Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Depois admiram-se...

Caiu no meu telemóvel através de uma rede social um pequeno filme onde um menino americano de 4 anos manuseava uma arma como quem monta um Lego Duplo. 

A senhora que o entrevista parece feliz por uma criança tão pequena se mostrar tão competente no uso de uma espingarda.

Recuso-me, por objecção de consciência, a divulgar tais imagens porque não sendo sangrentas apontam para uma violência quase gratuita.

É certo que a nossa cultura baseada em brandos costumes não se revê nesta estranha filosofia americana onde um inocente lida com uma arma verdadeira como se esta fosse um mero brinquedo. E claro com o concluio familiar, arriscando-me mesmo a afirmar com o estímulo dos pais.

Não percebo nem concebo esta visão tão bélica dos americanos, mas tomando este filme como exemplo não admira o caso do início desta semana no Texas, com os trágicos resultados que todos sabemos.

Que Mundo é este?

Quando oiço ou leio notícias sobre tiroteios como o desta semana no Texas que vitimou 21 pessoas pergunto-me: como chegámos aqui?

Tenho consciência de que a sociedade americana é completamente diferente das sociedades europeias. O uso e porte de arma é natural e quase me arriscaria a dizer é fomentado.

Basta para isso que não tenha cometido qualquer crime e que aparentemente esteja de posse das suas faculdades mentais. Assim qualquer pessoa nas condições anteriores pode entrar numa loja da especialidade e comprar qualquer arma. Haja para tal o dinheiro!

Desde sempre que escutei e li que o maior negócio do Mundo seria o armamento. Nem petróleo, nem diamantes, nem droga… apenas armas. E pelo que tenho percebido este lóbi é tão poderoso que não há político que consiga alterar qualquer lei que ponha em causa a venda livre de qualquer arma.

A consequência desta política de venda livre de armas está em mais um ataque, desta vez a uma escola primária. Vinte e uma vítimas mortais parece-me um custo demasiado elevado, mesmo para a sociedade americana que defende a auto-defesa com base na segunda emenda.

Provavelmente se Salvador Ramos – o atirador de Texas – tivesse entrado numa escola onde estudassem filhos ou netos de políticos americanos e matado algumas crianças, provavelmente repito a lei seria mais tarde ou mais cedo alterada.

Todavia a forte divulgação deste tiroteio por todos os meios também não ajuda a controlar os ímpetos de quem possa ter desejos assassinos comuns ao de Salvador.

Por fim continuo a questionar-me: como chegámos aqui?

11 de Setembro: o pior da humanidade!

Há 20 anos eu estava numa quinta numa formação de inglês. Os meus filhos estavam também na quinta, mas na piscina. Felizes e contentes.

Após o almoço e um breve passeio eis-nos, todos os formandos, chegados a uma sala de estar onde encontrámos uma televisão e onde, em directo, vimos a queda das Torres Gémeas.

Um choque foi o primeiro sentimento que tive ao ver a queda dos prédios. Depois vi a repetição dos ataques, uma e outra vez. Pensei: isto é ficção!

O professor estava lívido! Canadiano de nascimento e casado com uma portuguesa acabou por confessar:

- Eu estive ali a semana passada.

Obviamente que nessa tarde não houve mais aula, tal a forma como ficámos presos ao pequeno ecrã.

Hoje, duas dezenas de anos decorridos, percebemos que aquele ataque ao coração da "BigApple" foi acima de tudo um ataque às nossas fragilidades e à tomada de consciência de que ninguém está realmente seguro.

O Mundo mudou muito desde esse trágico dia... Para pior, certamente. Estamos mais inseguros e desconfiamos de todos. 

Nunca chegaremos a perceber qual o fundamento verdadeiro daquele ataque, o que sabemos é que a vida humana tem para muitos o valor de um ínfimo grão de areia.

Feliz é a frase em que deveríamos ser mais 9 do 11 (queda do muro de Berlim) e menos 11 do 9 (ataque às torres Gémeas). Só que a realidade actual está muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito longe deste desiderato!

Termino com o sentimento de que da mesma maneira que nunca se deve esquecer o Holocausto será bom jamais olvidar este malfadado dia! 

