Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Azeitona 2020… sem vírus! #3

(sem virus #2)

III

Hoje para variar... andou-se o dia todo na azeitona!

Mudou-se de fazenda, mas não de actividade. Há que aproveitar os dias de sol e a abençoada (neste dias) ausência de chuva.

Ainda ontem ao fim da tarde, já a noite entrara, acabei por transferir todo o aequipamento para outra fazenda para que hoje tudo se iniciasse sem mais demoras. É que as oliveiras são muitas e requerem alguma atenção especialmente na pode.

Ãssim que chegámos npotou-se o chão molhado da noite húmida.

20201031_073117.jpg

Chegaram os homens e depressa se chegou a isto.

20201031_091631.jpg

Para se fazer um pequena ideia esta mantada deu cinco sacos cheios de azeitona negra e bonita. Como já aqui havia falado se não fosse isto,

muito provavelmente estaríamos muito atrasados. O video não é muito feliz em primeiro plano, mas se repararem bem no segundo há outrém.

Voltava eu a espalhar pela terra os panos que irão recolher a azeitona,

20201031_100930.jpg

enquanto outros cuidavam em podar as oliveiras colhidas.

A azeitona cai em quantidades fantásticas e três horas depois há novo pano repleto

20201031_110700.jpg

somente que mãos hábeis retirem as folhas antes de ensacar.

A chão está tão atapetado de panos que houve quem brincasse com a situação.

20201031_110952.jpg

Entretanto a poda das oliveiras resultava nisto,

20201031_122424.jpg

Após o almoço a azáfama mantém-se para chegar o fim do di e olhar-se o terreno e vê-lo assim.

20201031_162951.jpg

Há baldes, sacos cheios, mantadas com mais azeitona, rama da poda espalhada, oliveiras bem despidas.

Depois foi arrumar o que se pode para finalmente recolher os sacos.

Contei 27, mas a manta terá no mínimo mais três.

E amanhã será novo dia... de azeitona, claro!

(sem virus #4)

O eterno Caval(h)eiro de Rosa!

Enquanto Morfeu reinava a "ceifeira" levou o mais polivalente dos actores que passaram pela sétima arte. Sean Connery morreu nas Bahamas enquanto dormia.

Reconheço que sempre gostei deste actor. É daqueles que nunca enganou e mesmo em filmes medíocres o actor escocês destacava-se sempre pela positiva.

Liga-se a este actor a primeira saga de James Bond, que começou nos anos 60 e continuou até ao presente século. Não sendo eu um enorme apreciador destas sagas, tenho de admitir que Connery foi, de todos aqueles que incorporaram o agente secreto britânico, o actor que deu mais carisma e qualidade.

Vi muitos filmes com Sean Connery. Todavia há um que gosto especialmente até porque considero que a adaptação do livro para o cinema foi muito bem conseguida. Chama-se "O Nome da Rosa"!

Partiu um dos grandes "Intocáveis" do cinema.

A sétima arte perdeu uma das suas figuras maiores.

Que descanse em Paz!

37a9m25d – #20

Segismundo atacado de novo

Certo dia o Segismundo e o Amado compraram em simultâneo uma enciclopédia e pediram que os volumes fossem entregues no Serviço da Tesouraria.

Naquela manhã uma das recepcionistas liga para o Serviço a comunicar que haviam sido entregues duas encomendas iguais: uma para o Amado e a outra para Segismundo.

Amado foi à recepção e levou os dois pacotes para dentro, já que o colega estava de serviço numa caixa fora da Tesouraria. Abriu a dele, mostrou o que continha e logo ali se congeminou mais uma partida ao Segismundo.

Pegaram então na caixa da encomenda do Amado, colocaram lá dentro um volume pesado. Fecharam o pacote, endereçaram ao Segismundo e entregaram novamente na recepção com a indicação:

- Alice, guarde a encomenda. Quando o colega chegar ele virá buscá-la.

- Com certeza – aceitou a colega convicta que era um gesto normal.

Quando à tarde chegou Segismundo recebeu a indicação de ir até à recepção para levantar uma encomenda. Assim fez!

Já no Serviço, os colegas fizeram tudo para que Segismundo abrisse o pacote:

- Mostra lá o que compraste…

- Não – respondia o outro.

Vinha outro:

- O que tens aí? Pode-se ver?

- Não

E assim foi o resto da tarde.

Finalmente ao fim do dia Segismundo pegou no volume e levou-o para casa sem o abrir no Serviço.

No dia seguinte a vítima fez o que ninguém esperava não proferindo qualquer comentário do sucedido.

Todavia mais tarde veio a saber-se que no jantar daquela noite abriu feliz a encomenda e foi com anormal e estranha surpresa que recebeu uma lista telefónica volumosa da zona de Lisboa.

