Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Mil quilómetros...

... em três ilhas!

Nota inicial

Resumindo: oito dias de calendário decorridos e mil quilómetros percorridos! Assim terminou a minha aventura no arquipélago dos Açores.

Uma ideia que na sua génese não metia pandemias já que projectei esta viagem logo no dealbar de 2020.

Depois veio o tal covid19 e tudo se transformou. Menos a minha vontade de ver as ilhas açorianas restantes.

Teimei, teimei e acabei por, no passado dia 16, embarcar para Santa Maria no primeiro vôo que a SATA fez para aquela ilha pós-confinamento.

É então sobre estes oito dias açorianos que irei escrever.

SANTA MARIA - A ilha amarela

Cheguei ao Aeroporto da ilha perto da hora do almoço. A questão do covid19 obrigou-nos a perder longo tempo, de forma que quando chegámos ao porto da Vila para almoçar no Clube Naval eram quase três da tarde e já não havia nada para comer. Acabei assim por regressar ao centro e aí almocei. Depois parti da vila, mais à sorte que planeado, em busca de descobrir a ilha que já sabia de antemão ser pequena.

A primeira paragem foi no Pico Alto no meio de um parque florestal fantástico onde abundam as cliptomérias de origam nipónica.São árvores de grande porte e que segundo informação de um vigilante da natureza têm um crescimento muito rápido. A verdade é que há nacos de estrada em que o sol olimpicamente não entra, tal a densidade de arvoredo. 

DSC_0274 (1).JPG

A paragem seguinte já foi bem perto do mar no farol da Maia. Uma ponta de terra que entra pelo oceano dentro. De um lado a Fábrica da Baleia do Castelo, aparentemente há muito tomada pelo mar,

Ao meio o Farol tendo nas suas encostas algumas plantações de vinha

DSC_0305 (1).JPG

Do lado esquerdo junto ao mar, qual fajã de S.Jorge pode-se apreciar a bela povoação da Maia.

DSC_0290 (1).JPG

No final da estrada que ladeia o mar nesta povoação podemos apreciar uma das mais belas cascatas. Pena é que fosse Julho e a água fosse pouca. Ainda assim adorei este local.

Talvez este tenha sido o sítio onde fiquei mais tempo (retiranto o de praia, claro!). O som da água a cair da cascata, os patos próximos e o ruído das ondas do mar a bater no basalto negro, criaram uma mistura muito curiosa e que me deu uma paz diferente. Ainda aqui pode-se ainda apreciar um antigo lagar de vinho.

20200716_182806.jpg

Regressei à estrada para me dirigir a S. Lourenço, uma baía deveras conhecida por estes lados.

20200716_191024.jpg

São célebres na ilha as suas piscinas naturais. Todavia neste dia o mar não estava com grandes contemplações e mostrou-se sempre muito arisco. Um local bonito, mas sem aquele arrebatamento que o poderia tornar especial.

Curiosamente não muito longe daqui pude observar o Poço da Pedreira. Outro local idílico. Ficam aqui algumas imagens, mas essencialmente registe-se o som natural ali captado.

Um dos ex-libris da ilha dizem que é o "Barreiro do Faneco". Uma espécie de deserto de terra vermelha e seca.

O mapa foi ajudando, mas creiam-me... foi uma desilusão. Na verdade a terra é vermelha e o chão parece árido... mas basta olhar-se para algumas terras no nosso Alentejo no final do Verão e infelizmente vemos coisas bem piores.

20200716_201510.jpg

Antes de jantar ainda tive a oportunidade de visitar a povoação de Anjos onde, segundo dizem, chegou Cristóvão Colombo aquando do regresso ao Continente europeu, após ter descoberto a América.

Jantei finalmente na Vila do Porto um bife bem saboroso.

 

Quilómetro seguinte

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D