Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Bago a bago – 3

Bago 2

 

Desde que me lembro sempre soube de onde vinha o azeite ou como este era feito. Os meus avôs tanto de um lado como de outro, sempre tiveram muitas oliveiras. Especialmente porque o povo é pobre, sem grandes chãos para cultivo rico e assim a oliveira ganhou terreno e força.

Acrescento que na aldeia que me viu crescer houve em tempos dois lagares. Ora num povoado com pouca gente, mesmo assim, lembro-me dos dois trabalharem em simultâneo.

Como o mundo não pára, há uns anos fecharam e para nunca mais abriram. E é pena.

Mas ainda não chegou o dia de falarmos do lagar. Portanto passemos ao que realmente interessa no dia de que foi o de hoje.

Acordei muito cedo e muito cedo estávamos todos no olival (eu, a minha mulher, o meu infante mais jovem e um prrimo que nos ajuda nestas coisas).

20171028_093344_a.jpg

 

O dia parecia mais fresco mas mui depressa percebi que o calor deveria vir, novamente, com força. E assim aconteceu. Pano então estendido debaixo da oliveira e quase no minuto seguinte começa a chover.

Pois não foi água, mas sim grossos bagos de azeitona arrancados à força de maquinaria…

Ah pois… que isto de andar a ripar azeitona à mão já tem os dias contados. Uma máquina faz numa hora o trabalho de dois homens para uma manhã. As varejadoras eléctricas são mesmo um grande avanço nestas alturas.

 

20171028_154142_a.jpg

A fotografia não está grande coisa, mas brevemente mostrarei como este equipamento trabalha.

Ainda não era chegada a hora do almoço e já todos andávamos de tralhas às costas da carrinha para outra fazenda. Esta última finalmente dera "uns meros20 sacos de azeitona... Muito acima da espectativa.

O dia foi aquecendo, mas a equipa não esmoreceu e no final do dia tinhamos o mesmo número de  sacos apanhados no dia anterior. Amanhã supostamente sem grandes viajens seremos capazes de arrebanhar mais uns bagos de azeitona.

Ao todo 30 sacos haviam sido já panhados.Não é realmente mau. O problema são as minhas costas já que todo o dia carrego a varejadora às costas.

O azeite pode ter sido em tempos um produto comezinho. Todavia hoje é rei numa mesa.

Entretanto antes de ser rei há escravos a trabalhar para ele.

 

Bago 4

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D