Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Convergência Ibérica?

Quando em 2015 a coligação PAF ganhou as eleições, sem maioria absoluta, e foi criada uma plataforma de entendimento entre diversos partidos de centro esquerda (vulgo geringonça) abriu-se uma espécie de caixa de pandora que agora Espanha tenta imitar envolvendo o PSOE como partido maioritário e mais uns acordos com diferentes organizações.

Tudo em nome de um poder que se diz democrático.

Este novo tabuleiro político só é possível porque a esquerda considera que tudo o que faz é bem feito desde que chegue ao poder.

Os Louçãs desta vida não percebem que ao jogarem o jogo político com estas novas regras estão, pura a simplesmente, a subverter o desejo popular expresso através do voto?

O próximo ano vai trazer mais eleições. Perfilam-se por isso novas demandas contra este governo de forma a fragilizá-lo e retirar a força que ainda tem. O PCP e o BE farão de tudo para que isso aconteça. A tal paz social que reinou desde que a geringonça assaltou o poder vai deixar de existir.

Exemplo disto foi a greve de hoje nos comboios que prejudicou milhares de passageiros. Virão de seguida as greves de professores e provavelmente daqui a uns tempos a FP por causa de um decreto qualquer.

Aproximam-se novos e estranhos tempos. O PSD tarda em encontrar um rumo num Rio repleto de incertezas. Cristas contradiz-se entre aquilo que propaga e o que fez enquanto governante. O AC, bem à moda de Trump americano desfaz o que PPC fez, não medindo as consequências nos seus futuros acordos. Enquanto a esquerda vai lançando algumas armadilhas já sobejamente conhecidas.

Se a inveja soez é o nosso pior defeito, a brandura da aceitação será, quiçá, a nossa maior virtude.

A questão da Catalunha

É mais ou mais conhecido a eterna rivalidade entre Barcelona e a capital espanhola, Madrid. Começa no futebol e termina nos eventos mais ínfimos.

Conheço bem aquela cidade condal e daí talvez entender o amuo entre as duas cidades que, até há pouco tempo era bem conhecido, mas quase sempre apaziguado.

Porém esta espécie de vulcão político teria de eclodir e a questão do referendo para a independência da Catalunha foi o percussor dessa implosão.

O problema é que se Espanha aceitasse a independência da Catalunha, logo a seguir teria o País Basco ou a Galiza (que há muuuuuuuito tempo gostaria de estar ligada a Portugal) a baterem à porta do PM castelhano com a mesma proposta de Independência para as suas regiões. Uma verdadeira caixa de Pandora dos tempos modernos que se abriria…

No entanto a forma mais ou menos violenta como o governo de Rajoy está a lidar com esta causa, não me parece que seja a mais apropriada. Utilizar a força para proibir um referendo só irá criar mais antagonismo contra o Palácio da Moncloa.

E parece ser já uma vitória dos independentistas.

Depois há a questão dos outros países da União Europeia que poderiam ser vítimas de convulsões semelhantes. O caso da Valónia ou mesmo da Escócia poderia ser um desses casos.

Finalmente creio ser tempo do Rei de Espanha, Filipe VI, pegar neste assunto com as suas próprias mãos e levá-lo para uma mesa de negociações onde todas as partes envolvidas estivessem presentes.

Espanha teria muito mais a ganhar e a Catalunha também.

Xeque-mate ao novo Rei?

 

Com a abdicação do Rei Juan Carlos a favor de seu filho varão Felipe de Bourbon, abriu-se uma caixa de Pandora. De um momento para o outro a nossa vizinha Espanha viu-se a braços com um problema político que não imaginava: a dúvida sobre a “real” razão de existência da monarquia.

 

Milhares de pessoas têm vindo para a rua exigir a convocação de um referendo, a questionar se os espanhóis preferem manter uma monarquia mesmo numa versão do século XXI ou bem pelo contrário desejam a implantação de uma 3ª República, a exemplo de Portugal.

