Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Não somos grandes, somos enormes!

Cada vez que olho para o nosso país, considero-o cada vez mais bizarro. Tenho sempre a sensação de que somos assim… imbecilmente derrotistas, mesmo quando ganhamos alguma coisa.

Não sei se esta postura advém ainda daquelas absurdas trovas do Bandarra ou se simplesmente porque gostamos … de sofrer.

Ora bem… Sempre que algo corre menos bem a Portugal, seja no desporto ou na cultura ou noutra actividade qualquer, logo surge a bolorenta ideia de que não prestamos para nada, que somos uns infelizes ou incapazes de dar “aquele passo”. Um chorrilho de tristes conceitos onde o tal fado luso ganha peso e fama.

Detesto derrotistas. Detesto carpideiras. Detesto profetas da desgraça. Especialmente quando já nada disso faz sentido.

Enumeremos então numa mui breve lista:

  • Portugal foi campeão europeu de Futebol sénior;
  • Os melhores jogadores do Mundo de futebol de onze, de praia e futsal são portugueses;
  • Um escritor português foi galardoado com um prémio Nobel da Literatura;
  • Os nossos pintores são altamente considerados;
  • O clima é fantástico;
  • A nossa comida é elogiada pelos grandes chefes;
  • Ganhámos o Festival da Eurovisão com uma das mais belas canções daquele certame;
  • Há uma geringonça que os gauleses de Macron já imitam
  • Temos comprovadamente uma das melhores academias de jogadores de futebol do Mundo;
  • Há diversos campeões olímpicos que são portugueses.

Perante estes dados e muito mais que poderia aqui trazer, ainda achamos que tudo se deve ao demérito dos outros e não à nossa fantástica capacidade para superar as dificuldades.

Que ideia residirá num atleta, que se sacrifica durante anos a fio, ao praticar um determinado desporto, para depois quando alcança uma medalha olímpica, sussurrarem que o mérito não é dele, mas unicamente demérito do adversário?

Como se sentirá um cantor que ganhou um Festival à escala quase mundial, quando afirmam que as outras músicas é que não prestavam para nada?

É tempo de acabarmos com as vitórias morais… que tantas vezes rebaixaram este país. Quer queiram quer não, conseguimos ser bem melhor que muitos outros países. A superação não é um acaso, mas um designío.

Que mais quer este povo?

18 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D