Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

A água e a vida!

1foto1texto

Resposta a este desafio!

A água que corre entre as galerias ripícolas assemelha-se por vezes à vida que cada um vai vivendo.

Eis um exemplo de uma ribeira que mesmo de caudal quase invisível vai correndo por entre pedras, ramos e folhas até a um ribeiro maior, por sua vez criou uma albufeira, para após muitos quilómetros acabar no Tejo e mais tarde no Oceano Atlântico.

Também a vida começa muito pequena para ir crescendo conforme vamos ficando mais velhos. Ums vezes andamos devagar, outras mais depressa para no fim da vida desaguarmos num mundo que nunca conhecemos.

agua_ameal.jpg

 

Arrefecimento global!

Pois é... enquanto vamos lendo que o planeta tem sido sujeito a um aquecimento global, essencialmente devido à libertação de gazes poluidores, por aqui vou assumindo que esse aquecimento ainda não terá chegado.

Especialmente na água do mar!

Estou mais ou menos de férias e tenho ido todos os dias à praia. A verdade é que a água do mar continua límpida, quase cristalina, mas estupidamente gelada. Tão fria que nem consigo tomar um banho a sério na água do mar.

É que o choque de temperatura é tão grande que tenho algum e fundado receio que o meu coração entre em parafuso e se desligue. Se para muitos seria uma alegria, ainda não estou nesse patamar e tendo em conta o que ainda tenho em conta fazer... não me apetece ir embora já!

Depois de ter conhecido diversas praias portuguesas continuo a preferir esta da Costa, que se inicia na Trafaria e termina bem perto do Cabo Espichel.

Obviamente que esta preferência não será pelo seu arrefecimento global!

Quem diria?

Diz o povo na sua costumada sabedoria que "não há fome que não dê em fartura". É o que tem acontecido nos últimos dias em Portugal devido à chuva.

No Verão passado as notícias para além da Guerra na Ucrânia falavam quase sempre do mesmo: barragens vazias, rios secos, escassez de água. Obviamente que era muito importante alertar as pessoas para o desperdício de água.

Passado esse tempo de fome vivemos tempos de fartura de água. Mas outrossim fartura de tragédias, de inundações, de vidas viradas do avesso.

É por demais conhecido que este rectângulo desabituou-se da chuva e vai daí toca a construir "sem rei nem roque" por tudo quanto é um espaço vazio. Depois... é o que se sabe!

O dia de hoje foi terrível. A chuva caiu com intensidade e de forma persistente condicionando a vida a muita gente.

Mas o dia haveria de mudar um pouco. De tal forma que ao fim da tarde tirei esta foto de um quase pôr-do-sol.

20221213_171022_resized.jpg 

A foto tirada com telemóvel não ficou nada de jeito, mas apenas serve para perceber que Portugal é quase açoriano: tem as quatros estações num só dia!

 

Os especialistas!

De vez em quando surgem nas televisões e nos jornais uns especialistas que assumem umas ideias para o futuro muito... cinzentas.

Estávamos ainda em pleno e seco Estio quando alguém me disse que escutara um desses especialistas a dizer que até final do ano não choveria.

Logo nessa altura eu contrapus com a ideia de que esses especialistas podem saber muita coisa, mas não controlam a Natureza. De todo e ainda bem!

A prova de que eu não sendo especialista percebo mais da coisa que eles, é que desde há umas semanas que a chuva não pára. E não são uns aguaceiros quaisquer... são bátegas longas e fortes que tudo encharcam e alagam.

Soube que na aldeia as ribeiras mais pequenas já correm em direcção à ribeira maior, sinal evidente que as terras já se encomntram bem encharcadas e não conseguem absorver a água de cai do céu. Falta agora um pouco de frio para vir a neve, também ela em alguns casos benfazeja.

Resumindo os especialistas têm de se especializar mais...

A fonte velha!

Será talvez o local que mais fotografo. Ou mais recentemente gravo em video.

A aldeia onde fui criado não tem uma fonte, um pequeno ribeiro, uma charca. Desde sempre os aldeões habituaram-se primeiro a fazer poços fundos na terra para ali guaradarem a água que o Outono e Inverno ofereciam para depois construirem dentro de casa reservatórios que apelavam também a água da chuva. Depois atiravam para lá uns peixes que tinham como função limpar a água de alguma impureza.

A aldeia onde estou é o inverso da anterior... Por aqui há fontes em todo o lado e diversos ribeiros que circundam a povoação. Depois quase todos os terrenos rústicos têm um ou mais poços.

Mas de todas as fontes que eu conheço esta é a única que nunca seca. Ainda este ano com o calor que esteve e a fraquíssima pluviosidade a fonte continuou a jorrar água fresca. Obviamente que não tinha a mesma intensidade desta altura, mas mesmo assim é um prazer conseguir ter esta fonte a 20 metros de casa, onde ainda hoje enchi a barriga... de água!

