Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Maria João - Parte II

Há quem não goste e eu aceito...

 

Há quem goste e eu admiro...

 

Há quem não entenda e eu percebo...

 

Há quem descubra e eu partilho...

 

 

Porém, o video que se segue é um exemplo como duas vozes, num improviso fantástico, se coadunam perfeitamente.

 

Um momento único.

 

Maria João - A forma de uma Voz

Assisti esta tarde a um concerto com a conhecidíssima cantora de Jazz, Maria João.

 

Esta senhora apresentou-se acompanhada de dois instrumentistas e durante perto de uma hora ali estive com os olhos cravados naquela figura.

 

Maria João é um exemplo de como a voz pode ter forma. Com a Jazista, a música em conjugação com a sua voz, superiormente trabalhada, a música repito, ganha outra dimensão. É uma viagem intemporal onde não se conhece o princípio e o fim.

 

Tive a oportunidade e o privilégio de dizer à cantora isto mesmo: que a voz dela tinha forma. E obviamente exagerei (será?) quando lhe referi que se naquele anfiteatro estivesse alguém completamente surdo, ainda assim ele perceberia a voz e a música.

 

A sua postura perante os sons, a forma como acompanha todos os acordes, os ritmos que se sucedem entre um fado nostálgico, um soul bem vincado e os ritmos africanos, fazem desta cantora uma referência importantíssima na música portuguesa.

 

E a maneira como falou com o público presente, serena e apelativa foi obviamente contangiante.

 

Depois de um dia de trabalho, nada melhor que Maria João para acabar o dia.

 

Divinal!

Noite

Contigo tinha de começar assim. Entro no carro e vejo-te pela primeira vez. Oiço-te pela primeira vez. Estou em suspenso, à beira da vida, à beira da morte. Regressa tudo, volta das profundezas algo que esteve, afinal, sempre à flor da pele. Estou à espera de tudo e quero tudo outra vez. Mas nada do que vai acontecer tem dois lados. Só tem o meu. Um longo mês de Junho à tua espera. Das palavras escritas que chegavam breves, pequenas, macias. Vindas de um lugar indefinido. Queria agora pedir-te para voltarmos ao princípio. Nunca nos devíamos ter encontrado. A beleza deve ficar contida, não pode irromper assim e deixar depois tudo ao acaso. Fiquei colada àquela noite, sem saída, sem nada. Noite tatuada de mil caras e nomes que não conheço. Noite em que saí ao teu encontro sem saber quem eras, quem és. Noite inventada, cantada, sem horizonte, sem pedidos, sem carências. E sem fronteiras. A tua camisa está aberta e eu fico parada, calada, sem saber o que dizer. Não posso dizer nada. Amo-te de um amor recente, onde cabem casas e palavras novas e fotografias de família e canções em línguas negras. Falemos de casas, então. Daquela em que eu quero morar. Uma casa de luz, com varanda e chão de madeira. Porque vieste ter comigo? Cantas e é o começo da alegria, podia ser o começo da alegria. Da esquiva, indomável alegria. Mas eu estou na origem da tristeza. Sei que não voltarás. Que nada voltará ao princípio. Mas eu quero, preciso dizer-te que o amor pode começar assim. Tenho o corpo ausente. Não tenho corpo antes de abraçar o teu. Fico pendurada em ti. Tanto mundo por descobrir. Pode um mundo infinito nascer do desencontro de dois mundos? Não me confundas, não me confundas mais. Durante dias sempre a mesma imagem, imutável, repetida, o obsessivo desejo de ti.

 

Decido subtrair-me a uma doçura enganadora e sei que contigo tinha de acabar assim. Antes de fechar o coração, peço-te: canta para mim outra vez.

 

Paula Azevedo

Um novo herói?

Jamais uma televisão neste mundo e no mundo ali ao lado se lembraria de um programa em directo como o que aconteceu nas minas de S. José no Chile.

 

O "parto" de 33 mineiros chilenos, retirados a mais de seiscentos metros das entranhas da Terra, foi seguido pelo mundo inteiro, com direito a imagens em directo e sem serem editadas. O drama das famílias foi sendo mostrado mas sem nunca ser exacerbado como eventualmente seria numa qualquer TV portuguesa.

 

Gostei da atitude do Presidente Chileno ao manter-se sempre presente e abraçando cada mineiro retirado como se este fosse o maior dos seus amigos. São atitudes destas que dão aos homens o carisma para serem o que são. Após um início de mandato horrível, com um sismo e um tsunami, este Presidente deu provas de estar à altura do lugar que actualmente ocupa.

 

Segui, na medida do possível, o salvamento daqueles mineiros, mas no final senti-me aliviado com aquele homem de nome Luis Urzúa, por ter finalmente chegado das profundezas da terra. Ele foi o líder, o pai, o amigo. Conseguiu manter uma disciplina dentro da mina por dezassete longuíssimos dias. Para além dos outros 32 mineiros encarcerados e de todas as pessoas que da parte de fora tudo faziam para resgatar com vida aqueles homens, só alguém com enorme bom-senso e capacidade de liderança conseguia salvar toda aquela gente.

 

Provavelmente, um dia mais tarde, este homem será alvo de um estudo sociológico, mas até lá, ele é para mim o maior de todos os heróis.

 

Dia 24 de Novembro

Aproxima-se um grande dia de luta.

 

Dito assim até parece um daqueles chavões do MRPP muito (ainda) em voga por este partido. Porém e tendo em conta que tão depressa não haverá eleições, esta parece uma forma de mostrar ao país, especialmente ao governo, quão felizes andamos com os seus actos.

Gastou o que tinha e não tinha. Criou empresas que gastam mais do que produzem e que só servem para colocar os apoiantes do partido. Derramou sobre os calões e inúteis rodos de dinheiro que eu e outros como eu pagámos...

Vivemos tempos difíceis e piores hão-de vir...

Por isso estou aqui a apresentar a minha opinião quanto à greve. Vou aderir! E sem medos!

É um direito que me assiste. E como penso pela minha cabeça e acho que não é com estes cortes que o buraco financeiro se reduz, vou lutar por aquilo que considero que é justo.

Curiosamente trabalho numa empresa que é pertença do Estado e que dá lucro. Mas mesmo assim vou levar com um corte. Parece-me obviamente injusto!

Mas pronto dia 24 de Novembro estarei em casa e pleno gozo de greve.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D