Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

O antes e o depois!

Na aldeia onde ainda vivem os meus pais já velhotes fui há uns anos descobrir algumas das fazendas da família no estado que a foto abaixo documenta (acresce dizer que esta fotografia foi tirada na fazenda ao lado da do meu pai!!!).

20210410_160036_resized.jpg

Mato e mais mato. Aroeiras, carrascos, silvas, alaga-cão, urzes... havia de tudo um pouco.

Com os parcos euros que tinha acabei por contratar gente para me limpar as fazendas. Durante meses os meus fins de semana eram passados a queimar o mato cortado. Depois fiz um pedido de subsídio ao PDR2020. Do valor inicial de investimento orçamentado, que rondou os 15 mil euros, irei talvez, repito talvez, receber... 2500 euros. Mas gastei muuuuuuuuito mais que o orçamentado.

Entretanto a propriedade ficou assim após muuuuuuuuuuuitas horas de trabalho. O chão é pobre pois as pedras quase que crescem em profusão, mas sobram as oliveiras, os medronheiros e alguns sobreiros e azinheiras.

20210410_155016_resized.jpg

 

20210410_155026_resized.jpg

No sábado passado, dia em que tirei estas fotografias e antes de chegar à fazenda encontrei um primo que costuma pastorear umas ovelhas e perguntei-lhe como estava o chão. Respondeu-me com um sorriso onde denunciava uma boca quase sem dentes:

- Está bom, até já cresce erva!

Constatei que para além da erva também já cresciam umas flores silvestres.

20210410_160457_resized.jpg

 

20210410_160824.jpg

Agricultura moderna!

Já plantei os primeiros tomateiros, Não sei que tipo são, mas certamente não serão daqueles berlindes que é só casca e semente e quase nem servem para comer, somente para enfeitar.

Há dois anos vi uma plantação de tomateiros que me encheu o olho. Era aquela de uma prima direita que esteve muitos anos radicada nos Estados Unidos e de lá trouxe algumas sementes de tomates que nunca vi em Portugal.

Ficou na altura combinado que me arranjaria uns pés. Estávamos em 2019...

Devido à pandemia o ano passado não pude passar por casa dela, mas este ano não falhei... e de lá trouxe uns pés de tomateiros com os seguintes nomes:

Manitoba;

Brandywyre Black;

Best Boy;

Soldecki;

Ponderosa Pink;

Money Maker.

20210412_185455.jpg

Plantados que foram acabei por fazer um mapa das linhas, identificando quem são e em que lugar se encontram.

Por aqui só conhecia o chucha, o coração de boi, o tomate maçã e o tal que falei no início e que dá pelo belíssimo nome de... chérri.

A ver o que tudo isto irá dar!

Culturas de verão

Todos os anos vou aqui repetindo as minhas plantações.

Já sem as couves de inverno e após alguns meses de intempérie que deixou a terra num autêntico lamaçal, eis uns dias quentes que enxugaram a chão. Aproveitei assim esta trégua para enterrar dois compostores de estrume doméstico para que as próximas plantações tenham os nutrientes necessários e naturais para crescerem.

Ainda não plantei os tomateiros. Um vizinho disse que mos traria e deste modo aguardo.

O que já estão plantados são os feijoeiros e o cebolo. Este ano experimentei comprar feijão já nascido e plantá-lo em vez da costumada sementeira. A ver como corre!

20210326_145327.jpg

Faltam os tomateiros, as curgetes e os pepinos, mas a terra, essa, já esta pronta após espalhar o lixo organico. Agora os compostores vão ser lavados e guardados. Durante a Primavera e o Verão não faço compostagem... Os mosquitos mesmo com terra por cima são em demasia.

20210326_145341.jpg

A agricultura que (já) não temos direito!

No início desta semana tive de ir à aldeia num tiro pois fui convocado pelo IFAP para uma visita às propriedades sobre as quais incidia um pedido de ajuda.

Este processo iniciou-se há uma meia dúzia de anos para após uma recusa por falta de verbas, ter sido aceite com direito a uns euros.

A verdade é que desde que comecei a fazer intervenções nas fazendas que ainda são do meu pai já gastei uns bons milhares de euros nuns pedaços de terra que se fossem vendidos não me dariam nem um quarto do que lá gastei.

Porém como também não tenho vícios e acima de tudo gosto de ver as terras arranjadas, fui investindo o que deveriam ser poupanças.

