Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

25 de Abril... sem liberdade!

Hoje é dia 25 de Abril, feriado nacional, denominado "Dia da Liberdade". Curioso penso eu.
Num ano que que nos foi vedado sair de casa, de visitar os familiares no hospital, de beijar pais e mães, de ir a um simples baptizado ou casamento, comemorar algo que durante muitos meses não tivemos é deveras estranho.

Eu sei que a pandemia (e o governo) nos obrigou a vivermos neste estado desesperado e caótico. Mas comemorar o que se conquistou há 47 anos e que agora não temos é assim um bocado a brincar com o povo.
Não se admire, por isso, o governo e outros políticos do seu "estado de graça" estar em queda, que os portugueses estejam cada vez mais descrentes da política e dos políticos e que a abstenção seja cada vez maior.

Num dia como este o governo e outras organizações deveriam pelo respeito que o povo merece, deveriam repito, escusar-se de fazerem quaisquer comemorações. Porque se eles têm liberdade para o fazer... o povo não tem.

E assim sendo não somos um povo livre. Não sendo livre comemora-se hoje o quê?

Como vejo hoje o 25 de Abril

Aproximam-se mais umas festividades do 25 de Abril de 1974.

E regresso a essa quinta feira plúmbea e fria. Sobrava em calor revolucionário.

Andava na escola e o meu pai, sendo militar permanente, veio logo comunicar para não sairmos de casa. Estava a decorrer um golpe de Estado. (Só mais tarde se criaria o mito da Revolução dos Cravos!!!)

Telefonia ligada, logo iniciámos a escutar um locutor a falar. Creio que era o Luís Filipe Costa! Dizia o que se estava a passar a pedido de um tal Movimento das Forças Armadas que naquele instante desconhecíamos quem era ou o que era.

Só de tarde, creio eu, a televisão passou a série “Daktari”.

Esta é a primeira grande recordação que tenho do dealbar do meu 25 de Abril de 1974.

A dita Revolução veio depois e o país tanto avançava na democracia como recuava. Lembro-me bem do PREC (Processo Revolucionário em Curso) que quase levou o país a uma guerra civil. Recordo do 28 de Setembro com as barricadas nas estradas, do 11 de Março e a nacionalização de muitos sectores da economia portuguesa. E do 25 de Novembro.

No fundo o 25 de Abril foram todos estes acontecimentos. Foi outrossim as diversas eleições democráticas, os diferentes governos que caiam para virem novos, a apressada descolonização, a reforma agrária que verdadeiramente nunca se fez, as sucessivas greves, as constantes manifestações.

Durante quase dez anos Portugal foi um país estranho. Ou se era a favor ou contra, nunca havia a meia medida. Ou se era de esquerda ou então fascista. Ou pobre e revolucionário ou então rico e burguês.

Pretendeu-se o sistema social nórdico implantado num país de tendência latina em questões laborais. Tentava-se a implementação de diferentes sistemas políticos, quando obviamente nenhum servia para um povo que desde o início do século XX não sabia o que era o Mundo para além das suas fronteiras.

Talvez por tudo isto tenhamos hoje uma classe política tão pálida, tão enfezada para abraçar outros cometimentos. Nasceu entre dois polos opostos e nunca soube qual escolher. Adaptou-se ao que mais lhe convinha.

Sobra ainda daqueles dias a liberdade, dirão alguns. Será verdade, mas até quando?

Entretanto comemore-se mais um ano do 25 de Abril.

25 de Abril de 2020... Nunca mais!

Vivi os acontecimentos de há 46 anos. Vivi-os de forma intensa não obstante ser um jovem ingénuo e, porque não dizê-lo, politicamente pouco esclarecido.

Mas num instante percebi tudo... Ainda por cima o meu pai era militar e esteve uma serie de dias e noites sem vir a casa.

Os Verões que se seguiram foram uma primeira adaptação à democracia. A verdade é que alguns viam esta igual a Cuba, outros queriam uma democracia do género do Norte da Europa.

