Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

O que ia escrever antes de...

Não gosto de demagogia. Muito menos de alguém que já tem uma pasta muito difícil neste governo e que é a senhora Ministra da Saúde.

Lí as suas declarações e achei no mínimo tristes e demagógicas. Ao invés do que disse sobre as vulnerabilidade dos mais fragéis eu tenho a noção que este virus não tem qualquer preocupação demagógica e ataca os que estiveram na sua zona de acção.

Escrevo ciente das excepções, mas ao mesmo tempo com a experiência do que foi ser infectado.

Era para escrever muito mais sobre isto, mas entretanto soube do falecimento repentino de Jorge Coelho e tudo se alterou.

Se bem que não partilhasse das suas ideias políticas reconheço que era um homem empenhado e de uma visão estratégica invulgar.

Lamento a sua morte e só espero e desejo que descanse em Paz.

Um Entrudo sem graça!

Hoje, dia de Carnaval, tinha a intenção de escrever sobre a tradição aqui de casa, mas que este ano não se realizou por razões óbvias e que se prenderia com a feitura de um saborosíssimo “Cozido à Portuguesa”. Fez-se unicamente o “Caldudo”, um doce beirão!

Alterei a minha ideia inicial após saber que Carmen Dolores havia falecido. Sei que já tinha uma idade muito bonita, porém foi uma perda para a cultura portuguesa, nomeadamente para a “arte de Talma”.

Um ano de 2021 que já nos levou cantores (p.e. Carlos do Carmo) e outros grandes actores não poderia ficar pior sem que nos retirasse outrossim uma grande, grande referência da cultura.

A minha relação próxima com o gosto do teatro vem desta senhora que ora nos deixou. Era miúdo, mas vi diversas vezes o Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett. Uma peça de teatro que me deixava sempre em êxtase, essencialmente pela actuação de Carmem Dolores.

Muitos anos mais tarde tive a sorte e o privilégio de a conhecer pessoalmentee aproveitei aquele momento para lhe comunicar que o meu gosto pelo teato adviera dela.

Acabei nesse dia muito feliz e que guardo para sempre como um momento sublimado na minha pobre existência, por escrever um postal e que publiquei neste espaço.

Que podem ler aqui.

Que descanse em Paz!

A morte de um grande actor!

Partiu António Cordeiro! Um actor que sempre se mostrou diferente dos demais companheiros da sua arte!

Entre vários trabalhos dele não me esqueço de Claxon e mais tarde na série Major Alvega.

Nunca percebi o meu apreço por este malogrago actor. Era um artista diferente que sempre primou pelo humor muito bem conseguido.

(ver a partir do minuto 12.00)

Doente há muitos anos a sua partida foi uma esmola... essencialmente para ele.

Que descanse em paz. Bem estava precisado!

Um exemplo de homem!

Foi meu director durante uns anos. Acabei mesmo por lhe comprar um carro, o primeiro que tive com mudanças automáticas.

Assumiu-se, já com alguma idade, homossexual. Mas independentemente da sua opção sexual sempre se mostrou um enormíssimo gestor.

Dizia ele: tudo o que se passa neste Departamento é culpa minha já que sou o Director.

Uma postura pouco vista em gestores, nomeadamente quando gerem empresas de cariz estatal! Outro exemplo prende-se com um erro de gestão, que a certa altura, cometeu.

Um dia decidiu nomear alguém para chefiar um certo serviço. Neste havia uma pessoa mais apetrechada e muito mais competente para tomar as rédeas do serviço, mas foi preterida. Desta decisão de gestão sairam algumas consequências, sendo que o serviço foi o mais prejudicado.

Todavia, anos mais tarde o departamento foi reformulado com novas funções e a pessoa preterida foi chamada à presença do director. Este iniciou a conversa com uma assumpção de culpa:

- Há anos tive um mau momento de gestão e fui injusto para consigo. É chegada a hora de emendar esse erro! Deste modo convido-a a chefiar o novo serviço que vai iniciar-se. Aceita?

A colega aceitou.

Admirei a coragem deste homem ao assumir um erro. O que nos tempos que correm não parece fácil.

Soube hoje que apareceu morto em casa. 

Uma estrela no céu!

