Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

37a9m25a - #22

Nota:

Termino hoje esta primeira série de pequenos relatos sobre a minha vida de 37 anos, 9 meses e 25 dias de trabalho na empresa. Vou nos próximos tempos recuperar outras histórias mais burlescas e tentar (re)escrevê-las de forma a que possam serem lidas por todos.

O José Salvador

José da Silva Salvador foi o seu nome verdadeiro. Quando entrei na Tesouraria ele já tinha alguma idade, mas isso não obstou que não nos tornássemos bons amigos. Trabalhei com ele algum tempo. Era na caixa um homem muito cuidadoso temendo sempre perder dinheiro enquanto eu fui, geralmente, mais afoito.

A minha relação com o José era franca, aberta e por vezes um tudo nada… avançada. Adorava uma boa anedota e ria-se com gosto das que eu contava.

Não obstante a sua idade não estava, ainda assim, inibido de ser também vítima das brincadeiras do restante pessoal.

Mas a mais fantástica foi criada por mim num momento repentino.

O José reformara-se havia algum tempo e todas os dias dirigia-se ao refeitório para almoçar, já que era solteiro e vivia sozinho bem perto do local onde trabalhara toda a vida. Assim, naquela passagem da manhã para a tarde vi o José Salvador do outro lado da rua quando eu regressava do almoço.

Acresce dizer que naquele tempo a Baixa Pombalina estava repleta de muita gente trabalhadora e muitos poucos turistas… Outros tempos!

Reparo então no José e do lado de cá da rua envio-lhe uma saudação:

- Olá José! Boa tarde…

Ele percebe-me, acena e com um sorriso responde:

- Viva boa tarde!

E foi nessa altura que:

- Olha lá já perfilhaste a criança?

Não o deixando responder continuei em tom acusatório:

- A miúda já teve a criança… vê se és um pai como deve ser…

Coitado do José que perante esta minha acusação em tom alto no meio da rua e perante tantos desconhecidos nem soube o que responder. Apressou o passo...

Mais tarde num jantar falei-lhe daquela partida para lhe pedir desculpas pela brincadeira parva, mas ele na sua impecável bonomia, nem me acusou, dizendo simplesmente:

- Deixaste-me embaraçado!

37a9m25d - #21

O gago

Num serviço com perto de 100 pessoas e onde diarimente se mexia com muito dinheiro havia sempre necessidade de desanuviar de algum stress.

Por isso e como já referi em textos anteriores as partidas sucediam-se ou então brincava-se com os próprias características de cada um. Um era o "fala-barato" porque nunca se calava, outro o "besunta" porque parecia que estava sempre a engraxar alguém ou o "caro director" porque se assim entitular fora da empresa tentando fazer-se daquilo que não era. Mas havia muitos mais. Eu próprio depressa fui brindado com o cognome de "vidrinhos" devido às minhas grossas lentes. Havia obviamente entre todos nós um que era gago. O Almada.

O Jesus Almada, de seu nome, tinha duas outras características, para além da sua gaguez que o distinguiam dos demais colegas: tinha uma opinião sobre tudo e tinha conhecimento rápido de todas as decisões da administração. Uma verdadeira agência noticiosa interna.

Era alguns anos mais velho que eu e depressa percebi que muitos faziam-no falar para o verem gaguejar sem que ele desse por isso.

Uma estória que ficou célebre foi aquela em que lhe perguntaram o que fora almoçar. Respondeu ele muito depressa:

- Fffffui comer cu... cu... cu... 

- Comer o quê?

- Cozido à portuguesa... - respondeu num rompante. E todos riram.

Mas a estária mais curiosa assisti eu. O Jesus Almada fazia criação de canários e uma tarde toca a falar da sua criação. A meio da conversa diz:

- Tenho lá um ca... ca... canário que faz... qua... qua... qua...

Diz o Américo muito depressa e em tom de brincadeira:

- Um canário que faz qua qua não é um canário, é um pato.

Devolve Almada muito depressa:

- Nã... nã... não. Faz quatro dias que não come!

Gargalhada geral!

