Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Simetria?

1foto1texto

Resposta a este desafio!

Tive de vir à Beira Baixa. Numa visita rapidinha para vir buscar couves beirãs para a consoada (as da minha horta ainda não foram cozidas pelo frio), borrego, tânjeras e alguns enchidos.

Depois saltitei de fazenda em fazenda para dar conta da poda das oliveiras. Tudo bem feito e calibrado que é assim quie se quer.

Num desses passeios obtive a foto seguinte.

20231208_170630_resized.jpg 

Do corte do pinhal feito o ano passado ainda sobraram alguns pinheiro. A água parecia um espelho e corresponde a uma charca que se abriu há uma dúzia de anos. Serve essencialmente para o gado que por ali pastoreia de dessedentar e é um viveiro de patos bravos que fogem assim que me aproximo.

Poderia mostrar aqui as fotos outonais de um velho carvalho ou da ribeira que corre no fundo do lameiro. Mas preferi esta espécie de simetria natural!

 

A campanha deste ano - versão beirã

Iniciei hoje a segunda temporada (a exemplo das séries televisivas!!!) da azeitona, desta vez na Beira Baixa a um quarteirão de quilómetros de Castelo Branco.

O tempo metereológico, visto em diversos sítios da internet, apontava para a previsão de muita chuva para este dia. Às seis da manhã quando saí de casa para ir ao pão ainda não chovia, mas às sete e meia caíu uma borrasca que me atemerizou.

Teimei!

20231028_083943_resized.jpg 

E foi o melhor que fiz... pois mesmo com a queda de algumas bátegas conseguiu-se um óptimo empenho e à hora do almoço já se decidia qual a fazenda a seguir.

20231028_100547_resized.jpg 

Todavia calhou-me a fava e durante a tarde fui escolher azeitona. A mantada que faltava era esta

20231028_125419_resized.jpg 

que "só" deu 13 sacos, uns mais cheios outros menos dependendo do tamanho dos sacos.

Mesmo no final do trabalho desatou a chover e não fosse o oleado que trazia vestido nem imagino como chegaria a casa.

Tudo somado foram colhidas todas as oliveiras deste pedaço de terra fértil somando 26 sacos...

20231028_175950_resized.jpg 

com azeitona escolhida e pronta para ir para o lagar!

Noutro ponto da aldeia a equipa mais nova fazia por deitara abaixo mais azeitona. Escolheram três, mas segundo disseram ainda ficou muito por limpar...

Fica para amanhã!

Na calada da noite

Estou na Beira Baixa! É costume vir aqui neste feriado.

Cheguei ontem já noite e a temperatura da rua rondaria os 25 graus. Como a casa não é aberta diariamente os quartos pareciam autênticos fornos o que me obrigou a ligar os aparelhos de ar condicionado.

Bom o dia hoje esteve também muito quente e após o jantar achei boa ideia ir dar um passeio pela aldeia. A noite há muito que tinha caído sobre o povo e talvez por isso considerei a aventura de um giro nocturno.

A noite estava simplesmente imaculada ao vento! A brandura da temperatura do ar convidava a fazer qualquer coisa diferente... do que estar em casa.

Saí devagar para poder saborear a noite com calma.

Esta gente que por aqui vai desfiando os seus dias é gente boa. Afável, amiga, companheira e acima de tudo fiável.

Mas o preço da desertificação nota-se já! Muitas casas à venda, a maioria quase devolutas. Os donos ou vivem no estrangeiro ou fugiram para os grandes centros urbanos deixando as heranças para resolver no futuro. Entretanto as habitações sem cuidados vão-se desboroando.

No céu mal consigo ver a Lua já que esta se encontra na sua fase minguante. Todavia as estrelas são muitas e algumas deixam-se ainda ver.

Paro no meio da rua e tento escutar.... Simplesmente!

Um silêncio quase sepulcral, cortado de vez em quando por uma cigarra ou um cão mais atento. Há nesta ausência de ruído uma estranha, mas apetecível atracção. Por esse desconhecido momento de paz.

Dou a volta à aldeia de forma pausada para regressar finalmente a casa.

Ainda a tempo de escutar o bater das horas no relógio da igreja!

Acordar

1 Foto 1 texto

Resposta a este desafio!

Esta foto é de 2021.

Mas gosto tanto dela que ainda hoje é o fundo do meu portátil. Tirada no dia 1 de Novembro às sete horas, 36 minutos e 57 segundos de uma manhã ainda fria como se pode ver pelo gelo ainda depositado no chão. Um ano inesquecível de azeitona.

A madrugada acordara naquele instante com um Sol ainda tímido! E eu aproveitei para fotografar este acordar de dia...

20211101_073756.jpg

O som da manhã!

Ontem pelas seis da manhã saí de casa na velhinha aldeia no sopé da serra da Gardunha. Àquela hora o calor já era considerável prenunciando o que seria (como foi!) um dia muito quente!

