Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Para o P. um amigo de curta data!

Hoje um colega comunicou que vai partir para uma nova aventura.

Com mais benefícios envolvidos, a verdade que o amor à camisola tem sempre um preço. E faz todo o sentido que assim seja. Todos os dias temos que lutar pelos interesses dos nossos...

Conheci o P. em 2015 quando entrou para a empresa. Muito mais novo do que eu desde logo houve entre nós uma empatia fraterna. Mesmo que tenhamos gostos diferentes... clubisticamente falando. 

Sabíamos encontrar nas nossas diferenças muitos pontos em comum. E falávamos muito. 

Vai sair da empresa já em Setembro próximo e tenho muita pena que o faça.

Mas ficará entre nós, certamente, uma profunda e sincera amizade. Que não iremos esquecer com toda a certeza.

Desejo a ele, à sua esposa e aos três filhos as maiores felicidades. Que a vida lhes sorria sempre.

A gente lê-se e vê-se por aí!

Fim de tarde!

Hoje ao fim da tarde, estive no lançamento deste livro do meu amigo de longa data, Pedro Correia.

Apresentado por Helena Matos esta obra vai deixar muitos políticos (e não só!) em maus lençóis já que este longuíssimo apanhado abrange muitas frases e obviamente muitas contradições proferidas por aqueles.

Na celebérrima livraria Bertrand, no não menos célebre Chiado, apareceram, entre outros, diversos amigos especialmente do blogue Sporting - És a nossa fé.

Grandes sucessos é o que mais desejo neste novo desafio.

A gente lê-se por aí!

 

convite_bertrand_chiado.jpg

Aquele abraço!

O périplo que iniciei na passada quarta-feira pelos diversos departamentos, como elemento de uma lista candidata à Comissão de Trabalhadores, levou-me a diversos locais onde encontrei muita gente conhecida, como já havia referido aqui.

Mas hoje foi ainda mais especial tendo em conta que visitei o meu anterior local de trabalho e donde saí faz uns breves meses.

Conforme fui entrando nas diversas salas, um coro de cumprimentos e sorrisos surgiram ao reverem-me. E sinceramente foi óptimo encontrar gente boa. Malta a quem ajudei tanta e tanta vez. Que se mostraram hoje gratos...

Uns jovens, outros menos, uns valorosos técnicos, outros responsáveis líderes de equipas... Todos me receberam com imensa simpatia e carinho.

Mas houve uma delas que foi realmente especial... muito especial. Tem idade para ser minha filha, mas talvez por isso admirei ainda mais a sua postura. Levantou-se do seu lugar e com dois beijos e um profundo abraço deu asas à sua alegria ao ver-me. Um momento muito terno pela espotaneidade e acima de tudo pela sinceridade.

De que até hoje vivi, este foi sido o instante que irei recordar e guardar no meu coração como um momento sublime. Há pessoas que não enganam. Esta é uma delas... e aquele abraço traduziu tudo.

Bem-hajas C.

Dúvidas que me assistem!

Ontem participei num jantar em homenagem a um colega que abraçou a reforma recentemente. O M. foi um colega, mas é sobretudo um bom amigo.

Muita gente no jantar, muita gargalhada sinónimo de boa disposição e o recordar de tempos passados. Achei curioso o desejo do homenageado em tirar fotos com todos os presentes à mesa.

Também eu aproveitei para rever outros colegas e amigos que, abraçando diferentes projectos dentro da empresa, afastaram-se do centro.

As saudades, por exemplo, que eu tinha da C. agora permanentemente em Évora. Foi uma festa revermo-nos.

Já de regresso a casa, num transporte suburbano que eu não usava há mais de vinte anos, quiçá mais, dei por mim a pensar no meu futuro. Se tudo correr bem em breve serei eu a partir da casa onde servi 35 anos. E o pensamento e a dúvida ficaram presos naquele jantar donde acabara de sair.

Será que algum dia terei também um jantar destes? Serei merecedor disso? E se não houver essa iniciativa devo ficar desiludido?