37a9m25d – #20

Segismundo atacado de novo

Certo dia o Segismundo e o Amado compraram em simultâneo uma enciclopédia e pediram que os volumes fossem entregues no Serviço da Tesouraria.

Naquela manhã uma das recepcionistas liga para o Serviço a comunicar que haviam sido entregues duas encomendas iguais: uma para o Amado e a outra para Segismundo.

Amado foi à recepção e levou os dois pacotes para dentro, já que o colega estava de serviço numa caixa fora da Tesouraria. Abriu a dele, mostrou o que continha e logo ali se congeminou mais uma partida ao Segismundo.

Pegaram então na caixa da encomenda do Amado, colocaram lá dentro um volume pesado. Fecharam o pacote, endereçaram ao Segismundo e entregaram novamente na recepção com a indicação:

- Alice, guarde a encomenda. Quando o colega chegar ele virá buscá-la.

- Com certeza – aceitou a colega convicta que era um gesto normal.

Quando à tarde chegou Segismundo recebeu a indicação de ir até à recepção para levantar uma encomenda. Assim fez!

Já no Serviço, os colegas fizeram tudo para que Segismundo abrisse o pacote:

- Mostra lá o que compraste…

- Não – respondia o outro.

Vinha outro:

- O que tens aí? Pode-se ver?

- Não

E assim foi o resto da tarde.

Finalmente ao fim do dia Segismundo pegou no volume e levou-o para casa sem o abrir no Serviço.

No dia seguinte a vítima fez o que ninguém esperava não proferindo qualquer comentário do sucedido.

Todavia mais tarde veio a saber-se que no jantar daquela noite abriu feliz a encomenda e foi com anormal e estranha surpresa que recebeu uma lista telefónica volumosa da zona de Lisboa.

37a9m25d - #19

Brincadeiras de crescidos

Quando estive na Tesouraria e sempre que nos deslocávamos com dinheiro na cidade íamos de carro da empresa com um motorista e um guarda, ambos devidamente armados, não fosse o demo tecê-las.

Deste modo havia uma relação muito próxima entre nós, os caixas, e eles, os guardas.

Certa manhã fui destacado para ir fazer caixa no Balcão na Avenida da República. Fui à casa-forte levantar o dinheiro que coloquei numa mala que tínhamos para o efeito. Notas de diversos valores, moedas e alguma documentação foram depois levados pelos seguranças até à carrinha.

Já na viatura falou-se de futebol e mais futebol, que era quase sempre o tema comum a todos os colegas.

O trânsito corria sereno com os sinais luminosos a gerirem a coisa. À entrada do cruzamento da Tomás Ribeiro com a Avenida Fontes Pereira de Melo o sinal ficou vermelho e a carrinha parou. À nossa frente os peões atravessavam a avenida, uns depressa outros mais lentos.

Estava um dia primaveril e o condutor levava o vidro aberto. De súbito alguém se aproximou da janela e disse:

- Mãos no ar, isto é um assalto.

Ainda não palavras não eram ditas e uma “fusca” estava encostada ao nariz do suposto assaltante. Fora o próprio motorista que a erguera.

- Calma, calma – disse o eventual atacante – estou a brincar!

- Eh pá… não voltes a fazer isso que pode acontecer uma desgraça – devolveu o motorista já de sorriso na boca.

Assustei-me no início para logo perceber que fora apenas uma brincadeira. Por fim tentei perceber quem era o atacante em conversa com os meus colegas.

- Este tipo é polícia e faz gratificados à nossa porta. E ao conhecer-nos quis pregar esta partida.

Na verdade fiquei naquele dia vacinado contra os colegas dos serviços de segurança. Percebi que não eram gente para brincadeiras… de gente crescida!

37a9m25d - #18

O senhor dos anéis

Nota:

Os relatos anteriores aqui descritos, não obstante falarem de casos reais, carregaram consigo sempre algum humor. Porém a vida nem sempre é risonha. Foi o caso infra.

 

Quando conheci o Rafael este já se encontrava reformado. Conhecemo-nos na sala de convívio do refeitório da empresa, onde após o almoço tomávamos café ou jogávamos umas partidas de sueca.

