Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

As (más) contas do Governo!

Gostava de entender como é que determinados ministros e outros governantes tomam certas decisões. Será que ninguém os aconselha? Que ninguém os chama a atenção para as consequências das suas decisões? Afigura-se-me importante perceber isto…

 

Pensei nestas questões, este Domingo enquanto viajava de Castelo Branco para Lisboa pela A23. Uma auto-estrada que serve o interior do país… às moscas! Literalmente!

 

Entrei nesta via por volta do quilómetro 140 no sentido da A1. Final de semana após um feriado, a que muita gente associou a ponte de sexta feira, e portanto  razão mais que suficiente para haver algum trânsito.

 

Nada disso! Durante a quase centena e meia que meou a minha entrada até à Auto-estrada do Norte, pude contar as viaturas que passaram por mim. E nem se poderá dizer que vinha depressa, pois conduzia uma carrinha velha e jamais ultrapassei os 90 quilómetros hora.

 

Curiosamente pouco depois de Castelo Branco a A23 é ladeada durante alguns quilómetros, pela antiga estrada que servia e serve a capital da Beira Baixa. E pude ver como essa via à mesma hora apresentava um tráfego mais que razoável.

 

Percebi que a questão das portagens demasiado caras desta Scut tornara-se o principal óbice para a sua maior utilização. Dei por mim a fazer contas… e a descobrir que a decisão da imposição de portagens, fora tudo menos… sensata.

 

Sempre defendi, num país pobre como o nosso, a filosofia do utilizador-pagador. Porém onerar desta forma as vias, foi um feitiço que se virou contra o feiticeiro…

 

E a pergunta mantém-se: ninguém no governo sabe fazer contas? Ninguém estudou os custos de tal decisão? É preferível manter a A23 para uma meia dúzia de utilizadores (incluindo eu!!!), enquanto os restantes automobilistas regressam às estradas nacionais com os riscos inerentes a essa escolha?

 

Não seria preferível diminuir o preço das portagens para um terço do custo actual, originando com isso o quádruplo da receita?

 

Posso não perceber de muita coisa, mas sei fazer bem contas.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D