Muitas questões para as quais não obtive qualquer resposta.

Sempre fui um homem de afectos, de proximidades. E gosto das pessoas e ainda acredito nalgumas delas. O problema reside em saber se os outros acreditam também em mim.

Seja como for prefiro a verdade de um não acto à hipocrisia de uma acção.

A bondade tem nome!

Ser pai foi talvez a melhor coisa que me aconteceu na vida. Uma, duas vezes. De homens.

Se assim penso e sinto nem imagino como se sentirá uma mãe que carrega no seu ventre uma criança.

Todavia o povo na sua imensa sabedoria costumava dizer: “parir é dor, criar é amor!”

É assim com base nesta ideia que eu vejo os meus dois sobrinhos. Criei-os de igual forma que os meus filhos. Tive as mesmas preocupações e ralações. Também tive muitas alegrias.

Eu e a minha mulher costumamos dizer que não temos dois filhos mas sim quatro. Os meus sobrinhos consideram os meus filhos, seus primos, como irmãos.

Este longo preâmbulo serve como ideia primeira do que vou escrever a seguir.

Adoptar uma criança é, em primeiro lugar, um acto de enorme altruísmo e coragem. Pegar num ser frágil e tomá-lo como seu e responsabilizar-se pela sua educação é uma atitude só ao alcance de muito poucos.

Porque as crianças são uma alegria. Mas são também preocupações, tristezas, anseios desfeitos. São um permanente aperto no coração. E depois quando crescem e querem voar por si mesmos, a angústia da separação torna-se ainda maior e os receios alastram a todos os pontos do nosso corpo e vida. Acabamos até por ter calor no Inverno e frio no Verão.

Entretanto li algures que os corajosos decidem e depois choram sobre a decisão mas os fracos choram antes e nunca decidem.

Mas de nada disto a Joana teve medo. Atirou-se para a frente e assumiu um compromisso que será para a vida. Está de parabéns esta menina.

O mundo não é só feito de “trump’s”, há outrossim gente capaz de se dar aos outros, de sacrificar o seu bem-estar para aquecer o coração dos mais indefesos. Gestos nobres que me fazem ainda acreditar na dignidade humana, mesmo com tanta miséria à minha volta.

Não conheço a Joana pessoalmente. Nunca a vi e ela nunca me viu. Podemos cruzar na rua que não nos cumprimentamos. Mas também não é necessário. Esta mulher de armas concentrou em si tudo o que há de bom no ser humano.

E a privilegiada chama-se Alice!

Para a Joana com amizade!

A vida é assim uma coisa matreira, sempre pronta a pregar uma partida aos mais incautos. E quando digo partida falo literalmente.

É que isto de se tentar ser saudável é um grande risco...

Por isso fico sossegadito em casa e não me ponho para aí a correr pela cidade.

A Joana não o fez, não seguiu os meus conselhos e deu nisto!

Espero por isso que melhore rapidamente e se recomponha.

A gente lê-se por aí!

Uma lágrima por um bom amigo!

Desde que me conheço sempre soube lidar com o sentimento de morte ou de perda. Sei que fez e fará parte da minha vida, mesmo que não goste de perder alguém de família ou amigos.

Já vi desaparecer gente de quase todas as idades, umas mais próximas outras mais afastadas. Algumas vítimas de doenças prolongadas, martirizantes, outras de repente sem que ninguém espere...

Por tudo isto é que ao saber que o meu antigo colega e amigo Sérgio havia desaparecido de forma só e tão trágica fiquei muito triste.

Não sei de todo lidar com esta situação. Morrer é, como já afirmei, normal. Todavia sem a dignidade parece-me tão só triste mas claramente absurdo.

Amigo Sérgio estejas lá onde estiveres acredita que jamais te esquecerei.

Recebe assim esta singela lágrima!

A gente não vai ler-se por aí!

 

Eu fui...

... e adorei!

