Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Cidadão ou Presidente

Esta súbita doença do Senhor Presidente da República suscitou-me alguma satisfação, mas outrossim algumas questões que obviamente nunca verei respondidas.

Comecemos então por aquilo que me alegrou:

- Que a doença do Professor Marcelo Rebelo de Sousa tenha sido (quase) passageira e que já tenha tido alta médica;

- Que tenha escolhido os Hospitais Públicos para se sujeitar à intervenção cirúrgica.

Passados estes pontos vamos às minhas breves questões:

- Quantas horas esteve o PR na sala de espera das Urgências?

- De que cor era a sua senha (verde, amarela, laranja…?

- Se o Doutor Eduardo Barroso não estivesse no Curry Cabral seria que o Senhor Presidente escolheria um Hospital Público para ser operado?

- Tendo em conta o que ouvi diversas vezes ao Professor Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto comentador televisivo, será que a conta pelos serviços prestados será equivalente ao seu ordenado?

Pronto, foram estas as minhas últimas questões para este ano.

Feliz 2018 para todos.

Eu também não fui convidado!

Li por aí que o Príncipe Harry está para casar com uma actriz americana.

Anexo à história cor de rosa de príncipes e quase princesas apercebi-me que o filho mais novo da malograda Princesa do Povo não irá convidar o antigo Presidente dos Estados Unidos, Barak Obama, por com este convite teria de convidar também o Donald Trump.

Ora como todos sabemos o actual Presidente americano assemelha-se àqueles tios broncos e barraqueiros que por vezes temos obrigatoriamente de levar a alguma festa, sabendo de antemão da confusão que ele irá fazer.

Como o Harry não quer lá o loirinho americano e como há aquela coisa da diplomacia não irá convidar Obama nem a sua esposa Michelle.

Eu até consideraria esta postura mais ou menos normal se Harry fosse o verdadeiro pretendente à Coroa Britânica, mas como não é, acho estranho que ele nao leve alguém de quem gosta só por causa da diplomacia internacional.

Na minha vida nunca fui muito comedido nas palavras. Mas também nunca enganei ninguém quando é para referir as pessoas que gosto ou não, Daí perceber que daria um muito mau embaixador provavelmente incapaz de lidar com tipos como o Trump.

Assim sendo venho formalmente comunicar que também nao fui convidado para o casamento de Harry.

Tudo por culpa do Trump.

A bondade tem nome!

Ser pai foi talvez a melhor coisa que me aconteceu na vida. Uma, duas vezes. De homens.

Se assim penso e sinto nem imagino como se sentirá uma mãe que carrega no seu ventre uma criança.

Todavia o povo na sua imensa sabedoria costumava dizer: “parir é dor, criar é amor!”

É assim com base nesta ideia que eu vejo os meus dois sobrinhos. Criei-os de igual forma que os meus filhos. Tive as mesmas preocupações e ralações. Também tive muitas alegrias.

Eu e a minha mulher costumamos dizer que não temos dois filhos mas sim quatro. Os meus sobrinhos consideram os meus filhos, seus primos, como irmãos.

Este longo preâmbulo serve como ideia primeira do que vou escrever a seguir.

Adoptar uma criança é, em primeiro lugar, um acto de enorme altruísmo e coragem. Pegar num ser frágil e tomá-lo como seu e responsabilizar-se pela sua educação é uma atitude só ao alcance de muito poucos.

Porque as crianças são uma alegria. Mas são também preocupações, tristezas, anseios desfeitos. São um permanente aperto no coração. E depois quando crescem e querem voar por si mesmos, a angústia da separação torna-se ainda maior e os receios alastram a todos os pontos do nosso corpo e vida. Acabamos até por ter calor no Inverno e frio no Verão.

Entretanto li algures que os corajosos decidem e depois choram sobre a decisão mas os fracos choram antes e nunca decidem.

Mas de nada disto a Joana teve medo. Atirou-se para a frente e assumiu um compromisso que será para a vida. Está de parabéns esta menina.

O mundo não é só feito de “trump’s”, há outrossim gente capaz de se dar aos outros, de sacrificar o seu bem-estar para aquecer o coração dos mais indefesos. Gestos nobres que me fazem ainda acreditar na dignidade humana, mesmo com tanta miséria à minha volta.

Não conheço a Joana pessoalmente. Nunca a vi e ela nunca me viu. Podemos cruzar na rua que não nos cumprimentamos. Mas também não é necessário. Esta mulher de armas concentrou em si tudo o que há de bom no ser humano.

E a privilegiada chama-se Alice!

Vícios

A Organização Mundial de Saúde considera que o vício em videojogos é uma doença do foro psiquiátrico.

Face a esta resolução da OMS podemos estar a um passo de dizermos que todos somos doentes mentais. Porque todos temos tendências viciantes. Ou não?

Fumar, beber, jogar em casinos, totobolas ou euromilhões, fazer compras, tudo pode tornar-se um vício. E se assim for assumido, (quase) todos nós somos doentes do foro mental, porque raras são as pessoas que não têm vícios.

Eu próprio, que costumo dizer não tenho desses vícios que estragam as vidas pessoais e não só, posso considerar-me um doente mental já que não passo um dia sem que escreva qualquer coisa. E quando isso não acontece quase que fico de ressaca, qual toxicodependente.

Face ao que precede parece-me assim pouco razoável que uma organização Mundial venha publicamente afirmar que o gosto por videojogos seja uma doença.

As empresas fabricantes deste tipo de actividade devem ter delirado com esta assumpção.

Conclusão precipitada?

