Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Gordura (não) é formusura!

De vez em quando salta à ribalta estudos onde se revela que as crianças estão cada vez mais obesas, que comem mal, que fazem pouco exercício.

É certo que antigamente as crianças brincavam na rua porque, acima de tudo, não existiam outras formas de se divertirem a não ser… brincarem uns com os outros.

Especialmente nos últimos 25 a 30 anos, tudo se alterou. Foram os velhinhos “Spectrum” 16 K e mais tarde o 32 K, para se seguirem os celebérrimos “Gameboys”. As consolas de jogos ganharam tal mercado que as empresas da especialidade fizeram desta “actividade”, supostamente lúdica, uma enormíssima indústria.

O resultado foi, obvimente, a sedentarização dos miúdos ao trocarem a apanhada, as escondidas, a bola pelos jogos virtuais, muito viviantes.

Se juntarmos a estes factores uma alimentação muito à base de comida de plástico as coisas tendem a piorar e as crianças acabam por se tornarem gordas quando não obesas.

Entretanto os meus filhos, hoje homens feitos, enquanto bebés andavam numa alcofa que eu próprio carregava, mas quando eram crianças mais crescidas passaram a andar a pé. O que equivale dizer que nunca tive um carrinho de transporte de bebés.

Talvez por tudo isto me admire que crianças já com 5, 6 ou mais anos ainda se deixem transportar pelos pais em veÍculos pediátricos, ou fiquem enfiados dentro de um carrinho de compras como se fossem simplesmente mercadoria.

Depois seguem directamente com eles para o nutricionista…

Faz sentido!

Dúvidas existênciais

Esta minha recente página de vida iniciada recentemente e que culminou com o nascimento de uma neta fez crescer em mim novas dúvidas.

A primeira é perceber até que ponto poderei ou deverei influenciar a educação da criança? Terei esse direito?

Educar hoje uma criança é muito diferente de há trinta anos. Como naquele tempo foi diferente do tempo em que fui menino.

Há muito mais informação disponível, os acessos são demasíado grande e obviamente as solicitações disparam para diversos sentidos.

Sempre ouvi dizer que os pais educam e os avós deseducam. Todavia não pretendo ser esse tipo de familiar que fará tudo para agradar aos mais pequenos. Longe disso.

Mas terei eu (ou nós os avós!!!) capacidade ou moral para criticar alguma decisão que achemos menos boa tomada pelos novos pais?

Em termos práticos diria que sim já que em tempos também fomos pais pela primeira vez e não obstante estarmos a falar de época completamente diferentes há ainda muita experiência acumulado que poderia servir para ajudar outros…

Portanto ser avô é ser mais ou menos competente?

Diversas questões que diariamente me assaltam e para as quais não tenho, para já, uma resposta à altura.

Época de Natal!

Um dia antes do que é costume inicou-se cá em casa a época de Natal.

E não, não tem a ver com prendas, mas tão somente com a decoração alusiva.

Dois pinheiros de Natal, artificiais obviamente, muitas luzes a iluminarem a casa por fora e diversas alterações visando o presépio.

arvore de Natal.jpg

Porque as tradições são para se cumprir, houve que aproveitar a tarde de algum sol para os trabalhos exteriores já que a manhã fora terrivelmente chuvosa.

Este ano há mais uma criança na família a requerer a atenção de todos... portanto houve que ajustar tudo em função da vinda deles no próximo dia 25.

Este é assim o primeiro sinal do espírito de Natal.

Quem cuida... descansa!

Estamos em tempo de férias. O país pára e não é só por causa das greves... Parece normal. Deste modo compreende-se que as famílias também queiram estar de férias... delas próprias.

E dos filhos, por exemplo... 

Deste modo entendo que na praia se dê liberdade às crianças deixando os pais por breves e austeros momentos gozar do sol retemperador. No entanto para que os acontecimentos não apresentem resultados nefastos será sempre bom ter, como dizia o velho comerciante: olho no burro e olho no cigano.

Esta manhã na praia que frequento uma mãe surgiu aflita porque o filho pequeno desaparecera. Corrida para um lado e para o outro, a suposta tragédia foi relativa porque a criança apareceu rapidamente. Perdera o norte do chapéu familiar.

