Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Quando os outros somos nós!

Um dia perguntaram-se do que é que necessitava para ser feliz. Respondi naturalmente com um redondo nada. E ainda hoje penso assim.

Quando há tanta gente a aproveitar-se do lugar político, eu reservo-me o direito de optar por uma vida anónima e viver cada dia de forma serena e desapoquentada.

È óbvio que tenho muitas vezes momentos baixos e recheados de uma tristeza profunda, Todavia esta existe somente porque não consigo resolver alguns dos problemas com que me deparo diariamente.

O Mundo não é um lugar perfeito, mas poderia ser bem melhor.

O problema é que também nós não fazemos, bastas vezes, a nossa parte.

Mas adoramos queixar-mo-nos das nossas sofrívreis vidas.

Está na génese lusitana.

Não esquecer - 25

Não Esquecer anterior

 

Amar muito e bem

Nada melhor que o amor para acabar esta já longa série, de uma espécie de desafios que eu trouxe para aqui.

Amar foi, é e será sempre muito importante na vida de um pacato cidadão. Quanto mais para um pobre de Cristo mais preocupado em sobreviver neste mundo tão árido de amor.

E neste amor envolvo não só as relações interpessoais, mas outrossim o amor a Deus, o amor aos nossos sonhos ou unicamente o amor à Natureza.

Portanto termino com um ensejo: que se ame muito, sim... e bem, também... mas acima de tudo que se ame... Simplesmente!

Não Esquecer - 24

 

Alcançar o topo de todos os seus projectos

 

Não é fácil. Nem sempre possível.

Vivemos certamente com o intuito de lá chegar. De alcançar aquele topo de montanha de desejos. Mas provavelmente o que importa mesmo é ter projectos, novas ideias, ensejos, sonhos...

Porque sem eles a vida não tem sal nem qualquer tempero.

E nada melhor que um apimentar de vida para que o nosso sangue volte a correr com força nas nossas veias.

Pelo meu lado, e se deus me der vida saúde e tino, terei sempre projectos para realizar...

... E nunca esquecer!

 

Não esquecer - 22

Não Esquecer anterior

 

Ter mais projectos que recordações

 

Isso é que era bom... Com a minha idade será, provavelmente, muito difícil ter mais projectos que recordações. Ou, quem sabe, ainda vou viver muitos anos de forma a que possa engendrar outros tantos projectos.

Todavia se pensar bem do meu passado não guardo muitas recordações... Por isso nem me parece impossível ter mais projectos.

Na vida quotidiana guardamos tanto lixo nas nossas almas que dificilmente deixamos espaço para ideias futuras.

Portanto é bom procurarmos o caminho noutros trilhos.

E fazer com o futuro seja inesquecível.

Não esquecer - 21

Não Esquecer anterior

 

Não comprar bilhete de regresso

 

Por  vezes sinto quase necesssidade de fazer isso. Não tem a ver com a minha vida mas sim com aquele meu espírito vadio...

Foram os bilhetes comprados sem regresso que fizeram de Portugal um país dono de quase meio mundo.

Eu sei que eram outros tempos.

Viajar ao intímo de nós mesmos é também comprar uma viagem sem regresso. Mas se regressamos jamais seremos os mesmos.

Não tenho dúvidas que há bilhetes sem regresso.

A morte é uma delas!

Não esquecer - 20

Não Esquecer anterior

 

Dormir sob as estrelas

 

Já dormi algumas vezes ao relento. Especialmente quando era mais novo e acampava.

A ligação que devemos ter com a natureza é normalmente muito proveitosa. Somos essencialmente seres urbanos, habituados e convencidos de que somos (quase) eternos.

Olhar a imensidão do céu numa noite de luar é algo que nem todos sabem apreciar.

Da mesma maneira o mundo que se espraia à nossa frente deve ser olhado como algo espectacular.

Porque o espectáculo está na própria vida. E de como sabemos vivê-la.

Não esquecer - 19

Não Esquecer anterior

 

Conquistar os seus medos

 

Em questão dos medos sou um pouco como os irredutíveis gauleses.

Quanto a conquistar medos... tenho medo que a velhice me traga demência e senilidade.

Não tenho qualquer intenção de conquistar seja o que for. Nada há para o fazer.

Conhecer-mo-nos na nossa plenitude é uma aventura muito dificil de desbravar.

E na maioria das vezes não temos coragem para o fazer.

 

Não esquecer - 18

 Não Esquecer anterior

 

Viver sem internet 24h e que não seja por falta de cobertura

 

Nada mais fácil!

É certo que o acesso à internet é algo que seduz qualquer pessoa. A informação na hora, as opiniões, as mensagens... tudo parece ser muito importante para todos nós.

Mas conscientemente sei que não necessitamos estas plataformas para viver. Tal como de outras coisas.

É por vezes necessário fugirmos então deste mundo, cada vez mais atribulado, sairmos do conforto dos nossos lares, para percebermos o que é realmente importante nas nossas vidas.

Naturalmente!

 

 

Não Esquecer - 17

Não Esquecer anterior

 

Correr à chuva sem roupa

 

... Talvez só na praia. 

Porque já por diversas vezes estive à beira-mar e a chover. Seria fácil...

Mas despojarmo-nos de tudo o que temos é uma daquelas iniciativas que nem todos seremos capazes de assumir. Eu incluído! Habituamo-nos durante anos a viver assentes em determinados pressupostos que mui dificilmente somos levados a abdicar deles.

E na maioria dos casos nem temos consciência disso. Todavia basta correr sem roupa à chuva para finalmente percebermos e acima de tudo dar o respectivo valor ao que temos.

Temos pouco? Talvez... Mas há quem não conheça a palavra ter... Porque nunca teve!

Não esquecer - 16

Não Esquecer anterior

 

Fazer amor onde normalmente nunca o faria

 

Ena... este é daqueles desafios que me obrigam a puxar pela cabeça. Primeiro porque a questão não é simples e envolve uma outra parte. Segundo porque este parece um daqueles desafios com "pano para mangas".

Mas um sítio onde jamais faria algo parecido seria em cima da neve. O frio é inibidor...

Todavia se olhar para este exercício somente como um teste à capacidade humana para superar desafios, percebo que tem muitas potencialidades. Todos nós temos pequenos traumas, receios oriundos sem se sabe muito bem de onde e que por vezes nos limitam no nosso relacionamento com os outros.

Este será porventura um daqueles exercícios que jamais farei. Não por vergonha ou incapacidade, mas somente porque nunca me sentiria confortável com a situação.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D