... Mas como o próprio título indica não estou só nesta (nova) aventura!

Estatisticamente foram publicados 291 posts, precisamente mais 100 que o ano anterior, dando origem a 694 comentários e 425 "gostos". Marcas provavelmente muito difíceis de ultrapassar nos tempos futuros. Mas o tempo o dirá de sua justiça!

Entretanto em Julho alterei outrossim o cabeçalho deste blogue, tornando-o mais fiel ao que sou e sobretudo ao que fui em termos de escrita. Uma breve mas justa referência ao meu filho Diogo pela colaboração que teve na concepção deste cabeçalho!

Quero, por fim, agradecer a todos quantos aqui vêm beber algumas das minhas palavras. Reconheço sinceramente que sem vocês desse lado, não valia a pena estar aqui! E a simpatia com que me têm brindado, sejam os comentadores, sejam os elementos da equipa Sapo, é por demais evidente.

Bem-hajam...

Vamo-nos lendo por aí!

Um dos textos mais visualizados!

No já distante dia 28 de Abril de 2012 escrevi neste espaço um post onde elogiava, acima de tudo, o CMHHM (Centro de Medicina Hiperbárica do Hospital da Marinha).

Hoje, mais de dois anos passados desde esse dia, reparo que aquele texto obteve nos últimos seis meses 1000 visualizações. E desde a sua origem mais 43 comentários e 50 "Gosto". Pode parecer, à primeira vista, pouco. Todavia se tomar em devida consideração que este post nunca esteve em destaque, parece-me realmente um marco assinalável.

A razão pelo qual escrevi aquele depoimento prendeu-se com a necessidade de toda a gente saber o que de bom se faz em Portugal e mantém-se ainda hoje válida.

Tenho tentado ajudar quem, através de comentários, coloca questões. E espero sinceramente tê-lo conseguido.

Por tudo isto hoje sinto-me um pouco mais feliz.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D