Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Que Deus é este?

Leio e sei de muita gente que se assume, no que refere à religião, como ateu ou agnóstico. Estão no seu perfeito direito e sendo eu um homem de fé não critico ninguém, até porque esta tem tantas, mas tantas versões...

Levanto este tema pelas palavras que li, proferidas pelo doutor Daniel Sampaio, ilustre psiquiatra e irmão do antigo Presidente da República, o doutor Jorge Sampaio. Aquele médico esteve gravemente infectado com Covid19, tendo estado internado durante 50 dias.

Todavia o mais curioso foram as palavras do próprio médico ao afirmar que a determinada altura "... muitas vezes pensei em Deus e se Ele me podia ajudar..."

Apraz-me perceber que Deus, independentemente das (poucas) convicções religiosas, continua a estar presente no espírito de muitos, mesmo que digam que não acreditam ou acima de tudo não queiram acreditar.

Esta assumpção do doutor Daniel Sampaio não é caso único. Já vi e assisti a outras pessoas profundamente afastadas de qualquer religião assumirem que num determinado momento crítico das suas vidas sentiram que, quiçá Deus, os poderia ajudar.

Por fim tenho de elogiar as declarações públicas do doutor Sampaio. Especialmente por terem vindas de alguém que se assume agnóstico.

Sexta-feira Santa!

Hojé é sexta-feira de Paixão. Um dia santo para os católicos onde me incluo ou diria mesmo o dia mais importante nesta fé que professo de forma voluntária e sentida.

Não sei explicar o que este dia representa para mim, pois é mais forte que um mero sentimento. Acima de tudo é entregar a minha simples vida nas mãos puras de Deus.

Tenho consciência, no entanto, que nem sempre fui assim. Durante anos afastei-me da fé. Ou fosse porque não queria ser diferente dos demais com quem convivia ou fosse por preguiça ou somente por descrença pura, a verdade é que durante muitos anos fugi de Deus.

Todavia um dia Ele entrou, sem eu dar conta, na minha vida. E desde essa altura nunca mais deixei de Lhe agradecer todos os momentos que me tem proporcionado: os bons e os menos bons.

Viver estes dias Santos é um privilégio que gosto genuinamente de sentir.

Que Deus me deixe vivê-los na sua plenitude.

Recordar outros caminhos

Não fosse a pandemia e hoje provavelmente estaria a caminho de Fátima na costumada peregrinação que tenho (ou tinha) por hábito fazer todos os anos.

Costumam ser cinco dias cheios, tão cheios que não fosse o coração uma caixa imensurável para receber emoções, provavelmente não caberiam lá.

O ano passado não houve peregrinação e este ano também não e pelo andar desta carruagem não imagino quando poderemos regressar ao caminho.

Hoje Domingo de Ramos era sempre um dia muito, mas muito especial.

Celebrei-o de forma obviamente diferente, mas ainda assim quero acreditar que poderei voltar ao caminho em breve.

Fica a cruz de Cristo que espero e desejo que ilumine todos quantos aqui vêem. Mesmo os que não acreditam. Eu acredito por eles!

cruz_cristo.jpg

 

Hoje, quarta-feira de cinzas!

Não posso deixar hoje de escrever sobre a minha relação com a fé. Sou católico, mas como diria o meu bom amigo padre J.: há muitos católicos, mas poucos cristãos.

Infelizmente ele parece ter cada vez mais razão.

Portanto aprendi nesta longa caminhada de mais de sessenta anos que não vale a pena andarmos por cá a fomentar guerras marialvas porque um dia vamos embora deste Mundo terreno e não levamos nada connosco.

Assim sendo prefiro ajudar quem precisa.

Nesta quarta-feira de cinzas o meu avô costumava sair de casa de madrugada para regressar só à noite de forma a não cair na tentação de comer carne. Jejuava portanto. Eu já não o faço!