Segundo percebi irei receber uma fortuna que rondará 2500 euros, quando já lá gastei 20 vezes mais.

Mas o pior não está nesta minha situação, mas tão-somente saber que há cerca de 300 mil hectares de terras sobre as quais não incide nenhum subsídio, ao mesmo tempo que há “supostos” agricultores a receberam valores quase pornográficos, sem terem quaisquer terras. Como o conseguiram não imagino, mas foi o técnico que visitou as fazendas que denunciou a situação.

Entretanto parece que em 2023 as coisas tenderão a mudar, mas até lá…

Obviamente que não quero viver da agricultura, mas apenas gostaria de uma ajuda para tratar das terras que durante anos foram desprezadas.

A verdade é que a agricultura continua a ser o parente pobre da sociedade portuguesa. E dos consecutivos governos!

A dez dias do Natal!

Hoje aproveitei o dia com sol para finalmente dar conta da minha horta. É que contas feitas há mais de uma semana que não tinha consciência de como estavam as couves para este Natal, tal foi a chuva contínua e assaz persistente.

Sinceramente.... do que vi gostei. É que a dez dias do Natal as minhas couves apresentam já este bom aspecto.

COUVES_2020.jpg

Faltou-lhes quiçá o frio e a geada que certamente ajudaria na sua cozedura futura.

Azeitona 2020… sem vírus! #7

Termino hoje esta série de textos sobre a campanha da azeitona deste ano.

Devo desde já esclarecer que estes textos têm unicamente uma função didática, já que há muita gente que não tem conhecimento de como o azeite chega âs nossas mesas.

Sei que as grandes empresas do sector terão menos preocupações e menos trabalhos que eu, mas isso não tira, obviamente, as minhas dores nem o meu cansaço e muitíssimo menos o meu empenhamento..

Nasci e crecei quase no meio da azeitona já que os meus avôs, tanto paterno como materno eram grandes produtores. Na aldeia onde me criei era normal, por esta altiura, a chegada de ranchos de gente vindas de longe com o único intuito de apanhar azeitona.

Nesse tempo nem um bago ficaria no chão, estivesse ele em óptimas condições ou quase podre. Recordo até uma frase da minha avó a dizer para o marido:

- Não mistures o azeite... O desta medura vai somente para casa.

Acresce dizer que o outro serviria para quase tudo, Desde alimentar as candeias com as quais iluminavam as noites ou tão-somente conservar os enchidos ou os queijos.

Como já escrevi num postal anterior fiquei desliludido com os quilos apanhados e a sua transformação em azeite. Sempre pensei que teria mais peso e obtivesse mais azeite. Erro de cálculo...

Todavia o que conta é reconhecer que este trabalho não é fácil, nada mesmo, mas no final fica sempre aquela nostalgia por já ter acabado.

Entretanto amanhã regresso à capital!

Até para o ano...

Azeitona 2020… sem vírus! #6

Fim!

Pois é... ao fim de seis dias de árduo trabalho a campanha da azeitona de 2020 terminou.

Não direi que o saldo tenha sido assim algo extraordinário, mas tenho a consciência que fiz muito mais do que as minhas forças permitiam.

Muito cedo regressámos ao olival para correr as últimas oliveiras, que em princípo seriam sete, mas que no final foram muitas mais.

É costume dizer-se que a campanha do ano que vem inicia-se na deste ano, através, essencialmente, das podas das oliveiras.

20201103_073730.jpg

Este derradeiro dia torna-se sempre num dia diferente dos demais, já que é o momento das teimas e apostas nomeadamente no peso da azeitona colhida.

Porque os sacos só servem para serem enchidos...

20201103_131811.jpg

Já no lagar a azeitona é deitada num fosso...

20201103_153249.jpg

Sendo depois levada por tapetes rolantes até ao tanque que há-de lavar as azeitonas antes de serem moídas (cuidado com o som do video).

Depois é amassada, centrifugada e finalmente sai assim (cuidado com o som do video).

No fim é medido e colocado no vasilhame.

20201103_191325.jpg

E este foi o resultado final...

vasilhame.jpg

De 2400 quilos de azeitona recebi 225 litros de azeite. Não foi grande número, mas para um ano chega.

Azeitona 2020… sem vírus! #5

Recupero hoje uma velhíssima máxima do meu avô, homem muito sábio. Dizia ele que em tempo de azeitona o patrão deve esperar pelo nascimento do dia... no olival.