O atentado em Barcelona

O terrível atentado em Barcelona, cidade que eu conheço bem, leva-me a pensar que os seus perpetradores não chegam a ser terroristas. São vulgares assassinos que a única coisa que pretendem fazer é matar pessoas, sejam elas de qualquer raça, credo ou nacionalidade. E o pior é que o fazem em nome de um Deus qualquer.

A ideia medieval de uma Guerra Santa contra os infiéis que não acreditam em Alá, erguida pelo EI, parece condenada ao insucesso. Desde logo porque cada vez se assume, por todos os outros países, um maior cerrar de fileiras contra esta forma ignóbil de guerrilha, que destrói, mata e enerva é certo, mas não ganha terreno.

Um destes dias acaba-se a dependência do petróleo pelo Mundo e os países apoiantes da causa perderão todo o seu poderio e financiamento. Ora sem dinheiro não haverá armas. E tudo cairá por terra.

Cada vez mais o terrorismo deixou de ser uma forma de guerra, mas unicamente uma postura de se matar somente pelo prazer de matar.

Triste Mundo!

Ainda o atentado de Londres

Decididamente não entendo esta ideia de atentar contra a vida de outrém em nome de uma fé. Eu que também sou um homem de crença jamais seria capaz de matar alguém em nome de Deus.

Poder-se-á dizer que as Cruzadas medievais foram também uma forma de luta contra os infiéis. Mas eram outros tempos, outras civilizações e acima de tudo outras mentalidades. E desde essa altura até hoje já passaram centenas de anos…

Após o atentado de Londres o Estado Islâmico apressou-se a revindicar o acontecimento. É óbvio que não esperava outra coisa. Mas será possível ligar este ataque isolado à luta que o EI tem perpetrado pelo mundo fora? Duvido… Mesmo que arranjem muitas ligações cheira-me que isto foi mais um acto isolado e que houve lógico aproveitamento daquele Estado.

Vivemos num mundo estranho onde em nome dos mais elevados desejos de um povo ou nação se destroem milhares de vidas humanas, a maioria delas inocentes.

Não tenho uma solução para esta nova ordem Mundial, mas gostaria que os meus descendentes não viessem a sofrer por algo que nunca fizeram nem contribuíram.

O ano de 2016

Por esta altura é frequente fazer-se um balanço dos acontecimentos mais relevantes do ano. Não costumo fugir também às contas.

Politicamente falando tivemos dois acontecimentos semelhantes, todavia com resultados diferentes. Se Marcelo Rebelo de Sousa quase não necessitou de fazer campanha eleitoral para se tornar o 20º Presidente desde a Implantação da República, no outro lado do Atlântico, e após uma campanha deveras renhida, Donald Trump vence as eleições face a uma Hillary pouco consistente e sempre demasiado crente nas sondagens, que lhe atribuíam a vitória com alguma folga.

Mas o ano de 2016 trouxe-nos uma vez mais o flagelo dos atentados. Não contando com os inúmeros ataques em zonas de guerra, contei catorze atentados só no ano de 2016. Sendo os piores em Nice com 84 mortos e em Orlando com meia centena de vítimas mortais.

O mais recente foi já esta semana em Berlim. Com 12 mortos...

O ano de 2016 originou também mais refugiados, mais gente que prefere morrer no mar a tentar uma vida melhor para si e para os seus, a ter que ficar numa qualquer cidade e engrossar o número de civis mortos numa estúpida guerra.

O homem jamais aprende! Dificilmente algum país ganhará actualmente uma guerra. Porque as guerras de hoje não são para serem ganhas somente para serem combatidas.

Uma pergunta (ainda) sem resposta

O dia estava fantástico. Após um almoço e de um passeio eis-me de regresso à sala de aulas para continuação da formação. Na sala de espera a televisão estava acesa e no instante em que entro vejo no ecran, para imenso espanto, um avião a entrar por um edifício como faca em manteiga em dia de Verão. Percebi que era nas torres gémeas, na cidade que nunca dorme, para logo a seguir dar conta que não havia sido um mas dois aviões a chocar contra o World Trade Center. O resto já todos sabemos...

Todavia a imagem que nesse dia mais me surpreendeu foi a queda em directo dos dois edifícios. Inimaginável.

A formação ficou por ali, ainda por cima porque o professor era canadiano e não foi capaz de dar mais aulas.

