Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

A dez dias do Natal!

Hoje aproveitei o dia com sol para finalmente dar conta da minha horta. É que contas feitas há mais de uma semana que não tinha consciência de como estavam as couves para este Natal, tal foi a chuva contínua e assaz persistente.

Sinceramente.... do que vi gostei. É que a dez dias do Natal as minhas couves apresentam já este bom aspecto.

COUVES_2020.jpg

Faltou-lhes quiçá o frio e a geada que certamente ajudaria na sua cozedura futura.

Azeitona 2020… sem vírus! #7

Termino hoje esta série de textos sobre a campanha da azeitona deste ano.

Devo desde já esclarecer que estes textos têm unicamente uma função didática, já que há muita gente que não tem conhecimento de como o azeite chega âs nossas mesas.

Sei que as grandes empresas do sector terão menos preocupações e menos trabalhos que eu, mas isso não tira, obviamente, as minhas dores nem o meu cansaço e muitíssimo menos o meu empenhamento..

Nasci e crecei quase no meio da azeitona já que os meus avôs, tanto paterno como materno eram grandes produtores. Na aldeia onde me criei era normal, por esta altiura, a chegada de ranchos de gente vindas de longe com o único intuito de apanhar azeitona.

Nesse tempo nem um bago ficaria no chão, estivesse ele em óptimas condições ou quase podre. Recordo até uma frase da minha avó a dizer para o marido:

- Não mistures o azeite... O desta medura vai somente para casa.

Acresce dizer que o outro serviria para quase tudo, Desde alimentar as candeias com as quais iluminavam as noites ou tão-somente conservar os enchidos ou os queijos.

Como já escrevi num postal anterior fiquei desliludido com os quilos apanhados e a sua transformação em azeite. Sempre pensei que teria mais peso e obtivesse mais azeite. Erro de cálculo...

Todavia o que conta é reconhecer que este trabalho não é fácil, nada mesmo, mas no final fica sempre aquela nostalgia por já ter acabado.

Entretanto amanhã regresso à capital!

Até para o ano...

Azeitona 2020… sem vírus! #6

Fim!

Pois é... ao fim de seis dias de árduo trabalho a campanha da azeitona de 2020 terminou.

Não direi que o saldo tenha sido assim algo extraordinário, mas tenho a consciência que fiz muito mais do que as minhas forças permitiam.

Muito cedo regressámos ao olival para correr as últimas oliveiras, que em princípo seriam sete, mas que no final foram muitas mais.

É costume dizer-se que a campanha do ano que vem inicia-se na deste ano, através, essencialmente, das podas das oliveiras.

20201103_073730.jpg

Este derradeiro dia torna-se sempre num dia diferente dos demais, já que é o momento das teimas e apostas nomeadamente no peso da azeitona colhida.

Porque os sacos só servem para serem enchidos...

20201103_131811.jpg

Já no lagar a azeitona é deitada num fosso...

20201103_153249.jpg

Sendo depois levada por tapetes rolantes até ao tanque que há-de lavar as azeitonas antes de serem moídas (cuidado com o som do video).

Depois é amassada, centrifugada e finalmente sai assim (cuidado com o som do video).

No fim é medido e colocado no vasilhame.

20201103_191325.jpg

E este foi o resultado final...

vasilhame.jpg

De 2400 quilos de azeitona recebi 225 litros de azeite. Não foi grande número, mas para um ano chega.

Azeitona 2020… sem vírus! #5

Recupero hoje uma velhíssima máxima do meu avô, homem muito sábio. Dizia ele que em tempo de azeitona o patrão deve esperar pelo nascimento do dia... no olival.

Sempre achei esta ideia demasiado radical, mas a vida tem o condão de nos ensinar.

Digo isto porque era ainda madrugada e já estava no olival concordando com o meu avô!

20201102_065416.jpg

Não obstante a luminosidade da foto afianço-vos que o sol ainda não havia aparecido. Todavia minutos mais tarde dei conta de uma cor alaranjada na linha longínqua do horizonte...

20201102_070216.jpg

eram 7 horas e dois minutos. Finalmente nascera o dia.

Tirando esta madrugada a jornada foi um conjunto de factos normais na apanha da azeitona: estender panos, colher, levantar panos, juntar a azeitona em mantas para limpeza, limpar a azeitona retirando os ramos e folhas, ensacar e finalmente arrumá-la até ser levada para o lagar.

O dia esteve bom sem calor com um capelo cinza, sem nunca ter chovido.

Aproxima-se o fim desta campanha. Creio que amanhã poderá ser o último dia de apanha. Faltará, no entanto, levar a azeitona para o lagar e esperar que o azeite nasça como que por milagre.

Confeso que ao fim do dia gosto de olhar o chão e perceber os diversos pontos brancos que correspondem aos sacos cheios de azeitona.

Sem Título.jpg

Hoje foram só 18 sacos!

Azeitona 2020… sem vírus! #4

(sem virus #3)

E ao quarto dia... apanhou-se azeitona.