O senhor Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa cancelou os encontros que tinha agendados para hoje com a Associação de juízes, o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, o Sindicato dos Funcionários Judiciais e o Sindicato dos Oficiais de Justiça.

Resumindo... o PR anda a fugir à justiça

Tradição é tradição.

Não sou grande apreciador de jogos de sorte ou azar. Não jogo no totobola, totoloto, euromilhões ou placard. E muito menos raspadinhas...

Jogo somente uma cautela da Lotaria Clássica. Um mesmo número que perdura nas minhas mãos há mais de trinta anos. E que antes de mim perdurou noutras mãos sem nunca, nunca mesmo ter um prémio como deve ser.

Hoje fui buscar o jogo para mais duas semanas.

Depois fiz as contas referentes ao ano inteiro de 2017 e percebi que entre o que gastei e os prémios que acumulei tive um prejuízo de precisamente 100 euros, o que dá cerca de dois euros para cada semana de extracção.

Alguns dirão que se jogasse do euromilhões pagaria mais ou menos o mesmo e teria hipótese de ganhar muito mais dinheiro. Pois… mas as tradições são para se manter e por isso continuo a comprar semanalmente a dita cautela.

Que só deixarei assim que me sair um primeiro prémio.

Geringoncelo!

 

O Doutor António Costa, ilustre Primeiro Ministro de Portugal não deve viver no mesmo país que eu vivo.

Primeiro fala, no seu habitual discurso de Natal, em emprego quando tem entre mãos um problema na AutoEuropa que não consegue resolver. Outro político de uma estirpe diferente já teria avisado Arménio Carlos das graves consequências das futuras greves.

Depois as questões dos incêndios deste Verão foram aflorados, mas sem a assumpção de medidas efectivas para as zonas ardidas e muito especialmente para aquelas que não arderam ainda e que passarão a ser fortes candidatas a fogos no próximo ano.

Paralelamente lamento sinceramente que o senhor PM não tenha a coragem de demitir os ministros devidos. Creio que não o fez por não ter ninguém que queira ficar intimamente ligado a esta geringonça. Daí se perceber também a passagem de Eduardo Cabrita para a pasta da Administração Interna. Ou, outro caso, a não saída do Ministro Vieira da Silva após o escândalo "Raríssimas".

A sorte deste Governo é que oposição (leia-se PSD) está mais preocupada em guerras interiores do que fazer verdadeira oposição.

E depois há Marcelo Rebelo de Sousa...

Que quer queiram quer não tem dado a cara por causas, tem cumprido uma agenda atarefadíssima quase omnipresente. Diria mesmo que só com um sósia é que podia estar quase em dois lados ao mesmo tempo. O problema seria o discurso...

Mas o PR está, ao que parece, atento. E não tem receio de dizer o que pensa.

O que se torna muito complicado para o actual governo que não gosta nada de ser criticado.

Estou de parabéns...

Não, não faço anos, mas estou realmente de parabéns por ter conseguido resistir a tanto bolo e tanto acepipe durante esta quadra natalícia.

Não obstante este número de doces, consegui passar por eles de forma (quase) incólume.

Mais... há um destes bolos que é feito por minha causa e até hoje ainda não lhe toquei.

Todavia ainda petisquei uma rabanada.

E foi tudo.

Ainda por cima consegui a seguinte crítica:

- Não come pão e depois come rabanadas...

Cheira-me que desta vez há doces que se vão estragar.

É só uma desconfiança...

Mensagem de Natal

Nesta época natalícia desejaria escrever aquela frase sublime e que deixasse toda a gente a pensar ou simplesmente adoraria que um texto meu espelhasse o que sinto nesta altura.

Mas para que tudo isto fosse possível seria necessário que eu tivesse a competência de escrita que vejo em muita gente que vou lendo e que eu não tenho. De todo!

Todavia não quero, ainda assim, de deixar de enviar votos de um Santo Natal a todos quantos aqui vêm ler e comentar. Que o Menino Jesus, o Pai Natal ou somente a vida, vos encha os dias de felicidade e alegria.

A minha idade já me mostrou que podemos ser muitos felizes com muito pouco. Como já referi por aí, somos seres e não “teres” humanos.

Deste modo, e digo isto de coração aberto, sempre que comentam os meus pobres textos ou somente me visitam já estou a comemorar o Natal. Porque este não é só a mesa farta. Será sempre a alegria do ser vivente.

Lamentavelmente há tanta gente que não percebe isso.

A gente lê-se por aí!

A véspera da... Véspera de Natal

Tornou-se tradição cá por casa, nestes dias que antecedem o Natal, a azáfama ao redor do doces. A lista é já longa não obstante, por razões várias, sermos cada vez menos à mesa.

Todavia contei hoje cerca de uma dúzia de iguarias já feitas e que tiveram o seu início na passada quinta feira logo pela manhã.

Eis então o rol:

Filhós,

Bolo de bolacha.

Musse de chocolate,

Bolo imperial,

Pão de ló,

Queijo de ovos,

Rabanadas,

Azevias,

Tarte de amêndoa,

Bolo de ananás.

Quente e frio,

Quadradinhos de chocolate

A maioria destas sobremesas foram concebidas entre ontem e hoje.

Para amanhã ficou por fazer o chambão estufado, entretanto já temperado, escolher as couves e cozer o bacalhau. Tudo regado com azeite deste ano.

No dia de Natal haverá também borrego e batatas assadas no forno.

Mas estes dias de véspera... da Véspera de Natal são tão trabalhosos!

 

Adenda ao texto de ontem

Farófias,

Bolo rei (que vieram cá oferecer)

Uma lampreia de ovos.

Resultado 15 doces diferentes.

Será que haverá barriga para tudo isto?

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D