Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Há 18 anos!

Faz hoje precisamente 18 anos que a notícia era primeira página em todo o Mundo. E quando digo todo, é todo mesmo.

A princesa Diana morria num trágico acidente de automóvel num túnel em Paris. Com o seu companheiro na altura.

Dizem que a culpa foi dos "paparazzi".

Todavia a culpa não foi só deles mas um pouco de todos nós... Porque nunca se deixou que "princesa do Povo" vivesse a sua vida em paz e sossego.

E ela tinha direito a isso!

O primeiro a regressar!

E pronto... começou a debandada!

O júnior partiu esta noite para casa de forma a regressar amanhã ao seu trabalho.

Ficamos agora mais uma vez sós... Os dois!

Pode parecer triste... e até é, mas prefiro isto a tê-lo cá em casa, desempregado.

E duma forma ou de outra tenho que me mentalizar que o (nosso) futuro passa por vivermos sózinhos!

Até podermos.

 

Há doenças boas e más?

Um amigo de longa data, médico cardiologista, dizia-me há tempos que actualmente existem mais doenças porque antigamente as pessoas morriam de maleitas que hoje curamos em dois dias (caso das contipações e ligeiras gripes).

Reconheço que esta teoria faz sentido! Deste modo vemos doenças tão estranhas quanto incuráveis. E face a esta realidade como reagimos?

Pois é... este é o grande dilema do ser humano. Vivemos uma vida com alguém, criamos laços, amizades, trocamos gestos de carinho e de ternura e um dia só desejamos... que ele morra! Tenebroso desejo!

O que é então pior: uma demência cada vez mais limitativa ou uma doença do foro oncológico?

A esta questão ninguém se sente seguro em responder. E muito menos com vontade de o fazer...

Todos temos consciência que a morte é algo inevitável e certa... Mas o que se pretende é saber a que custos, quer fícsicos quer psicológicos... especialmente para quem rodeia o enfermo!

A ciência médica tem ainda alguma dificuldade em evitar as doenças do foro da mente, ao mesmo tempo que consegue, com relativo exito, retardar algumas doenças do foro oncológico.

Nenhuma doença é obviamente boa mas as enfermidade do foro degenerativo parecem-me aquelas que deviam merecer da sociedade médica uma reflexão profunda no sentido de se abrirem, quiçá, à eutanásia.

O que ganha a sociedade com alguém que está enfermo com demência há anos? E que custos tem associados? E as dores provocadas aos familiares?

Demasiadas questões às quais ninguém porventura sabe ou consegue responder!

Fica aqui o registo de saber se prefiro morrer de uma doença cancerosa, consciente e lúcido ou de uma qualquer enfermidade degenerativa, que faz com que nem conheça os meus próprios filhos...

 

Ler é o melhor remédio!

Aproveito as férias quase sempre para colocar alguma leitura em dia. E este ano não é excepção. Porém eu apresento um grave problema que não é compatível com muita leitura... É que leio muuuuuito devagar. Como pretendesse saborear cada frase, cada palavra escrita. Depois faço anotações, procuro o significado de palavras que não conheço, guardo citações.

Pois é, para mim ler um livro é assim uma espécie de aventura. Demoro o dobro dos dias de uma outra pessoa qualquer a devorar qualquer obra literária.

Mas não é coisa que me tire o sono...

Ler é sem dúvida um dos (meus) melhores remédios para a mente. E que se pode tomar sem qualquer receio de se exagerar na quantidade.

Vibrei como se fosse um deles...

A noite passada fui, a convite de um responsável da SAD de "Os Belenenses", ao Restelo ver a segunda mão que daria (como deu) acesso à Liga Europa a este velhinho clube lisboeta.

Quem aqui me visita sabe que o meu clube de coração é o Sporting. Mas esta noite fui tão "belenenses" como os demais.

O jogo foi emotivo e a haver um vencedor deveriam ter sido os azuis. Mas não houve golos e o empate a zero foi suficiente para a equipa treinada por Sá Pinto entrar para a história do clube de Belém.

