Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Reformado... em tempo de pandemia!

Se há alturas em que as coisas não deviam acontecer, esta é uma delas...

Reformei-me oficialmente já em fase de desconfinamento, mas ainda assim sem a liberdade de outrora. De que me vale não ter de ir trabalhar se não posso sair de casa como calcularia, desejaria e mereceria?

Obviamente que quando assinei o acordo de saída da empresa, o virus era uma coisa das noticias de televisão, que vivia para lá das muralhas chinesas e jamais se imaginou que entraria nas nossas vidas de forma tão abrupta e tão evidente, limitando-nos o trabalho, as relações, a nossa liberdade de... tudo.

Pelo que vou sentindo, lendo e constatando esta situação pandémica vai perdurar por mais algum tempo. E eu aqui (quase) preso! Faltam-me os almoços de família, de amigos, de colegas. (Nem tive direito àquele almoço de despedida que se costuma organizar quando alguém ia embora da empresa!). Sinto saudade dos abraços e dos carinhos de filhos. E tendo sido avô hápoucos meses ainda nem sequer dei um mero beijo à neta! Quem diria?

Realmente não poderia ter escolhido pior momento para me reformar. Mas adivinhar o futuro é proibido!

Aguardemos pois por dias melhores e até lá vamos esgalhando uns textos...

A gente lê-se por aí!

Fico sempre triste quando alguém deixa de escrever e publicar. Então se for alguém competente mais ainda...

Ontem li aqui que o espaço, que tanta coisa publicou, vai encerrar. Conforme diz a própria autora este terá sido o primeiro capítulo. Espero então os novos capitulos. Aqui ou noutro lugar qualquer!!!

Compreendo perfeitmente que tentar manter um blogue com escrita de alta qalidade e de forma corrente, não é uma empresa de somenos. È exigente e requer tenacidade.

E depois...há as vidas de cada um. Muitas vezes assaz complicadas.

Portanto desejo à autora de "Amor líquido" as maiores felicidades e que, publicando ou não, continue a escrever.

Como tão bem nos deixou ler.

Escrever... fora de casa! #2

O companheiro destas coisas da blogosfera Robinson Kanes, do conhecido blogue "Não é que não houvesse..." convidou-me não só para escrever para o seu espaço pessoal que há dias referi, mas outrossim para um recente desafio a diversas mãos e que se chama "Sardinhas em lata".

Espero que já conheçam pois vale bem a pena ler o que por lá se vai escrevendo.

Portanto desta vez apresentei a minha "Caldeirada com todos" onde falo (leia-se escrevo!!!) sobre a situação de alguns dos partidos lusos (novos e velhos!).

Um texto que deveria ter sido mais elaborado, mas que saiu assim de rajada e que podem, então, ler aqui.

Muito obrigado ao Robinson e a todos os restantes elementos da equipa!

A gente lê-se por aí!

Fármaco eficaz!

Não é por chegarmos a uma certa e determinada idade que devemos considerar parar de todo. Eu, pelo menos, não o pretendo fazer, não obstante estar a pouco mais de 15 dias das férias que antecedem a minha reforma.

Porém... o corpo começa a dar sinais... É, deste modo, conveniente perceber o que ele nos está a tentar dizer.

No meu caso descobri que há um lítigio latente entre o que desejo fazer (e é muito) e os tais sinais.

Exemplifico... Gosto de escrever, mas todas as manhãs as minhas mãos doem-me. Tenho diversos problemas de "dedos em gatilho" em ambas as mãos, que já sofreram algumas infiltrações, mas acima de tudo há uma bravata com os meus ombros.

Tenho algumas "ites", segundo dizem alguns especialistas da área, o que diminiu a minha capacidade de trabalho, seja no meu emprego, cada vez menos importante, seja para estes momentos de escrita, cada vez mais importantes.

Todavia há que resistir... Como sempre o fiz.

Portanto está na hora de iniciar a tomar umas cápsulas de um fármaco que não sendo novo é muitas vezes eficaz e para o qual não é necessário qualquer receita médica.

Chama-se "aguentocaína".

A gente lê-se por aí!

Sair devagarinho...

Toda a minha vida escrevi.

O início foi em papel, depois numa velhinha máquina de escrever Hermes 2000 (reparem no cabeçalho... está lá!) e por fim nas novas tecnologias. Todavia continuo a gostar de manuscrever, se bem que com isso tenha dois trabalhos…

Durante anos juntei textos e mais textos. De vez em quando revisito-os, tentando entender o que era a minha cabeça desde há meio século e acima de tudo descobrir como ela evoluiu até ao que sou hoje.

Justamente por isso reconheço que no princípio aquilo era mui pobre, triste e confuso. Mas só podia… a juventude é um mar revolto de certezas incertas.

Avancemos célere no tempo até… 2012, quando criei em Janeiro daquele ano o blogue José da Xã.

Um pequeno passo para a humanidade, mas para mim foi um salto de gigante, já que os meus escritos passariam a ser visíveis por quem visitasse o blogue. Um risco incalculado porque jamais soube no que me estava a meter.

Passados estes oito anos de muitos textos inéditos e muitos desafios sinto que é tempo de correr as cortinas e colocar a tabuleta de fim de exercício.

Mas faço-o conscientemente agora porque considero que este parece-me ser o momento certo, a altura ideal.

Foram anos maravilhosos. Escrevi lá algumas coisas giras e outras menos engraçadas, mas o mundo não são só rosas… há que considerar alguns espinhos.

Entretanto continuar com este blogue onde me apraz outrossim escrever e, portanto, não vou fugir nem desaparecer.

