Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Mascarado de...

... Agricultor!

Foi para o que me deu este ano.

Agora mais a sério este fim de semana "gordo" tem sido de emagrecimento. Algo que necessito já que tenho algum peso a mais do que aquele que devia. 

Este fim de semana deu para quase tudo, mesmo com frio. Lavrar uns terrenos acabados de comprar, queimar a lenha, arrancar as silvas pela raíz, comer umas tangerinas, fotografar uma ovelha apanhada com erva, rebolar com umas pedras...

A vida no campo na sua plenitude e fulgor. Enquanto uns se divertem em corsos carnavalescos outros "brincam" aos camponeses...

Porque o campo nunca tem direito a férias. Nem a feriados.

 

DSC_0483_v1.jpg

DSC_0462

 

 

Às voltas com burocracias...

Necessito entregar numa entidade pública um parecer técnico. Parecer este que é feito numa outra entidade também pública, por técnicos devidamente especializados.

Ora num dia no passado mês de Janeiro entreguei o pedido na sede da entidade e hoje, quase um mês depois, achei por bem tentar saber como estava a andar o processo.

Liguei para o destinatário do pedido donde me disseram que tinha sido dado entrada o documento (claro que sim pensei eu, com um comprovativo de entrega na minha frente!), e que ele se encontrava num determinado departamento, acrescentando que não sabia onde era o tal departamento.

Ligo para a sede e após passar o menu dos assuntos dito pela aquela maviosa voz, finalmente alguém me atende. Explico a situação mas passa-me logo para outrém (terá sido?) que não atende. Meia hora mais tarde nova tentativa e lá consigo falar com alguém que me indica que esse documento foi encaminhado para outro Serviço através de um memorando. Consigo o número de telefone do tal Serviço e ligo mais uma vez.

Alguém me atende, repito ao que venho. Ela escuta para depois me comunicar que vai transferir a chamada. A música tipo automática vai tocando durante longos minutos. Por fim a senhora telefonista vem à linha e diz que a pessoa que trata do assunto está ao telefone. Comuniquei-lhe que ligaria mais tarde.

E assim fiz... Mas desta vez o telefone principal surgiu sempre impedido. Ao fim de 28 tentativas lá me atenderam. A voz masculina parece ser pouco simpática mas conquanto a conversa se desenrola o cavalheiro surge mais afável.Pergunta-me (pela enésima vez) que assunto se trata e eu, uma vez mais, lá expliquei o que queria.

O senhor ouviu, depois procurou pelo (tal) documento mas respondeu que só aparecia a capa. O resto da documentação anexa não estava digitalizada. Mas que iria ver e após solicitar o meu contacto telefónico prometeu ligar-me a dizer o que se passava.

É neste momento meia-noite e ainda ninguém me ligou. Será que já posso desistir de esperar?

E vão dois!

Ainda Fevereiro agora começou e já levo dois livros lidos. Boa média!

Se bem que este último... deu-me a volta ao estômago.

Ler Charles Bukowski não é fácil, nem é para todos. O escritor americano inventou uma fórmula de ser ordinário, pulha, seboso, nojento, todavia... verdadeiro!

Escrever a vida de forma nua e crua, tal como ela é, decididamente não é fácil... Mesmo nada. Mas Bukowski fá-lo de uma forma tão punjante que magoa.

Um conjunto de 30 contos todos eles profundamente obcenos e de (quase) sexo explícito. Fui incapaz de colocar o livro de lado... porque no meio de toda aquela panóplia de palavreado ordinário sobressai uma amargura e uma tristeza quase comovente.

Esta foi a terceira obra que li deste autor. Depois de "Mulheres" e a "A sul de nenhum norte" terá sido o livro mais duro de todos quantos já li.

Não sei se lerei outro dele. Senti-me totalmente esmagado por aquela escrita!

Findo este é tempo de escolher um novo livro. E isso é que conta!

 

Vamos a contas!

Ora se gasto mais do que ganho donde me vem então o dinheiro para pagar os meus gastos? De empréstimos, claro está!

Pois... mas se já não me governo somente com o que ganho... então como posso pagar as dívidas contraídas?

Das duas uma: ou gasto menos ou trabalho mais.

Fácil não é?

 

Nº 2 no dia 2!

Se julgavam que a Inominável era somente um exercício de pouca dura, enganaram-se redondamente.

Eis o número dois com muitas secções, com gente a escrever muitíssimo bem e eu a sentir-me quase um miúdo com um brinquedo novo.

Reafirmo a minha imensa gratidão às Inomináveis (eu chamo-lhes Indomáveis!!!) por fazer parte deste projecto. São estes pequenos prazeres que fazem de mim um homem feliz.

Não se esqueçam de nos irem visitar! E de divulgarem.

Vá lá venha espreitar. É aqui e não custa nada. Vai ver que não se arrepende.

Mentir, mentir, mentir sempre

A mudança das caras governativas não foi sinónimo de alteração de estratégia governativa. Na verdade Portugal está amarrado, preso, escravo da UE. É desta Europa que vem o dinheiro ou o aval para ele. E o novo governo sabe disso.

E é também com este dinheiro que Portugal vai conseguindo fazer face às despesas. A economia tarda em crescer o suficiente para pagar o défice e deste modo o país continua a recorrer ao mercados para se financiar.

Nada do que atrás escrevi é novidade... foi só para lembrar!

O problema é que o actual governo vê-se envolvido numa série de negociações - que não estão a correr grande coisa - com a Comissão Europeia de forma contentar dois lados. De um lado da barricada está o (tal) eleitorado de esquerda que votou no PS, PCP e Bloco de Esquerda para quem o discurso de que a austeridade já acabou são trinados. Do outro a tróica que não deseja que Portugal mude de políticas só porque mudou de governo.

O actual PM vê-se assim num dilema que pode custar a sua carreira governativa.

Aumentar o imposto sobre os produtos petrolíferos e quiçá implementar o Imposto Sucessório pode dar algum dinheiro, mas retira muitos votos. E o PS sabe isso muito bem!

Portanto em Portugal a mentira continua presente nos nossos políticos, sejam eles de que partidos forem.

Até que a gente queira!

Pág. 4/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D