Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

O estigma do “filho único”

Durante muitos e muitos anos sofri na pele do estigma do “filho único”. Fosse na escola ou fora desta qualquer coisa que eu dissesse ou fizesse fora do normal, diziam logo que era por ser filho único. Como se esta realidade fosse culpa ou vontade minha.

Acrescentavam também que os filhos morgados eram invejosos e muito mimados. Outro mito sem sentido.

Na verdade, e no que me tocou, nunca invejei ninguém (talvez só aquele colega que tinha um sucesso especial com as raparigas…), nem nunca me senti mimado. Bem pelo contrário.

Até na aldeia alguém achava que eu era maluco, só por dar asas à minha liberdade quando por lá andava.

Mas o tempo e essencialmente a vida teve o condão de me iluminar para o realidade. E de súbito dei conta que o problema provavelmente seria de quem me invectivava.

Deixei por isso de me preocupar com aquilo que diziam de mim e fui fazendo a minha caminhada. Umas vezes caindo, outras erguendo, mas convicto das minhas ideias e desejos.

Quando em 1982 entrei para o Banco de Portugal após dois anos de ferozes testes, o meu prestígio como pessoa, entre aqueles que conviviam comigo, subiu muito. Mas eu continuava a ser o mesmo “maluco” ou o “filho único” que fora até ali. Não mudei…

A diferença residiu na forma como os outros me passaram a ver. Mas nisso eu fui totalmente inocente.

Hoje com 62 anos, reformado e avô dou por mim a pensar naqueles que durante tanto tempo me glosaram e acabo, sinceramente, por ter pena deles.

Porque, acima de tudo, eles nunca perceberam que a vida colocou-nos, para o bem e para o mal, nos trilhos que merecemos!

A gente lê-se por aí!

15 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Os meus livros

Des(a)fiando Contos
Quatro desafios de escrita

Os Contos de Natal

2021
2022

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D