Não sei se Carlos do Carmo foi ou seria crente em alguma religião. Todavia não acredito que o Céu (se existe) não vá buscar esta voz para acrescentá-la ao seu coro celestial. Uma estrela que, ao invés do poema, partiu cedo demais.

Carlos do Carmo abandonou-nos esta madrugada no dealbar de um ano que se quer e deseja diferente. Já está a sê-lo...

Tive o previlégio de o conhecer e falar com o rei do Fado no âmbito do meu antigo trabalho. Pareceu-me um homem sereno, bem com a vida e consigo mesmo. Um cantor sem par na música portuguesa. Humilde, sensato e sensível colocou Portugal na órbitra do mundo cultural, através do fado que tão bem soube interpretar.

Saiu de cena pela porta grande, mostrando também com este gesto que sabia muito bem qual o seu lugar na vida.

A lucidez intelectual é apanágio de muitos poucos. Mas Carlos do Carmo foi um deles.

Fica agora a sua voz e as suas canções. Mas fica sobretudo a sensação de que há homens que nunca deveriam partir.

Descanse em PAZ!

E Deus deu-lhe uma mão!

Choro como milhões de adeptos do futebol com o desaparecimehto de um mágico do futebol. Este desporto teve: Pelé, Di Steffano, Best, Eusébio, Cruijff, entre tantos outros, mas nenhum foi tão empolgante e tão irreverente como Diego Armando Maradona.

Dentro e fora do campo.

Se o mundo todo acreditasse piamente em Deuses gregos, "El Pibe" teria com toda a certeza um lugar no Olimpo helénico. Como há muito o Mundo deixou de acreditar em figuras míticas e passou a crer em super-heróis, também Maradona depressa se tornou um herói, porém real, muito longe dos livros de BD e mais próximo dos verdes relvados.

Será quase impossível enumerar o número de (belos) feitos conseguidos por Maradona, enquanto jogador. Tal como serâo quase incontáveis as quedas dadas pelo atleta, no charco que foi o seu consumo de drogas, quiçã a razão para ir mais cedo ter com Deus.

Diego Armando Maradona ficará para sempre na história do futebol e obviamente na longuíssima história do Mundo. Ao nível de Da Vinci, Mozart ou Einstein.

Na mui ìnfima prateleira dos eleitos!

Até sempre "El Pibe"!

O eterno Caval(h)eiro de Rosa!

Enquanto Morfeu reinava a "ceifeira" levou o mais polivalente dos actores que passaram pela sétima arte. Sean Connery morreu nas Bahamas enquanto dormia.

Reconheço que sempre gostei deste actor. É daqueles que nunca enganou e mesmo em filmes medíocres o actor escocês destacava-se sempre pela positiva.

Liga-se a este actor a primeira saga de James Bond, que começou nos anos 60 e continuou até ao presente século. Não sendo eu um enorme apreciador destas sagas, tenho de admitir que Connery foi, de todos aqueles que incorporaram o agente secreto britânico, o actor que deu mais carisma e qualidade.

Vi muitos filmes com Sean Connery. Todavia há um que gosto especialmente até porque considero que a adaptação do livro para o cinema foi muito bem conseguida. Chama-se "O Nome da Rosa"!

Partiu um dos grandes "Intocáveis" do cinema.

A sétima arte perdeu uma das suas figuras maiores.

Que descanse em Paz!

Um salto para a eternidade...

com uma visão clara!

São incontáveis as vezes que ouvi esta música enquanto jovem,

para nos anos 90 poder escutar esta banda ao vivo no velhinho estádio de Alvalade, quando servia de suporte aos Bon Jovi. Naquela altura achei mesmo um escândalo pois os Van Halen mereciam um espectáculo dedicado. Mas enfim...

Eddie Van Halen morreu hoje aos 65 anos vítima de um cancro na garganta, deixando um conjunto de discos e músicas imperdíveis.

Dar um salto para aternidade não é para todos. Mas o guitarrista da banda americana fê-lo com muita competência.

Entretanto ontem morreu, aos 80 anos, Johnny Nash. A música por estes dias tem deixado partrir demasiada gente. Ainda por cima grandes músicos.

Deixo aqui o tema de maior sucesso do cantor americano.

Que ambos descansem agora em paz! 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D