Depois de ir ao pão, de tomar o pequeno-almoço e de um café fui fazer o costumado périplo pelas fazendas da família tentando saber se haveria intervenções para fazer.

A três quilómetros do centro da aldeia cheguei a uma pequena quinta de 20 hectares com uma casa de pedra recuperada, mas sem ninguém a viver e conhecida na zona como... "a casa das cobras"!

Na frente da habitação há um conjunto de meia dúzia de sobreiros frondosos e certamente centenários. Ao lado duas dúzias de oliveiras de azeitona galega.

Da parte de baixo uma charca, nesta altura do ano e com este estio a meia dose. Mas foi aqui neste mini paraíso que acabei por escutar esta melodia da manhã.

Não consegui apanhar os patos selvagens que ali pernoitam nem nenhum dos esquilos que costumam  veranear nos longos ramos dos vetustos sobreiros. 

Calor Beirão!

Vim numa fugida à Beira Baixa.

Cheguei ainda antes do almoço e o ar por aqui já queimava. Tórrido, seco com um vento suão a soprar que tudo seca.

Passeio pelas fazendas loiras de restolho após a erva cortada e enfardada. Os grilos cantam ao desafio com as cigarras e num muro cinzento e quente um lagarto olha-me quase com desdém! Percorro devagar o caminho que me leva às oliveiras de forma a perceber como estão de azeitona. Estala a erva seca, tisnada por este sol de Estio inclemente e quiçá duradouro. 

Cães e gatos procuram sombras! Um burro deita-se no chão e espoja-se freneticamente tentando livrar-se da bicharada que o atenta. Um nuvem de pó é levada pela força do vento.

Bandos de pardais, piscos, cartaxos esvoaçam por cima da terra acabada de lavrar em busca de alimento.

O ar parece irrespirável e nem os traçadinhos de vinho e gasosas fresca na taberna fazem abrandar o calor.

A Beira Baixa e o seu calor quase doentio, mas que os naturais aguentam estoicamente.

Todos os anos!

Um frio do... caraças!

Quando ontem ao fim da tarde cheguei à aldeia beirã situada no sopé da serra da Gardunha, jamais calculei que iria rapar um frio daqueles.
Casa fechada há uns meses, obras recentemente concluídas e a falta de uso da casa, fez com que esta estivesse simplesmente gelada quando chegámos.

Nem mesmo a ideia de ligar alguns aquecimentos a gás resuktou na perfeição... Ou melhor resultou nos quartos, falhou na sala ou vice versa!

Quando me deitei (desta vez fi-lo cedo) a cama estava gelada. Agora imaginem como me senti ao deitar-me pois não tenho por hábito usar pijama.

Bom tudo isto para dizer que por estas bandas o frio anda a apertar com as gentes.

Está mesmo um frio polar.

Pôr-do-sol beirão!

Eram perto das 18 horas quando entrei da estrada regional que liga a Nacional à aldeia beirã, onde parte da família tem raízes. Nesse caminho atravessamos uma barragem através duma ponte.

A hora já tardia, a água mansa, as nuvens ao longe criaram um momento propício para esta foto de um pôr-de-sol na Beira Baixa.

por_do_sol_beirao.jpg 

Pena não ter presente a minha boa máquina fotográfica e apenas o telemóvel!

Só por esta beleza já valeu a viagem, mesmo que por aqui esteja muuuuuuuito frio.

A gente lê-se por aí!

Mais um dia na Beira Baixa!

Estou no sopé da serra da Gardunha numa aldeia que dizem que tem o melhor tempero. Não sei se corresponde à verdade mas é certo que aqui a comida tem outro gosto. Mas adiante...

Cheguei ontem e andei às voltas com uma quantidade de afazeres relacionados com umas obras que se preparam para iniciar. Todo o dia choveu e também durante toda a noite.

Quando me levantei ainda de madrugada caía uma água insistente e chata. Entretanto e após umas voltas necessárias fora da aldeia regresso ao povoado para novas actividades.

A chuva dos últimos tempos tem sido constante e por vezes forte. De tal maneira que as terras já não aguentam tanta água e começam a aparecer extensas lagoas que tapam os terrenos verdejantes.

As ribeiras despejam agora grandes caudais como é o exemplo desta pequena ribeira

 

que já fora do povo irá desaguar na ribeira principal da aldeia que a meio da tarde levava este caudal,

 

Para tudo terminar muitos quilómetros depois no rio Tejo.

Este tempo chuvoso e persistente a fazer lembrar aos mais velhos tempos antigos em que durante três meses pouco se fazia, também apresenta bonitos efeitos como são estes penedos cobertos de musgo,

20221209_144150_resized.jpg 

20221209_144204_resized.jpg  

A tarde trouxe alguma melhoria metereológica o que fez com conseguissemos avançar com algumas coisas já previamente planeadas.

O dia começava a dar lugar à noite mas ainda assim a proporcional uma  bela luz vespertina,

20221209_165352_resized.jpg 

Amanhá é dia de regresso à cidade, mas por aqui mesmo com chuva sabe sempre bem viver!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D