Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LadosAB

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Espaço de reflexões, opiniões e demais sensações!

Sociedade “orwelliana”

 

Se Portugal inteiro cumprisse à risca o que está na nossa legislação talvez fossemos um país claramente diferente. Para melhor!

Mas como neste naco de terra à beira mar plantado o que vale é a xico-espertice a legislação só serve para alimentar algumas polémicas e quiçá, encher alguns bolsos de causídicos.

Vem a este propósito algumas regras sobre a forma como se pode ou deve pagar com dinheiro. E quando falo em dinheiro é esse mesmo: as notas e as moedas.

Segundo a lei 92/2017 de 22 de Agosto passou a haver limites no pagamentos com dinheiro. Diz a lei que o máximo serão 3000 euros, por exemplo, para pessoas singulares.

Vejamos então este breve exemplo: façamos de conta que consigo todos os meses poupar, do dinheiro que vou levantando no decorrer de um mês, cerca de 50 euros. Se multiplicar este valor pelos meses de um ano terei ao fim deste tempo 600 euros poupados em notas. Se a este valor juntar a mesma quantia durante 10 anos, eu terei poupado, ao fim uma década, cerca de 6000 euros. Que são naturalmente meus, provenientes do meu vencimento e que por opção não gastei.

Então um dia decido comprar aquele quadro que tanto gostei. Chegado à galeria terei este diálogo:

- Boa tarde, cumprimenta a dona da galeria.

- Boa tarde… gostaria de comprar aquela tela.

- Com certeza. Sabe quanto custa?

- Cinco mil euros…

- Ora bem. Eis aqui o dinheiro para pagar.

A senhora da galeria olha para o maço de notas de 20 euros e diz:

- Não posso aceitar esse dinheiro porque é proibido por lei.

Então parto e deixo o quadro por comprar prejudicando deste modo a galeria, a mi e a economia.

Uma vez mais a lei tenta providenciar algo que eu realmente ainda não entendi. Dito numa versão mais simpática: não sou já dono do meu dinheiro nem posso fazer com ele (leia-se comprar) o que me der na real gana, mesmo que o graveto seja oriundo das minhas poupanças.

Esta tentativa da limitação dos dinheiros começa a ser quase doentia. A vontade de controlar é tanta que depois surgem alguns “papers” espalhados por offshores mundiais e dos quais o Estado viu… zero em impostos! Vá lá saber-se como aconteceu.

Porém é sempre o desgraçado do pobre que poupa e não gasta o visado.

George Orwell acertou na filosofia desta nova sociedade. Enganou-se unicamente no ano.

               

Bons exemplos: Raríssimos!

Já escrevi algures por aí que uma demissão não elimina por si só um problema. Será uma das consequências, mas terão provavelmente de haver outras, sejam elas políticas, cíveis ou até, se for caso disso, criminais.

Recordo aqui que em 2001 e não obstante ter-se demitido, Jorge Coelho na altura da queda de Entre-os-Rios deveria ter assumido mais responsabilidades já que, segundo alguns autarcas da região, o Ministro sabia do estado da Ponte e nada fez para evitar o acidente.

Temos hoje um secretário de estado com “rabos-de-palha” associados à Raríssimas e que pede a demissão quase ao mesmo tempo da Presidente daquela entidade de ajuda. E não é pelo senhor Ministro ter mandado fazer averiguações que Vieira da Silva não deverá tirar as óbvias conclusões do seu lugar no Governo. Muito longe disso…

Nem sequer imagino se fosse PPC o primeiro Ministro com um caso destes… Provavelmente já teríamos manifestações e outras formas de luta por parte dos “geringonços”.

A classe política lusa continua demasiada amadora nas suas acções de “bas-fond”, pois esquece-se de que o país é demasiado pequeno para tantos políticos que nunca trabalharam nem imaginam o que isso seja. E claro onde impera outrossim a inveja e a hipocrisia.

Não quero com estas palavras defender uns e atacar outros. Gostaria, ao invés do que se possa pensar, repito gostaria que nunca chegássemos a este ponto quase sem retorno.

Não é bom para a nossa sociedade e muito menos para o país!

Ano de 2017!

Aproxima-se a passos largos o fim do ano. Daí que seja agora o momento ideal para falar das figuras e acontecimentos que se destacaram em 2017, sejam pelas melhores razões ou, na maioria, pelas piores.