Azeitona 2020… sem vírus! #2

(sem virus #1)

II

Hoje sem a necessidade de buscar alfaias cheguei ao olival mais cedo que ontem, ainda não eram sete e meia da manhã.

20201030_072824.jpg

Cedo percebi que iria ser um dia quente. O anilado do céu surgia em todo o seu esplendor sem uma única nuvem.

No intuito de fazer um breve esclarecimento comunico que desde há uns anos que adquiri máquinas para varejarar a azeitona. São máquinas eléctricas alimentadas por baterias de carro e que me dão um jeitão... Diria que sem elas demoria mais do dobro do tempo a apanhar a azeitona. Depois a escada por vezes é falsa e são conhecidos os acidentes de quedas das oliveiras... Então estas que são vetustas!

Mas hoje iria ter a colaboração de um jovem habituado a esta vida dura do campo. E sinceramente ele vale o dinheiro que ganha. Ao fim de uma hora as mantadas de azeitona colhida para escolher, começaram a espalhar-se pelo olival.

20201030_090714.jpg

Mal se acaba uma oliveira, logo se recolhe o pano e se estende noutra, de forma a que o homem com uma das máquinas não pare.

20201030_093506.jpg

As mantadas sucedem-se enquanto só um par de mãos a escolhe para ensacar.

20201030_112827.jpg

Entretanto isto, eu sou "pau para toda a obra": colho com uma outra máquina, depois corro a mudar os panos ou vou ajudar a minha mulher a ensacar a azeitona que ela vai escolhendo. Na foto supra já havia três enormes mantas com azeitona.

Depois de escolhida ei-la finalmente em sacos.

20201030_130544.jpg

Mas a chuva negra não pára de cair. Ao que parece este ano as oliveiras fizerem fé em dar fruto. Até uma pequena e velha oliveira fez a sua parte,

20201030_160743.jpg

já que do seu único ramo saiu pouca azeitona, mas ainda assim tapou o fundo do balde.

20201030_161315.jpg

A tarde já cai sobre a aldeia, no entanto há que acabar de escolher. De tal forma que se esgotam os sacos e tenho de levar a azeitona em baldes para o barracão de guarda.

Valeu o dia 27 sacos que a somar aos 11 de ontem dá 38... Portanto contas redondas... 1000 quilos já estão apanhados.

E ainda faltam tantas...

(sem virus #3)

Azeitona 2020… sem vírus! #1

Nota de abertura

A pandemia que entrou na vida de todos nós quase que me estragava os planos da campanha deste ano de apanha da azeitona beirã. Por causa dos confinamentos e proibição de andar entre concelhos no próximo fim de semana acabei por vir mais cedo… E ainda bem porque a azeitona está no ponto!

I

Nestes dias dormir até tarde acarreta uma grande desvantagem: torna o dia muito mais pequeno. Por isso levantei-me às seis da manhã para ir ao pão e comprar aqueles croissants que são uma especialidade. Depois um pequeno almoço reforçado, um café rápido mascarado e eis-me na carrinha para ir buscar sacos, mantas, baldes e demais alfaias.

Cheguei ao olival passava já das sete e meia, mas num ápice descarreguei o material.

20201029_074741.jpg

Mantas estendidas,

20201029_080527.jpg

máquinas preparadas e iniciei a campanha deste ano com a mesma vontade de anos anteriores. Quiçá mais, já que não vieram os meus colaboradores do costume… A vida assim obrigou.

Duas horas depois já o chão se atapetava de azeitona negra.

20201029_085435.jpg

Às onze era já assim o aspecto do olival

20201029_111810.jpg

e um pouco mais tarde juntava-se a primeira mantada de azeitona colhida de uma só oliveira.

20201029_114226.jpg

O dia esteve bom, mesmo agradável sem muito sol devido a um capelo de nuvens que ajudou a manter a temperatura amena. Ideal nestas coisas, já que tanto o frio como o calor em demasia são óbvios inibidores de uma boa apanha.

A tarde chegou, mas como havia ido almoçar um tanto fora de horas aquela foi mais curta. Andei quase todo o dia de máquina em riste para o céu. Atrás de mim vinha um parente, que nestas alturas me ajuda na poda… Ah pois… que aqui faço logo dois trabalhos: apanha-se a azeitona e poda-se a árvore para o próximo ano.

A minha mulher foi, entretanto, separando a azeitona da maior das folhas. E enchia sacos… Uns atrás dos outros.

20201029_150304.jpg

Uma penumbra noctívaga desceu finalmente sobre a aldeia e deste modo colocamos um ponto final no dia.