Eis uma imagem do jogo que eu acabei a vibrar, munido do respectivo cachecol, como todos os outros que se encontravam a meu lado.

O futebel é por isto mesmo um estranho fenómeno...

 

belenenses.jpg

 

Conversas à beira mar!

Todos os dias palmilhamos quilómetros nas areias finas da praia. Caminhadas que terminam sempre à beira-mar já no regresso, numa animada conversa.

E falamos de tudo: política, sociedade, afectos, escritas, músicas... e tanta, tanta coisa.

Raramente estamos de acordo (talvez na música!!!). Temos idades e vivências de vida assaz diferentes. Mas nada disso é impeditivo que coloquemos em dia muitas conversas, durante um ano adiadas. E aprendo muito... acreditem!

Lúcido e inteligente, é também dono de uma lógica muito própria, sabendo defender os seus pontos de vista com objectividade.

Sinto-me um previligiado em poder ter longas conversas com o meu filho mais novo.

À beira-mar!

 

 

 

O (in)terno feminino ou o léxico peculiar das mulheres

Ao fim de muitos anos de conviver com as mulheres (mãe, esposa, sobrinha, primas, amigas e colegas de trabalho) jamais saberei como pensa o (in)terno feminino. E não tem a ver com qualquer machismo bacoco… mas somente a constatação de um facto. Puro e duro!

Sempre ouvi dizer que uma mulher quando diz “não” quer dizer “talvez” e quando diz “talvez” quer dizer “sim”. Todavia esta teoria carece de provas para a aceitar como verdadeira. No entanto percebo a génese da… “coisa”.

Os homens, por muito que custe ao sexo feminino assumir, são geralmente mais práticos. Obviamente que também conheço alguns cavalheiros em que, complicação é… o “apelido” do meio!!!

Quando falamos com uma mulher é necessário ter sempre o cuidado de ler nas… entrelinhas! Pois nem tudo é claro como a água. Os homens ao contrário, são geralmente mais genuínos mesmo assumindo as evidentes diferenças. Expõem-nas, discutem-nas acaloradamente mas dificilmente se zangam! O tema clubismo futebolístico é disto um bom e conhecido exemplo.

Na generalidade, a uma pergunta de resposta sim ou não, as mulheres não o conseguem responder com total discernimento. Ficam sempre a pensar se a questão colocada assim tão directa terá algum segundo, terceiro sentido, quando, na maioria das vezes, é só para obter mesmo uma simples resposta.

Finalmente há aquele léxico tão próprio das mulheres que nós homens, por muito que tentemos, jamais entenderemos.

Um regresso à acalmia!

Diz-se que não há nada melhor que a nossa casa!

E hoje, após um fim de semna de festa na aldeia, tenho de concordar com a máxima tão popular.

Após uma viagem de algumas centenas de quilómetros eis-me em casa e preparado para o resto das férias. Que pretendo agora que sejam só de descanço e... mais nada.

Há quem use as férias para viajar, sair do ritmo diabólico da cidade e procurar outras paragens, quiçá mais movimentadas que os próprios dias de trabalho.

No meu caso, prefiro o sossego de uma praia, um saboroso almoço obviamente bem regado e muitísssimo bem acompanahdo. E sem grandes alaridos.

Na acalmia da família!

Viva a Festa!

As festas nas aldeias têm quase sempre um gosto (muito) especial. E não posso olvidar que estas momentos são particularmente engraçados, curiosos e carregados de grande simbolismo.

A religiosidade não é, contudo, posta em causa e são muitos os devotos dos diversos santos que vêm à aldeia manifestar a sua fé.

Hoje, curiosamente, a procissão decorreu debaixo da visita inesperada da chuva, que caíu em forma de quase pó mas que ainda assim não fez arredar ninguém.

E procissão sem banda filarmónica nem é devida. E eu que fui um dos que levei o pálio que cobriu o padre regalei-me com os diversas trechos de música que a Banda da aldeia foi aprsentando.

À noite uma outra banda tocou num palco montado no largo da aldeia. Outras músicas, outros ritmos... mas festa é festa!

E agora só para o ano!

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D