A determinada altura ficámos parceiros e a coisa até corria menos mal. Havia só uma coisa que eu não apreciava de todo no meu parceiro: a forma como falava com o filho, também nosso colega quando este aparecia para cumprimentar o pai, usando sempre de uma linguagem baixa e demasiado ofensiva. Um dia cheguei mesmo a chamá-lo à atenção para o caso. Não gostou!

O Rafael fora um antigo chefe da empresa. De estatura baixa, apresentava quando o conheci uma certa curva descendente. Não sei se seria o peso dos anos ou o peso da consciência.

Entretanto deixei de jogar às cartas pois outros valores se levantaram. Pelo que soube a seguir ninguém mais pretendeu jogar com ele, nomeadamente os mais velhos. Até que um dia fui informado que o Rafael se suicidara perto de Santos em Lisboa.

Fiquei na altura muito pesaroso pela pessoa, até que alguém me disse:

- Não tenhas pena dele! Foi um crápula da pior espécie.

E contaram-me esta estória:

Vivia-se no tempo da ditadura e Rafael era um chefe tirano, não dando palavra a ninguém nem autorizando sequer aos subalternos a dirigirem-lhe qualquer conversa, a não ser que fosse trabalho.

Este chefe adorava anéis de ouro que usava em ambos os dedos anelares ou nos mindinhos. Sempre que chegava de manhã tinha o hábito de retirar as peças de ouro dos dedos e colocava-as na secretária mesmo à sua frente.

Só que certo dia deu por falta de um dos seus anéis. Procurou por todo o lado e de súbito olhou para um dos seus colaboradores e acusou-o:

- Foi você que me roubou o anel… Eu bem vi a forma como você olhou para ele.

- O senhor Rafael está enganado. Nunca faria uma coisa dessas. Sou um homem honrado e sério.

- Gatuno, malandro… hei-de apanhar-te…

Durante algumas semanas a acusação foi permanente. Entretanto alguns colegas tentaram ajudar na busca, mas esta foi infrutífera.

Até que certa manhã receberam a notícia que o colega acusado de roubo se suicidara. Rafael reagiu mal:

- Matou-se para não ter de devolver o anel…

O tempo decorreu e foi necessário fazer obras no serviço de tal forma que Rafael teve de mudar de sala e com ele foram também armários e secretária. Foi nessa altura que debaixo de um armário de arquivo foi encontrado um anel de ouro. O tal desaparecido!

Perante a falsa acusação Rafael e as consequências das suas acusações, o chefe apenas sugeriu que não se arrependia de nada.

A verdade é que a partir desse dia todos os colegas que trabalhavan debaixo da sua alçada pediram transferência. Mas foi Rafael que se transferiu.

37a9m25d - #17

Desencontros

O João Sabino foi um antigo colega da Tesouraria. Quando entrei na empresa era ele o chefe.

Afável, simpático, tinha sempre uma palavra de conforto para alguém que ao fim do dia assumia ter perdido dinheiro na caixa.

A sua postura tão cavalheiresca fez com que angariasse um título: “Gentle John”. Porém, diziam os que o conheciam melhor, que o João perdia toda a sua conhecida compostura ao volante do seu automóvel. Há até uma estória em que num sábado foram todos almoçar para perto de Arruda dos Vinhos numa quinta e no caminho alguém se queixou que o carro tinha qualquer coisa de estranho, ao que o condutor João respondeu que não deveria ser nada. Quando pararam tinha um furo… e uma jante desfeita.

Entretanto na tesouraria aconteceu um episódio muito curioso e que ficou célebre envolvendo Sabino e outros colegas.

Havia no Serviço uns armários com metro e meio de altura. Serviam essencialmente para arquivo, mas tendo em conta que se encontravam no corredor das caixas de pagamentos eram colocados em cima deles os comunicados sindicais ou nas Comissões de trabalhadores, alguma correspondência privada, um telefone de uso comum e o livro de ponto.

Em frente deles como já referi abriam-se pequenos gabinetes ou caixas como gostávamos de chamar.