Mas este breve caso acordou-me para a realidade que todos os dias me deparo na praia. Enquanto há pais que não largam as crianças à beira-mar mesmo que já tenham uma idade razoável, a maioria das crianças estão sozinhas e sem qualquer supervisão.

Nem sequer imagino se estão devidamente sensibilizadas para não se aventurarem na água. Porém o mar é quase sempre pouco simpático e uma onda mais forte pode originar um terror familiar.

Durante muitos anos passei férias com quatro crianças. Dois filhos e dois sobrinhos. Mas nunca deixei de os supervisionar mesmo que fosse somente à distância. 

Gozei menos férias? Não fez mal... Dormi muito mais descansado!

Educação familiar: amar é preciso!

Um dos subtemas da educação das crianças chama-se disciplina. Se bem que a linha que separa disciplina do autoritarismo seja muito ténue certo é que, em bom rigor, a falta de fronteiras entre aquilo que se pode ou não deixar fazer aos miúdos e jovens, poderá descambar em situações irreversíveis.

Há uma série televisiva francesa, que vejo quando me lembro, que fala do problema dos menores (rapto, abuso sexual, violência doméstica). Não sei se aquela tem como base casos verídicos, mas dá para constatar que grande parte dos desvios das crianças começa na família e nos amigos mais próximos.

Reconheço por isso que infelizmente muitos pais… nunca o deveriam ter sido. Se não têm capacidade para gerirem os seus próprios conflitos internos como podem lidar com os problemas dos filhos?

Esta é uma triste realidade que todos os dias vamos dando conta através dos mais estranhos episódios.

Ser criança ou adolescente hoje em dia não parece fácil. Nada mesmo! Os milhentos estímulos que entram nas vidas das crianças, seja através da televisão mas essencialmente através da internet, tornam aquelas reféns e vítimas. O acesso absolutamente livre a conteúdos bizarros e estranhos pode levar às mais diversas atitudes, na maioria a copiar o que vêem.

Cabe por isso aos pais… disciplinar. Com critério, serenidade e acima de tudo com muito acompanhamento, carinho, atenção e amor (sentimento essencial!).

O regresso das crianças!

Com a chegada do V., agora com dois anos e meio, todos lá em casa passaram a viver em função dele.

Lembro-me quando os meus filhos eram crianças que sabia quais os brinquedos da época ou os desenhos animados que eles mais gostavam. Conquanto os miúdos foram crescendo todos nós fomos perdendo essas valências. Para regressarem agora.

Não é que saibamos tudo, mas vamos estando mais atentos e os canais de bonecada estão sintonizados em todas as televisões.

Com o V. regressámos à meninice. Há brincadeiras que nunca estão desactualizadas. E as escondidas é uma delas.

Um destes dias, à tarde, andava uma tia-avó a esconder-se na ampla casa de um sobrinho-neto. E este dela... Uma brincadeira pegada e que durou algum tempo.

Depois vieram os carrinhos e a bola. Desta vez foi o avô e um tio que entraram na brincadeira.

Finalmente os bonecos da televisão enquanto jantava.

Quando partiu deixou um rasto de desarrumação que já não estávamos habituados.

 

 

 

Compras para crianças? Não contem comigo!

Hoje fui às compras! Algo que me aborrece, especialmente quando são coisas de senhoras e me pedem a opinião.

Com a minha idade e os anos de casamento já sei o que a minha mulher quer ouvir quando me pede opinião: deseja escutar a sua ideia mas dita num tom mais grosso.

Mas por acaso desta vez nem foi isso. Andámos em busca de um brinquedo para oferecer ao elemento mais pequeno da família, que no passado dia 30 fez dois anos.

Carrinhos para aqui, carrinhos para ali, caixas de construção, muitos jogos, puzzles, instrumentos musicais, enfim um manancial de brinquedos.

Depois aquelas figuras da televisão que todos os pais conhecem, mas eu não.

Resumindo acabei por comprar uns carrinhos bem pequenos, semelhantes aos poucos que tive quando era menino. Não achei nada mais interesssante para oferecer ao miúdo.

Fiquei naturalmente com a sensação que fazer compras para crianças já não é comigo!

