Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Para mim cozinho!

Inicio hoje uma série de textos sobre culinária que vamos fazendo cá em casa.

Mas nada de coisas muito sofisticadas que estas até podem ser muito bonitas, mas sinceramente prefiro coisas simples.

Após concordância da "tróica interna" acordou-se ontem em fazer para o almoço deste Domingo um bacalhau assado no forno. Antecipou-se com uma sopa de feijão e couves cá do quintal e terminou-se com um dos melhores pudins da cozinha conventual portuguesas: Abade de Priscos.

Abade_priscos.jpg

(foto minha)

A fruta preferida foram umas laranjas da baía nascidas e criadas na aldeia. Saborosíssimas!

Mas o pudim estava divinal! 

Vamos lá comer?

Desde que me lembro sempre gostei de cozinhar. Há mesmo quem diga que cozinho bem. Pelo menos ainda ninguém morreu cá em casa.

Não obstante este meu gosto não aprecio, de todo, os programas onde alguns candidatos tentam à força aprender a cozinhar pratos muito sofisticados. Sejam aqueles portugueses ou estrangeiros...

Acima de tudo porque a comida feita e empratada pelos chefes de culinária resultam quase sempre numa espécie de figuras pictóricas dignas de um Picasso, Gaudi ou Miró.

Sei que os olhos também devoram, mas não enchem uma barriga vazia, digam lá o que disserem. E depois os nomes que dão aos pratos?

Gosto muito de culinária como gosto de comer. Mas só coisas que eu sei o que são.

Nada de aventuras gastronómicas.

Água, o melhor tempero!

Gosto de cozinhar. Muito.

Mas ao invés dos grande chefes que buscam comidas inovadoras eu continuo a preferir as receitas mais antigas, mais genuínas.

Sou neto e filho de grandes cozinheiras. Se a minha avó já faleceu há muitos anos, ainda tenho a minha mãe que, de vez em quando, me vai dando umas dicas de como melhorar este ou aquele prato. Todavia as coisas nem sempre saem igual ao que ela faz. Costuma dizer que pode dar-me a receita mas não me dá as mãos dela.

Aceito esta visão da culinária, mas entendo que para além das mãos há outras variáveis que não controlamos e que sem querermos são fundamentais para o gosto de um determinado prato.

Uma delas é, sem margem para dúvidas, a qualidade intrínseca dos produtos. Não menosprezando outras regiões as batatas que o meu pai semeia e apanha são incrivelmente melhores que as outras que se compram por aí.

Tal como os legumes ou o azeite. E já nem falo na carne de galinha criada no campo ou de vitela.

Há quem observe que as panelas antigas é que eram boas... especialmente as de ferro que se penduravam dentro das lareiras a apanhar o lume. Até pode ser...

Mas a minha experiência diz-me que é na água que se encontra o verdadeiro segredo para uma cozinha não só saudável como bem confeccionada. A água da cidade sai nas nossas torneiras depois de passar por muitos filtros e muitos produtos para limpeza e purificação. Ao contrário a água da aldeia pode vir numa velha infusa ou mesmo a da torneira não tem definitivamente tantos produtos como a das grandes cidades.

E disto tenho um belo exemplo. Um dia, aqui onde moro, cozi umas batatas, mas ao fim de um pouco estavam desfeitas. Na aldeia tinha lá batatas iguais que cozeram sem nunca se desfazerem.

Esta éassim  a prova real de que a água é, neste momento, um dos ingrediente essenciais para termos um melhor prato. Tal como os outros já referidos.

Portanto, o chefe Gaulês sabia o que dizia quando afirmou isto...

arverne.jpg

Comes e bebes!

Falemos hoje de coisas importantes... Nada de política ou geringonça, Euro 2016 ou Selecção Nacional.

Chegou a hora de falar de algo que gosto especialmente de fazer e, dizem para a qual tenho alguma queda... (não tenho é onde cair!!!).

Falo-vos de cozinhar. Pois é... gosto mesmo de fazer uns petiscos. Mas nada daquilo sofisticado em que num prato enorme lá conseguimos encontrar algo parecido com comida.

Porém não esperem que venha aqui apresentar receitas... Longe disso! Há já por aí tanto blogue sobre este assunto que acabava por ser somente... mais um!

Venho aqui falar de métodos e artimanhas para confecionar uma óptima refeição. E digo-vos mais: sei qual a receita para um prato, seja ele qual for, ficar cinco estrelas.

Não acreditam? Pois bem... passem três dias sem comer e verão que o próximo prato que vos apresentarem para degustar estará simplesmente divinal. O que se infere que a fome é um fantástico tempero. Quiçá o melhor!

No que respeita à confecção dos meus pratos, valho-me sempre de duas medidas, que ainda não estão certificadas pelas entidades competentes mas são para mim de enorme valor. Chamam-se gostómetro e olhómetro.

Estas duas preciosidades têm-me valido rasgados elogios aos repastos por mim preparados. Ainda hoje usei ambos para fazer o almoço: sopa de nabiças e estrogonofe de perú com arroz branco. Quem comeu disse que estava muito bom... Pelo que sobrou também me pareceu!

Ora o olhómetro é aquela medida em que o nosso olhar nos diz se algo está correcto ou falta qualquer coisa. Ou é a água, ou o arroz ou outra coisa que estejamos a preparar. E quase sempre conseguimos ter sucesso com esta medida. É certo que a experiência na cozinha também conta para estes casos, mas é ainda assim a minha medida preferida.

Temos de seguida o gostómetro que se pode, de vez em quando, tornar um tanto traiçoeiro. Por exemplo, eu gosto da comida (muito) picante o que difere da generalidade dos comensais cá de casa. Deste modo o meu nível de gostómetro estará (quase) sempre num nível baixo. Tal como o sal, cujo ingrediente sou pouco apreciador.

Quanto aos meus doces estes geralmente levam açúcar... Muito! De outra forma não seriam doces! Todavia raramente os como! Não tenho diabetes mas gosto mais de apreciar os doces feitos pelos outros...Manias!

Acrescento os licores por mim feitos e que já me valeram diversos prémios... Sim, sim recebi umas garrafas todas engraçadas para encher... de licor!

Pronto... Por hoje creio que é tudo.

Vou só agora ali comer um gelado comprado no supermercado e já volto.

 

Alguém é servido?

Hoje deu-me para aqui.

Depois de ontem ter escrito sobre a minha tentativa de emagrecer, eis-me hoje com um frango nas mãos para o jantar.

Que fazer?

Bom fui à minha despensa e achei por lá uma lata de leite de coco.

- Boa - pensei eu.

Só faltava um ingrediente fundamental. E não é que o encontrei...

Pronto um frango à goesa foi o que fiz para jantar. Acompanhado de um arroz branco e muuuuuuuuuuito piri-piri.

Regado com um branco "bien frappé" de Lamego.

Fruta, gelado, iogurte foram as opções apresentadas para sobremesa.

Assim jamais emagreço!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D