Certo dia “Gentle John” estava a ler algum comunicado sindical ou quiçá a conferir quem assinava o livro de ponto… Sabe-se que estava de costas para o corredor. De súbito entra o Armando sempre no seu ar divertido e tagarela  e vendo aquela figura de costas dá-lhe uma valente palmada na calva.

Apanhado de surpresa o chefe Sabino vira-se e dá de caras com Armando que vendo o chefe como vítima da sua brincadeira parva ficou sem pinga de sangue.

- Desculpe chefe João… Confundi-o com outro colega… Peço imensa desculpa…

Quando “Gentle John” se preparava para aceitar as desculpas eis que sai da caixa defronte o Alípio que naquele seu ar sempre sério pega numa nota de mil escudos e entrega-o a Armando:

- Tomas lá os mil paus da aposta…

O outro devolve:

- Qual aposta?

- Então não te lembras da aposta que fizemos em que se desses uma palmada no chefe eu teria de te dar 1000 escudos? Ei-los…

Armando tremia. O chefe nem sabia o que dizer. Alípio meteu a nota no bolso do colega.

- Chefe… isto é mentira, eu não apostei nada. Ele é que está a inventar.

João Sabino olhava para ambos e tentava perceber quem falaria mais verdade. Armando continuava:

- Chefe foi um acidente… Nunca apostaria nada com ele… Peço imensa desculpa mas não foi por querer…

Enquanto João Sabino coçava a careca atingida, Armando tremia e Alípio ria... sorrateiramente!

37a9m25d - #16

Bar aberto

O relato da estória foi-me contado na primeira pessoa de nome Acácio. Mas antes há que contextualizar...

Havia na Tesouraria alguns colegas que haviam angariado o gosto especial pelo álcool. Conta-se que um dos mais afamados era Joaquim Fevereiro. Houve mesmo um caso que ficou célebre na Tesouraria e em que após um almoço bem regado o Joaquim, sem condições para estar a atender ao público, foi-se deitar dentro de um armário, mesmo por debaixo do balcão da sua caixa, de forma a deixar evaporar o fedor etílico. Só que nessa tarde, sem que ninguém o soubesse ou calculasse, surgiu de surpresa na Tesouraria um administrador. Este ao chegar perto das caixas escutou o profundo roncar do Joaquim. Estranhando o ruído foi, no entanto, convencido de que o barulho vinha da canalização velha.

O Fevereiro só tinha medo de duas coisas: que acabasse o álcool e da mulher que parecia ser uma fundamentalista “Testemunha de Jeová”. De resto e após a visita inesperada do administrador, a chefia achou por bem transferi-lo para a secretaria onde ficou até se reformar.

O primeiro dia de Acácio foi inesquecível, segundo o próprio. Quase no fim do dia um colega mais velho entregou-lhe umas guias e disse:

- Vais à secretaria pedes para falar com o senhor Janeiro e depois entregas-lhe estes papéis.

Obediente o pobre do Acácio, percorre toda a Tesouraria e entra pela secretaria muito devagar e a medo, quase como que adivinhado o que lhe estaria para acontecer e foi dizendo:

- Boa tarde colegas. O senhor Janeiro quem é?

Joaquim levanta os olhos, fixa-os em Acácio, ergue-se ao mesmo tempo da cadeira num rompante e avança para o novato com ar ameaçador. O jovem recua.

- Olha lá meu grandessíssimo filho #$%?§@£, meu grande c&%$#@£§][, seu ordinário…

Um rol de epítetos generosos que fariam corar qualquer vendedeira do Mercado do Bolhão foi quanto o Acácuo ganhou.

- Mas… mas… - gaguejava.

Gritava Joaquim:

- Qual mas, nem meio mas…

O outro tremia… via a sua vida futura naquela empresa completamente estragada. Tentava em vão desculpar-se.

- Desculpe, desculpe… fui eu que percebi mal.

- Mal? Vais ver o que é mal… Anda comigo e é já! Vamos já resolver esta situação…

Decididamente o Acácio sentia-se completamente perdido. Agora seria aguentar. Vai daí seguiu Fevereiro qual borrego atrás da mãe. Enfiaram-se então numa sala que parecia mais um vestiário e onde se alinhavam uma série de cacifos.

