Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

O pecado de ... viver!

Sou católico! Se agora estou menos participativo, tempos houve em que não falhava uma eucaristia semanal! Só que a vida coloca-nos tantos desafios que a determinada altura há que saber escolher. E eu geralmente escolho a família!

Não obstante a minha fé será mais cristã que meramente católica-apostólica-romana, pois sinto que Cristo é a minha verdadeira fonte de inspiração. Muito na linha do que me disse cdrta vez um padre amigo: há muitos católicos, mas poucos cristãos!

Se sou um homem de fé também tenho a mente e espírito aberto e sem quaisquer pruridos no sentido de aceitar os que são ateus, agnósticos, muçulmanos, ortodoxos, protestantes e obviamente testemunhas de jeová!

Ora bem... passemos então ao que aqui me trouxe!

Conheço um homem idoso que fez da sua garagem um autêntico museu de coisas velhas e sem valor, mas que para ele fazem sentido ter! Tirando uma peça ou outra com alguma graça tudo o resto vale... zero! No entanto sempre que tenho algo para deitar no lixo penso primeiro nele e se estará interessado na coisa. Geralmente quer tudo!

Um destes dias, ainda antes do Natal, apresentei-me na sua garagem com mais uns objectos que ele adorou. Tem sempre o cuidado de me perguntar quanto é, cuja resposta nunca difere: não é nada! Quando estava para me ir emborra despedi-me e tive este breve diálogo final:

- Então Bom Natal - e estendi-lhe a mão num cumprimento.

- Ah mas eu não ligo ao Natal... sou Jeová! . respondendo ao cumprimento manual.

- Desculpe, não fazia ideia!

- Não faz mal.

Para logo acrescentar:

- Também não comemoro os meus anos. Ainda fiz há dias anos... - nem prosseguiu.

Logo percebi que ninguém lhe dera os parabéns!

Parti então para a minha vida, mas esta ideia do aniversário... ficou pendente na minha mente! Só hoje, finalmente, é que me debrucei sobre este assunto pois fiquei sem perceber porque alguém, seja de que crença for, não pode ou deve comemorar o seu aniversário.

Será que para algumas confissões religiosas mais radicais viver torna-se... pecado? É que se não é, pofr este testemunho, parece!

Olhó Natal!

Este tempo de Natal e festas pode tornar-se estranho e por vezes enviezado. A partir do dealbar do mês de Dezembro é frequente desejarmos as Boas Festas incluindo nestas, obviamente, o Natal!

Porém as pessoas podem até nem gostar do Natal por diversas razões pessoais, podem professar religiões que não comemoram esta festa ou simplesmente estarem-se olimpicamente borrifando para estas festas.

Deste modo custa-me desejar aos outros as, tão normalizadas, boas festas ou um bom Natal. Porque posso estar a obrigar os outros a responder-me sem que seja esse o seu verdadeiro desejo. Mas se nada disser poderei estar a ofender alguém que pensará simplesmente que sou mal educado, por nem desejar as Boas Festas!

Mas sendo eu católico não deveria ter este tipo de discurso e considerar que o tempo de Advento deveria ser igual para todos. Todavia reconheço que a fé envolve muitas formas e diferentes credos. Deste modo não posso pensar que a verdade estará só do meu lado.

Enfim o Natal deveria ser um momento de partilha, mas acima de tudo uma época de tolerância especialmente perante aqueles que são diferentes de nós!

A vitória 24... da fé!

Acabou já de madrugada em Portugal a final de ténis do Open dos Estados Unidos que colocou no "court" principal de Flushing Meadows o sérvio, já veterano, Novak Djokovic contra o russo Danil Medvedev repetindo-se assim a final de 2021. Nesse ano foi o atleta russo o grande vencedor. Desta vez foi Djokovic! De forma meritória!

Há muito tempo que não assistia em directo a uma final do "Grand Slam". Durante mais de três horas vi bom e menos bom ténis, como acontece quase sempre.

O curioso é que enquanto o público presente rejubilava com fervor os pontos ganhos tanto por um como por outro atleta, muitas vezes as câmaras passavam pela assistência e insidiam amiúde sobre os apoiantes de Novak e de Danil.

Consegui perceber o apoio da esposa e dos filhos do campeão sérvio e o profundo nervosismo da mãe de Djokovic plasmada numa postura religiosa como pedindo a Alguém que ajudasse o filho a conquistar mais um título. Lembrei-me também duma velhíssima frase: mãe... é sempre mãe!

Por fim Djokovic após a vitória persignou-se perante milhares de espectadores presentes (não imagino os milhões pela televisão).

E é aqui que pretendo chegar... Num tempo em que a fé religiosa é considerada quase um atentado, gostei que o sérvio mostrasse a sua perante tanta e tanta gente.

Eu que em privado critiquei este atleta por não aceitar as condições impostas pela Austrália aquando do Open do ano passado por causa do Covid-19, é de toda a justiça aplaudir o seu gesto de hoje.

Mostrou-se um campeão na conquista do seu 24º título do Grand Slam. No court, na vida e na fé!.

