Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Os “ses” deste Governo

Quando entrei no mercado de trabalho fui obrigado a descontar do meu rendimento determinado valor, que seria para a minha futura reforma. E todos os meses, durante trinta e tal anos, assim tem sido feito.

 

Isto tem-se passado comigo e com todos os trabalhadores deste triste País. E a única certeza é que quando chegarmos à hora da reforma o Estado tem esse dinheiro guardado para mensalmente me ir entregando até… morrer!

 

Puro engano!

 

O que era verdade há uns anos hoje não passa de uma utopia. O Estado abarbatou-se com parte do meu vencimento e quando pretendo o retorno eis que o mesmo Estado se nega a dar o que eu “não voluntariamente” descontei, alterando assim as regras do jogo.

 

Mas o que atrás descrevo não é nada que não se saiba ou se sinta já. Todos temos sofrido na carteira esta form(ul)a sui generis de nos roubarem o dinheiro… Porque é de um roubo descarado que se trata, digam o que disserem!

 

Ora então dei por mim a pensar…

 

1 - Se o Estado não paga as reformas conforme foram previamente acordadas e ninguém o leva preso (havia de ser giro!), porque não rasga o Estado os acordos com as tão conhecidas e sorvedoras de dinheiros PPP’s?

 

2 - Se o Governo tem coragem de deixar crianças irem para a escola com fome por os pais se encontrarem desempregados, ou outrossim olvidar os idosos que durante tantos anos trabalharam e descontaram, para agora cortarem nas suas míseras reformas, como não tem a mesma coragem para perante as PPP’s fazer o mesmo?

 

3 - Se o Estado tem intenção de cortar subsídios de férias e Natal a públicos e privados, porque não corta nos dinheiros para TODAS as Fundações, sejam elas de carácter for?

 

São provavelmente muitos “ses”. Demasiadas condições para um país à beira de um colapso colectivo e com um Governo incapaz de optar por atitudes realmente corajosas e radicais a bem do seu povo, que foi quem o elegeu. Não a MerkelTroika!

Um economista sem papas na língua

 

O cerco aperta-se a Portugal.

 

Uns economistas afirmam a pés juntos que o nosso país não vai cumprir nenhum dos deficits previstos para 2012, 2013 e 2014.

Outros asseguram que é difícil mas com tenacidade e muuuuuuuuita austeridade, consegue-se.

Há também quem defenda, vai para muito tempo, que Portugal devia sair do euro.

Pode-se então concluir que há opiniões para todos os gostos e desejos. E provavelmente todos terão não toda mas alguma razão para o que profetizam.

Seguramente que cada um omitiu a sua opinião assente em dados e estudos reais, mas tal como as diversas seitas religiosas ao leram a Bíblia Sagrada, cada um interpreta os números à luz das suas próprias convicções.

Sobra então o Dr. Medina Carreira, que durante muitos anos e em diferentes programas e escritos avisou do que poderia acontecer com Portugal, se se mantivessem os gastos do Estado. Muitos pensaram que era mais um arauto da desgraça, como muitos o apelidaram.

Hoje, ouvem-no já com outra atenção e começam a entender onde é que se encontra o mal do nosso País. Há mesmo assim, quem não aprecie aquele seu jeito um tanto frontal de dizer as coisas, mas a verdade é que as pessoas menos esclarecidas percebem o que ele pretende dizer.

Pois é... Mas devia ser o governo a falar desta maneira, simples e esclarecedora.

Para que todos entendessem!

Não há direito…

… que ontem na manifestação defronte do Palácio de S. Bento, a Polícia tenha quebrado indiscriminadamente uma quantidade de IPhones, Ipods, Blackberry’s ou Galaxys (passe a publicidade!).

 

Andaram os jovens a incomodar pai e mãe, avô e avó, tio e tia para terem um aparelho daqueles e vem um agente da autoridade armado de bastão, nada maleável por sinal, e dá cabo de um parque telefónico considerável.

 

Não há direito…

Reeducar o povo!

 

Um destes dias ouvi  o seguinte comentário:

 

"Esta crise está obrigatoriamente a reeducar a nossa população."

 

Dito assim de chofre, a conclusão pareceu-me descabida e desprovida de sentido. Mas curiosamente não caiu em saco roto… Durante dias fiquei a matutar nas palavras tentando dar-lhes um sentido mais lógico e coerente.

 

A acrescentar a esta minha confusão ouvi outrem concluir que a actual juventude portuguesa nunca fora sujeita a grandes sacrifícios.

 

Foi então que associei estes dois nacos de prosas e as juntei como peças de um só puzzle. Percebi então o verdadeiro sentido das duas frases. E constato com enorme pesar que ambas referem uma nova realidade para a qual a nossa sociedade não se encontrava preparada quanto mais educada.

 

Não quero com isto dizer que concorde com a filosofia de uma sardinha para três como sempre ouvi falar aos meus pais e avós… mas admito que agora são três sardinhas para uma só pessoa… (se não forem mais!).

 

Por isso hoje, grande parte dos jovens não sabem o que são sacrifícios. Tudo lhes é apresentado sem exigência nem esforço. Assumimos que as crianças não são culpadas por virem ao mundo (o que até é verdade!) e há que lhes fornecer tudo do bom e do melhor sem pedir nada em troca. E para que tudo isso aconteça empenhamo-nos até ao máximo que a nossa carteira pode fornecer hipotecando outros futuros.