- Vou só aqui buscar uma coisa – disse Joaquim – Podes vir aqui.

O jovem aproximou-se do seu antagonista que entretanto abrira a porta do seu armário pessoal.

- Chega-te mais aqui – ordenou.

Acácio aproxima-se e fica de frente para o cacifo e dá então de caras com um espaço repleto de garrafas de quase todas as bebidas alcoólicas. Um sorriso enorme apareceu na face de Joaquim que convidou:

- Escolhe o que queres beber… É o prémio da tua praxe - e deu uma valente e sonora gargalhada.

Acácio nem queria acreditar e após recusar educadamente saiu da sala.

Quando Joaquim entrou na secretaria, confessou para os outros ainda a rir:

- Mais um… quem é o próximo?

Nunca cheguei a saber…

37a9m25d - #15

Estreia auspiciosa

A minha estreia como caixa teve um episódio que demonstrou duas coisas: uma é que há público que não tem qualquer ponta de educação, a segunda é que na Tesouraria os colegas defendia-nos sempre de gente imbecil.

Os novatos geralmente recebiam o dinheiro somente do caixa principal. Não fugi à regra e deste modo o Esteves entregou-me notas e moedas com a seguinte recomendação:

- Paga só com notas grandes, não faças trocos. Temos de colocar as notas de 5 contos em circulação e as pessoas têm de se habituar a elas...

Com esta indicação comecei a chamar os números de viva voz, pois no sítio onde estava não existiam chamadores eléctricos nem electrónicos. Também não era coisa que me causasse problema tanto mais que sempre fui dono de uma poderosa voz:

- CHAPA 26…

Alguém se aproximava do balcão, entregava-me a chapa redonda respeitante ao número chamado e eu perguntava:

- Quanto recebe?

- São … escudos!

Conferindo o valor retirava depois de uns cacifos as notas, recontava-as e entregava o numerário ao cliente. Tudo muito simples. Até que a meio daquela manhã chamei um número. A pessoa aproximou-se do balcão e eu perguntei:

- Quanto recebe?

- São 6 contos e vinte escudos!

Peguei numa nota de 5 mil escudos (tinha a figura de António Sérgio, lembram-se?), noutra de mil escudos e numa de 20 escudos. Recontei e entreguei o dinheiro. Diz-me então o cavalheiro:

- Não quero essa nota – e empurrou o dinheiro para dentro.

Percebi que referia-se à de 5 contos. Todavia retorqui:

- Lamento, mas não tenho ordens para pagar de outra maneira. Aqui tem o seu dinheiro.

De forma prepotente e malcriada pegou nas notas e atirou-as para dentro da minha caixa, enquanto dizia em tom áspero:

- Já lhe disse que não quero esse dinheiro.

Enervado pela minha falta de experiência e capacidade de resposta, peguei no dinheiro espalhado, devolvi a chapa ao cliente, agarrei na ordem de pagamento que tinha defronte e entreguei-a ao caixa principal que entretanto percebera que se passara algo de estranho.

- Este senhor não quer receber a nota de cinco contos… Podes fazer o pagamento, se fizeres favor'

Consciente da minha imaturidade para aqueles casos o Esteves disse-me:

- Deixa comigo.

Mais tarde soube o que se passou entre o cliente e o Esteves, mas de súbito tenho novamente o cavalheiro na minha frente após ter chamado o seu númetro de chapa que houvera devolvido.

Tive o mesmo discurso como se nada tivesse acontecido. O cliente recebeu o dinheiro e no fim disse-me:

- Peço muita desculpa pela minha atitude de há pouco. Fui muito incorrecto.

Espantado com o pedido de desculpas devolvi:

- Deixe lá, não se preocupe, está desculpado. Tenha um bom dia.

No entanto este acontecimento mexeu comigo e no fim do dia abordei o Esteves:

- O que se passou entre ti e o cavalheiro da manhã?

- Fácil… Eu conhecia-o muito bem… Ele é um coronel aposentado que fez serviço com o meu pai. E só lhe perguntei se na tropa as ordens não serviam para ser obedecidas. Ele, claro, calou-se.