Foram estas as duas facções que durante mais de dois anos se dagladiaram até que aconteceu o 25 de Novembro, após um Verão políticamente demasiado quente.

Assumo mesmo que por uma unha negra Portugal não entrou numa guerra civil. Há quem diga que foi o embaixador americano Frank Carlucci que negociou, outros juram que foi a igreja católica e há ainda quem afince que foi a maçonaria.

De uma forma é doutra com o 25 de Abril conquistou-se a Liberdade. Uma Liberdade que hoje, neste dia tão especial nos foi retirada (obviamente por razões de saúde).

Por esta última (triste) razão termino com um slogan que não gostaria de escrever: 25 de Abril de 2020 nunca mais!

Bom senso... deseja-se!

Estalou o verniz sobre as comemorações do 25 de Abril na Assembeia da República.

Vou saltitando de texto em texto e de mensagem em mensagem e percebo como esta estória, que nem para a história fica, tem agitado as águas neste país comummente denominado de "brandos costumes".

Correm por aí petições contra e a favor das ditas comemorações! Lêem-se ataques acintosos aos que têm opiniões contrárias, roçando muitos deles a ofensa. Outros, pelo contrário, vão tentanto expor as suas opiniões baseadas nas suas convicções políticas ou não... num tom educado, todavia assertivo.

Tudo isto concorre para agitar as águas políticas deste rectângulo maioritariamente confinado e à beira de um (ou mais) ataques de nervos.

Mas há nestas próximas comemorações uma estranha contradição... Como posso comemorar o 25 de Abril (Dia da Liberdade!) se não a tenho, se neste momento não sou um cidadão com os meus direitos todos activos?

Provavelmente não seria mau alguém pensar nisto...

Quero aqui finalmente recordar que vivi aqueles acontecimentos históricos que muitos dos nossos actuais deputados apenas conheceram quando andaram na escola...

E mais não escrevo!

Imaginação ou realidade?

No dia 25 de Abril, enquanto fazia “zapping” em busca do canal do meu clube, acabei por parar num canal que raramente vejo, mas onde naquele instante se debatia o feriado.

Para além do moderador, estavam presentes uma deputada do PCP – Rita Rato, um antigo bastonário da Ordem dos Advogados – José Miguel Júdice e um conhecidíssimo politólogo que o ano passado esteve no centro de uma idiota contestação universitária – Jaime Nogueira Pinto.

Nada disto teria muita importância se a determinada altura não tivesse escutado esta frase dito por um dos oradores:

Prefiro ser governado por comunistas portugueses a ser governado por direitistas belgas”.

Agora se não viram o debate imaginem quem terá dito esta frase…

O 25 de Abril!

Em 1954 já quase ninguém se lembrava ou muito menos se preocupava com o que havia acontecido em 1910, aquando da Implantação da República. Haviam passado 44 anos. Da mesma forma hoje poucos se preocupam com o tal de 25 de Abril de 1974. Especialmente os mais novos...

Parte da actual população portuguesa terá nascido após a Revolução dos Cravos. O que equivale dizer que já nasceram em liberdade e assim não têm, nem nunca tiveram, outras (más) referencias para perceberem o que foi viver sob uma ditadura que limitou o pensamento e a palavra.

Talvez seja por esta falta de matrizes e outrossim porque os políticos que actualmente nos governam não parecerem gente de boa fé é que as eleições têm níveis de abstenção sempre acima de 40%.

Não foi para isto, certamente, que os Capitães de Abril vieram para a rua fazer a revolução há 44 anos.

Então de que forma poderemos reverter este distaciamento entre a sociedade civil e a classe política? Não imagino. Mas de uma coisa tenho a certeza: o actual panorama político está gasto, muito gasto.

Será tempo de alguém criar um 25 de Abril, versão século XXI!

Todavia e até lá continuemos a comemorar este feriado.

Os três dias do 25 de Abril

Quarenta e três anos passados sobre aquela quinta-feira de Abril, olho para a nossa sociedade e noto nela diferenças enormes. Não só por aquilo que os portugueses passaram antes do 25 de Abril, como o que decorreu depois. Acima de tudo as desilusões e as frustrações de muitos anseios.