Parabéns Djokovic.

 

A Igreja católica e a fé!

Certo dia numa peregrinação a Fátima um Padre que também fazia o caminho disse-me: sabes no Mundo há muitos católicos, mas poucos cristãos!

Esta frase fez mossa nas minhas ideias, mas faz todo o sentido! O que mais falta por aí é gente que se diz muito católica, vai à missa, bate com a mão no peito, segue (quase) todos os procedimentos da Santa Igreja, mas pouco ou nada afoita em aceitar o caminho que Cristo indica!

Ainda no rescaldo das JMJ e dos diversos textos que li de Papa Francisco e sobretudo de algumas “buchas” que o Santo Padre foi incluindo nos seus diálogos fico com a certeza que muitas das suas palavras eram destinadas àqueles que em nome da Igreja só fazem asneiras.

Não falo apenas dos abusos sexuais, mas da maneira como muitas paróquias gerem os seus fiéis. Aquela frase de Francisco repetindo: “todos, todos, todos” poderá ser um sinal evidente de como muitos padres gerem deficientemente as suas comunidades, esquecendo alguns fiéis e menosprezando muitos outros.

A fé não é um medicamento que se compra numa qualquer chafarica de vão de escada, mas “apenas” um sentimento de libertação dos nossos tristes despojos interiores. Todavia a fé em Deus ou noutra divindade qualquer é, para muitos, uma espécie de escudo que tudo iliba e reconfigura.

Pior… é em nome desta mesma fé que muitos continuam a cometer crimes, sejam eles de cariz sexual ou outros!

O Santo Padre sabe muito bem disso.

O Santo Padre conhece bem os meandros da sua Igreja que, definitivamente, não é aquela que gostaria!

JMJ e o Santo Padre! - Obrigado Papa Francisco!

No seu último, mas não menos infatigável dia o Papa Francisco presidiu à eucaristia desta manhã no Parque Tejo onde milhares de peregerinos se voltaram a juntar (provavelmente a maioria nem saiu de lá durante toda a noite!) para ver e escutar mais uma vez as palavras sempre marcante do Santo Padre.

Uma homília curta, mas nem por isso menos afoita. Francisco apelou aos jovens para "não terem medo" numa alusão à maneira como muita juventude esconde as suas ideias com receio do que os outros pensam. Poderia mesmo acrescentar que este "Não temam" poderia ser dirigido àqueles que escondem a sua tendência profissional, cultural e até sexual. Mais uma vez muito bem o Papa Francisco.

No final Francisco agradeceu a todos quantos acreditaram e fizeram acontecer estas Jornadas Mundiais da Juventude e comunicou Seul como destino das próximas JMJ. Em 2027!

Cabe-me agora também agradecer ao Papa tudo o que fez por esta juventude. Foi um exemplo de pujança, vigor, perseverança e resiliência. Uma imagem que deveria perdurar por muitos anos nos corações dos jovens presentes.

Fica, quiçá, uma questão em aberto: que irão fazer os jovens presentes com todo este capital emocional e de fé que receberam durante estes dias? Só espero e desejo que nenhum deles, nenhum mesmo, num futuro mais próximo ou mais longo seja fomentador de uma guerra, como vemos ora espalhadas pelo mundo.

Finalmente termino com uma expressão beirã: bem-haja Papa Francisco!

JMJ e o Santo Padre! - Quem é este Papa?

Ou será melhor perguntar: o que é este Papa?

São 19 e 30 minutos e neste momento um canal de televisão está a mostrar imagens aéreas do Parque Tejo e de milhares e milhares de pessoas presentes. Arriscaria dizer que esta mole deverá passar para o concelho de Loures já que para lá do rio Trincão a multidão não pára de crescer.

Com uma temperatura acima dos 30 graus centígrados há que louvar estes peregrinos que desde o dia 2 têm vindo publicamente e de forma muito calorosa mostrar ao Mundo que a Juventude sabe quem é este Papa e que sua Santiadde pode contar com esta mesma juventude.

Esta tarde o Mundo transferiu-se para este lugar

Parque_tejo.jpg 

unicamente para rezar pela noite dentro numa vigília com o Sante Padre!

Quase uma hora depois de ter principiado a escrever este postal e com muuuuuuuuuuuuuuuuitas interrupções para ver o trajecto do Papa Francisco pelas ruas da urbe lisboeta, mantenho a questão de início deste postal: o que é, verdadeiramente, este homem? Como se consegue arrigementar tanta e tanta gente?

Só com o dom da sua palavra e que toca os corações!

JMJ e o Santo Padre! - A mensagem de hoje

O Papa Francisco é a figura do momento em Portugal e no restante Mundo!

Digam o que disserem esta é uma verdade insofismável e à qual não se pode ficar indiferente.

Francisco é um exemplo para os jovens e menos jovens de estoicismo, de entrega, do amor profundo de Deus ao homem.

Vi na televisão e em directo a cerimónia de abertura destas JMJ no Parque Eduardo VII. E reparei nos olhares comovidos de tantos e tantos jovens ao escutarem as assertivas e profundas palavras do Santo Padre.

