Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

O meu livro...

Ando longe da minha escrita. O meu livro vai vadiando pelas ruas das cidades a coberto de uma pasta. Escondeu-se ali vai para umas semanas e não quer sair nem por nada. Anda triste, ligo-lhe pouco. è evidente que ele requer mais atenção, mas neste momento ando longe de ser capaz de lhe dispensar tempo. A minha cabeça anda noutros mundos, noutros projectos (ainda não acabei este e já estou a pensar em outras coisas). Gostava de lhe dedicar mais atenção como ele merece mas sinto que estou longe desse tributo.

Pode ser que um destes dias...

A morte de Michael Jackson

A morte prematura aos 50 anos do famosíssimo cantor pop não me espantou. Ele é um mau exemplo do que a indústria discográfica constrói, usa e depois deita fora. Suportando-se na belíssima voz e num espectáculo cénico admirável MJ tornou-se um ícone para a juventude. Hoje apenas servia para alimentar advogados, incapazes de o resguardarem dos jornais e das televisões que se alimentavam da sua pessoa, quais abutres, essencialmente agora pelos piores motivos.

O grande problema destas figuras é que se rodeiam de elementos que apenas os instigam a tornarem-se invulgares, como isso fosse o mais importante. MJ não necessitava de ter feito as operações para ficar branco. Nem tinha necessidade de viver numa câmara onde o oxigénio era quase puro e sem raios solares.

MJ bastava ter tido consciencia da sua voz porque ela sim era invulgar e colocava-nos naqueles longícuos anos 80 a dançar mal se ouvia a voz dele a cantar.

Tenho saudades desses tempos, mas terei muito mais saudades do MJ que cantava Billy Jean duma forma maravilhosa.

Cidadania II

Podem chamar aos ingleses o que quiserem: arrogantes, fleumáticos, frios... enfim. Porém eles demonstram em pequenas coisas uma postura fantástica, de pessoas  com uma visão mais abrangente e menos mesquinha.

Tem este preambulo ligação directa com o concurso "Britan's got Talent". Surgiu em Abril passado no Youtube a actuação de Susan Boyle, uma mulher vinda das profundezas da Escócia. De formosura e beleza duvidosa porém pura e sincera, esta "senhora" empurrou todos (ou quase todos) que a viam para o mais profundo do seus lugares. Da sua boca a música saía como água da fonte. Foi um momento inesquecível!

Hoje lembrei-me uma vez mais dessa senhora e procurei novidades. Vi a meia-final onde a escocesa cantou o tema "Memory" do musical Cats. Nova ovação com a sala rendida àquela belissíma voz. Mas o que mais me surpreendeu foi a opinião de um dos júris do concurso e que dá pelo nome de Simon. Este tem um ar bravo, sempre disposto a não perdoar qualquer falha, mesmo ao estilo britanico. Mas deste homem ouvi publicamente e ainda antes de dar a sua opinião sobre a actuação de Susan Boyle, um pedido de desculpas pela forma como ele a tinha tratado na primeira vez que a senhora tinha actuado perante aquele publico. E pareceu-me que foi sincero e coerente.

Este tipo de atitude só enobrece quem a tem. Em Portugal dificilmente veríamos tal coisa.

Chama-se a isto cidadania e urbanidade. Passa para além da educação e formação. Algo que em Portugal é impensável ver-se e muito menos num programa em directo com milhões a assistir.

Reflexões para um Verão

O Verão está aí a chegar. Com ele regressam as férias, os dias longos, o calor. Os políticos amenizam-se nas críticas ao governo e a outros da sua igualha, As contestações esmorecem, as telenovelas acabam, o futebol vai para defeso, as escolas quae que encerram, enfim até Setembro o país quase que pára.

Vão ser três meses em que passamos a viver a meio gás. Ligamos para qualquer instituição para resolver um problema e respondem-nos de lá:

"- O senhor Fulano está de férias. Só ele é que pode resolver esse problema."

É evidente que no mês seguinte somos nós que vamos de férias e assim o problema fica adiado até depois do Verão.

Este é um país que trabalha 9 meses, apenas.

Assim, a crise que em Portugal sempre existiu (não foi o ano passado que ela começou), viverá neste rectangulo como muito bem gosta. No meio da desorganização, do desvario e da incompetência. Só gostava de perceber quem é que ganha com esta atritude tão irresponsável dum país tão pequeno mas sempre colocado em bicos dos pés tentando chegar a um nível onde outros países já não estão...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D