Obrigado a todos quantos me estimularam a escrever. Sou definitivamente um privilegiado. E digo-o de coração cheio de bonitas palavras que ali fui recebendo.

Bem-hajam.

A gente lê-se por aí!

Respostas ao meu desafio...

No ínício deste mês lancei um desafio à comunidade sapiana, e não só, sob o tema "um bloguer pode ser considerado outrossim um escritor?".

As respostas vieram em catadupla. A maioria através da caixa de comentários anexa ao postal que escrevi e que podem ler aqui.

Entretanto alguns bloguers assumiram respostas nos seus próprios espaços e que aqui e agora divulgo. Começo por mim que também respondi:

Desafio - A minha resposta... - LadosAB

Ser ou não escritor, eis a questão! - Desabafos da Mula

Quem é escritor? - Livros que são amigos

Vamos falar de...quem é Escritor? - Bla bla bla

desafio ao charco - Ana de Deus

(em actualização)

Se por acaso tiver lido o meu texto e quiser participar neste desafio seja livre de o fazer... Só agradeço que me avise para vir aqui acrescentar o espaço.

A gente lê-se por aí!

Desafio - A minha resposta...

... ao meu próprio desafio!

Lancei ontem um desafio a toda a comunidade que alimenta esta forma de escrita e publicação.

A dúvida assaltou-me há uns anos quanto fui revisitar alguns dos recortes de jornais onde escrevera e num deles encontrei, numas “Respostas a Proust”, um texto em que me definia como escritor, jornalista, poeta e outros (bons) epítetos.

Foi nesta altura que fiquei a pensar nas palavras escritas, não por mim, mas naquelas que me eram dedicadas. E de todas a que mais me chamou à atenção foi a de escritor.

Ora com a minha entrada na blogosfera passei a escrever mais, a opinar mais, a ler também mais os outros espaços. Compilei também uma série de pequenos contos que já havia escrito e publicado num blogue criado para o efeito.

Mas tudo o que disse atrás será suficiente para me considerar ainda assim um escritor? E nem me estou a qualificar… assinale-se. Somente a assumir uma espécie de estado de espírito.

Diria então que para se ser um escritor não basta criar conteúdos e passar para papel algumas ideias. É necessário muito mais. De outra forma um cientista que publica um ensaio técnico sobre a "influência do acasalamento das pulgas no crescimento das batatas", poderia também ser denominado como um escritor. Ou um cozinheiro que inventa umas receitas e as publica num compêndio, deixaria a arte de Vatel para ser também um homem das letras...

Na minha visão, para alguém ser considerado escritor será necessário, obviamente, obra reconhecida, publicada, assumida e marcante. De outra forma qualquer um de nós o poderia ser. Inclusivé eu!

Termino com um velho provérbio, dizem que é chinês, mas eu não afianço, que diz que para se escrever um livro é necessário ter lido mil.

Tenho dúvidas se já li tantos livros…

Se calhar já... mas para ser um verdadeiro escritor necessito ler muitos mais.

Desafio ao charco!

Há uns tempos debati com o meu filho mais novo o verdadeiro sentido de quem escreve na blogosfera. Deste para o tema seguinte foi um ápice e minutos depois estávamos a falar sobre se quem escreve na blogosfera pode ser considerado um escritor ou escritora.

Ele defendeu que sim. Eu defendi que não me sentia escritor até porque considerava, e ainda considero, que ser escritor estará muito para além da mera escrita. Mais... até pode haver, e há com toda a certeza, bloguers que escrevem melhor que muitos escritores.  Todavia não o fazem como profissão. E este é que me parece ser o verdadeiro foco.

Posto isto proponho à comunidade o desafio de desbravarem esta espécie de dilema, sobre se um bloguer pode ser considerado outrossim um escritor. 

O assunto não é obviamente pacífico, mas numa altura destas da nossa vida tudo serve para manter a mente ocupada, não acham?

Borá lá então perceber as vossas ideias sobre este assunto.

A gente lê-se por aí!

Quem diria?

A escrita têm-me dado muitas alegrias, assim como me tem apresentado propostas e amigos diferenciados.

Talvez por isso, e não só, desde há uns anos criei um outro espaço para escrever outro género de textos.

Muitas estórias e poesias são a essência daquele blogue que tem o nome deste autor.

O curioso é que hoje reparei que aquele sítio já contava com 1000 comentários. Um conto* de opiniões e contra opiniões e que me deixaram hoje deveras orgulhoso.

Quem diria?

1000comentJX.jpg

 

* Conto - unidade de medida que corresponde a 1000 (p.e. um conto de réis seria igual a mil réis)

Coincidências?

Ontem foi um dia bom para ambos os meus blogues.

A primeira surpresa foi com o meu blogue de escrita mais elaborada e onde poisam muitas vezes os pássaros, o blogue Jose da Xã.

É verdade que este sábado foi o Dia Mundial da Poesia e não tendo eu com aquela forma de escrita uma relação fantástica, ainda assim uma qualquer tágide iluminou-me e escrevi um pequeno poema que acabou nos Destaques da SAPO.

poesia.jpg

Entretanto também ontem e neste mesmo espaço escrevi um texto sobre esta demanda que agora nos aflige e atormenta. E não é que ao fim da tarde este blogue estava outrossim em relevo, agora na página principal da SAPO?

pagprc_sapo_1 (1).jpg

Pela primeira vez desde que por aqui ando em termos de escrita, tenho dois blogues diferentes em destaque.

Desde já o meu humilde obrigado às equipas da SAPO!

A gente lê-se por aí!

E cuidem-se!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D