Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Uma estória verdadeira!

A professora de Alemão

Nunca fui bom aluno. O tempo que passei na escola foi essencialmente usado para me divertir. Livros nunca, viola sempre!

Naquele tempo o último ano antes da universidade era o sétimo, correspondente ao 11º actual. Com seis disciplinas apenas, três eram obrigatórias para todos os cursos, as restantes definiam a área de opção. Assim, optei por línguas que era de todos o mais fácil. Supostamente.

Porém a minha invariável cabulice obrigou-me a frequentar este derradeiro ano por três vezes consecutivas. No primeiro ano fiz uma disciplina, no segundo fiz uma outra e finalmente no terceiro dispensei do exame a mais uma disciplina, deixando as outras “meninas” para os exames finais.

E é aqui que tudo começa na realidade.

No início desse ano lectivo por alturas de 1978, surgi com uma nota de fim de período de 10 valores a Alemão (que raio de cadeira haveria eu de ter escolhido). Mas a seguir as notas desceram drasticamente para as negativas. A professora simpática e bonita, porém casada, aconselhou-me a anular a matrícula para que eu pudesse propor-me a exame nacional como aluno externo. O pior é que eu tinha que pedir ao meu pai para assinar os papéis e isso estava claramente fora de questão. Não pretendia de forma alguma que o meu antecessor tomasse conhecimento da minha situação. Sem anulação a professora foi obrigada a dar nota: um 8.

Resultado: teria que ter um 11 no terceiro período para ir a exame. Porém as notas mantiveram a sua sofrível qualidade e acabei o ano com o credo na boca. A dúvida era saber se a professora condescendia da minha situação e me daria a nota para ir a exame…

… E assim fez. Sem que eu o merecesse lá vi especado na pauta o 11 que me colocava na sala de exame. Nas vésperas do teste escrito agarrei-me aos livros e tentei estudar tudo o que era possível numa língua extremamente complicada. Fui para o exame ciente que seria uma questão de sorte. Mal imaginava...

Na sala repleta encontravam-se dois professores que distribuíram os exames. Porém, um deles tinha sido o meu professor de ginástica e tinha com ele uma relação de grande amizade. Curiosamente este mestre licenciara-se na… imaginem: República Democrática Alemã. Isto queria apenas dizer que ele sabia Alemão duma forma perfeita. E assim durante todo o exame, sempre que passava por mim ia-me dando uns palpites naquilo que eu esgalhava, ajudando-me a evitar erros mais profundos.

Dias depois pude ver com espanto na pauta de exame um 10 que era suficiente para ir à oral. Se bem que não dominasse a língua como precisaria, o diálogo poderia ser mais fácil.

Era um daqueles dias de calor intenso, que só apetecia estar na praia e eu ali à espera que uma daquelas professoras chamasse pelo meu nome para me examinar oralmente. Uma delas era a professora Genoveva de alcunha Viúva Alegre, de ar austero, voz tenebrosa e implacável. A outra era a simpática da professora que me levara a exame. Espantada por ali me ver, num pequeno intervalo perguntou-me:

- Como conseguiste um 10 para vir à oral? Isso é que foi estudar, hem!

- Pois foi. Mas também tive ajudas… – confessei.

Ficou a pensar que me referia a ela pela nota do final de período, enquanto eu evocava o professor no dia do exame.

Mas esta história tinha que ter outras envolvências. As professoras iam alternando as orais, ora fazia uma ora fazia outra. Sentado no meio da sala e olhando para os que estavam à minha frente para serem examinados apercebi-me que seria a minha professora a fazer a oral. Aí a esperança renasceu. Havia um senão: faltava um aluno.

Ora se ele chegasse entretanto tudo voltaria ao normal, se não eu saltaria um lugar e teria que enfrentar a megera da Genoveva.

Alegria, o ausente chegou por fim. Tristeza, pediu para fazer oral no dia seguinte.

Regressava o inferno ao meu pensamento. Finalmente:

- José… - nem deixei acabar de dizer o meu nome. Sentei-me à sua frente pronto para o confronto que se adivinhava desigual. Olhei-a calmamente qual condenado à morte.

Eis senão quando a minha professora segredou qualquer coisa ao ouvido e começou ela a fazer perguntas. Em Alemão, claro!

E eu a responder como podia e sabia.

Mais perguntas.

Novas respostas.

Por fim mandou-me regressar ao meu lugar. Ciente que não tinha realizado uma prova por aí além, ainda assim acreditei que passaria no exame.

Fiquei aprovado com 10.

Nunca mais vi a professora e jamais lhe agradeci como deveria ser. Fica aqui publicamente o meu agradecimento a essa senhora. Não fosse ela sei lá onde estaria agora…

Obrigado!

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D