Sempre achei esta ideia demasiado radical, mas a vida tem o condão de nos ensinar.

Digo isto porque era ainda madrugada e já estava no olival concordando com o meu avô!

20201102_065416.jpg

Não obstante a luminosidade da foto afianço-vos que o sol ainda não havia aparecido. Todavia minutos mais tarde dei conta de uma cor alaranjada na linha longínqua do horizonte...

20201102_070216.jpg

eram 7 horas e dois minutos. Finalmente nascera o dia.

Tirando esta madrugada a jornada foi um conjunto de factos normais na apanha da azeitona: estender panos, colher, levantar panos, juntar a azeitona em mantas para limpeza, limpar a azeitona retirando os ramos e folhas, ensacar e finalmente arrumá-la até ser levada para o lagar.

O dia esteve bom sem calor com um capelo cinza, sem nunca ter chovido.

Aproxima-se o fim desta campanha. Creio que amanhã poderá ser o último dia de apanha. Faltará, no entanto, levar a azeitona para o lagar e esperar que o azeite nasça como que por milagre.

Confeso que ao fim do dia gosto de olhar o chão e perceber os diversos pontos brancos que correspondem aos sacos cheios de azeitona.

Sem Título.jpg

Hoje foram só 18 sacos!

Azeitona 2020… sem vírus! #4

(sem virus #3)

E ao quarto dia... apanhou-se azeitona.

Bem cedo cheguei ao olival e logo estendi os panos por baixo das oliveiras

20201101_081112.jpg

antes que o meu colaborador chegasse. Este ano tive a sorte de arranjar alguém que me ajudasse nesta espécie de demanda.

Sinceramente já vi gente muito trabalhadora, mas reconheço que como este homem nunca assisti. Reparem como trabalha ele com a varejadoura eléctrica.

Eu que deveria estar a seu lado para colher azeitona também com uma máquina, acabei por andar o dia todo a estender e levantar panos e juntar os montes de azeitona como este.

20201101_084829.jpg

Não imagino o que aconteceu às oliveiras beirãs, mas este anos de 2020 cada árvore dá fruto com fartura. Por isso os sacos acumulam-se no aramazém.

20201101_175559.jpg

Contam-se já perto de 90 sacos o que dá aproximadamente 2000 quilos. E ainda há muitas para colher.

Este ano haverá record de colheita!

Azeitona 2020… sem vírus! #3

(sem virus #2)

III

Hoje para variar... andou-se o dia todo na azeitona!

Mudou-se de fazenda, mas não de actividade. Há que aproveitar os dias de sol e a abençoada (neste dias) ausência de chuva.

Ainda ontem ao fim da tarde, já a noite entrara, acabei por transferir todo o aequipamento para outra fazenda para que hoje tudo se iniciasse sem mais demoras. É que as oliveiras são muitas e requerem alguma atenção especialmente na pode.

Ãssim que chegámos npotou-se o chão molhado da noite húmida.

20201031_073117.jpg

Chegaram os homens e depressa se chegou a isto.

20201031_091631.jpg

Para se fazer um pequena ideia esta mantada deu cinco sacos cheios de azeitona negra e bonita. Como já aqui havia falado se não fosse isto,

muito provavelmente estaríamos muito atrasados. O video não é muito feliz em primeiro plano, mas se repararem bem no segundo há outrém.

Voltava eu a espalhar pela terra os panos que irão recolher a azeitona,

20201031_100930.jpg

enquanto outros cuidavam em podar as oliveiras colhidas.

A azeitona cai em quantidades fantásticas e três horas depois há novo pano repleto

20201031_110700.jpg

somente que mãos hábeis retirem as folhas antes de ensacar.

A chão está tão atapetado de panos que houve quem brincasse com a situação.

20201031_110952.jpg

Entretanto a poda das oliveiras resultava nisto,

20201031_122424.jpg

Após o almoço a azáfama mantém-se para chegar o fim do di e olhar-se o terreno e vê-lo assim.

20201031_162951.jpg

Há baldes, sacos cheios, mantadas com mais azeitona, rama da poda espalhada, oliveiras bem despidas.

Depois foi arrumar o que se pode para finalmente recolher os sacos.

Contei 27, mas a manta terá no mínimo mais três.

E amanhã será novo dia... de azeitona, claro!

(sem virus #4)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D