Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Destravado ou distraído?

De vez em quando vou assistindo a estranhos eventos, tendo como alvos os condutores citadinos.

Esta tarde, num parque de estacionamento subterrâneo de uma grande superfície dei conta do fenómeno seguinte:

uma viatura atravessada na faixa de rodagem da entrada do estacionamento.

Admirei a situação pela forma bizarra onde se encontra o carro.
Primeiro pensei que fosse mesmo "nabice" de condutor. Depois alguém me alertou para o caso da viatura estar destravada e ter "escorregado" até ali.

Fica assim a dúvida proposta no título deste postal...

 

p_estacionamento_fxrodagem.jpg

 

Leslie - Tempestade ou furacão?

Segundo as mais recentes informações foi no distrito de Coimbra que Leslie fez os maiores estragos.

Admito que sim, nomeadamente pelas imagens que já pude cer.

Todavia a Leslie também fez das suas um pouco mais a Sul.

Especialmente em Lisboa, ali para os lados de São Bento, onde varreu 4 ministros e uma série de secretários de Estado para fora do Governo.

Fica então a dúvida se foi mera tempestade ou foi mesmo um furacão.

 

Será de familia?

Tenho uma tia que celebrizou na família a seguinte saída: "Quem me dera morrer para me estender!"

Percebo cada vez melhor o sentido desta frase, já que são nove e meia da noite de um Domingo de Outono e ainda tenho tanta coisa para fazer...

Tal como ela, que sempre vi com algo na mão a trabalhar, também passo o estupor do fim de semana numa roda viva.

Reparem... isto não é um problema de hoje nem de ontem.

Há mais de trinta anos num quetionário Proust respondi que aquilo que mais gostaria de ter era um fim de semana para descansar.

Evoco finalmente aqui uma outra tia, irmã mais velha da primeira acima mencionada entretanto já falecida, que durante muitos e muitos anos jamais a vi parar um segundo. De manhã à noite.

Parece sina, herança ou virus familiar...

Será?

 

Do passado para o presente!

Um dos "jogos de tabuleiro" com mais sucesso nos anos 70 foi o Master Mind. Um jogo de raciocínio lógico e por causa do qual se chegaram a organizar torneios. Participei em alguns com bons resultados...

m_mind_1.jpg

Desse tempo guardei o meu exemplar do jogo que tinha a caixa como a imagem supra e o interior com a foto infra.

m_mind.jpg

Ora bem... ontem foi dia do Departamento onde trabalho se reunir numa actividade de "tembuilding" numa Quinta privada.

Feitas as equipas (a minha sabe-se lá porquê chamou-se "Inomináveis") passámos aos desafios.

Curiosamente o segundo exercício foi um "Master Mind" em ponto grande. Ora como os restantes elementos da equipa eram muito mais novos que eu desconheciam este jogo. Assim com calma e lógica assertiva e com a minha preciosa ajuda, em cinco tentativas descobrimos a solução.

Momentos fantásticos com um belíssimo regresso ao meu longínquo passado.

A tradição já não é o que era!

O meu filho mais velho tem um conjunto volumoso de camisolas do Sporting. A cada partida usa uma diferente. No jogo contra o Marítimo não foi excepção! Nas costas o seu nome, assim como um número que é o dia do seu aniversário.

Já a caminho do estádio diz ele a determinada altura:

- Esta camisola está amaldiçoada…

- Porquê?

- Sempre que vim com ela o Sporting nunca ganho!

Ora… tendo em conta que tínhamos acabado de ver a equipa de andebol ser derrotada por uns dinamarqueses de um clube de nome impronunciável, temi que a nefasta tradição se mantivesse.

Pois… mas ou tradição já não é o que era ou a equipa do Sporting não liga a tradições, a verdade é que o jovem saiu de Alvalade com a primeira vitória naquela camisola.

Certamente para mais tarde recordar!

 

Também aqui

Quando a dor dói!

Num filme medíocre Dalton, um segurança de uma discoteca, interpretado pelo malogrado Patrick Swayze, após uma zaragata em que ficou ferido, tem uma saída fantástica para a médica que o estava a tratar quando esta disse que iria doer. Diz então a personagem:

“A dor não dói!”

Isto para a época deve ter sido profundo (estávamos em 1989), mas hoje, quase trinta anos passados, entendo o que se pretendeu dizer.

Isto para explicar que esta manhã, muito cedo, acordei com um ataque de gota que me deixou muito combalido. A verdade é que sou um bocadinho como o tal Dalton referido acima, mas só que desta vez a coisa deu com força tal que me vi a pontos de quase chorar.

Carreguei com uns comprimidos e a coisa melhorou até agora. Não imagino como estarei mais logo.

No entanto calculo o que não deverão ter sofrido os nossos monarcas âs mãos das cozinheiras da altura, quando certamente enchiam os pratos de borrego, cabrito ou outra carne nova.

Esta dor dói mesmo!

Eu no Mundo!

Volto a assunto do qual já aqui falei por diversas vezes e que se prende com os turistas em Lisboa. A Baixa Pombalina quase parece a Praça de S. Marcos em Veneza.

