Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Um novo Governo

Finalmente temos um governo novinho em folha: caras novas, pensamentos diferentes, quiçá posturas melhoradas.

Após uma campanha aguerrida onde o PS apenas se preocupou em atacar os programas dos adversários sem apresentar propostas (claramente refém do que assinara com os técnicos externos, do FMI, da Comissão Europeia e do BCE) o Partido Socialista regressa à oposição sem líder e sem programa.

Quanto ao novo governo tem tudo para fazer um bom trabalho. Gente pouco conhecida do grande público nas Finanças e na Economia e nada presas a interesses económicos. Técnicos reconhecidos (Paulo Macedo) e uma mulher cheia de “estaleca” (Paula Teixeira da Cruz) capaz, se assim lhe derem campo de manobra, de fazer uma lavagem na Justiça onde existe muita coisa suja a necessitar de uma boa barrela.

Paulo Portas e Aguiar Branco são os únicos ministros que têm alguma experiência em cargos governativos, para além do Secretário de Estado Marques Guedes.

Os outros Ministros são autênticas incógnitas a começar pelo Primeiro-ministro. Todavia é tempo de se lhe dar um tempo de estado de graça, que de graça não vai ter muito pouco, tendo em conta o que aí vem de austeridade.

Mas o que mais admiro neste governo e nas pessoas que o constituem é a coragem evidenciada por todos ao aceitarem este desafio de ministrarem um país a um passo pediátrico da bancarrota.

Não vai ser fácil cortar milhões em coisas que nos pareciam garantidas para toda a vida. Pensões, subsídios, taxas moderadoras, impostos, tudo irão sofrer grandes alterações, com a consequente contestação pelos sindicatos e outras organizações.

Cabe naturalmente ao governo explicar todas as medidas e não deixar que comentadores de televisão, sedentos de “sangue” governativo, expliquem, cada um à sua maneira, as novas regras.

É aqui que o novo Ministro da Economia vai ter um papel muito importante, pois deve tentar de todas as formas fomentar uma concertação social sem a qual temo que nenhuma medida tenha efeitos verdadeiros.

Sei que se aproximam tempos muito duros. Mas é nestes casos que me lembro dos antigos navegadores portugueses que acreditavam no Adamastor e mesmo assim conseguiram ultrapassar esse “fantasma”.

Será que conseguiremos afastar o fantasma da Bancarrota?

O tempo o dirá…mas entretanto vou acreditar que sim.

O Fenómeno PRD

 

 

Lembram-se do PRD? Que em 1985 foi a terceira força política e que meia dúzia de anos depois já não tinha qualquer representação parlamentar? Lembram-se? Pois é, parece que estou a ver o mesmo filme no Bloco de Esquerda.

Não sou politólogo e muito menos comentador profissional, daqueles que (quase) toda a gente escuta com atenção. Todavia aprecio a política e gosto de analisar os resultados das eleições.

Então vejamos:

O PCP/CDU é uma organização pouco volátil e muito fiel aos seus princípios. Entre 2005 e 2011 ganhou (apenas) mais 7000 votos e que se traduziu em mais um deputado que em 2009 e mais dois que em 2005. Todavia perdeu cerca de 6000 votos em relação às eleições de 2009.

O CDS subiu ligeiramente assumindo-se como terceira força política, mas desta vez com um papel naturalmente mais importante na formação de um novo governo, onde terá maior preponderância e obviamente mais ministérios que na última aliança, nos governos de Durão Barroso e Santana Lopes.

O PS sai derrotado nestas eleições muito por culpa de um eleitorado fiel mas que preferiu abster-se a votar contra o Partido Socialista. Obviamente que este era um resultado esperado (talvez um pouco abaixo das expectativas, tendo em conta as sondagens) pela maioria dos dirigentes socialistas.

O PSD regressa assim ao poder pela mão de um “ex-jota”, que fez uma campanha difícil, mas séria sem tentar “inventar” desculpas para os maus tempos que se adivinham. No debate televisivo conseguiu manter o nível enquanto Sócrates tentou baixar esse mesmo nível de forma a ganhar alguns pontos. O PSD ganha quase meio milhão de votos, aproximadamente o mesmo número que o PS perde no mesmo tempo (transferência de eleitores? Talvez!).

Finalmente o BE. Pareceu-me o grande derrotado da noite eleitoral porque baixa para metade a sua representação parlamentar, o que muito me admira. Pois se havia época favorável ao crescimento do BE seria agora numa altura em que há problemas laborais, sociais e económicos. Premissas perfeitas para que um partido, de cariz mais protestante, pudesse finalmente colar-se ao PCP ou até mesmo ultrapassá-lo. Curiosamente aconteceu o contrário, tendo o BE perdido metade dos votos em relação a 2009 e um terço para 2005. Cabe ao Dr. Francisco Louçã tentar explicar internamente este desaire, que não deve estar desassociado à forma como fez a campanha e à sua teimosa ausência das negociações com o FMI e o Comissão Europeia (mesmo que com elas não concordasse). Se com o PCP, todos os seus votantes são fiéis e aconteça o que acontecer o Partido leva sempre o voto, com o BE há eleitores que podem “fugir” para o Partido comunista ou até para o PS. Uma volatilidade que varia da postura dos seus dirigente.

O BE tem sido uma força interessante na AR. Todavia a forma um tanto azeda, truculenta como o seu Coordenador principal falou às pessoas nesta campanha, para além de outras opções falhadas, levou-as a ver noutras organizações (leia-se MRPP)melhores opções para o seu voto de protesto. Se o BE não tomar cuidado arrisca-se a sofrer do, a que eu chamo, “Fenómeno PRD”.

O tempo o dirá…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D