 

Figura Internacional: Donald Trump - obviamente pelas piores razões. Dificilmente um Presidente dos Estados Unidos conseguiu em pouco tempo agremiar tantos inimigos;

Figura Nacional: António Costa - mais um que é aqui colocado mas não pelas razões mais simpáticas. Lidou muito mal com os incêncios de Verão tendo todavia o mérito de colocar a esquerda encostada às cordas;

 

Figura desportiva Internacional: Cristiano Ronaldo - ganhou como atleta (quase) tudo o que havia para ganhar;

Figura desportiva nacional: Nélson Évora - Venceu a prova de triplo salto nos campeonatos Europeus e Pista Coberta realizados em Belgrado;

 

Acontecimento InternacionalAtentados - seja em Manchester, Londres, Barcelona, Estocolmo ou em qualquer outra região do Mundo esta forma de guerrilha continua a matar muitos inocentes;

Acontecimento NacionalOs incêndios de Verão - a forma incapaz e incompetente como o governo lidou com a situação provou à sociedade que a geringonça não estava justamente preparada para lidar com os tristes acontecimentos.

 

Revelação do AnoNádia Piazza - uma mulher que deu a cara por um projecto (leia-se Associação de Vítimas do Incêncio de Pedrogão Grande) que espero e desejo que nunca seja esquecido!

 

A cidade e as serras - Após temporal

A capital não se dá bem com temporais, quanto mais tempestades.

Ou como diria alguém porque será que as tempestades mais graves tem nome de mulher?

Seja como for Lisboa após uma noite de muito vento e alguma chuva acordou quase soterrada por ramos das célebres jacarandá, conforme imagem infra.

Olhando para a situação diria que a nossa bela cidade não está preparada para este tipo de árvores, muito grandes mas pouco sólidas.

Por isso e muito perto do meu local de trabalho encontrei hoje, logo pela manhã, grande azáfama de trabalhadores camarários.

Claro que quem pagou foi o trânsito.

 

mautempo_lx_2.jpg

 

Fim de semana de fogo

Literalmente!

Aproveitei este fim de semana húmido mas pouco chuvoso para queimar alguns inertes da agricultura que sobraram da altura a azeitona.

A lenha estava tão seca que bastou uma breve igniçao para logo o fogo atear e arder toda a lenha em breves minutos. Só para mostrara a diferença para outros anos, o trabalho que fiz numa manhã, noutros anos demora horas a fazer.

Pior foi a aldeia que ficou cheia de cinza, tal foram as quantidades de fogueiras que fiz.

Mas tudo aconteceu na maior segurança e sem colocar nada em risco.

Assim mais um fim de semana trabalhoso e de fogo.

A grande seca

Hoje regressei à Beira Baixa. Palmilhei as fazendas e fui queimando os inertes que havia deixado aquando da apanha da azeitona. O frio era muito, mas o tempo estava seco, muito seco. Tão seco que nem necessitei de activar as fogueiras. Bastou um pequeno fósforo para num ápice a montanha de rama de oliveira ficar reduzida a cinzas. Foi meia dúzia de fogueiras que, em anos anteriores duraria o dia inteiro para queimar e que este ano bastou um par de horas. Depois a charca que no fim do Verão baixa a sua capacidade e que este ano está quase sem água. Mas pior que tudo é uma mina que nunca vi secar e que este ano deixou completamente de deitar água. A grande seca está a atingir níveis impensáveis. Entretanto parece que amanhã já chove. Aguardemos!

Porque não te calas?

Se um dia o Trump acordasse mal disposto e dissesse: Olivença é portuguesa... seria que alguém em Espanha o levaria a sério?

E Portugal passaria a ser legítimo dono daquele naco de terra, só porque o Presidente norte americano o afirmou?

Todos sabemos as respostas a estas perguntas.

O mesmo se devia passar em Jerusalém. a cidade mais idolatrada do Mundo, já que judeus, católicos e islamitas a consideram santa, mesmo depois das idiotas declarações de Trump.

O pior nisto tudo é que todos, mas todos sabemos que o Médio-Oriente é um paiol de pólvora pronto a rebentar... Faltará somente a ignição. Foi então o que fez o actual Presidente Americano.

Totalmente descabido e inaceitável que um chefe do Estado estrangeiro venha dizer ao mundo qual a capital de um qualquer país.

Se para uma nação dita normal já seria ingerência, quanto mais naquela zona do mundo onde um mero espirro pode ser suficiente para rebentar um conflito.