Bem cedo cheguei ao olival e logo estendi os panos por baixo das oliveiras

20201101_081112.jpg

antes que o meu colaborador chegasse. Este ano tive a sorte de arranjar alguém que me ajudasse nesta espécie de demanda.

Sinceramente já vi gente muito trabalhadora, mas reconheço que como este homem nunca assisti. Reparem como trabalha ele com a varejadoura eléctrica.

Eu que deveria estar a seu lado para colher azeitona também com uma máquina, acabei por andar o dia todo a estender e levantar panos e juntar os montes de azeitona como este.

20201101_084829.jpg

Não imagino o que aconteceu às oliveiras beirãs, mas este anos de 2020 cada árvore dá fruto com fartura. Por isso os sacos acumulam-se no aramazém.

20201101_175559.jpg

Contam-se já perto de 90 sacos o que dá aproximadamente 2000 quilos. E ainda há muitas para colher.

Este ano haverá record de colheita!

Azeitona 2020… sem vírus! #3

(sem virus #2)

III

Hoje para variar... andou-se o dia todo na azeitona!

Mudou-se de fazenda, mas não de actividade. Há que aproveitar os dias de sol e a abençoada (neste dias) ausência de chuva.

Ainda ontem ao fim da tarde, já a noite entrara, acabei por transferir todo o aequipamento para outra fazenda para que hoje tudo se iniciasse sem mais demoras. É que as oliveiras são muitas e requerem alguma atenção especialmente na pode.

Ãssim que chegámos npotou-se o chão molhado da noite húmida.

20201031_073117.jpg

Chegaram os homens e depressa se chegou a isto.

20201031_091631.jpg

Para se fazer um pequena ideia esta mantada deu cinco sacos cheios de azeitona negra e bonita. Como já aqui havia falado se não fosse isto,

muito provavelmente estaríamos muito atrasados. O video não é muito feliz em primeiro plano, mas se repararem bem no segundo há outrém.

Voltava eu a espalhar pela terra os panos que irão recolher a azeitona,

20201031_100930.jpg

enquanto outros cuidavam em podar as oliveiras colhidas.

A azeitona cai em quantidades fantásticas e três horas depois há novo pano repleto

20201031_110700.jpg

somente que mãos hábeis retirem as folhas antes de ensacar.

A chão está tão atapetado de panos que houve quem brincasse com a situação.

20201031_110952.jpg

Entretanto a poda das oliveiras resultava nisto,

20201031_122424.jpg

Após o almoço a azáfama mantém-se para chegar o fim do di e olhar-se o terreno e vê-lo assim.

20201031_162951.jpg

Há baldes, sacos cheios, mantadas com mais azeitona, rama da poda espalhada, oliveiras bem despidas.

Depois foi arrumar o que se pode para finalmente recolher os sacos.

Contei 27, mas a manta terá no mínimo mais três.

E amanhã será novo dia... de azeitona, claro!

(sem virus #4)

Azeitona 2020… sem vírus! #2

(sem virus #1)

II

Hoje sem a necessidade de buscar alfaias cheguei ao olival mais cedo que ontem, ainda não eram sete e meia da manhã.

20201030_072824.jpg

Cedo percebi que iria ser um dia quente. O anilado do céu surgia em todo o seu esplendor sem uma única nuvem.

No intuito de fazer um breve esclarecimento comunico que desde há uns anos que adquiri máquinas para varejarar a azeitona. São máquinas eléctricas alimentadas por baterias de carro e que me dão um jeitão... Diria que sem elas demoria mais do dobro do tempo a apanhar a azeitona. Depois a escada por vezes é falsa e são conhecidos os acidentes de quedas das oliveiras... Então estas que são vetustas!

Mas hoje iria ter a colaboração de um jovem habituado a esta vida dura do campo. E sinceramente ele vale o dinheiro que ganha. Ao fim de uma hora as mantadas de azeitona colhida para escolher, começaram a espalhar-se pelo olival.

20201030_090714.jpg

Mal se acaba uma oliveira, logo se recolhe o pano e se estende noutra, de forma a que o homem com uma das máquinas não pare.

20201030_093506.jpg

As mantadas sucedem-se enquanto só um par de mãos a escolhe para ensacar.

20201030_112827.jpg

Entretanto isto, eu sou "pau para toda a obra": colho com uma outra máquina, depois corro a mudar os panos ou vou ajudar a minha mulher a ensacar a azeitona que ela vai escolhendo. Na foto supra já havia três enormes mantas com azeitona.

Depois de escolhida ei-la finalmente em sacos.

20201030_130544.jpg

Mas a chuva negra não pára de cair. Ao que parece este ano as oliveiras fizerem fé em dar fruto. Até uma pequena e velha oliveira fez a sua parte,

20201030_160743.jpg

já que do seu único ramo saiu pouca azeitona, mas ainda assim tapou o fundo do balde.