 

Chamam-lhe a Fonte Velha que dá até nome à rua, contudo será sempre nova enquanto me brindar com tão preciso líquido.

20221105_172019_resized.jpg 

Serenidade!

A Ribeira do Ocreza nasce das entranhas da Serra da Gardunha e desagua no Tejo já como rio afluente e não como ribeira. Algures pelo caminho sobe de nível...

Cruzo-me muitas vezes com ele na aldeia beirã mais atrás ou mais à frente na sua descida, dou por mim demasiadas vezes a parar e a mirar aquele correria que me dá uma serenidade.

Depois das últimas chuvas a ainda por aqui ribeira, esta tem já um caudal assinalável. Dá vontade de perguntar: onde vais tu com tanta pressa?

Desmanchar de feira!

Decididamente este ano não é propício para a agricultura.

A falta de água foi certamente a maior das razões, mas não só! Um clima atípico com enormes amplitudes térmicas em poucos dias, Por vezes chuva intensa quando deveria já haver mais sol e muitos dias (demasiados!) sem uma pinga de água.

Na terra como em quase tudo na vida o mais forte tem mais facilidade em sobreviver, Vai daqui na sementeira de batatas a erva apoderou-se da pouca água de caiu e logo aquelas sofreram para se criarem.

Posto isto nem mesmo com rega, este ano, os meus tomateiros foram férteis. Como se aproxima a época da plantação das couves decidi por arrancar a maioria dos tomateiros. Especialmente aqueles que deram menos tomates.

Desmanchar esta feira não é fácil porque há muitos atilhos que tento recuperar para os próximos anos

20220816_183910_resized.jpg 

20220816_183856_resized.jpg 

Restaram somente os de enxertia (é assim que são conhecidos!!!) 

20220816_183957_resized.jpg 

E uns outros deveras muito parecidos com os anteriores mas que tiveram origem nos Estados Unidos e dão pelo simpático nome de "Ponderosa Pink". Estes são muito saborosos e duram meses sem irem ao frigorífico.

20220816_192119_resized.jpg 

Agora vou esperar que a chuva regresse para poder depois cavar a terra para voltar a dispôr as couves brancas que enchem a Consoada.

 

Poupar água!

Há muito que calculei que estes tempos chegariam. A água potável tornar-se-á o petróleo do século XXI. Infelizmente!

Na minha vida corrente tento gastar o menos possível de água. Seja na lavagem da loiça, seja da roupa ou essencialmente nos banhos.

Todavia hoje descobri uma maneira de se tomar banho sem gastar muita água. É fácil, muito fácil mesmo, só requer um pouco (provavelmente eu diria muito!!!) espírito de sacrifício. Mas é por uma boa e honrada causa.

Vamos lá ao meu conselho: experimentem tomar banho apenas com água fria. Faz o mesmo efeito que a quente e demoramos muuuuuuuuuuuuuuito menos tempo debaixo do chuveiro. Perguntar-me-ão: no inverno também? Essencialmente no Inverno.

Verão como a conta da água desce vertiginosamente! Bom... desde que não reguem a relva 10 minutos de cada vez!

Inventar o (im)possível!

De vez em quando ou quando convém, o mundo acorda para a realidade ambiental. Na maioria das vezes só acontece quando há uma seca como a que vivemos actualmente ou cheias que tudo levam na frente.

Mas falemos então da falta de água.

Este tão precioso líquido parece escassear cada vez mais por todo o lado. A temperatura média do planeta tem vindo a subir o que naturalmente causas efeitos catastróficos por toda a Terra.

A ameaça da subida dos oceanos deixou de o ser, para se tornar uma triste realidade. E por aquilo que li é provável que até ao fim deste século algumas ilhas deixem de existir. Todavia a maioria das pessoas não querem acreditar...

Entretanto há uns dias lembrei-me duma exposição que vi em Belém envolvendo veleiros da conhecida regata Ocean Race. Nessa mostra, apercebi-me, entre outras coisas, que a água doce que bebiam e usavam teria a sua origem no mar. Mais... li também que para se obter um litro de água doce eram necessários mais de 40 litros de água salgada. E levava ujma imensidão de horas a... dessalinizar.

É por todos sabido que o homem evoluíu muito nos últimos 100/120 anos. Consegue em várias disciplinas fazer coisas que há um século era somente mera ficção científica. Talvez por tudo isto pergunto-me se ainda não houve um cientista a aproveitar-se da água salgada para a transformar em água doce, em pouco tempo, evitando com isso que a seca se prolongue ou então a simples invenção de um motor à base de água.

Provavelmente até já houve quem inventasse, mas com actual estado político do Mundo não terá sido possível a passagem da teoria para a prática, pois calculo que haja demasiados interesses na produção de "Ouro Negro".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D