 

Se me perguntarem se sou republicano ou monárquico, responderei com a primeira opção, tomando em consideração que jamais vivi numa monarquia. No entanto a figura de um Presidente da República num sistema parlamentar como o nosso, cinge-se a dar posse a ministros e secretários de estado, ou a condecorar individualidades no dia 10 de Junho.

 

Tirando isso o PR é apenas e apenas uma figura de retórica, quiçá com algum peso institucional, mas muito pouco poder. E é esta noção da realidade republicana que os nossos vizinhos espanhóis ainda não têm.

 

Enquanto qualquer candidato a presidente sai do arco dos políticos da governação, provavelmente refém de muitos apoios recebidos para a sua eleição, o futuro rei de Espanha, Felipe VI, conseguiu para já o feito invulgar de casar por amor com uma jornalista já anteriormente casada e mais tarde divorciada e tem vindo toda a sua vida a preparar-se para ser Rei de Espanha.

 

A minha reflexão final vai para a ideia de que, no actual contexto europeu, não sei se a manutenção de uma monarquia não seria o mais sensato.

 

Entretanto os xeques-mates ao novo Rei continuam!

Aqui ao lado – mais um clássico!

 

Nos próximos dias 30 de Janeiro e 27 de Fevereiro os eternos rivais espanhóis vão-se encontrar, uma vez mais esta época, para decidir um dos finalistas da Taça do Rei.

 

Três dias após uma vitória concludente no Estádio Mestalla por 5 a zero, o Real voltou a sofrer esta quarta-feira, acabando por empatar a uma bola, carimbando o acesso à meia-final.

 

O Barcelona foi mais feliz e ganhou fora por 4 a 2, mesmo depois de se deixar empatar a dois golos. Todavia os “criminosos” do costume – Iniesta e Messi – mataram o jogo, colocando a equipa Catalã no Santiago Barnabéu no dia 30 para disputar a 1ª mão da meia-final.

 

Começa bem em Espanha, futebolisticamente falando, o ano de 2013. Quem realmente gosta de (bom!) futebol olha para estes jogos com um natural e sempre excitante entusiasmo. De novo Ronaldo e Messi, frente a frente.

 

E nada melhor que este tira-teimas para dissipar algumas dúvidas quanto ao melhor jogador de 2012. E José Mourinho sabe isso, melhor que ninguém. Mas antes…

 

… O Real joga em casa, neste Domingo, contra o Getafe (12º classificado), num desafio que se prevê difícil (não nos esqueçamos que esta equipa foi a primeira a bater o Real neste campeonato, logo à 2ª jornada), mas perante o qual os merengues tem obrigação e dever de ganhar.

 

O Barcelona por sua vez recebe o aflito Osasuna, que luta desesperadamente por se manter entre os da primeira divisão espanhola. Ainda assim nada que faça tremer Messi e os seus companheiros.

 

Ficamos à espera do dia 30.

 

Por mim preferia a vitória do Real e claro está de José Mourinho!

Democracia, um conceito em vias de extinção

A nossa vizinha Espanha foi ontem "condecorada" com mais uma descida do rating pela agência Standard & Poor's. E desta vez foram dois níveis.

 

Com uma taxa de desemprego a rondar os 25% e com evidente tendência para subir, a Espanha arrisca-se a ser o terceiro país da zona Euro a ser intervencionado pela tão célebre "troika".

 

Portugal vive economicamente muito daquilo que exporta para Espanha. E os cortes que se adivinham no país vizinho não trazem obviamente boas notícias para o nosso país.

 

O novo governo espanhol vai apresentar novas medidas de austridade e de aumento de impostos, contradizendo aquilo que apresentou durante a campanha eleitoral.

 

Lá, tal como cá, os poíticos não são sérios. Mentem ao povo descaradamente.

 

Assim, cada vez as pessoas acreditam menos na política e nos políticos...

 

Ou não será esta a forma mais subtil de acabar com a democracia no Mundo?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D