Isto foi há precisamente 15 anos.

Desde aquele dia até hoje o Mundo mudou muito. Para pior!

Depois das Torres Gémeas, foram os atentados em Londres e mais tarde em Madrid. E num, quase indefinido, número de locais por esse Mundo. A insegurança passou assim a fazer parte integrante das nossas vidas.

Sempre achei os atentados às torres gémeas como algo impensável. Essencialmente devido aos sofisticados sistemas de comunicações que os Estados Unidos conseguem controlar. Não quero com isto dizer que defenda uma teoria da conspiração mas que dá que pensar, isso dá.

Quando estes nefastos acontecimentos surgem, quase sem sabermos como, há uma questão que fica sempre em aberto: quem realmente ganhou com a tragédia?

The day after

Esta noite numa breve viagem que fiz acompanhado do meu infante mais jovem acabámos por debater sobre alguns aspectos do atentado de ontem em Nice.

Ele defendeu que o terrorista era louco por ter atirado com um camião de não sei quantas toneladas contra uma multidão indefesa. Eu, desconhecendo de todo as razões que levaram um franco-tinisino a cometer tão hediondo crime, defendi que provavelmente não seria tão louco quanto isso e apenas pretendeu que o seu nome fosse falado. Há muita gente capaz disso!

Obviamente que alguém com a consciência do verdadeiro valor da vida humana jamais levaria a bom termo um ataque desta envergadura. Mas é também necesssário perceber (o que não quer dizer que se concorde!) que há indivíduos capazes de sacrificar-se porque acreditam numa vida melhor no tal de Paraíso Celeste.

O problema está definitivamente instalado e a França tem um sarilho entre mãos que não saberá resolver tão depressa. O medo, o terror, a insegurança vão agora tomar conta dos Franceses por muito tempo.

Há mesmo quem diga que este atentado já fez esquecer o outro... o do passado Domingo.

 

Trágico contraste

As duas notícias foram obviamente relevantes.

Em Inglaterra um lunático atacou e assassinou uma deputada do Partido Trabalhista em plena rua. Um acto bárbaro e cobarde perpetrado por alguém que não percebe o que é a democracia e o viver em liberdade.

Ao invés deste trágico acontecimento o nosso Presidente da República vai à praia sozinho, toma banho, conversa com as pessoas, distribui beijos e deixa-se fotografar em “selfies”.

Tudo isto sem um segurança a acompanhá-lo.

Poderão os mais cépticos apontar diversas razões para esta postura do mais alto Magistrado da Nação e que entroncam na ideia, há muito veiculada e quase por todos assumida, que o PR é unicamente uma figura de estilo.

Pessoalmente não sou enormemente apologista desta postura popular e quiçá populista, de MRS. Mas tenho de lhe reconhecer mérito pela forma como trouxe a Presidência para a rua. Ou dito de outra forma: durante dez anos tivemos um PR que o era 24 horas por dia. E jamais se desviava desse seu registo. Hoje tudo parece ser muito diferente!

Voltando à segurança das figuras públicas, especialmente os políticos, é evidente que nenhum está livre de ser atacado, mas o medo será sempre a grande vitória daqueles para quem a democracia e liberdade serão sempre incompatíveis com as suas pobres vidas.

A guerra do medo!

Continuo sem perceber a razão de um atentado suicída!

Desde o malogrado 11 de Setembro na cidade de Nova Iorque que aquela forma de guerra tem ganho demasiados adeptos.

O que se tornou verdade é que em lado nenhum vivemos descansados. A qualquer hora, momento, instante e sem razão aparente podemos ser vitimas de um qualquer bombista. E sem termos culpa de nada...

Esta éspecie de cruzada contra os países europeus, perpetrado por radicais islâmicos parece não ter fim à vista.

O que cria naturalmente enormes e fundamentadas ondas de revolta.

Numa altura em que a Europa se debate com o maior crise de refugiados desde a 2ª Guerra Mundial, estes atentados só vêem ajudar a quem sempre esteve contra abertura de fronteiras europeias a estas vagas migratórias.

Esta é uma nova guerra que entra pela nossa casa a qualquer hora e a qualquer instante, sem pedir autorização.

E instala o medo!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D