Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Os irredutíveis gregos!

Tenho assistido com natural estranheza à alegria de muitos portugueses, no que se refere ao NÃO dado pelos grego às medidas de austeridade sugeridas pelos credores europeus. Será que percebem o que está para acontecer àquele país do Mediterrâneo?

Bom, comecemos pelo início: a Grécia ou melhor os diversos governos gregos mentiram à UE.

Durante anos apresentaram contas ao Eurogrupo como sendo as verdadeiras, quando na realidade os valores não correspodiam à verdade. Deste modo a Grécia (tal como Portugal!!!) não deviam fazer parte do Euro. Foi a engenharia financeira de alguns ministros e políticos dos diversos governos que enganou a Europa.

Era óbvio que com tanta mentira, um dia a verdade viria ao de cima. Era normal e forçoso!

Duma forma simplista os gregos andaram pura e simplesmente a viver à custa dos orçamentos dos outros países... É como se alguém devesse dinheiro a toda a gente e continue a ir comer todos os dias ao restaurante! E pior... achar que isso é perfeitamente válido!

Tenho também lido que há tentativas de chantagem com a Grécia. Talvez! Mas esta ideia obriga-me a duas perguntas: que espécie de negociação fez o governo grego com a Rússia? Não será esta aproximação ao leste também uma tentativa de chantagem, tendo em conta a sua posição geo-estratégica no Mediterrâneo?

Enfim os Gregos assemelham-se aos habitantes da aldeia gaulesa de Astérix e Obélix, criada por Uderzo e Goscinny nos anos cinquenta. Tornaram-se profundamente irredutíveis. E parecem obstinados a destruirem a Europa com a poção mágica da falência do próprio país.

Alguns pontos sobre a Grécia

Ponto prévio

Não percebo a demissão do Ministro das Finanças grego! As razões apresentadas parecem-me um tanto rebuscadas… mas enfim, aguardemos!

Ponto 1

Ficou evidente este fim de semana que o povo grego não está para estas andanças europeias. O referendo, ora posto a votação, deu um NÃO rotundo às políticas apresentadas pelos credores.

Ponto 2

Não imagino o que se seguirá mas a génese da U.E. está obviamente em perigo. Fica a pergunta a bailar-me no pensamento: como se chegou aqui?

Ponto 3

A Rússia esfrega as mãos de contente por poder contar, naquela zona do Mediterrâneo, com um apoiante. A NATO é que não vai gostar desta brincadeira.

Ponto 4

E se os credores aceitarem as propostas gregas de forma a não deixaram cair o país na bancarrota? Como reagirão os outros países (Portugal incluído!!) também eles sujeitos a graves medidas de austeridade? “Podemos” ter mais casos…

Ponto 5

Será que Tsipras tem consciência do que é governar um país completamente falido? Com os evidentes custos sociais e económicos? E já sem o seu homem de mão…

Ponto 6

Os gregos comemoraram ontem a vitória do NÃO na Praça Syntagma. Sem terem real conhecimento do que o futuro lhes reserva.

Ponto final

A Grécia, mãe da democracia, caiu numa espécie de armadilha. Provavelmente, ontem foi colocado um Ponto Final na relação do país helénico com o restante Eurogrupo.

Teatrinho para uma tragédia grega

Acto I

 

Na sala, ampla e bem iluminada, uma longa mesa. À sua volta diversas figuras bem conhecidas: Tsipras, Merkel, Juncker e Lagarde. Todos encontram-se debruçados sobre uma quantidade de papéis. Simulam ler... mas pensam somente:

Tsipras: - Só espero que o SIM ganhe domingo. Desapareço logo de cena. Estou muito cansado de lutar.

Merkel: - Este grego saiu-me melhor que a encomenda. Mas hei-de vergá-lo. Nem que tenha de ir à Grécia fazer campanha pelo SIM.

Juncker: - Quem diria! Chegou este fedelho agora à política e quer já dar cabo da Europa! Nem pense que dá cabo do meu lugar. Nem pense!

