Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Lamento!

Este país e as oportunidades que perde para se tornar bem melhor!

Os sucessivos governos que apenas se preocupam com os interesses dos quais estão reféns!

Lideres políticos que enganam o povo sem rodeios!

Um povo que não gosta de ouvir a verdade!

Uma sociedade hipócrita que diz preocupar-se com os outros e deixa os idosos num hospital!

Uma justiça diferenciada e que não faz o seu trabalho!

A quantidade de gente apanhada em esquemas sórdidos e pouco claros!

A corrupção, o compadrio, os favores!

E essencialmente lamento... ter que escrever este desabafo!

À beira-mar - parte 3

Hoje despedi-me definitivamente da praia. Para a semana irei para longe e daí que, quase de certeza, a minha época balnear encerrou-se, por assim dizer!

Voltei à beira-mar onde, pela última vez este ano olhei o horizonte menos verde e mais cinzento, pois que o Verão... já era!

Todavia e não obstante os dias estarem mais brandos no que respeita ao calor, ainda assim estava um dia fantástico. As ondas do mar são agora altas e poderosas em contraste com a sua mansidão estival. Seja como for o mar é por vezes o meu refúgio.

Os dias e as noites sucedem-se numa cadência normal. Tal como as marés...

Espero pacientemeente o que a vida tem para me oferecer: ou nada ou tudo!

Prefiro nada... tenho menos dissabores!

A gente vê-se para o ano, praia! Se estiver vivo...

 

 

Desabafos agridoces!

Há dias que nunca deviam começar.

Há dias que nunca deviam acabar.

Há ainda aqueles dias que nem são carne nem peixe.

 

Sei por experiência própria que nem sempre tudo é como eu gostaria que fosse. Ou nunca é.

Mas com esta idade creio que já mereceria ter mais paz de espírito.

Pesam-me por vezes os dias de tal forma, que sinto que estou cá a mais.

 

Sei que após adormecer esta noite, acordarei num dia novinho em folha preparado para ser vivido na sua plenitude.

Todavia também sei que os meus receios e as minhas tormentas continuarão.

Até que a maré acalme e serene este meu pobre coração.

 

Porque viver não é um sacrifício mas uma constante batalha contra o destino.

 

 

Este Natal!

Por esta altura de Natal invade-me, de vez em quando, uma daquelas irritações que nem me apetece escrever, ler ou fazer seja o que for.

 

Aborrece-me as palavras de circunstâncias, as falsidades dos desejos de "Bom Natal" quando já (infelizmente) ninguém acredita nele.

 

Incomoda-me que alguém me saúde, nestes dias, com palavras sem (verdadeiro) significado natalício.

 

Chateia-me olimpicamente que me agradeçam quando nada fiz para tal, mas só porque é Natal.

 

Preferia que esta época tivesse menos doces e mais partilha, menos guerra e mais alegria, menos fome e mais comprometimento.

 

Olho para este Natal e sinto a tristeza de quem está desempregado, só ou doente.

 

Como posso sentir bem comigo mesmo quando me lembro dos pais que perderam os filhos, engolidos por um mar bravio. Ou dos familiares dos seis pescadores que esta semana ousaram desafiar as ondas do mesmo mar e que por lá derramaram as vida?

 

Como posso sentir bem comigo mesmo quando vejo tanta gente espalhada por esses abrigos de prédios, abrigar-se do frio ou da chuva?

 

Como posso sentir bem quando há tanta criança que não recebe um mero brinquedo porque não há dinheiro para tal?

 

Sou um privilegiado porque me deito todos os dias debaixo de tecto e em boa cama. Porque na minha mesa há pão e vinho. Porque tenho quem me abrace ou enxuge as minhas lágrimas.

 

Não sei quem lerá estas linhas... Provavelmente ninguém! Mas já nem isso me preocupa.

 

Só desejava que o Natal fosse, pelo menos uma vez no ano, justo! Mas nem isso consegue ser! E é pena!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D