Todavia o que mais me preocupa é a forma como o loirinho Trump diz as coisas sem pensar nem pesar as respectivas consequências. Era tempo do antigo monarca Juan Carlos dizer o que disse certa vez a Nicolas Maduro:

"Porque não te calas?"

Ricas divagações

A morte de Belmiro de Azevedo trouxe ao de cima o pior de alguns partidos políticos. Gostassem ou não da postura do antigo dono da SONAE, certo é que este criou fortuna à custa de muito trabalho. Seu e de muitos empregados que para ele trabalharam.

E é aqui que “a porca torce o rabo” já que vi escrito que Belmiro foi o patrão que mais violou os direitos dos trabalhadores. Não sei se esta acusação faz sentido, mas tomando-a como verdadeira mesmo assim não se pode nem deve tirar o mérito a quem criou milhares de postos de trabalho, fomentando com isso riqueza para as pessoas e consequentemente para o país.

No entanto, há ainda quem, na política, viva permanentemente agarrado a velhos dogmas e a teorias sem sentido como se ainda vivêssemos no século XIX, considerando que um empregador é sempre um alvo a abater.

O mundo evoluiu muito e a uma velocidade estonteante criando mais gente rica e ao mesmo tempo um maior e evidente desnível entre ricos e pobres.

Com estes dados é fácil perceber que o Mundo só poderá ser um local bem melhor quando acabarem… os pobres. Mas para isso serão necessários os ricos e os seus investimentos. Aproveitar a riqueza para criar mais riqueza.

Daí existirem Belmiros, Amorins ou Soares dos Santos.

Mas isto sou eu a divagar. Ou, quem sabe, não!

A loucura dos milhões… dos outros

Li algures por aí que o jogador Messi vai ganhar no próximo contrato com o seu clube Barcelona mais 14 milhões de euros por época que Cristiano Ronaldo.

A verdade é que esta diferença de dinheiro é simplesmente muuuuuuito mais do que aquilo que eu ganharei nesta vida e em mais outras 10 vidas que jamais viverei.

Há quem não tenha noção real do que é esta quantidade de dinheiro em notas. Todavia eu, que entrei em muitas casas fortes, recheadas de papel-moeda até acima, tenho perfeita noção do volume de dinheiro que correspondem aqueles milhões.

 No entanto há uma pergunta que sempre fica a pairar quando leio estas notícias: que farão estes artistas da bola ao dinheiro que recebem?

Sei que alguns investem, outros gastam em carros e uns sustentam a família até à décima geração, mas sinto que estes valores, badalados como se de uma promoção se tratasse, são verdadeiros atentados à maioria das pessoas que ganham pouco mais que o salário mínimo ou por vezes nem isso.

Mas isto não interessa nada. O que realmente conta é saber qual o jogador mais bem pago do mundo.

Será que estamos todos loucos?

Os inimigos de Mário Centeno

A notícia era já esperada, mas só a à segunda volta é que o nosso Ministro das Finanças foi eleito Presidente do Eurogrupo, lugar que assumirá somente em Janeiro próximo.

Posto isto vamos ao reverso da medalha desta nomeação. Verdade, verdade é que Centeno arranjou assim de um momento para o outro e quase sem saber uma série de inimigos contra os quais vai ter que lutar.

O primeiro é… Mário Centeno, o actual Ministro das Finanças de Portugal. Dificilmente a relação entre eles será pacífica. E piorará se de um momento para o outro a crise económica, semelhante à de 2008, reaparecer. Estão a imaginar o Presidente do Eurogrupo a impor medidas ao Ministro das Finanças Mário Centeno? Que trapalhada…

O segundo inimigo será António Costa que anda todo emproado com esta nomeação, mas decerto não gostará daquilo que o novel Presidente do Eurogrupo terá reservado para Portugal. Um choque de interesses com contornos ainda pouco visíveis.

Depois a restante geringonça que vê nesta nomeação um eventual retrocesso às conquistas de Outubro de 2015.

Finalmente o eleito terá como inimigo o PR, Marcelo Rebelo de Sousa, que naquele seu ar metediço vai estar atento ao trabalho do actual Ministro das Finanças. Ele mesmo já avisou a Praça do Comércio...

Em suma… um espartilho muito mas muito apertado para um Centeno muito, talvez demasiado, optimista.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D