Lagarde: - Ai, ai, ai se ganha o NÃO na Grécia, nunca mais vejo o meu dinheiro. Este miúdo é deveras irritante.

Abre-se uma porta e surge Obama com ar circunspecto. Reflecte também:

- Cambada de teimosos!

Levanta-se finalmente o pano. Toda a Europa assiste, expectante!

É, finalmente, chegada a hora de todos, ao mesmo tempo, começarem a discutir.

 

FIM

O ideal de Jean Monnet

O país helénico tornou-se num país aborrecido. Tal é a contínua carga de notícias sobre aquele país.

Por muito que tentem ninguém imagina qual vai ser o futuro da Grécia. Mas todos os dias há novos (????) desenvolvimentos.

Mesmo que o "não" ganhe no próximo domingo no referendo, não é certo que a Grécia abandone o euro "tout suite".

O problema decorre, em primeiro lugar do logro do que esta a ser esta (des)união europeia. Ninguém se entende e cada um diz a sua coisa. Enquanto isso  o tempo passa, as dívidas ficam por pagar, o país cai em "default" e muitas mais reticências.

A próxima segunda feira pode ser o fim do Euro ou quiça da própria Europa tal como está constituída. Ou talvez não!

Muitos países já estarão a esta hora a fazer contas à vida sem a Grécia e começam a perceber que provavelmente a saída deste país até nem traz grande mal. Dirão talvez, alguns puristas desta união bancária, que a ideia de Jean Monnet para uma verdadeira comunidade europeia está, desta forma, condenada ao fracasso, muito por culpa do governo grego, que ao não aceitar a implementação de algumas regras vai contribuir (e de que maneira) para uma crise nova, mas muitíssimo mais grave!

Com repercussões políticas e socias ainda dificilmente contabilizadas!

Deixem cair a Grécia!

Será fácil chegar aqui escrever e dizer mal de toda a Europa. Uns patifes, estes europeus que querem tramar a Grécia. Uns malandros, egoístas, capitalistas sem coração.

Pois é fácil dizer isto não é?

Mas eu que sou do contra concordo que a Grécia deve sair do Euro (para mim nunca devia ter entrado, mas isso são outros 500 paus!!!). Considero injusto que os portugueses tenham sofrido as agruras duma austeridade e agora vem aquele país "azulinho" dizer que não aceita as condições que o Eurogrupo lhe propõe. Pelo visto Portugal é um burro de carga e eles gregos é que são os espertos...

A Grécia vive há muito, não dos rendimentos que não tem, mas das esmolas dos outros países. Não lhes interessa como o dinheiro aparece, desde que venha! Isto é... os Gregos andam a comer à custa dos outros. Não me parece de todo justo!

É sabido que a situação geo-estratégica da Grécia pode-lhe valer como um grande trunfo. Todavia não vale para sempre. E se acusam o Eurogrupo de chantagem, da mesma forma se pode acusar o governo helénico de usar a sua posição no Mediterrâneo como moeda de troca.

Não calculo nem imagino o que será da Europa no dia seguinte à saída da Grécia. Mas duma coisa estou certo: os gregos, se votaram contra o euro vão-se arrepender amargamente. Mesmo que os Russos lhes dêem a mão.

 

Não havia necessidade!

Há pessoas que fazem determinadas observações que parecem assim à primeira vista inocentes mas que inocentes não têm nada.

Foi o caso da Presidente do FMI, Christine Lagarde, que em declarações públicas disse qualquer coisa como: temos de nos reunir como adultos.

Quando ouvi isto estranhei e tenho andado o dia todo a matutar nisto.

De súbito fez-se luz... As palavras tinham um destinatário: o governo Grego.

De forma subtil a ex-ministra das finanças francesa deu uma alfinetada a Trsipras e a Varoufakis tendo em conta a relutância das suas posições.

Realmente não havia necessidade!

Ainda a Grécia!

