Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Passadeiras de peões: um bem evitável

Já em tempos escrevi sobre este tema.

Como condutor permanente na caótica cidade de Lisboa, as passadeiras para peões surgem como o pior dos males.

 

Quando nos anos sessenta comecei a frequentar os bancos da escola, tinha de percorrer alguns quilómetros (não muitos, aliás!!) até chegar ao
destino. Mas ao atravessar as estradas - obviamente sem o trânsito que há hoje - tinha sempre o cuidado de olhar para os dois lados da rua e só passava quando a segurança fosse total. E desta maneira consegui sobreviver até hoje.

Com o decorrer dos anos e com o exponencial aumento de tráfego citadino foi necessário regular o movimento automobilístico. Foi assim que crescerem os sinais luminosos e com eles os locais de passagem para peões. Até aqui tudo bem e as razões de sobrevivência humanas a justificarem estas atenções. Ultimamente surgiram umas lombas que mais parecem gravidez de alcatrão e que originam alguns saltos pouco saudáveis para viaturas e passageiros.

Creio mesmo, que deve haver algum complot com as oficinas para a troca de amortecedores... (Mas isto já sou eu a conspirar!!!).

 

O peão em Lisboa sente que tem os direitos todos: passar sem olhar, conversar no meio da passadeira com um colega com a maior das calmas, parar no meio da zebra para atender o telemóvel (mais nas senhoras, aquelas malas são um mundo onde tudo desaparece) e até já apanhei um casal que se pôs a discutir em altos gritos no meio da passadeira... e os carros à espera, porque entre marido e mulher não metas a colher...

Quando sou peão, jamais me atiro para a estrada. Aguardo pacientemente que um condutor imobilize o veículo de livre vontade e me deixe atravessar em segurança. Mas claro eu, sou eu!

 

Faz muito tempo que eu assisti a um episódio em Almada. Nessa manhã de sábado quando me dirigia para o café, para o costumado pequeno-almoço com o Expresso no sovaco, deparei com uma fila de carros no meio da avenida e uma mulher polícia no meio da passadeira a tentar, em vão, fazer o trânsito fluir enquanto dava sinal aos peões para aguardarem a sua ordem de passar. Todavia um peão achou que tinha mais direitos que os outros e não cumprindo as ordens da autoridade atravessou a estrada à revelia.

Quando deu por ela, a mulher polícia usou do seu irritante apitou e ordenou que o senhor infractor recuasse para o local donde viera e aguardasse a ordem. Contudo o peão não acatou a ordem forçando a passagem e a agente não teve outro remédio senão dar-lhe ordem de prisão por desrespeitar a autoridade. Nesse dia senti-me feliz.

 

 

Não sei o que aconteceu ao homem, mas espero que no posto, lhe tenham dado conta da cabeça e da carteira.

Eu sei que as passadeiras são um mal necessário, mas vá lá, respeitem quem, indirectamente, paga mais impostos…

 

 

 

 

 

O Ano Novo

Detesto esta época!

Chatei-me olimpicamente os votos de "Bom Ano" com os quais as pessoas me vão brindando neste ínício de ano.

E pior é que eu não posso fazer nada contra isso. É receber os cumprimentos e em tom de desespero apenas agradecer.

Mas agradecer o quê? Quero lá saber do ano novo ou do ano velho. Para mim é tudo igual.

Acredito que algumas pessoas ainda tentem um cumprimento por simpatia e carinho mas a grande parte só serve para aborrecer.

A maioria das pessoas, que me crivam com a tal expressão, nem querem saber de mim para nada (e fazem elas muitíssimo bem!), tal como eu não quero saber delas para nada.

"Ah mas é simpático..." - Dirão provavelemnte alguns de vocês. Mas a simpatia não enche barriga nem mata a sede.

Por isso se alguém por esta altura vier ter comigo dê-me os bons dias, boas tardes ou boas noites e basta isso.

Tudo o resto cheira-me a falsidade.

Boa noite.

 

Separação - Um filme a não perder!

Este último fim de semana de 2011 brindei-me com mais uma ida ao cinema, a última de 2011. O dia fora exageradamente extenuante, a bicha para a outra banda estava em Sete Rios, os rapazes, já homens, entretinham-se em casa a jogar, condimentos perfeitos para escolher como filme uma coisa... assim... como soi dizer-se, diferente.

A sala estava quase vazia! Sem miúdos o que é sempre bom sinal. E foi!

A Separação de um realizador iraniano - Asghar Farhadi - espantou-me. Galardoado com o Urso de ouro do Festival de Berlim, este filme foi para mim uma surpresa pela positiva.

 

Não me cabe aqui relatar o enredo, mas há uma frase dita pelo personagem principal - Nader -, que guardo comigo:

 

- Ele não sabe que sou filho dele mas eu sei que ele é o meu pai... - referencia ao pai doente com Alzeimer.

 

Foi este diálogo com a mulher - Simin -, quase no princípio do filme que me fez dar-lhe mais atençâo. E valeu a pena. Duas horas de uma história possível, passada numa sociedade assente em preconceitos religiosos impensáveis na nossa sociedade mais moderna. Muito boas interpretações - também elas galardoadas com Urso de Prata - e uma realização, que não raiando a perfeição, é realmente muito, muito boa.

 

Acabei o ano, cinematograficamente falando, duma forma excelente.

 

Venha 2012.

 

 

 

 

2012 - Ano Louco em Portugal?

Aí está um ano acabadinho de chegar.

Um ano que nos vai exigir muito de nós.

Um 2012 a pedir de todos maior sentido de responsabilidade, ainda mais capacidade de sacrifício, mais força para enfrentar o (mau) dia a dia.

Mas também um ano que pode ser o acordar para uma viragem no nosso país. Temos de ter consciência que sem trabalho nada se tem, que sem esforço conjunto não é possível ajudar este rectangulo à beira mar plantado.

Durante demasiados anos Portugal viveu do que não tinha. Empanturrou-se sem saber nem se preocupou como pagar. E deixou para o futuro esses créditos tóxicos. Assim é importante termos a noção que os sacrifícios redobrados que aí vêm são também uma forma de purgar a nossa sociedade.

Reconheço que não é fácil admiti-lo, mas também é essencial colocar o dedo na ferida e chamar as coisas pelos nomes. A purga que me referi atrás abate-se essencialmente em empresas mal geridas sem qualquer viabilidade económica e que acumulam prejuízos atrás de prejuízos não criando ao país qualquer riqueza, bem pelo contrário. A purga tem de recair sobre o mercado laboral, com tantas famílias desempregadas com capacidades tecnicas para trabalhar mas tamponadas por uma legislação laboral que não permite ao patronato despedir e admitir trabalhadores mais qualificados e claramente mais competentes. A purga tem de escolher entre os que querem mesmo trabalhar e aqueles que apenas pretendem um emprego ou, pior ainda, pretendem viver unica e exclusivamente de subsídos.

Aceito que não é fácil mudar a mentalidade de um povo habituado a ter um emprego para a vida, mas é aqui que reside, talvez, o maior dos nossos desafios: perceber que algo mudou ou estás prestes a mudar e que temos capacidade para aceitar as alterações e ultrapassar os desafios.

Obviamente que o esforço que aí vem deve caber a todos os portugueses, sem excepção.

Bom 2012!

 

Pág. 4/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D