20201029_173648.jpg

Tudo somado… foram quase 12 sacos que arrumei no barracão.

20201029_175751.jpg

Nem foi mau… para o primeiro dia...

E amanhã haverá mais!

(Sem virus #2)

As minhas couves estão assim

No passado dia 11 de Setembro escrevi e mostrei aqui o trabalho daquele tão célebre dia. Ora... mês e meio depois achei que deveria mostrar a evolução daquela plantação.

Mais um bocadinho de tempo e estarão prontas para ir para a panela.

couves_outubro.jpg

Falta-lhes, no entanto, o frio e aquelas geadas que as cozerão e lhe darão aquele gosto tão rico e saboroso.

A gente lê-se por aí!

De carta me vesti…

Jamais me lembraria de escrever sobre este tema, mas a Mula e a Mel lançaram a ideia e assim vamos lá dar corda aos sapatos (leia-se escrever).

Fico a pensar que se fosse uma carta que género de missiva gostaria de ser.

. Uma carta transbordando ternura, carinhos e onde se destaca a palavra amor?

- Uma de desamor anunciando tristezas e amarguras e à qual se acrescenta traição?

- Uma carta de reconciliação onde se reveem os erros e transpira desculpa por todo o lado?

- Uma carta triste, cinzenta e onde se lê a morte?

- Uma carta florida, iluminada por uma estranha luz a que chamamos vida?

- Uma carta branca com letras petras e que diz: deve?

- Uma carta pesada, lenta e onde a incerteza aguarda?

Talvez não queira ser nenhumas delas e apenas deseje ser uma simples folha branca de papel, onde possa escrever uma só palavra e no final poder ler:

Liberdade!

O vencedor foi…

... ups!

Previa-se, mas não se imaginava que fosse tão cedo.

A realidade é que os resultados das eleições regionais deram uma vitória eleitoral ao Partido Socialista, mas sem a saborosa, para não dizer poderosa, maioria parlamentar. O que significa que pode acontecer ao PS açoriano o mesmo que aconteceu à Aliança há uns anos: ganhar as eleições e não fazer governo. Isto é, à luz do que foi feito em 2015, pode ser criada uma geringonça, desta vez à direita, no parlamento insular, deixando o PS a ver as ondas do belo mar azul.

Da mesma forma que não concordei com a geringonça de esquerda que o PS, BE e PCP se apressaram a inventar e a impor ao país, também não concordo com uma eventual de direita nos Açores.

Todavia António Costa merece que lhe passem essa rasteira. SE o fizerem veremos se as razões para a geringonça de 2015 já não servirão para o parlamento açoriano. Não me admiraria nada…

Mas já estou habituado às piruetas e mortais que os diversos governos socialistas (e não só) vão apresentando aos portugueses. Naturalmente sempre em nome de um bem maior…

Que eu sinceramente nunca descobri qual é!

Campeões à Italiana!

Sempre gostei de ciclismo, mas curiosamente o Giro nunca foi alvo das minhas atenções. O Tour sim, assumo!

Porém este ano e logo no dealbar da Volta à Itália dei conta de que um português vestira a camisola Rosa, símbolo do comandante da classificação.

Desde aquele dia até hoje tentei ver tudo o que me foi possível do Giro. E sofri a bom sofrer com as etapas em que João Almeida transportava o jersey Rosa. Como aqui e aqui dei conta.

No entanto não posso olvidar Ruben Guerreiro que deu razão ao apelido, tendo ganho a camisola Azul, símbolo do rei da Montanha, e vencido a nona etapa sob chuva e com uma sinalética deveras conhecida no futebol ao atravessar a linha de meta. Outro herói!

Acabou hoje o Giro.

Ora após a triste queda na classificação de João Almeida, de primeiro para quinto, após a etapa onde o Stelvio não se deixou derreter pelo coração luso, talvez se pensasse que um quinto lugar seria uma fabulosa classificação do atleta de A-dos-Francos. Ainda por cima no ano de estreia numa prova de três semanas...

Todavia hoje João mostrou aos mais cépticos de que fibra é feito e no contra-relógio galgou mais um lugar na classificação terminando a etapa e o Giro num honrosíssimo quarto lugar, à frente de ciclistas com Peter Sagan ou Nibali, ciclistas de créditos firmados e que dispensam apresentações. 

Agora cabe às equipas destes dois atletas decidirem o que irão fazer, num futuro próximo ou mais distante, com este património atlético. Quanto a nós portugueses será também a hora de publicamente agradecermos o empenho, a coragem e a garra que estes dois lusos atletas mostraram nas estradas italianas (senhor Presidente da República olhe que não é só de futebol que vivem os portugueses!!!).

Obrigado campeões!

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D