Portanto começa hoje a quaresma católica que culminará na Páscoa. Quarenta dias mais os domingos que deverão servir para quem tem fé, para viajarem ao interior de si próprios e procurarem qual o melhor caminho para as suas vidas.

Parece assim, à primeira vista, algo estranho e quase enigmático, mas quantos de nós necessitamos de parar e rever os nossos passos. Este tempo quaresmal no fundo serve para isso mesmo: relançarmos à terra renovadas sementes para que cresçam searas recheadas de novas ideias e melhores atitudes.

Sei que é fácil falar. Que muitas vezes não conseguimos controlar os nossos impulsos internos, mas tentemos… tentemos sinceramente ser diferentes.

Um Santo caminhar até à Páscoa!

A luz dos ausentes!

Na Cova da Iria, neste dia tão santo para os católicos, os peregrinos não estiveram, mais uma vez, presentes. Nem ontem à noite na célebre Procissão das Velas.

Um recinto vazio de pessoas, mas repleto de profunda fé.

Foi na casa de cada um de nós, que peregrinamos muitas vezes até Fátima e na vida, que ontem a luz se tornou realidade. À janela, nos nossos corações, no espirito cristão que nos acolhe em cada passo.

Aqui morou e ainda mora a esperança de um novo dia… mesmo sem ninguém!

Fatima_s_peregrinos.jpg

 

Uma Semana Santa diferente...

... para nos obrigar a pensar!

Com o Domingo de Ramos celebrado ontem, iniciou-se a semana maior dos católicos a que eu orgulhosamente pertenço.

Se o vírus não tivesse entrado pelo país adentro, parte deste tempo Pascal seria passado a caminhar até Fátima, num encontro sempre renovado com a Mãe de todos nós.

Porém Deus propôs-me e  propõe-nos este ano outros desafios, diferentes alternativas.

O confinamento, quarentena, clausura, o que quiserem chamar, a que estamos actualmente sujeitos, obriga-nos a repensar a nossa vida neste mundo terreno, a finalmente perceber que somos demasiado frágeis, a inventar dentro de nós novas formas de percebermos este universo que nos rodeia.

Esta semana maior deverá assim servir para acordarmos para uma realidade que será certamente muito diferente daquela que até agora estávamos habituados. Deus através do seu filho Jesus Cristo deu-nos em exemplo de entrega e de sacrifício. É este então o tempo de Lhe seguirmos o exemplo de renovação dos nossos corações, de diferenciarmos o que é importante do que é acessório.

Sei que muita gente não crê neste renascimento Pascal. Não importa… Acredito eu!

E é por isso que rezo todos os dias pelos meus familiares, por todos os meus amigos mesmo aqueles que não crêem (essencialmente estes!!!) e, acima de tudo, por todos aqueles que nos hospitais vão lutando pelas vidas dos outros. São eles as verdadeiras testemunhas da Redenção e Ressurreição de Cristo.

Santa Páscoa para todos!

Em modo peregrino! - versão Convid19

No passado Domingo estive numa reunião preparatória da próxima Peregrinação a Fátima a pé.

Todavia e com a precipitação dos recentes acontecimentos com o alastrar do virus da gripe, a organização decidiu adiar a caminhada para Setembro.

Uma decisão recheada de bom-senso.

Portanto o meu modo peregrino ficará naturalmente adiado por uns meses.

Como costumo dizer nem sempre a vida me dá o que eu desejo, pois dá-me somente aquilo que necessito.

A gente lê-se por aí!

Já em modo peregrino!

De hoje a um mês estarei a chegar de mais uma peregrinação. Entretanto realizou-se esta tarde a reunião habitual de apresentação de toda a equipa da organização.

Seremos ao todo 110 peregrinos, contando obvimente com os elementos de apoio.

Por aquilo que me foi dado costactar irão muitos jovens (ainda bem, é necessário dinamizar a juventude para estas experiências), muita gente pela primeira vez e também muitos peregrinos já conhecidos de anteriores peregrinaçães e porque não dizê-lo se tornaram bons amigos.