20201030_161315.jpg

A tarde já cai sobre a aldeia, no entanto há que acabar de escolher. De tal forma que se esgotam os sacos e tenho de levar a azeitona em baldes para o barracão de guarda.

Valeu o dia 27 sacos que a somar aos 11 de ontem dá 38... Portanto contas redondas... 1000 quilos já estão apanhados.

E ainda faltam tantas...

(sem virus #3)

Azeitona 2020… sem vírus! #1

Nota de abertura

A pandemia que entrou na vida de todos nós quase que me estragava os planos da campanha deste ano de apanha da azeitona beirã. Por causa dos confinamentos e proibição de andar entre concelhos no próximo fim de semana acabei por vir mais cedo… E ainda bem porque a azeitona está no ponto!

I

Nestes dias dormir até tarde acarreta uma grande desvantagem: torna o dia muito mais pequeno. Por isso levantei-me às seis da manhã para ir ao pão e comprar aqueles croissants que são uma especialidade. Depois um pequeno almoço reforçado, um café rápido mascarado e eis-me na carrinha para ir buscar sacos, mantas, baldes e demais alfaias.

Cheguei ao olival passava já das sete e meia, mas num ápice descarreguei o material.

20201029_074741.jpg

Mantas estendidas,

20201029_080527.jpg

máquinas preparadas e iniciei a campanha deste ano com a mesma vontade de anos anteriores. Quiçá mais, já que não vieram os meus colaboradores do costume… A vida assim obrigou.

Duas horas depois já o chão se atapetava de azeitona negra.

20201029_085435.jpg

Às onze era já assim o aspecto do olival

20201029_111810.jpg

e um pouco mais tarde juntava-se a primeira mantada de azeitona colhida de uma só oliveira.

20201029_114226.jpg

O dia esteve bom, mesmo agradável sem muito sol devido a um capelo de nuvens que ajudou a manter a temperatura amena. Ideal nestas coisas, já que tanto o frio como o calor em demasia são óbvios inibidores de uma boa apanha.

A tarde chegou, mas como havia ido almoçar um tanto fora de horas aquela foi mais curta. Andei quase todo o dia de máquina em riste para o céu. Atrás de mim vinha um parente, que nestas alturas me ajuda na poda… Ah pois… que aqui faço logo dois trabalhos: apanha-se a azeitona e poda-se a árvore para o próximo ano.

A minha mulher foi, entretanto, separando a azeitona da maior das folhas. E enchia sacos… Uns atrás dos outros.

20201029_150304.jpg

Uma penumbra noctívaga desceu finalmente sobre a aldeia e deste modo colocamos um ponto final no dia.

20201029_173648.jpg

Tudo somado… foram quase 12 sacos que arrumei no barracão.

20201029_175751.jpg

Nem foi mau… para o primeiro dia...

E amanhã haverá mais!

(Sem virus #2)

As minhas couves estão assim

No passado dia 11 de Setembro escrevi e mostrei aqui o trabalho daquele tão célebre dia. Ora... mês e meio depois achei que deveria mostrar a evolução daquela plantação.

Mais um bocadinho de tempo e estarão prontas para ir para a panela.

couves_outubro.jpg

Falta-lhes, no entanto, o frio e aquelas geadas que as cozerão e lhe darão aquele gosto tão rico e saboroso.

A gente lê-se por aí!

O que esta pandemia fez de mim...

Hoje estou completamente de rastos ao fim de um dia de trabalho. Vim à aldeia beirã, de onde é natural da minha mulher e onde temos uns pequenos terrenos que cuidamos com esmero e vontade.

Desde há uns anos que aproveitamos esta época para cá vir para fazer umas limpezas na casa, que este ano esteve mais tempo fechada que o costume e deste modo mais vulnerável ao pó e à bicharada, mas outrossim para podar as videiras antes da campanha da azeitona.

Ora o que aconteceu é que no fim deste dia o meu corpo parecia que tinha sido atropelado por um... TGV. Não há um pedaço de mim que não doa. Quiçá possa exceptuar o cabelo e alguma unha... Tudo o resto...

Fiquei a pensar o porquê desta diferença tão grande para o ano passado. Após muito matutar acredito que a razão esteja nesta pandemia que nos confinou e ainda confina.

Na verdade nunca fui um atleta profissional. Nem sou um adepto fundamentalista do exercício físico. No entanto enquanto estive no activo e fora destas doenças, todos os dias fazia aproximadamente cinco quilómetros a pé, que percebo agora me deu alguma maior estaleca para outras actividades, nomeadamente agrícolas. Com o regresso aos confinamentos e tomando em consideração que passei a tomar conta de uma neta, achei por bem desviar-me das caminadas matinais (não fosse o Diabo tecê-las!).

Certo é que estou um farrapo, fisicamente falando e estou desertinho para regressar à cidade de forma a repousar. Nem quero pensar o que será daqui mais umas semanas quando se iniciar a campanha da azeitona... Até lá tenho de me capacitar que irei sofrer muito. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D