Por isso comecei a perceber que o 25 de Abril corresponde a três dias, sendo cada um desses dias representativos de uma geração.

Colocando as coisas de forma mais prática direi que o Portugal de hoje é constituído pela geração do 24, do 25 e do 26 de Abril.

Passo a explicar:

  • 24 de Abril - são aqueles portugueses, hoje já obviamente idosos e que viveram grande parte da sua vida sob a ditadura. Até podem ter apreciado a Revolução dos Cravos, mas depressa desanimaram com as constantes alterações políticas. Caem quiçá no erro de assumirem: naquele tempo é que era bom!
  • 25 de Abril – são os da minha geração com mais ano, menos ano e que viveram as vicissitudes do golpe de Estado. Durante anos andaram de partido em partido pensando qual o melhor para o país, mas depressa se convenceram que este rectângulo não ia a lado nenhum. Desiludidos, vão votando aqui e ali temendo sempre pelo futuro;
  • 26 de Abril – é aquela franja da sociedade que não quer saber da política nem dos políticos, que não vota e considera estes pouco fiáveis. Preferem trabalhar horas a fio para ganharem mais uns euros. Não se preocupam com o passado e muito menos com o futuro. Vivem o dia a dia, simplesmente.

Certamente que haverá algumas excepções a estes três modelos. Todavia a maioria pensa assim. E desculpem-me os sociólogos, politólogos e demais especialistas, mas dificilmente este paradigma mudará.

Os cravos vermelhos fazem somente parte da história lusa. Infelizmente não mais que isso!

Pós 25 de Abril

João Miguel Tavares na sua coluna do Jornal Público de hoje chama a atenção para a noção de democracia de alguns dos nossos ditos... democratas!

Não assinando por baixo todo o texto do jornalista, bloguer, escritor e "ministro sombra"... subscrevo no entanto na sua essência, pois não concordei com aquele discurso quase patético de Vasco Lourenço à saída da AR ao dizer que os governantes anteriores eram anti-25 de Abril.

Então que dizer das declarações há anos proferidas por Otelo Saraiva de Carvalho quando afirmou que Portugal necessitava de um homem sério como Salazar?

Há uma esquerda em Portugal demasiadamente colada aos dogmas e às ideias de há 42 anos, olvidando que o mundo mudou, e de que por exemplo os desejos da actual juventude são profundamente diferentes do que foram naquela época.

Foi a democracia que nasceu no tal 25 de Abril que colocou os "tais" políticos no poder. E se eles lá estavam é porque ninguém da oposição conseguiu em tempo útil provar que poderiam fazer melhor.

Como disse uma vez Winston Churchill: A democracia é a pior forma de governo, exceto todas as outras que têm sido tentadas de tempos em tempos.

Mas há ainda quem acredite que a democracia é uma forma de governo em que todos pensam da mesma forma!

Lembro-me!

Sempre que me lembro do 25 de Abril de 1974, recordo uma quinta-feira plúmbea e fresca. Mas não só...

Lembro-me do meu pai (militar de carreira) vir a casa para dizer que não fosse à escola e comunicar também que provavelmente não viria tão depressa dormir a casa.

Lembro-me de ter ligado a telefonia onde fui ouvindo os comunicados lidos pelo Luís Filipe Costa!

Lembro-me que a televisão deixou de emitir e quando recomeçou emitiu uma série que se desenrolava na selva africana e que se chamava "Daktari".

Lembro-me de estar no quintal com alguns amigos. Mas ainda não tínhamos apercebido dos reais acontecimentos que se estavam a passar... em Lisboa. Faltou claramente nesse tempo uma "CMTV"!

Lembro-me de um crescente e estranho fervor para o qual ainda não estava preparado.

Lembro-me de chegado o fim do dia e ter escutado o comunicado da Junta de Salvação Nacional lido pelo General António de Spínola.

Lembro-me que dia seguinte regressei à escola!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D