Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Verdadeiro dia de Inverno!

Dizem quem esteve acordado que toda a noite choveu.

Há muito que não via um dia como o hoje... perfeitamente de Inverno.

Todo o dia tem chovido. Uma chuva miúda, branda, no entanto constante. Nada daquelas trovoadas em que a água cai em torrentes repentinas para depois dar lugar a um sol arrepiado. Nada disso...

A temperatura está baixa, uma brisa não muito forte vai soprando, todavia a chuva continua a cair. Independentemente do que possam algumas pessoas dizem sobre o eventual excesso, esta água faz cá muita falta...

Só tenho pena de não poder estar à lareira, como estive há duas semanas.

Água: um bem (demasiado) desprezado!

A manhã trouxe uma chuva persistente que caíu com... vontade. Entre as oito e as dez horas choveu, diria, copiosamente.

Entusiasmado liguei para diversas aldeias e a chuva aparecera tão branda que nem sequer molhou o chão ou abafou a poeira que vivia no ar. Todavia mais tarde soube que para os lados de Castelo Branco já chovia bem!

Actualmente as terras estão sedentas. O Verâo foi longo e muito seco o que agravou ainda mais a seca. No início desta semana, na viagem que fiz à Beira Baixa, descobri muitas ribeiras ainda a correr e os poços com água. Até a barragem da Marateca que abastece a capital da Cova da Beira estava, nesta altura do ano, muito mais cheia que no final de  alguns invernos.

A água é, obviamente, um bem essencial e cada vez mais escasso. Mas a forma como lidamos com aquela parece-me demasiado abusiva, já que não cuidamos em poupar a pouca que existe. Vejo assim jardins públicos e privados a serem regados às horas de maior calor, rupturas na rua que demoram uma eternidade a serem concertadas, um permanente desleixo na gestão hídrica nas nossas cidades.

Não fazer lixo, cuidar da floresta para que não arda, ajudar os oceanos é deveras importante, reconheço! Todavia a água potável deveria requerer um cuidado e uma atenção muito especial por parte dos sucessivos governos.

Algo que definitivamente não vejo no actual governo (sinceramente nem noutros!!!) onde a água nem tem sequer direito a uma Secretaria de Estado.

Ainda o desafio da chuva...

da Ana!

Naquele ano a peregrinação fez-se por Santarém. Naquela tarde partimos de Valada para a última etapa do dia. O tempo estava cinzento escuro. Demasiado escuro para a nossa vontade.

A chuva desata a cair com intensidade. Durante quilómetros intermináveis caminhámos no meio de lama, poças de água e chuva.

Perto da estrada de alcatrão uma peregrina colocou a sua sombrinha estragada à minha frente. Num ápice estava estatelado no chão.

A roupa mudou de cor, alguns elementos da equipa de apoio que assistiram não evitaram sonoras gargalhadas... e eu furibundo, maldizia a minha triste sorte...

Mal sabia eu...

Olha'o que chove!

Li algures que para hoje se previa um dia pré-Outonal, devido a uma qualquer depressão vinda não sei de onde (mas em Portugal entra tudo e mais alguma coisa!!!).

Geralmente as previsões meteriológicas portuguesas são muito certinhas: falham sempre!

Se dizem que vem muito calor, este muitas vezes não passa de um calorzito brando. Outras prevê-se chuva copiosa e depois vai-se a ver e não cai uma pinga.

Porém desta vez acertaram. Nem sei como... A verdade é que desde manhã por aqui não pára de chover. Primeiro uma água miudinha para a tarde se transformar numa chuva grossa que desde a hora do almoço ainda não parou.

Um verdadeiro dia Outonal. Vale a temperatura que está branda...

À atenção dos lisboetas

Cheguei há poucas horas de Castelo Branco. Desta vez foi uma visita rápida. Ainda assim trouxe a carrinha repleta.

Mas vamos ao que importa...

Um périplo, em terras Beirãs, pelos diversos locais onde tenho poços veio evidenciar que a chuva de caiu o mês passado foi ínfima. De tal forma que os poços continuam secos e as charcas, que nesta altura já costumam estar cheias e a bordar ainda não subiram dez centímetros.

Portanto há que chover muito mais se se pretender que amanhã haja água para os gestos mais básicos como seja a alimentação e a higiene.

Obviamente que os citadinos não mandam na metereologia. E ainda bem, acrescento. De outra forma seria o caos!

Mas tornar-se-ia fantástico uns meses sempre com a pluviosidade no seu máximo.

Sem cheias, obviamente.

Uma boda molhada!

Ontem, como já aqui havia referido, foi um dia diferente, dedicado essencialmente ao casamento do meu sobrinho que ajudei a criar.

Acrescento que se um dia Deus viesse ter comigo e me obrigasse a escolher entre levar um dos meus sobrinhos ou um dos meus filhos, assumo que não saberia qual deles escolher.

Portante o dia de ontem começou muito cedo, perto das seis da manhã, para só terminar bem perto da meia noite. E isto porque a minha constipação era tão grande que só me senti bem quando cheguei a casa e me deitei.

Mas tirando a minha maleita, até que foi um dia muito engraçado. Nem mesmo a chuva, que durante algumas alturas caíu com muuuuuuuuuuuuuuuuita intensidade, estragou fosse o que fosse.

Muita gente, essencialmente juventude, família próxima, amigos e boa comida foram ingredientes suficientes para um dia especial e muito bem passado.

Os noivos fizeram do seu casamento uma festa bonita onde se divertiram e fizeram divertir os convidados com muitas e diferentes iniciativas.

Como diria um cantor brasileiro sobejamente conhecido: foi bonita a festa, pá!

Saudades!

Ontem por aqui foi um daqueles dias como há muito não via e sentia.

Chuva e vento com fartura. Soube-me tão bem ver as beiras a correr quais bicas das fontes.

E as couves acabadinhas de plantar agradeceram esta água benfazeja.

Agora vou arranjar maneira de aproveitar a água que cai dos telhados para encher um depósito de 1000 litros que comprei para depois poder regar com água da chuva.

A água é decididamente um bem cada vez mais escasso. E aproveitá-la parece-me ser um acto de sensatez.

Finalmente chove

Já tinha saudades de ver e sentir a chuva. E sentir o cheiro da terra queimada!

Não foi uma bátega forte, mas ainda assim deu para regar o feijão, cebolo e as curgetes que tenho semeado e plantado no quintal.
Importa lembrar que vale mais um litro de água da chuva que cinco litros de rega forçada.

Bom, bom seria esta chuva manter-se durante muitos dias. As terras estão extremamente sedentas.

 

Chove na capital!

Já por aqui fui dizendo que a cidade de Lisboa e os seus utentes não foram habituados a conviverem com a chuva.

Primeiro a própria urbe que não está preparada nem foi pensada para dias de intempérie e muito menos para horas seguidas de pluviosidade. A maioria das sargetas não escoam o que origina muitos locais de grande concentração de água, com os evidentes congestionamentos no trânsito citadino. Depois a impermebialização é tanta que a água, que podia entrar nalgumas terras se existissem, vai engrossar as torrentes já de si enormes.

A tarde de hoje na cidade foi terrível por causa do temporal, de tal forma que foi quase com sorte que consegui escapar a algumas inundações.

A edilidade lisboeta entretanto continua muito mais preocupada em alterar a toponímia da algumas velhas artérias, em vez de fazer o seu real trabalho de cuidar de quem anda pela cidade.

Depois admiram-se das desgraças que aqui e ali vão surgindo!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D