Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Mensagem de Natal 2012

Esta mensagem é dedicada:

 

Aos meus amigos e inimigos.

Aos que me lêem e aos que me ignoram.

Aos que me apreciam e que me detestam.

Aos que me comentaram e aos que nada disseram.

Mas acima de tudo à minha família, esteio duma vida.

 

Nos últimos tempos olhamos a época do Natal através de um novo prisma. Muitos que até aqui falavam do Natal com desdém, com desinteresse percebem agora que esta quadra tem outro sentido. O desemprego, a tristeza da ausência de uma mesa farta, o abandono de tantos projectos de vida colocou a nu uma sociedade que se preocupava unicamente com o seu próprio umbigo. E de um momento para o outro… tudo mudou!

 

Não posso com este texto encher a barriga de quem tem fome. Antes pudesse! Todavia é bom olharmos à nossa volta e percebermos se podemos ajudar alguém. Porque o Natal não é só comida e prendas… mas também! É calor humano, companhia, ternura e afagos, beijos e abraços, uma palavra amiga…

 

E quantos à nossa volta que, tendo mesas fartas não têm um carinho, uma alegria… Que no meio de uma multidão que rodeia uma mesa, se sentem mais sós e mais pobres que aqueles que, não tendo de comer, têm amor e ternura?

 

O Natal é feito de laços brilhantes e coloridos, de imensa luz e de muita esperança. Mas para isso é necessário estarmos inteiramente disponíveis para aceitar os outros. Com as suas tristezas e alegrias, dores e angústias, certezas e ambiguidades.

 

O Natal deste ano infelizmente é tudo, menos uma festa…

 

Para os que podem e querem desejo um Feliz Natal com muita partilha.

Para os outros, desejo que um dia uma luz lhes ilumine os corações e façam do Natal a festa do homem novo.

 

 

Também publicado aqui

Que mundo é este?

Que mundo é este?

A pergunta surgiu-me de supetão assim que li a notícia do massacre em Newtown no estado de Connecticut. Mas ficou (e ficará???) sem resposta…

Não sei quem fez as leis que permitem a qualquer pessoa use uma arma dos Estados Unidos, nem me interessa. O que eu sei é que um jovem, que devia estar a estudar, entrou numa escola primária e matou 20 crianças e mais seis adultos incluindo, segundo parece, a própria mãe.

Custa-me entender o que vai dentro da cabeça de um rapaz de 20 anos para chegar a este ponto e sem dó nem piedade executar inocentes.

Serão os jogos virtuais cada vez mais reais, em que a ficção quase se mistura com a realidade? Ou serão os filmes e as séries sempre muito publicitadas? Ou não será nada disto, apenas um “fusível” do jovem que avariou originando este desvio?

De facto atrás destas questões muitas outras se podem formular mas nem estas nem quaisquer outras terão uma resposta, no mínimo, assertiva.

A crise de valores, sentido humano, responsabilidade cívica deve-se em parte a este mundo cada vez mais destituído de sentimentos. As palavras amor, carinho, ternura são partes de um léxico cada vez mais desconsiderado e fora de moda. Apenas no cinema... e cada vez menos!

O dinheiro fácil, a economia (ou a falta dela!), o desenvolvimento a qualquer preço, a filosofia do ter para ser, parecem-me ser axiomas falsos e sem qualquer sentido, reflexos de uma sociedade unicamente preocupada com o seu próprio umbigo.

Mas quando estes acontecimentos ocorrem, surgem meia dúzia de psiquiatras, psicólogos e outros que tais tentando explicar publicamente o que não tem explicação. A vida é um bem e tal como a água e a natureza deve ser preservada.

Termino apenas como comecei: que mundo é este?

Leitura em 2012

A proposta lançada uma vez mais pelo “Blog dos Blogues” do Sapo, obrigou-me a pensar num passado muito recente, em busca da minhas leituras preferidas neste ano de 2012, que em breve termina.

 

Deste modo e devido a este post, optei desde o início do ano, em ler velhos clássicos: Servidão Humana, A Leste do Paraíso, Por quem os sinos Dobram, Náná ou o Valente Soldado Chveik, foram alguns dos livros que li.

 

Escolher um deles como o melhor seria o mesmo que dizer que gosto mais de um filho que do outro. Todos eles foram enormes amigos…

Porque, no fim de contas, um livro é acima de tudo um bom amigo.

 

Leio geralmente devagar, muito devagar. Como se pretendesse saborear todas as palavras impressas. E perco-me tantas vezes, a tentar imaginar locais ou personagens descritos, que tenho de recomeçar numa página ou num capítulo, tentando entrar novamente no enredo.

 

Mas se tenho de escolher um dos que li, talvez o de Jarolasv Hasek e o seu Valente Soldado Chveik... Uma história passada na 1ª Guerra Mundial, onde um soldado usa da sua imbecilidade para ir escapando à frente de combate. Por vezes hilariante, outras dramático este livro é uma grande obra...