Pois... o convite foi-me lançado por duas bloggers quase em simultâneo, faz algum tempo.

Primeiro pensei que fosse somente simpatia. Bom, depois senti que era sentido e acabei por aceitar o convite para o 6º Encontro de bloggers, que se realizou na belíssima Casa do Alentejo, no coração da Baixa lisboeta.

6_bloggers.jpg

Ir para um encontro sem conhecer rigorosamente ninguém, a não ser de forma virtual, poderia ser um risco. Para mim e essencialmente para a organização.

Porém desde logo percebi que estava num grupo assaz divertido, amigo e solidário. Boas conversas e muitas gargalhadas o que é sinónimo de muito boa disposição animaram, e de que maneira, o repasto.

Gostei do local, do ambiente, da comida e essencialmente destas pessoas. Muito bem organizado, senti-me bem. Em paz.

Ai como andava a precisar de um encontro assim! Tagarela como sou... imaginem!

Obrigado MariaLina (mesmo que não tenha estado presente) pelo convite.

Obrigado a todos os outros presentes pela forma carinhosa e tão simpática como me receberam no vosso seio e de braços abertos.

Finalmente... a gente lê-se por aí!

 

Amanhá vai ser um dia... daqueles!

Amanhã será um dia importante para dois cá de casa:

- Para o meu pai pois comemorará o seu octagésimo quinto aniversário (idade bonita, não é?);

- Para mim porque estarei pela primeira vez num encontro de bloguers.

Ora se no primeiro acontecimento o meu antecessor liga tanto ao seu aniversário como eu ligo ao campeontao Mundial de fumadoras de cachimbo, já no segunto a minha preocupação é real e evidente.

Um encontro de gente que escreve em blogues, tal como eu, ainda por cima como convidado acarreta uma anormal responsabilidade. Durante a já minha longa vida lidei com milhares de pessoas, todas elas com características naturalmente diferentes. E nunca me atrapalhei

Só que desta vez a coisa tende a tornar-se mais complicada pois não quero defraudar ninguém e muito menos quem apostou em mim.

Veremos então como correrá o dia.

Mas primeiro de tudo tenho de chegar a Lisboa e neste momento estou a algumas centenas de quilómetros da capital.

Há que partir muito cedo. Ir devagar para chegar depressa.

Valeu a pena!

Se naquela quarta-feira me dissessem que 35 anos mais tarde estaria ainda a trabalhar na empresa, provavelmente diria que estavam loucos.

Todavia, aquelo número de anos passou tão rapidamente que ainda me recordo a roupa que vesti nesse dia (que já não tenho!). Outros pesos e outras medidas…

Tinha 23 anos. Não aproveitei a oportunidade de estudar numa universidade e depressa entrei no mercado de trabalho. Mas naquela manhã encontrei na recepção a R. uma antiga colega que não via fazia muitos anos.

Após dois dias em conjunto, ao terceiro cada um partiu para o seu Departamento para o qual estava previamente selecionado. O normal… naquela altura.

Curiosamente ou não ficou desse grupo, de pouco mais de uma dúzia de pessoas, uma enorme amizade que ainda hoje perdura.

Aos 15 anos preparei o primeiro encontro/almoço entre todos. E organizei alguns outros com o mesmo fito: juntar a malta daquele 6 de Outubro. Hoje as conversas são mui diferentes do início. Fala-se de reformas, netos, dores e afins… o usual em malta a rondar os (quase) sessenta anos.

O tempo passa tão depressa que nem damos por isso. Num dia somos jovens carregados de ideias para mudar o Mundo para, passado todo este tempo, percebermos que o Mundo é que nos mudou.

Quero aqui finalmente enviar um abraço a todos quantos fizeram (e ainda fazem) parte de mim e que hoje comemoram, tal como eu, as tais bodas de coral.

Obrigado por fazerem parte da minha história. Sem todos vós, sem excepção, eu não seria, certamente, a pessoa que sou hoje.

A todos um grande bem-hajam!

A gente vê-se por aí!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D