Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Crónica de uma Peregrinação a Fátima

A Fé é uma casa permanentemente em construção.

 

Introdução

Faltava-me este ano o mote para a minha crónica sobre a peregrinação a Fátima a pé. Mas Deus sabia disso e colocou na boca do padre Jorge Anselmo as palavras que eu necessitava. Assim:

 

Quarta feira dia 28 de Abril

Saímos cedo do Casal de S. Brás, Amadora, ainda não eram sete da manhã. Após uma eucaristia profunda onde o Padre Fernando nos aconselhou a deixarmos as tralhas da nossa alma à porta da capela naquela madrugada estival, lá partimos alguns em passo estugado como o destino fosse logo ali e não a 150 quilómetros. E em D. Maria parámos. Juntos pela primeira vez em comunidades, fomo-nos conhecendo, percebendo o que nos levava a estar ali. Nova paragem e desta vez o silêncio com leituras associadas que se podiam recolher num pequeno roteiro entregue quilómetros antes. O dia vem quente, demasiado quente. A água jorra pelas gargantas sequiosas. Malveira vista no mapa parece estar ali encostada a Lisboa. Um passo parece ser suficiente. Porém o negro do alcatrão é mais duro e quando chegamos aos Bombeiros estamos com algum cansaço. Almoço e regresso à estrada. Em Jerumelo a revisitação a um velho amigo, Carlos Costa de seu nome e que todos os anos ali nos saúda no seu "Vão com Deus" profundo e sentido. Nova paragem e terço até Pêro Negro onde jantamos e dormimos.

 

Quinta Feira dia 29 de Abril

A manhã está mais fresca. Arrumada a tralha dentro das malas pegamos em duas sandes e leite ou sumo e regressamos ao caminho. Uma etapa que se prevê difícil até São Quintino. Uma igreja que é monumento nacional, muito bonita no topo de uma colina íngreme. Paramos para ler laudes retiradas do roteiro. O padre Jorge vai construindo no meu coração uma fé que até aqui ainda não tinha consciência. Quilómetros mais à frente nova paragem para reabastecimento. Neste caso uma bela surpresa: sandes (que belo pão!!!), bolos espectaculares, iogurtes, enfim muita comida... O café caiu que "nem ginjas". Logo de seguida a Via Lucis lida com calma enquanto a paisagem se desdobrava em diversos tons de verde. No caminho as saudades do Padre Jorge. Momentos muito, muito belos. Em Ribafria almoço e partida para Meca. Tive o privilégio de passar os quatro quilómetros a conversar com o Padre Carlos, visita inesperada. Uma mente brilhante que me ajudou a esclarecer muitas dúvidas. A missa na Basílica de Meca presidida por este padre teve o condão de me acordar para outros desígnios. No cimo já a caminho da Ota novamente o terço. A segunda etapa estava cumprida. A fé ía-se reconstruindo, devagar...

 

Sexta Feira dia 30 de Abril

A estrada é perigosa. Os camiões e os carros ligeiros passam a grande velocidade. Por vezes um buzinão aqui e ali vai alegrando os peregrinos que seguem em fila indiana. Após paragem para café abraçamos um caminho de terra batida longe da estrada. Nova paragem para leituras e reflexão sobre um texto bíblico. Fazemo-nos ao caminho até Tagarro onde o reforço alimentar nos esperava. Novo texto e momento de silêncio. É necessário interiorizar o que se leu. Reflectir profundamente. A estrada surge longa, despida de trânsito é certo, mas muito monótona. Após uma curva eis outra que surge. De recta em recta, de metro a metro lá vamos caminhando até à Asseiceira. Quando a placa aparece renasce a esperança e a alegria. Mas aquela recta final… Ui parece não acabar nunca. Almoçamos e saímos em comunidades para a estrada a fim de rezarmos o terço. Quando se acabou de rezar estávamos em Rio Maior. Após banhos massagens e jantar a eucaristia e regresso ao pavilhão onde os sacos cama nos esperavam.

 

Sábado dia 1 de Maio

Um pó de chuva caia de mansinho. As dúvidas surgiram: resguardo? sim ou não? Houve ambas as soluções rapidamente abandonadas para dentro dos carros de apoio. Nas Fráguas a primeira paragem. Num velho café onde a idade e o destreza do dono não nos deixava antever grande resposta. Depois reforçamo-nos espiritualmente com as laudes e partimos para Alcanede. Aqui houve reforço alimentar, leituras seguidas de silêncio. O almoço aguardava-nos em Amiais de Cima. De estômago cheio, pés tratados e a alma repleta fizemo-nos ao caminho. Uma breve paragem para reunir as comunidades e rezar o terço. Entrámos na pequena povoação de Monsanto a rezar o Rosário. No largo da igreja aguardou-se por todos e todos juntos partimos para o Covão do Feto. Aqui chegados vieram os banhos rápidos, o jantar desta vez em pratos de loiça (um luxo) e acabou-se com a missa na pequena capela do Covão do Feto que quase rebentava com tanto peregrino. A noite estava fria, muito fria.

 

Domingo dia 2 de Maio

A serra surgia como o maior obstáculo a ser ultrapassado. Mas todos passaram o desafio com maior ou menor dificuldade. Descida para Minde e nova subida para Covão de Coelho onde num pequeno parque se leram as laudes. O almoço seria a próxima paragem. Uma t-shirt vermelha colocava-nos na estrada todos juntos. Rezámos o terço e entrou-se no Santuário a acabar a oração a Maria. Na capelinha das Aparições ajoelhamo-nos e foi um ror de lágrimas. De alegria, de emoção, de fé. Chegados perto de Mãe Santíssima só se pode mesmo chorar. Tal é a força, tal é o mistério de Cristo. Na eucaristia final o Padre Fernando de regresso ao convívio dos seus paroquianos viu-nos felizes, limpos quase imaculados. Depois a primeira comunhão de dois peregrinos. Um momento emotivo… Já na rua os abraços e as despedidas. Cinco dias passados e vividos intensamente. A fé construíra a sua casa. Agora é necessário mantê-la. Que Deus nos ajude.

 

Reflexão final:

“Quanto mais sofro nesta peregrinação mais limpa fica a minha alma” este podia ser o resumo de toda esta jornada de fé. Porém é necessário mais que sofrimento físico e/ou psicológico. É preciso amar os outros, dar aos outros, despirmo-nos das nossas melhores vestes, viver com os outros, para tomarmos realmente consciência da nossa pobreza perante a obra de Deus.

 

A Fé é uma casa permanentemente em construção.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D