Nem quero imaginar como estarão os adeptos portugueses do partido de Tsipras. A vitória da esquerda radical grega parecia vir a tornar-se um bom exemplo de como a crise que assolou a Europa poderia (e deveria) ter sido tratada.

Porém e após sucessivas negociações entre a Comissão Europeia e os ministros gregos não há ainda qualquer acordo entre as partes, estando a Grécia neste momento mais próxima de sair do euro e entrar em falência, do que regressar ao seu estatuto euopeísta.

Visto à distância a Grécia tornou-se um peso morto para a Europa. Primeiro porque tem inviabilisado toda e qualquer tentativa de aplicação de reformas internas, no seguimento do que foi feito em Portugal, segundo porque é obvio que aquele país helénico jamais pagará qualquer dívida o que dificulta, e de maneira, a assumpção de novos empréstimos.

É certo que ninguém empresta dinheiro se souber de antemão que nunca o receberá, mesmo que aquele seja onerado com altos juros.

Voltando ao princípio deste texto os grandes defensores do Syriza, fora das fronteiras helénicas, após as sucessivas derrotas de entendimento, viram-se agora para outras lutas percebendo que as ideias da esquerda grega não passaram de um monte de boas intenções.

Sem resultados práticos!

Tsipras à moda de ... Bruxelas?

Bom parece que a ideia de que a Grécia iria fazer finca-pé à UE não passou de um monte de (boas) intenções. No fim de contas a montanha pariu um rato e não obstante terem mudado de semântica, o que conta é que a Grécia vai ter que vergar-se à vontade da UE se quiser receber uns milhões que faltam, nas próximas semanas.

A Grécia necessita da última tranche de dinheiro como de pão para a boca. 

O governo helénico meteu-se por caminhos apertados e está agora numa encruzilhada. Sempre pensou que a Rússia estaria do seu lado apoiando nas suas opções contra a UE, com a contrapartida de acabarem as sansões contra Putin. Só que a guerra quase fraticida na Ucrânia e a crise interna do país deixaram a Rússia sem (grande) margem de manobra no que respeita às pretensões gregas.

Deste modo seja a Troika ou os colaboradores europeus ou outro nome qualquer que queram atribuir, o que vai acontecer na Grécia é a manutenção de grande parte das medidas de austeridade. Doa a quem doer, custe o que custar. Com uma simples ressalva: provavelmente terão outro nome...

Tsipras à moda da... Grécia

Isto da política até tem a sua piada.

Em Portugal e em alguma da  Europa mediterrânea a vitória da esquerda radical na Grécia é tida como uma vitória dentro de portas. Todos os partidos de esquerda ou centro esquerda e eurocépticos querem colar-se a a toda a força a esta vitória. Em Espanha o partido "Podemos" parece outrossim estar sentenciado a um destes dias ser governo. Assim votem os espanhóis.

Em Portugal, curiosamente António Costa desviou-se dos camaradas do PASOK helénico e anda muito entusiasmado com a actual "coragem" grega.

Mas é aqui que as coisas parecem mudar de figura. A Grécia está definitivamente falida. Não tem dinheiro e não terá qualquer crédito no futuro se teimar em não querer pagar o que deve. Mas o actual ministro da economia grego já veio dizer que a Grécia quer respeitar os compromissos assumidos, no entanto em moldes diferentes daqueles que foram anteriormente acordados.

Que quererá isto dizer então? Que o PM helénico Alexis Tsipras dá o dito por não dito e inflecte a 180 graus naquela sua ideia de não pagar e abolir a austeridade? Parece-me bem que sim, pois pelo que tenho vindo a perceber há um eventual recuo no radicalismo do PM grego, tentando para já agradar curiosamente a gregos e a troianos.

Não imagino o que o futuro lhes reservará com estas atitudes, algumas extremistas outras nem tanto, mas a Europa jamais olhará para os actuais políticos gregos da mesma forma que olhou para os seus antecessores.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D