Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Reflexão para um fim-de-semana

Em tempos idos, que os meus anos (e as minhas cãs!) não escondem, defendi ideias, onde a vontade do proletariado era razão suficiente para uma luta popular. Passado esse tempo utópico e quiçá ingénuo e hoje, claramente mais velho, defendo a riqueza para todos, não a pobreza…

 

Naquela época, Portugal vivia em permanente convulsão política e social. Tudo se exigia ao governo, da parte de um povo sedento de ideias e vontades. As greves assumiam-se como as grandes formas de luta a favor do trabalhador e o voto transformara-se numa arma essencial.

 

Porém trinta anos passados, descubro que tudo foi em vão. As lutas, as greves, as manifestações e os comícios converteram um país pobre mas honrado numa amálgama de contas mal feitas, mal explicadas e jamais fieis à realidade. Portugal tornou-se numa nação sem rumo, onde cada partido político defende a sua “dama” sem olhar à essência inerente a este povo.

 

Este governo conseguiu finalmente unir os portugueses mesmo que fosse numa manifestação. O luso habitante deste rectangulo desceu à rua, como já não fazia vai para muitos anos. Não quer esta política, não quer estes governantes, quer ter a vida de volta… assim falavam a maioria dos cartazes!

 

Pois é… mas ninguém veio para a rua protestar o dinheiro que o país gastou em estádios de futebol constantemente vazios, em auto-estradas onde ninguém passa, em bairros sociais onde os seus moradores pagam o mínimo, para poderem comprar os Mercedes e BMW estacionados à porta. Ninguém protestou a construção de hospitais sem médicos e equipamentos. Ninguém refilou contra as inúmeras fundações e Observatórios Nacionais de função no mínimo duvidosa, ou contra as empresas municipais que só dão prejuízo… e sorvedouras de imensos recursos do erário publico.

 

Relembro assim, neste espaço, o que John F Kennedy disse um dia aos americanos:

 

Não perguntes o que teu país pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer pelo teu país.

 

Será que já fizemos tudo por Portugal?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D