A palavra do ano

O desafio apresentado pelo SAPO parece interessante e curioso, mas requer um pensamento cuidado e muito sentido.

 

Deste modo, e após alguns largos instantes a pensar e de olhar ao meu redor, creio que a palavra deste ano de 2012 é: solidariedade!

 

Ou:

 

A falta dela…

 

A necessidade dela…

 

O uso dela…

 

O pedido dela…

 

O pensamento nela…

 

O desejo dela…

 

A presença dela…

 

A esperança nela…

 

A exigência dela... 

 

O Ministério dela…

 

E o mistério dela…

 

O fim dela…

 

 

Desejava apenas que a palavra de 2013 fosse: esperança!

José Mourinho: um treinador a prazo!

 

Segundo alguns jornais espanhóis, José Mourinho vai sair de Madrid no final desta época. Os maus resultados na Liga, convertidos numa diferença de 11 pontosm para o rival Barça, e de 5 para o vizinho Atlético (após vitória sobre esta equipa este fim de semana) e umas exibições a raiar o sofrível, com o segundo lugar garantido na fase de grupos da Champions, mas sem grandes jogos para recordar, obrigaram Florentino Perez a pensar noutra homem para liderar a equipa na época 2013/2014 e seguintes.

 

A saída de Mourinho em Junho de 2013 vai abrir uma (nova) polémica à volta de quem será o treinador que se segue no Real e mais importante que tudo, vai-se especular para onde irá este senhor do futebol, dono de um currículo invejável.

 

Escrevi em tempos que Mourinho poderia ir para o Liverpool, quando acabasse o vínculo com o Real. Seria um bom desafio e não sendo um salto na carreira, seria o regresso a um campeonato onde foi muito feliz, não obstante a sua saída um tanto extemporânea do Chelsea…

 

Mas no futebol, e como diria Pimenta Machado, o que hoje é verdade amanhã é mentira, as razões que poderiam levar José Mourinho para a cidade onde nasceram os “The Beatles”, ter-se-ão de alguma forma alterado e hoje a situação no futebol é largamente diferente do que foi há uns tempos. Especialmente no âmbito financeiro… Lembro que, neste momento, José é o treinador mais bem pago do Mundo. E esta pode ser uma razão a ter em conta para os dirigentes dos clubes, eventualmente interessados na sua contratação.

 

Fala-se mesmo que José Mourinho poderá regressar a Milão ou então fazer um desvio até à cidade luz para treinar o rico PSG. Como é sobejamente conhecido Mourinho adora estas tricas e vai deixar que a especulação faça as suas tentativas para acertar na equipa seguinte…

 

Ou será que é desta que virá treinar a nossa selecção? Duvido!

 

Vamos aguardar serenamente até ao próximo Verão…

Crónica de um fim de tarde em Lisboa

 

Sexta-feira em Lisboa. Nuvens plúmbeas descarregam grossas bátegas de água. Uma brisa gelada vai arrefecendo ainda mais quem anda na rua. A tarde, que não é tão tarde quanto isso, parece ser quase noite. Na avenida há quem se recolha debaixo de um toldo ou a arcada de um prédio. Outros porém aventuram-se à chuva com ou sem chapéu de chuva.

 

Entre os corajosos há um homem que caminha como se fosse em pontas dos pés. Parece deficiente. Alguns metros mais acima percebo que não tem qualquer deficiência, mas sim álcool a mais. Está profundamente bêbado. E cai, de súbito, na calçada encharcada.

 

Eu que vou atrás dele, sem chapéu que me abrigue da chuva, corro em seu auxílio. Levanta-se com a minha ajuda e regressa ao caminho. Não me conhece, nem sabe quem eu sou e provavelmente com tanto vinho, nem percebe o que lhe aconteceu.

 

Continua a sua aventura à chuva. Carrega consigo um chuço que não abre. E nem se apoia nele. Dança-lhe na mão, simplesmente. Começa a andar devagar mas depressa ganha a mesma forma de caminhar, como de um bailarino se tratasse, ao mesmo tempo que assume velocidade que as parnas trôpegas não conseguem desenvolver.

 

Adivinho o episódio seguinte e num ápice este homem cai outra vez no chão, não sem antes bater com alguma violência num poste de iluminação. Uma vez mais levanto-o. Desta vez é mais difícil. O corpo mole torna-se uma massa demasiado pesada. Alguém que passa vem em meu auxílio. Está de pá e volta a olhar para mim e continua a não me conhecer.

 

Retorna ao caminho mas agora pára mais à frente numa arcada de um prédio. Senta-se no chão frio mas seco. Encolhe as pernas e esconde a cabeça com os braços à volta dos joelhos. Tem como companhia um sem-abrigo idoso, mal-cheiroso e de barba cor das nuvens dessa tarde.

 

De pé olho para ele e percebo que quer ali curtir a bebedeira. Antes de o abandonar ele ergue a cabeça e o seu olhar vazio e alcoolizado continua sem me conhecer. 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D