Evolui naquelas ruas um número tão elevado de turistas que daqui a uns tempos os portugueses é que são os estranhos.

Tive de ir tratar de umas compras à rua da Madalena para depois ir à Rua do Carmo, a tal artéria que os meus amigos de Almada imortalizaram numa bela canção. O que equivale dizer que palmilhei toda a Rua de Santa Justa, desde a Rua dos Fanqueiros onde começa, até ao elevador com o mesmo nome.

Mais ou menos pela rua Augusta parei para dar fé do ambiente. Nesse instante dei conta da quantidade de turistas que fotografavam. Para cima, para baixo, para a esquerda, para a direita, quase parece um exercício de aeróbica.

Mas fiquei deveras preocupado com a minha imagem só de pensar em quantas fotos, por esse mundo fora, irei aparecer.

Ainda por cima hoje, que nem uma gravatinha ranhosa usei!

Outono armado em Verão!

Em meados do passado mês de Julho, por causa de um outro assunto, escrevi a seguinte ideia sobre o Verão que iniciara em Junho: "Um Estio estranho, temeroso e pouco apelativo à praia".

Mais de dois meses passados sobre aquele dia e já com o Outono em pleno, eis um Domingo a pedir meças ao próprio Verão. Calor exacerbado, um vento suão e um Outono que começa como o do ano passado.

As estações do ano estão cada vez mais alteradas. Seja por "El NIno", seja por que o clima está mesmo a mudar, certo é que já ninguém está convicto do tempo que irá fazer,

Basta pegar no célebre "Lunário e Prognóstico Perpétuo" de Jerónimo Cortez, procurar o número aúreo para 2018 e percebe-se que a previsão naquela época para estes dias era de tempo "tempo fresco".

Jamais imaginou o valenciano as sucessivas alterações climáticas que o Mundo viria a sofrer desde a altura em que escreveu aquele tratado.

As estranhas amizades na BD

Descobri que a sexualidade na BD e nos bonecos animados é uma evidência, com características quiçá graves e demasiado visíveis.

Se pegarmos em breves exemplos, temos o Pato Donald com três sobrinhos que vivem com ele permanentemente, todavia nunca conheci o pai dos miúdos. Estranho não?

Outro exemplo tem a ver com o próprio Mickey. Sei que há a Minie, só que aquele nunca assumiu a relação e mais de meio século passado ainda ambos continuam solteiros. Piora a coisa com o Pateta metido entre os dois… Hum… ali só pode haver coisa.

No final dos anos 50 nasceu uma dupla amizade: Astérix e Obélix. Trinta e cinco aventuras e quase sessenta anos depois a dupla mantém-se solteira, dormem muitas vezes juntos e abraçam-se muitas vezes. Não dá para desconfiar?

E já nem trago aqui Tintin, Red Dust ou Lucky Luke todos aventureiros solitários ou apenas tendo animais como amigos: Milú, Palomino ou Jolly Jumper. Dá que pensar…

Toda esta brincadeira anterior (que não passa disso!!!) nasceu por causa das declarações sobre duas personagens que fizeram as delícias de milhões de crianças, durante anos. Parece-me realmente imbecil que haja a necessidade de vir dizer que o Egas e o Becas tinha uma relação homossexual.

Não sou homofóbico. Aceito a sexualidade de cada um sem qualquer problema.

No entanto dar a dois bonecos, repito bonecos, uma sexualidade qualquer não tem qualquer cabimento. Nem entendo qual o alcance e a necessidade das declarações.

Querem ver que o Pai Natal também…

Serão looooooongo!

Ontem à noite... deitei-me hoje! Tudo por causa do Sporting.

O meu clube sempre foi assim uma espécie de doença... boa!

Digo doença porque sofro muito com as vissicitudes que vai vivendo. Diariamente.

Digo boa porque no fim do sofrimento fica a alegria de pertencer a um clube, que não obstante os últimos meses tão estranhos e bizarros, mostrou ontem à sociedade desportiva, e não só, como é deveras diferente dos demais.

Daí o meu interesse em saber quem seria o futuro Presidente do Sporting.

Votei Benedito sem problemas, mesmo percebendo que é (ainda) um jovem. Mas a coragem de se apresentar a sufrágio, à presidência de um clube assoberbado de dívidas, problemas e acima de tudo de esperanças sempre adiadas, é de realçar. Depois... é um antigo atleta da casa, que não me parece ser algo de somenos.

Mas o Sporting até nas votações parece ter impensáveis chatices  As úrnas fecharam às sete da tarde e só às duas e vinte da manhã desta madrugada é que se soube da vitória do Dr. Frederico Varandas.

Durante todo o tempo que estive à espera fui escutando comentadores neste e naquele canal (foram horas a encher chouriços!!!), cochilei um bocadinho, joguei no telemóvel um jogo chato e até vi um filme aí pela 23ª vez.

Finalmente a notícia que eu desejava saber. Não foi a alegria total mas o Sporting, mais uma vez, voltou a ganhar.

Deitei-me feliz!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D