É uma dádiva enorme estar inserido num grupo destes, dispostos a "orar com os pés", como descreveu um dia um amigo do cardeal Tolentino de Mendonça, ao referir-se a uma peregrinação em que participara.

Começa hoje, assim, uma espécie de contagem decrescente até chegar à madrugada do dia 4 de Abril.

É que há muita coisa para preparar.

Acima de tudo o espírito. É que isto de nos pormos a caminho tem muito que se lhe diga!!!

A gente lê-se por aí!

Um dia memorável!

Este dia ficará marcado no meu coração a ferro e fogo. Pelos melhores e maiores motivos!

Há mais de 40 anos que a freguesia urbana onde resido habitualmente desejava ter uma igreja. O templo que se usava era uma cave disponibilizada graciosamente pela Câmara Municipal com infimas condições.

Diversos projectos estiveram em cima da mesa, alguns deles, diria, impossíveis de se realizarem. Mas a persistência do mesmo povo que fugiu do Egipto e vagueou durante 40 anos antes de chegar à Terra Santa é o mesmo que abraçou e colocou no terreno um novo templo que hoje se dedicou a S. Brás!

D. Manuel Clemente, o digníssimo Cardeal Patriarca de Lisboa dirigiu as cerimónias para a Santa Dedicação. Muitos padres presentes, a maioria deles que passarram pela paróquia, muitos acólitos, muitas individualidades regionais donde se destacou a senhora Presidente da Câmara.

Durante anos lutou-se contra tudo e todos para se conseguir erguer aquele templo. Uma Comissão, à qual tive o grato previlégio de pertencr, foi o orgão principal onde tudo se decidiu. Muitas reuniões, muita discordância, muita aprovação, muito empenho, muita carolice.

Como escreveu um dos maiores poetas de Portugal: Deus quer, o homem pensa, a obra nasce.

Ora se Deus quis, a verdade é que foi o homem que pensou, imaginou, lutou para que obra finalmente nascesse.  E nasceu na sua forma mais pura: da simplicidade de um povo eleito!

Depois foi a festa com centenas de pessoas a comerem e a beberem.

Um dia simples para jamais esquecer!

Uma igreja que não se abre!

Quem por aqui passa amiúde sabe que sou católico, professo uma fé, que peregrino, vou à missa sempre que o meu espírito manda. Mas nada desta minha postura me tolda o discernimento no que respeita à postura da instituição Igreja em face dos seus crentes e dos seus padres.

Sempre achei que ser-se padre não é para todos. É necessário sentir o tal “chamamento” do Espírito Santo. Mas como tudo na vida há momentos de dúvidas, incertezas, que podem originar dilemas pertinentes.

O celibato dos padres é uma das mais importantes questões que se levantam actualmente. Será que faz sentido os padres não poderem constituir a sua própria família?

Sinceramente e por aquilo que tenho observado sinto que os padres poderiam perfeitamente casar. Aceito que aquele que o fizesse ficaria sujeito a ser pároco toda a vida sem poder ascender a outro patamar dentro da igreja. Mas provavelmente seria muito melhor padre que seria como Bispo…

Na minha vida conheci, pelo menos, três exemplos de homens que abandonaram a vida eclesiástica para assumirem uma relação fora do contexto da igreja. São hoje homens felizes, realizados e não perderam, ao contrário do que muitas vezes se faz constar, não perderam repito, a fé!

A sociedade “civil” ganhou homens e pais fantásticos, exemplos únicos.

A igreja perdeu padres fabulosos, exemplos perfeitos de como a igreja não deve proceder.

Depois não se queixem de não haver vocações ou da população se afastar da fé católica apostólica romana e optando por vezes por congregações muito duvidosas!

Caberá futuramente ao Vaticano rever os seus dogmas. Assim queira o Papa Francisco e a Curia Romana!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D