Mais um vez o Papa a mostrar-se muito atento às diversas variáveis que entram nas vidas dos jovens sem que eles quase dêem por isso.

Continuo a pensar que o Papa actual é um homem que pensa, como agora se gosta de dizer, fora da caixa. Pensa e age!

Amanhã será mais um dia aterefado para o Sumo Pontífice. Mas já deu para perceber que Francisco é pessoal com uma estaleca fora do normal e com capacidade de tocar muuuuuuuitos mais corações!

Baste que estejamos atentos!

JMJ - o Mundo aos pés de Lisboa!

Eu sei, nós sabemos, até o Camões sabia que a inveja é o nosso maior defeito. Vai daqui talvez perceba a quantidade de críticas ao evento que amanhã se inicia e que dá pelo nome de Jornadas Mundiais da Juventude!

Como homem de fé que sem vergonha ou receios me apresento, sinto-me feliz por Lisboa ser durante cinco dias... a capital do Mundo. Nomeadamente o Mundo Católico.

De alguns tempos a esta parte tenho vindo a ler muita crítica sobre este enormíssimo evento. A maioria a dizer mal, acima de tudo, por causa dos custos associados. Como diria o outro "se não é do burro é da albarda"... Custasse este acontecimento 100 euros ou 100 milhões haveria sempre que deitar abaixo! Mas evocam-se outras razões nas críticas... Diria que o costume nestes casos!

Depois... se a CML fosse liderada por alguém de esquerda provavelmente os comentários seriam mais amistosos para a edilidade. Isto é, no fundo não se diz mal por séria convicção, mas somente porque fica bem estar do lado contrário, até porque sabem que não terão qualquer resposta.

Por mim digo que adoraria ser jovem e poder participar num evento deste calibre. No meu tempo não havia coisas destas e quando as houve eu já tinha outra idade e outras responsabilidades familiares.

Espero e desejo que estas Jornadas Mundiais da Juventude sejam inesquecíveis, pelos melhores motivos. O Papa Francisco mesmo debilitado mostrou coragem e abnegação em propor-se em estar presente. Um gesto que mostra quão corajoso e humano é o sucessor de S. Pedro.

Que Deus Todo Poderoso oriente estes milhares de jovens numa vida consagrada à obra de Cristo.

JMJ_2023.jpg 

Entretanto os críticos continuarão a dizer mal. Felizmente com pouco palco! Pois como disse uma vez D. António Ribeiro, antigo Cardeal Patriarca: o Estado é laico mas o povo não é!

Há seis anos!

Neste mesmo dia mas em 2017, portanto há meia dúzia de anos, estava em Fátima, na Cova da Iria nas comemorações do Centenário das Aparições.

Entre milhares de peregrinos presentes no recinto houve um que se destacou: o Papa Francisco. Um homem de fé, mas outrossim de cultura, conhecimento, racionalidade quanto baste e coragem.

Porém do dia 12 e 13 des te mês de Maio de 2017 guardo uma frase que emocionou os fiéis presentes e obviamente o Mundo, especialmente o Católico. Na homília da missa que consagraria os irmãos Francisca e Jacinta como santos da Igreja escutei o Papa dizer: temos Mãe!

Duas palavras que transbordam de realidade. Duas palavras que acrescentam à nossa vida um peso e uma consciência de finitude.

Uma Mãe que é omnipresente na vida de todos nós, que não vemos, não a sentimos fisicamente, mas que está sempre lá!

Pensemos nisso!

 

Quando peregrinar… é ficar!

Como já divulguei em postal anterior dei por finda as minhas caminhadas em peregrinação até Fátima!

Quem se coloca a caminho até um qualquer lugar santo em peregrinação sabe de antemão que irão ser dias duros, pesados e acima de tudo desafiantes.

Se para mim todas as peregrinações tiveram um sentido muito específico e diferente em cada ano que caminhei, também fiquei ciente que aquelas deixaram de ser uma penitência mas algo até agradável.

Em termos meramente teóricos uma peregrinação carrega simbolismo, é certo, mas outrossim algum sofrimento, alguma dor física e de alma e mais que tudo deverá estar envolvida em muito espírito de sacrifício.

Ora se caminhar para mim é um prazer ou uma alegria, logo o verdadeiro sentido de uma peregrinação fica desvirtualizado.

Vai daqui fiquei a matutar nesta última ideia e conclui que é maior o sacrifício de ficar em casa que andar pelas estradas, mesmo sob um sol inclemente. Sofro mais por não escutar a Palavra do Senhor, por não poder ajudar outros companheiros de caminhada, por não ser porto de abrigo das palavras dos que comigo caminham.

Então se peregrinar é sofrer concluo que estando em casa também peregrino. Oiço o meu silêncio e as minhas leituras mesmo que não sejam do evangelho têm a mesma função de me fazerem acordar para outras realidades.

Peregrino assim ao âmago da minha alma procurando lá as respostas que necessito!                                                                                                                                                                                                                                                                                                          

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D