Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Falar demais!

As recentes declarações de Cavaco Silva sobre os rendimentos referentes às suas reformas caíram extremamente mal na sociedade portuguesa.

Primeiro porque não correspondem à verdade. E esta mentira dificilmente o PR vai conseguir explicar aos portugueses.

Segundo porque ao PR não basta parecer sério, tem de o ser na sua vida pessoal, correndo o risco de não o sendo, perder todo um capital de credibilidade que levou anos a conquistar.

Mas  o que mais me espanta é que o PR diga estes disparates assim sem mais nem menos. Ele que devia dar (ser) o exemplo a todo o povo…

Não imagino o que se seguirá após estas declarações, mas creio que a partir de agora ninguém olhará para este homem da mesma forma.

Antes de ser PR, Cavaco Silva é um cidadão de direito português. E como qualquer outro tem direito a receber a reforma correspondente aos seus descontos enquanto trabalhador activo. Mas declarar publicamente que não sabe quanto vai receber de reforma do BdP, quando é reformado daquele entidade desde 2004 parece-me demasiado rebuscado.

Faltou ainda ao PR pensar na declaração do IRS que deve ter entregue no TC aquando do seu novo mandato. Aí está discriminado o valor das suas pensões. Pensasse ele um minuto nesse documento e não estaria agora nesta incómoda situação.

Cavaco Silva deu na passada sexta feira um tiro no seu próprio pé e certamente no do governo!

Uma das mais belas músicas IV

Sempre gostei dos ABBA e lembro-me como se fosse hoje, daquele festival em 1974, quando estes dois casais se apresentaram à Europa.
O maestro trazia um chápeu à Napoleão.
Talvez esta seja a melhor canção do festival da Eurovisão de todos os tempos.

Descoberta

 

Fui durante muitos anos amante deste tipo de música, criada à base de sintetizadores, sendo Jean Michel Jarre um dos melhores compositores, a par de Klaus Schulze.

 

Os "Concertos da China" foi um duplo album que guardei durante anos a fio.

Depois passei para outras músicas e outros estilos. Até que me apareceu Kitaro.

 

A música só por si não traz nada de novo. Muito influenciada pelos sons europeus dos anos 70 e 80 e orientais, o video vale essencialmente pela beleza das imagens.

Muito bom!

 

 

 

Concertação, CGTP e Álvaro - uma troika à portuguesa

Álvaro Santos Pereira e diversas organizações assinaram esta manhã um acordo que envolve governo, associações empresariais e confederações sindicais, tendo em conta novas normas de trabalho.

Como era sabido a CGTP não fez parte desse acordo, deixando nas mãos de outros, decisões que também lhe cabiam opinar e decidir. Depois queixam-se de maus acordos…

Já é conhecida a forma obtusa e radical como a CGTP vê estas coisas da concertação e de acordos com o patronato. Nunca está presente nas reuniões finais e prefere a confrontação de rua à negociação sensata e ponderada.

Também há pouco tempo o Bloco de Esquerda não se reuniu com a “troika”, com os naturais resultados negativos nas eleições legislativas, assumidos por Francisco Louçã.

O país vive momentos tenebrosos, é certo. A todos é pedido um esforço (independentemente de algumas excepções) e aqueles cavalheiros, teimosos e agarrados a teorias já desajustadas à realidade querem fazer acordos impossíveis, porque não pretendem abdicar de princípios irrealistas e impraticáveis.

Ontem ouvi a entrevista do Ministro Álvaro e fora alguns tiros no pé dados anteriormente, no que respeita a declarações públicas, aquele governante esteve calmo, sereno, explicando o que havia para explicar.

Não é um político, mais um técnico. E nada de tecnocrata, pelo que me apercebi. Conseguiu esquivar-se com alguma subtileza a questões um tanto incómodas (caso das nomeações na EDP) e assumiu outras sem rodeios (o aumento do desemprego para o próximo ano).

Com certeza, ao contrário de muitos, gostei do que disse, não pelo seu conteúdo obviamente, mas pela forma cordata e calma com que tentou explicar os novos acordos entretanto firmados.

Um ministro a rever.

Andamos todos iludidos

Andamos todos iludidos.

Esta poderá ser uma verdade insofismável.

Então vejamos.

O Estado não é uma pessoa de bem. Paga aos seus fornecedores tarde e más horas, demonstrando uma falência técnica que lhe advém de políticas pouco correctas e sérias.

A maioria dos políticos servem-se dela (política) e não a servem. Os “boys” servem-se dos políticos e não os servem. Os autarcas servem-se das câmaras e não as servem. Os gestores públicos servem-se das empresas e não as servem.

Então o que se sobra?

Nada, ou melhor quase nada. Sobra a dignidade de um povo habituado a fazer sacrifícios em toda a sua história quase milenar. É este povo, que deu ao mundo outros mundos, que se encontra refém desses mesmos mundos que outrora foram seus.

Angola quer investir em Portugal, a China já entrou na EDP e sabe-se lá em que mais empresas está interessada. O governo também pretende investimento brasileiro em Portugal. Timor chegou a oferecer-se para comprar dívida soberana Portuguesa. Portanto estamos nas mãos daqueles que durante séculos foram chamadas “Províncias ultramarinas” se exceptuarmos a China.

Esta verdade que toda a gente vê mas ninguém quer assumir publicamente é fruto de anos de despesismo e “fartar-vilanagem” por parte do Estado e não só. O mesmo Estado que quer as pessoas a trabalhar mais, a ganhar menos e a pagar mais impostos. O mesmo Estado que não paga a quem deve e penhora a quem não lhe paga. Um Estado que quer o céu para si e o inferno para os outros. Um Estado que liberta mais depressa o criminoso que o queixoso. Um Estado que se preocupa mais com a opinião dos estrangeiros do que com a da sua população.

Andamos todos iludidos. Ou se calhar não…

O dia seguinte dos "boys"

As notícias sobre as últimas nomeações do governo têm feito furor, tanto nas televisões como nos jornais. Mas eu, que tenho a mania idiota de ver as notícias por primas diferentes, pergunto:

 

Onde estão os meninos (ou boys) saídos dos governos socráticos? Os assessores, chefes de gabinete, adjuntos e outros?

Responder-me-ão com alguma propriedade: voltaram às origens!

Pois é, a maioria deles regressou aos seus anteriores locais de trabalho, donde haviam sido requisitados, mas desta vez com novas e acrescidas funções. Isso é certo!

 

É preciso não esquecer que estas pessoas cumpriram um serviço público e têm de ser agraciados por esse esforço. Desta forma, tudo o que é lugar de chefia e de relevo vai obviamente ser ocupado por estes cavalheiros, independentemente do mérito ou capacidade. E as suas vidas jamais serão as mesmas. Com uma evidente constatação: tudo o que dizem vai ser tomado em consideração (eh pá o gajo fez parte do governo, deve saber o que diz!!!).

 

Por isso refiro muitas vezes o actual Presidente Cavaco Silva porque, após a sua saída do governo, regressou ao seu gabinete do BdP, onde se manteve até ser reformado por limite de idade (onde já se viu!!!), quando naturalmente podia, se assim o entendesse, ir para uma qualquer empresa da esfera do Estado ou outra de igual valia com vencimento chorudo e todas as mordomias inerentes ao cargo.

 

Mas claro, isso não interessa saber…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D