 

E as crianças crescem e tornam-se adultos, despreocupadas com os seus futuros, porque assim foram educadas. Assumiram que ao Estado tudo cabia conceder e resolver.

 

Só que… aconteceu o inevitável: Portugal, assim como outros países periféricos do Centro da Europa, acabaram por vir a sofrer com as politicas despesistas e sem controlo por partes de diversos governos, mais preocupados com os interesses partidários, do que com a gestão pensada e correcta de um país já por si só pobre e sem quaisquer recursos com os quais partilhe riqueza pela restante população.

 

Voltamos desta forma ao âmago desta minha reflexão:  “é premente reeducar este povo”.

 

Para tal não basta só cortar em vencimentos e subsídios dos trabalhadores. Há que cortar no Estado e nas suas tão conhecidas "gorduras". Mas cortar mesmo, sem receios nem subterfúgios.  Cabe ao Estado dar o exemplo para que o povo aceite o que aquele lhe quer impor.

Não devem ser sempre os mesmos a arcar com as responsabilidades de antigas (más) gestões governativas. E deve-se exigir contas a quem durante muitos anos apenas se preocupou com uma coisa:

 

“GASTAR, GASTAR VAMOS!”

A Cidade e as Serras (versão breve!)

 

Após 10 dias de ausência em terras Beirãs eis-me de regresso à grande cidade… Infelizmente!

A infelicidade não se encontra no regresso per se, mas nesta urbe que me “trabalha” no estômago. E mal cheguei quero já retornar à aldeia onde passei estes últimos tempos.

 

Lá não há passadeiras e ninguém é atropelado.

Lá não há sinais luminosos e ninguém bate no carro da frente.

Lá não há rotundas em cada cruzamento e todos sabem o que é a prioridade rodoviária.

Lá não se apita porque nos distraímos a olhar para algo fora do carro, mas apenas para convidar o vizinho a beber:

- Vai uma mini? Pago eu…

 

Enfim uma vida serena feita ao ritmo dos dias calmos trazidos pela brisa da serra, outrora vestida de pinhais que o fogo voraz devorou, faz tempo.

 

Entre dias de chuva miudinha e outros de frio cortante foram boas, ainda assim. estas férias.

 

Aqueceu-me a alma a jeropiga, doce e apaladada, que fui beberricando e acompanhando as castanhas assadas na lareira bem quente.

 

Saboreei o queijo fresco acabado de fazer. Ou uns frades cozinhados com arroz, Ou as couves brancas e o vinho tinto...

 

A cidade, com o seu reboliço permanente, não me convence a ficar. As serras eternizadas nas pedras graníticas clamam cada vez mais por mim.

 

E eu desejoso de lhes oferecer uma resposta definitiva:

 

- Cá estou! Vim para ficar…

Reflexões de Outono

Perguntava o povo numa adivinha:

 

          Verde foi meu nascimento e de luto me vesti,

          Para dar luz ao mundo mil tormentos padeci.


A resposta era outrora rápida e quiçá fácil. Hoje, porém, é bem mais difícil obter a solução para a dita adivinha, pois a luz do mundo já não vem dali.

 

A azeitona foi durante muitos anos a forma mais simples de se obter iluminação através das candeias. Ainda me lembro da minha avó acender o pavio desse tão singelo e típico candeeiro.

 

Nestes últimos dias tenho andado a apanhar azeitona ainda de uma forma quase arcaica. Há já quem use máquinas mas eu ainda prefiro a forma antiga de “arrepanhar”.

 

A chuva tem sido minha companheira. Assim como o frio e a aguardente ou jeropiga que vou beberricando com cuidado, não vá por causa de copito a mais, cair de uma escada.

 

Adoro este tempo de azeitona mesmo com chuva. E com frio…

 

Há nestes momentos únicos, uma ligação ancestral entre a terra fecunda e o homem.

 

E quando finalmente após os tormentos do lagar, o azeite escorre por entre as batatas e as couves, temperando-as sinto com alguma alegria e porventura algum orgulho que valeu a pena o sacrifício.

 

E melhor…

 

Nem todos conseguem perceber este sentimento tão rústico mas ao mesmo tempo tão genuíno.

 

Outono na Beira Baixa

 

Retirado para um vale da serra da Gardunha, aqui vou desenrolando dias e pensamentos, entre oliveiras carregadas de azeitona e outras sem nada para oferecer ao patrão que não seja uns trochos de lenha para aquecer as noites frias que se avizinham.

 

A chuva fez a sua aparição tão cedo e de forma tão persistente, que ainda escorre a roupa desses dias em que permanecemos completamente encharcados. Uma sina que se repete anos após ano.

 

Mas se há algo que gosto da época da azeitona (para além das castanhas e da boa jeropiga) é o poder ver os campos de uma altura menos comum. Tão próximo mas ao mesmo tempo tão distante. O verde vivo da erva a crescer misturado com os castanhos de um Outono em plena força fazem-me sentir quase nostálgico.

 

Eis um exemplo do que minha vista abrangeu.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D