Imaginei a cara do coronel perante a questão. Mas o Esteves continuou:

- E obriguei-o a receber na tua caixa e a pedir-te desculpas. Espero que o tenha feito.

- Pediu sim. Obrigado.

A minha estreia estava feita!

37a9m25d - #14

O esquecido!

O Tinoco era um daqueles técnicos juristas brilhantes. Assertivo, conhecedor a fundo do Direito, conseguia sempre arranjar uma boa solução para o problema que lhe apresentassem!

Só que este advogado tinha uma característica que lhe arregimentava alguns problemas e que se traduzia numa só palavra: esquecimento.

Conhecia as leis de frente para trás, as alíneas dos decretos e demais diplomas, mas para as coisas mais simples… era o cabo dos trabalhos. Esquecia-se sempre…

Conheci-o bem e o relato seguinte não me foi contado por ele, mas por outro colega. Então reza assim:

Estávamos em vésperas de mais um Natal. As ruas estavam pejadas de gente que subiam e desciam numa busca constante.

Naquele dia a mulher do Tinoco combinara com o marido vir a Lisboa, também para umas compras. Combinada a hora e relembrada durante a tarde com um papel em letras enormes:

Às 5 no Rossio! – escrevera ele.

Cinco minutos antes o Tinoco fecha os compêndios e parte para o Rossio para se encontrar com a esposa. Havia naquele tempo na Praça central de Lisboa um andar que servia de convívio a colegas reformados ou até a alguns que no fim do dia apareciam para uma merenda ligeira.

Esse foi assim o local de encontro entre Tinoco e esposa. Mas o causídico não estava pelos ajustes para andar loja dentro, loja fora a fazer compras. Assim concordou com a mulher ficar na sala de convívio à sua espera enquanto faria as compras.

A noite por aquela altura do ano cai muito cedo e a determinada altura Tinoco, que se embrenhara numa leitura de um livro, olhou o relógio e percebendo a hora quase tardia pôs-se a caminho do lar… sozinho.

Já estava em casa quando tocou o telefone e reconheceu a voz da mulher.

- Onde estás? – perguntou ele.

- Aqui à porta do salão à tua espera…

- Ah… pois… esqueci-me de ti!

37a9m25d - #13

O peso de um saco

Numa certa altura o Serviço de Tesouraria achou por bem solicitar ajuda à Filial do Porto. Nesta agência havia alguma gente com pouco que fazer, muito por culpa da extinção de funções.

Assim de um dia para o outro cairam na Tesouraria de Lisboa uma série de colegas com sotaque nortenho muito acentuado. Todavia sempre se mostraram muito profissionais e trabalhadores.

Alguns deles optaram por alugar uma casa onde dormiam e faziam a sua vida, durante a semana sendo que ao fim de semana partiam "num tiro" para o Porto. Para isso alguns deles optavam por ficar num serviço que era prestado pela tesouraria e que ficava muito perto do Campo das Cebolas e donde naquete tempo partiam os expressos para a cidade Invicta.

Gente impecável, adoravam um belo almoço sempre muito bem regado. 

Ora certa sexta feira o Martins que era um dos nortenhos, pediu para ir para a dita caixa. Geralmente ele seria o primeiro a fechar da parte da tarde e estando a caixa certa o serviço libertava o homem para que apanhasse o autocarro o mais cedo possível.

Fechada a caixa o colega comunica:

- Tenho a caixa certa, vou entregar os saldos e depois vou-me embora.

Tudo certo sem problema, assumiram naturalmente os restantes colegas.

O Martins pega então no saco com os seus pertences e sentiu-o mais pesado que o costume. E declarou:

- O almoço foi bom e parece que bebemos demais...

- Então?

- O saco pesa...

- Para a próxima bebe menos!

Não sei o que se terá passado no Porto, mas fico somente a imaginar a cara do Martins ao abrir o seu saco e encontrar dentro dele "apenas" três listas telefónicas de Lisboa, como se usavam naquele tempo.

lista_telefónca.jpg

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D