Como se explica…

... a uma criança de tenra idade que a sua mãe faleceu?

As crianças têm geralmente uma capacidade muito maior que os adultos para aceitar o que vida tem para lhes oferecer.

Todavia há acontecimentos que elas não entendem. E a morte de um dos pais, especialmente se for a mãe, apresenta-se como algo demasiado estranho e incompreensível.

Alguém que eu conheço ficou viúvo há poucos meses. E com dois filhos de 3 e 6 anos respectivamente para educar.

No início tentou explicar-lhes que a mãe tivera de partir para ser uma estrela no céu. Uma explicação quiçá rebuscada mas que os filhos aceitaram. Todavia um dia mais tarde um deles perguntou:

- Porque não se despediu a mamã de mim?

Eis assim a tal pergunta inocente que desarma qualquer um. Explicar a uma criança o que é a morte é algo complexo e de difícil compreensão. Porém esconder também esta evidência pode corresponder a algo ainda pior.

E por isso volto à pergunta inicial: como se explica?

Sinceramente não sei! E nem a questão religiosa pode aqui ser evocada como desculpa.

Mas admiro quem, neste mundo, luta todos os dias para ser ao mesmo tempo um pouco de pai e mãe, só porque o outro jamais estará presente. As explicações, essas, terão de vir depois!

As crianças... crescidas

Esta semana que agora finda foi demasiado trágica em acidentes mortais com crianças. Primeiro foi a mãe de Caxias e já no final da semana uma criança que caiu do 21º andar em Lisboa.

E estes são aqueles que sabemos porque foram noticiados. Quantos haverá, por esse país fora, em semelhantes situações?

No entanto, o que custa realmente compreender é como estas casos acontecem. Como pode uma mãe entregar ao mar o destino dos seus filhos? Como pode um casal deixar a sua criança de tenríssima idade sozinha em casa? Que gente é esta? Que mundo estamos nós a construir?

Um ror de questões que nenhum de nós saberá responder. E se no caso de Caxias, a mãe parecia que estava profundamente descompensada, psicologicamente falando, já no caso de Lisboa, no Parque das Nações, não há obviamente qualquer desculpa para o grave acidente.

Cada vez tenho mais consciência que os jovens não estão preparados para a constituição de uma família. Os filhos dos “gameboys” e das “Nintendo” acreditam que no final de um mau acontecimento tudo volta ao início como se fosse um mero jogo virtual. A vida é um jogo sim… Mas demasiado perigoso para ser levado a brincar.

No entanto não gosto de pensar se nós como pais não teremos um pouco a culpa da irresponsabilidade desta juventude. Deu-se e facilitou-se em demasia para que eles não passassem o que alguns de nós passámos.

Esta fórmula dos novos tempos traduziu-se num egoísmo atroz. Os miúdos já pouco conversam ou se o fazem é através de um léxico próprio, deixando-nos a milhas de percebermos o que dizem. Depois os tais jogos que os isolam da sociedade criando nas suas imaginações, mundos quase perfeitos e que controlam a seu bel-prazer. Muito ao invés da pura realidade…

A palavra família foi outrora mais que um mero conceito, foi uma estrutura. Actualmente a palavra existe mas sem qualquer sentido e sem a tal âncora que segurou tantas pessoas no mesmo ideal. E é pena!

Dói-me o coração só de imaginar que a esta hora quantas crianças estarão a sofrer agruras porque os pais, infelizmente, cresceram por fora mas ainda são muito crianças por dentro.

Há crianças com sorte...

Neste nosso mundo tão moderno, pintado de vontades próprias, não deixando a outros o livre arbítrio de escolherem, há ainda crianças que... são crianças!

É obvio que ainda só tem seis meses, que prefere as luzes sempre intermitentes da árvore de Natal a qualquer outra coisa e a sua maior preocupação é ter a barriga cheia e o rabiosque limpinho.

Como era normal o petiz foi o centro de todas as atenções da família, neste Natal. De todo o lado choveram prendas como já havia sido referido aqui. Mas a maioria delas foram brinquedos próprios para a idade. Nada de ipad's, smartphones ou outro dispositivo qualquer.

Há crianças ainda com sorte!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D