Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Geringonça sem… gasolina?

Sempre considerei que a actual solução governativa, a que Vasco Pulido Valente denominou de “Geringonça”, adveio de uma “xico-espertice” política muito à portuguesa. Mas pronto temos o temos e nada há a fazer…

Entretanto há quem se ofenda olimpicamente quando alguém afirma que o país vive muito acima das suas possibilidades. Esta é uma verdade que muitos recusam a ver.

Portugal é, todos sabemos, um país pobre:

  • Pobre em espírito pois a invejazinha soez vive e alastra num ambiente propício.
  • Pobre em iniciativas, pois há sempre uma mão invisível (será a burocracia?) que deita tudo a perder;
  • Pobre nos políticos que do alto das suas tribunas continuam intocáveis e irresponsabilizados;
  • Pobre na assertividade pois o foco dos portugueses varia de dia para dia ao sabor do momento;
  • Pobre em recursos mas continuamos a esbanjar os poucos que temos.

Desde muito cedo se percebu que este governo tinha como função primordial desfazer o que outros governos haviam feito. A tróica que Sócrates trouxe para Portugal (e que muitos socialistas olvidam!) forçou o país a viver com menos recursos. Por isso durante a legislatura do governo de PPC a austeridade apertou de forma radical. Mas era obviamente necessário!

Sei que nenhum governo gosta de subtrair dinheiro aos seus contribuintes pois poderá corresponder outrossim à subtracção de votos. Todavia há evidências às quais não se pode fugir.

Aquela ideia de repor rendimentos após anos de austeridade na qual António Costa assentou a sua governação não está a dar os proveitos que o PM e seus apaniguados julgariam ter.

A justa questão do tempo de contagem dos professores, as greves dos enfermeiros e a actual greve dos camionistas de materiais perigosos têm colocado o governo numa situação pouco favorável e muito refém de sindicatos e outras organizações laborais ou de classes. Mais uma vez e perante os problemas a geringonça tenta adiar ou empurrar com a barriga uma eventual solução no sentido de ela cair somente na próxima legislatura.

Portugal vive actualmente à mercê de grupos estratégicos a quem o Governo tenta agradar no sentido da manutenção da tal paz social que nos primeiros anos da legislatura foi a bóia de salvação de Costa.

Só que o povo não tem memória curta, bem pelo contrário e na hora de votar lembrar-se-á dos atrasos das cirurgias, dos incêndios mortíferos, das famílias dos políticos, das viagens pagas, da greve dos estivadores, do tempo não contado dos professores...

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D